Presidente do PT no Rio prega ‘porrada’ contra adversários

pt-porrada

Publicado em O Globo

Horas depois de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fazer um discurso no Rio de Janeiro pedindo que os petistas não fujam do embate com a oposição mesmo que para isso tenham que recorrer à briga, o presidente do PT fluminense, Washington Quaquá, seguiu a mesma linha, defendendo publicamente “a porrada”. Em seu perfil no Facebook, o petista que também é prefeito de Maricá convocou a militância a “pagar com a mesma moeda” dos “burguesinhos” qualquer ataque que sofrer. “Agrediu, devolvemos dando porrada!”, propôs.

Na tarde de terça-feira, uma manifestação feita em frente à sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Rio, em favor da Petrobras, terminou em tumulto, com socos e pontapés. De noite, um vídeo postado nas redes sociais mostrava o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega sendo hostilizado no saguão do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, enquanto internava sua mulher.

Nesta quarta-feira, Quaquá afirmou que a mensagem que publicou no Facebook foi a forma que encontrou para mostrar descontentamento com o grupo que havia hostilizado o ex-ministro. O petista lembrou que Mantega apenas acompanhava a esposa, a psicanalista Eliane Berger Mantega, que faz tratamento de um câncer na unidade. No entanto, de acordo com Quaquá, o comentário, que começou como desabafo, “terminou com um recado político”.

– Acompanho o drama que Mantega enfrenta com o câncer de sua mulher. Há dois anos ele quis deixar o governo para tratar dela, mas permaneceu. Foi desumano o que fizeram com ele, que estava num hospital da pequena burguesia paulistana – disse Quaquá: – Quanto aos palavrões que escrevi (na internet), eles mostram minha revolta. Sou sociólogo e professor. Nasci na favela. Falo a linguagem do povo. Não estamos defendendo que o PT saia dando socos e porradas sem motivo, mas, se derem o primeiro soco, devemos responder com dois.

Na postagem, o petista acusa os adversários de falso moralismo e de “quererem achincalhar um partido (PT) e uma militância.” O comentário do presidente regional do PT é acompanhado da foto de Mantega e do link de uma reportagem sobre o corrido no hospital.

Centrais sindicais e movimentos sociais, como o MST, promoverão, por sua vez, no dia 13 de março, atos em diferentes cidades do país em defesa da Petrobras. O maior deles deve acontecer em São Paulo, na Avenida Paulista, às 15h. Há a expectativa de que o ex-presidente Lula participe da manifestação, já que na terça-feira, durante evento em defesa da Petrobras, o petista disse que compareceria se fosse convidado.

Os atos que sindicalistas e MST programam ocorrerão dois dias antes de uma série de manifestações agendadas pelas redes sociais em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, e o líder do MST, João Pedro Stédile, estarão no ato em São Paulo.

– Temos de voltar às ruas no dia 13 de março para dizer que a Petrobras é nossa e ninguém tasca – disse Stédile no ato em defesa da estatal realizado terça-feira, no Rio.

Kelly Masort, da direção nacional do MST, afirmou que o ato terá três eixos: defesa da Petrobras, dos direitos dos trabalhadores e pela reforma política. O movimento é a favor, por exemplo, do financiamento público de campanha.

– Nessa mobilização, acreditamos que a melhor forma de enfrentar a direita é na luta dos direitos e não numa defesa cega do governo Dilma – avaliou Kelly: – O nosso ato está locado nesses três eixos e como enfrentamos esse pensamento conservador. Não sabemos que força têm essas manifestações do dia 15 (pelo impeachment de Dilma). Ano passado, já tiveram passeatas bastante esvaziadas. Nossa impressão é de que o povo brasileiro sabe o quanto foi difícil a conquista da democracia. Acreditamos que isso (o movimento pela saída de Dilma) não tende a crescer – afirmou Kelly, sobre os protestos que ocorrerão dois dias depois do ato pela Petrobras.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Presidente do PT no Rio prega ‘porrada’ contra adversários

Deixe o seu comentário