Para tucano, presença de Telhada em Direitos Humanos é ‘surreal’

Carlos-Bezerra-Jr.-Líder-Alesp

Gustavo Uribe, na Folha de S.Paulo

O deputado estadual Carlos Bezerra (PSDB-SP), nome de consenso para assumir a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, avaliou nesta quarta-feira (13)  como “surreal” a presença do colega Coronel Telhada (PSDB-SP) para o colegiado permanente.

Segundo o tucano, assim como ele próprio, os paulistas e os brasileiros ficaram “espantados” com a indicação do nome do parlamentar feita pelo líder do PSDB na Casa, Carlão Pignatari.

“É surreal, seria a mesma coisa que colocar uma pessoa com o meu perfil para comandar a Rota [tropa de elite da Polícia Militar]. A gente sabe que não vai dar certo e é a mesma situação surreal”, criticou. “Está todo mundo tentando entender o porquê”, acrescentou.

A indicação do deputado estadual, ex-comandante da Rota, tem sido alvo de críticas de partidos de oposição ao governo Geraldo Alckmin (PSDB) e divide o próprio PSDB.

Em nota, o Diversidade Tucana, núcleo de diversidade sexual do PSDB, defendeu que o partido reveja a indicação.

Favorável à redução da maioridade penal, Coronel Telhada se descreve como um conservador que procura seguir os mandamentos da Bíblia.

ADIAMENTO

Por falta de quórum, a reunião de instalação da Comissão de Direitos Humanos, marcada para esta quarta-feira (13), foi adiada para a próxima semana.

Ainda que quase todas as cadeiras do plenário estivessem ocupadas por assessores e cidadãos, compareceram apenas quatro deputados estaduais: Adilson Rossi (PSB), Carlos Bezerra (PSDB), Hélio Nishimoto (PSDB) e Luiz Carlos Gondim (Solidariedade).

Ao todo, eram necessárias as presenças de sete de onze deputados estaduais que compõem o colegiado para que a comissão permanente fosse instalada.

As ausências de partidos de oposição, como PT e PSOL, fizeram parte de estratégia das legendas para ganhar tempo nas negociações para composição da presidência da comissão permanente.

O PT pleiteia a vice-presidência do colegiado parlamentar, mas integrantes da base governista defendem que o posto seja entregue ao PSB, partido aliado ao governo estadual.

A ausência também tem como objetivo dar mais uma semana ao PSDB para definir a situação do Coronel Telhada.

Na terça-feira (12), o PT pediu ao presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez (PSDB), que intervenha na indicação do deputado estadual. O pleito, no entanto, não foi atendido.

Ausente na Comissão de Direitos Humanos, Coronel Telhada não compareceu à Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (13), segundo informou um assessor parlamentar.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Para tucano, presença de Telhada em Direitos Humanos é ‘surreal’

Deixe o seu comentário