A verdade que liberta

caleidosco

Ricardo Gondim

Houve tempo em que me encantei com o otimismo. Me sinto constrangido de reconhecer que acreditei na sorte como bumerangue: a gente arremessa os desejos adiante e, belo dia, eles voltam premiados pela deusa Fortuna.

Incentivei auditórios a cantar em ritmo frenético: “Vai dar tudo certo, em nome de Jesus”. Prometi em palestras e sermões grande reviravolta na história de todos ali presentes. Com o passar do tempo percebi, apesar de toda a minha boa vontade – e de todo o pensamento positivo das pessoas – as tais guinadas não aconteciam frequentemente. Nem tudo dava certo.

Tive amigos que agonizaram, carcomidos de câncer, prematuramente. Outros foram à bancarrota. Celebrei casamentos que terminaram em divórcio. Continuei a repetir jargões ufanistas sem levar às últimas consequências as minhas afirmações. Lamento a infantilidade de perceber a existência como homogênea, previsível, nos trilhos. Fui simplista. Pior, minha história de sucesso se deveu, também, por capitalizar sobre as ilusões. Eu sabia, mas negava, o que Francisco Azevedo escreveu: “A vida é caleidoscópio. De nada adianta girarmos o cilindro devagar. Tanto cuidado para quê? Quando menos esperamos, cacos de vidro desabam uns nos outros e formam o imprevisível desenho”.

Agora noto que não estava só no esforço de lucrar com frases de efeito sobre sucesso, prosperidade e segurança. Políticos e conferencistas motivacionais se somam a líderes religiosos na repetição de clichês sobre a vida feliz – na verdade, esses discursos idealizados servem apenas para fortalecer a eles mesmos.

Nenhum ufanista é ingênuo. Os interesses que escondem são perniciosos e as consequências, desastrosas. Mulheres azedam na vida porque alguém lhes promete que Deus (ou Santo Antônio) traz marido “no tempo certo”. Empresários desesperam porque alguém assegura que “o Senhor não permite que seus filhos fracassem nos negócios”. Pais e mães se arrasam, existencialmente, por jamais cogitarem que Deus “permitiria” a morte de um dos filhos – “uma família piedosa e obediente sempre pode contar com os livramentos do Senhor”.

É triste notar multidões acorrentadas às promessas que “um dia chegarão” – mas não chegam nunca. Não há como evitar a revolta de ver pessoas creditando dificuldades e agruras aos “paradoxos do divino ”, ou aos “mistérios insondáveis de Javé”.

Quem lucra com o triunfalismo? As revistas de fofoca, com seus conselhos de auto-ajuda, os televangelistas com seus milagres abundantes e as religiões que promovem crença no Deus  intervencionista – o mesmo que vez por outra vem em socorro de problemas cotidianos; ganham também os políticos personalistas – messiânicos – que se projetam como salvadores da pátria.

Mikahil Bakunin, o teórico político russo, afirmou que um ser onipotente como grande resposta para nossos dilemas existenciais gera parasitas:

Se ele faz parte da categoria dos homens fortes e dos políticos inteligentes, será um espertalhão que se aproveitará da imbecilidade e da crueldade das massas ignorantes, tanto para seu interesse pessoal quanto para aquele de sua casta, de onde retira sua existência e sua força.

O dia a dia acaba esvaziando o discurso triunfalista. Por mais que charlatões –  e canastrões – prometam cura, em um país com um sistema de esgoto precário, crianças vão agonizar com diarreia nas comunidades pobres. Embora se repita, nos ambientes religiosos, que os anjos estão ao dispor dos crentes, se falta ambulância na periferia das grandes cidades, gente vai morrer à mingua. Não adianta clamar aos céus para ganhar uma blindagem extra, se professores da rede pública são subvalorizados e o Estado corta verba para a educação. Sem escola de qualidade, o ciclo vicioso ignorância-desemprego-miséria-violência se perpetua.

A vida de muitos simplesmente não se tornará um sucesso. A estrutura econômica do Brasil, assimétrica na distribuição da riqueza e na manutenção dos privilégios de poucos, não permite que o pobre suba pelas malhas da inclusão social. Oligarcas nunca se mostram dispostos a abrir mão de seus benefícios (basta ver a miséria do Maranhão, por décadas feudo de uma família poderosa).

Uma geração inteira de judeus não conheceu a terra prometida. A história se repete trágica: homens adoecerão antes de conseguirem recuperar suas empresas; mulheres não vão mudar a realidade machista que as asfixia; meninos não sairão do lugarejo pobre e desprovido de oportunidade profissional. Rapazes, que sonhavam em jogar futebol na Europa, terão que se contentar com o salário mínimo.

Ninguém deve desprezar a realidade em nome de uma esperança fantasiosa. Nenhum grupo pode negligenciar a luta por justiça social por aguardar intervenções milagrosas. Religião alguma tem o direito de perpetuar a ilusão em nome do otimismo.

Sou pastor, pregador e conferencista, mas não tenho o direito de descolar o meu discurso da realidade; por ela ser crua, eu me obrigo a insistir: fé significa compromisso, coragem e ânimo no desafio magnífico –  e trágico – de viver. Não há outro caminho. Todos precisamos assumir uma aliança com a verdade – e nos engajar por justiça e paz a partir desse pacto. Me obrigo, não à verdade metafísica e absoluta do dogma ou da filosofia, mas a tudo o que promove solidariedade, bondade, compaixão e inclusão.

Sou intimado a abraçar a verdade que as circunstâncias impõem. Tenho que enfrentar os sistemas que justificam a anti-vida. Devo manter minha fé na promoção da liberdade. Se ensino a fuga, o fim de meu discurso desembocará em decepção. – Jesus disse: “Vocês conhecerão a verdade e a verdade os libertará”. Para que o mundo seja minimamente transformado, não me resta outro recurso senão me embrenhar na vida do jeito que ela é. E arregaçar as mangas para que um outro futuro se torne possível.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A verdade que liberta

Deixe o seu comentário