5 desastres enormes causados ​​por idiotas

Publicado no Hypescience

Cada um de nós já fez uma ou outra besteira no trabalho. Até aí tudo bem. Alguém pode ter recebido o café errado, ou um formulário foi enviado por engano, ou talvez você tenha ido longe demais na festa de final de ano da firma. Acontece. Mas não é como se suas pequenas gafes no local de trabalho fossem grandes desastres. Você não falta um dia e causa um colapso financeiro ou comete um crime de guerra ou algo assim. Sorte sua. As pessoas abaixo não podem dizer o mesmo.

5. O guarda que jogou fora uma ponta de cigarro e explodiu… tudo

desastres-enormes-causados---por-idiotas-5-838x629

Foi uma década e meia após o colapso da União Soviética, mas a Ucrânia ainda não tinha se livrado das 90.000 toneladas de mísseis e ogivas que sobraram da Guerra Fria. Os militares reuniram tudo na cidade de Novobogdanivka, e os guardas responsáveis ​​pelas armas – supostamente para ajudar a lidar com o estresse de vigiar uma desgraça iminente – escolheram fumar durante os seus turnos. Mas em vez de fazer pausas e caminhar para o fumódromo que cada local de trabalho tem, os guardas optaram por fumar ali mesmo no depósito… com 90.000 toneladas de explosivos.

Alguém jogou uma bituca de cigarro por lá e perto de 60.000 toneladas de explosivos que estavam no estoque do depósito subiram em uma gigantesca bola de chamas. Bombas explodiram, foguetes e ogivas dispararam em todas as direções, e estilhaços voaram até 25 quilômetros de distância. No auge do desastre, houve uma nova explosão a cada dois segundos.

4. O técnico que remendou uma atualização e congelou um dos maiores bancos do planeta

desastres-enormes-causados---por-idiotas-4-838x374

Em junho de 2012, cada computador do Royal Bank of Scotland de repente parou de funcionar: caixas eletrônicos foram congelados, contas desativadas – basicamente tudo o que fazia dele um banco, ao invés de uma prisão para o dinheiro, quebrou.

Não, isso não é uma sinopse de enredo de Duro de Matar 6. Também não era um assalto, ou um ataque terrorista, ou qualquer coisa do tipo. O software de processamento do banco precisava de uma atualização de rotina. O RBS passou a tarefa supostamente simples para um técnico inexperiente, e descobriu que essa não foi uma boa ideia. Depois de cometer um erro comum e não fatal, o técnico decidiu tentar novamente. Então, ele cometeu o erro fatal de apagar tudo. A fila de agendamento inteira do sistema do RBS foi deletada, o que significa que, na prática, o dinheiro não existia mais.

Embora a paralisação tenha durado apenas alguns dias, isso é uma eternidade no tempo financeiro. O RBS não é uma cooperativa de crédito qualquer – é um dos maiores bancos do planeta, com trilhões de dólares em ativos e filiais em todo o mundo. E tudo desabou porque um cara ingênuo do suporte técnico não foi ao Google para verificar os primeiros passos. Eventualmente, tudo voltou ao normal – após o RBS “comer” todas as incontáveis taxas de cheque especial ​​efetuadas pelos seus clientes – e todo mundo aprendeu uma importante lição: se você selecionar todo o sistema operacional e clicar acidentalmente em “apagar”, tente não clicar em “salvar” depois.

3. O engenheiro que fez um hotel inteiro desabar

desastres-enormes-causados---por-idiotas-3-838x592

Às 11:24 de 15 de março de 1986, o Hotel Novo Mundo, em Cingapura, funcionava normalmente. Às 11h25 de 15 de março de 1986, era uma pilha gigante de escombros. Levou menos de um minuto para uma torre de seis andares cair como se fosse feita de areia.

Os investigadores que procuraram a causa dessa catástrofe ficaram perplexos. Durante meses, eles não acharam nada – bombas, erros nos projetos, nenhum hóspede furioso com os preços do frigobar. Finalmente, os pesquisadores examinaram a fundação do edifício e descobriram que ela basicamente não estava lá. Você já procurou em todos os lugares pelas chaves do carro, apenas para descobrir que elas estavam o tempo todo em sua mão? Às vezes, as coisas óbvias são as mais difíceis de detectar.

Tecnicamente havia uma fundação, é claro. O problema é que ela não fazia nenhuma das coisas que uma fundação supostamente deve fazer. Ao projetar a estrutura de um edifício, dois tipos de peso devem ser contabilizados: a “carga viva” – as pessoas, móveis, máquinas e outras coisas dentro do prédio – e o “peso morto”, também conhecido como o próprio prédio. Ambos são importantes, mas se por acaso um engenheiro fosse forçado a escolher entre os dois, ele escolheria o peso morto. Supõe-se que alguém pense em suportar o peso do edifício quando se está construindo a coisa cuja única função é suportar o peso do edifício.

Não foi o caso. O construtor simplesmente esqueceu de adicionar o peso morto em seus cálculos. Ou seja, o Hotel Novo Mundo foi construído para suportar qualquer coisa, menos o próprio hotel. O que é ainda mais surpreendente é o fato de que o edifício tinha 15 anos. Ele deveria ter tido um colapso sob seu próprio peso, mas sobreviveu por uma década e meia, contra todas as probabilidades.

2. O piloto americano que bombardeou acidentalmente os Estados Unidos

desastres-enormes-causados---por-idiotas-2-838x695

Patrick Murphy era um americano que gostava de combates aéreos. Ao ver as forças rebeldes no Naco combatendo o governo mexicano, durante a Guerra dos Cristeros, na década de 1920, ele decidiu que eles poderiam usar um pouco de ajuda extra. Ou, mais precisamente, ele decidiu que eles provavelmente poderiam pagar por sua ajuda extra. Assim, ele carregou seu avião agrícola com bombas artesanais rudimentares e ofereceu seus serviços à causa.

Foi contratado, uma vez que não havia muito espaço para escolhas, aparentemente. Mas Murphy não estava pilotando um jato com mísseis de precisão – ele estava em um avião agrícola lançando bombas com a mão. Ele só tinha que se inclinar para fora do avião e jogar coisas. Quão difícil pode ser isso? Contanto que ele não ficasse tão chapado a ponto de acidentalmente bombardear o Arizona. A essa altura você já deve ter percebido que foi exatamente isso que aconteceu.

Naco tem um lado americano e um lado mexicano, e Murphy fez uma asneira tão grande que tecnicamente cometeu um crime de guerra contra o seu próprio país.

Ninguém morreu, e apenas uma pessoa ficou ferida, de modo que o exército norte-americano apenas desativou o avião de Murphy e o prendeu quando ele tentou entrar no país. Ele poderia ter sido acusado de traição, ou tentativa de homicídio ou, pelo menos, de embriaguez aérea pública – mas não, ele apenas ficou preso por pouco tempo. Especula-se que Murphy deve ter sido um patife bastante amável para ter a mão passada na cabeça depois de bombardear o país errado.

1. O Banco que perdeu US$ 10 milhões porque os funcionários não conseguiam memorizar um código

desastres-enormes-causados---por-idiotas-1-838x559

Nos filmes de assalto, os bancos de elite possuem uma segurança tão extrema que os criminosos arrojados tentam ultrapassar as barreiras apenas pelo desafio. O Security Pacific National Bank em Los Angeles não era um desses bancos.

Em 1978, os bancos tinham coisas chamadas “códigos de transferência”, que eram necessários para enviar o dinheiro para dentro ou para fora do banco. Se você sabia qual era, tudo o que tinha a fazer era ligar para o banco, dar o código, solicitar uma transferência de fundos, e fazer qualquer outra coisa da vida ao invés de necessariamente ir até o banco. O código era absolutamente vital. O código era imensamente valioso. O código era o segredo mais bem guardado do banco. O código foi escrito em um pedaço de papel e colocado na parede da sala de transferência.

Ainda assim, não é como se os clientes entrassem na sala de transferência – somente funcionários de confiança eram autorizados lá. Funcionários de confiança e quaisquer outros que fossem contratados aleatoriamente através dos classificados, aparentemente. Um reparador de computador chamado Stanley Mark Rifkin estava na sala de transferência do SPNB arrumando um hardware quando percebeu que os criminosos são apenas as pessoas que realmente gostam de dinheiro e são capazes de pegá-lo. Ele realmente gostava de dinheiro e, adivinha, ali estava ele, com a faca e o queijo na mão para de fato pegar o dinheiro.

Rifkin memorizou o código e foi até o saguão, onde usou um telefone público para ligar para a mesma sala de transferência em que estava, se identificando como Mike Hansen, do Departamento Internacional, e solicitando mais de 10 milhões de dólares a serem transferidos para uma conta em outro banco.

Rifkin não roubou milhões por impulso – ele tinha um plano elaborado sobre a forma de lavar o dinheiro que envolvia diamantes, a Rússia e contas bancárias suíças. Mas a história principal é bem simples: Rifkin viu um pedaço de papel, memorizou um número, andou talvez uma centena de metros, fez um telefonema e ficou 10 milhões de dólares mais rico. Na época, foi o maior assalto a banco na história americana.
Sabe aquele post-it com seu login e senha preso em algum lugar da sua mesa? Rasgue-o. Pare com isso.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for 5 desastres enormes causados ​​por idiotas

Deixe o seu comentário