Daniel Freelander, rabino: ‘Não dá para controlar quem se apaixona por quem’

2015051883885-1

Publicado em O Globo

“Casei-me com uma rabina há 37 anos. Ela foi uma das pioneiras. Ser rabino é como ser um maestro, que une sons de diferentes instrumentos num único só. Rabinos constroem uma comunidade com pessoas diferentes numa única voz. Música é uma paixão. Canto e frequento concertos sinfônicos e populares”

Conte algo que não sei.

Os judeus progressistas conseguem aliar o melhor da tradição com o melhor da sociedade contemporânea. Nos anos 1970, quando as mulheres começaram a ter acesso a posições de liderança ao redor do mundo, foi permitido que elas assumissem posições importantes nas sinagogas. Nos Estados Unidos e em Israel várias mulheres ortodoxas são rabinas, apesar de não serem chamadas assim. Em 30 ou 40 anos, as ortodoxas exercerão funções que hoje são exclusivas dos rabinos. E acredito que esse movimento começará em Israel.

Qual religião está mais adaptada aos tempos modernos?

Existem formas do islamismo nessa condição, assim como do cristianismo e do judaísmo. Num panorama amplo, acho que o judaísmo progressista está bastante bem ajustado.

Mas os judeus progressistas são minoria…

Nos Estados Unidos, são maioria. Lá, os ortodoxos têm a escolha de interagir com os reformistas ou se manterem como minoria, cerca de 10%. Na Europa ocorre o inverso, os grupos ortodoxos têm o controle das organizações centrais judaicas. Em Israel, a situação é similar à da Europa, assim como na América do Sul. Em geral, as vozes oficiais da comunidade são ortodoxas.

Como vê o casamento entre judeus e não judeus?

Atualmente, a maioria dos casamentos é do tipo misto, algo como 60% nos últimos 20 anos. Nosso objetivo é fazer com que os progressistas trabalhem para que novas famílias judaicas possam surgir dessas uniões. Demorou 40 anos nos EUA para que ocorresse uma mudança de atitude da comunidade judaica em relação a isso. Esse caminho foi difícil. Mas, pela primeira vez, em 50 anos, a população judaica está crescendo.

O que possibilitou isso?

Os casais mistos não querem ser excluídos. Tenho amigos nessa situação. Há casos em que as mães nunca se converteram e as filhas se tornaram rabinas. Meu irmão é casado com uma não judia e vai na casa da família dela para o Natal. E seus filhos frequentam acampamentos judaicos no verão e comemoram as festas do calendário hebreu na nossa casa.

Os progressistas aprovam o casamento homossexual?

Muitos promovem casamentos gays. Eu mesmo já conduzi uma dessas uniões há três anos. Se a relação é saudável e monogâmica, terá um peso equivalente ao de uma relação entre um homem e uma mulher. Esses casamentos estão se tornando comuns e a mudança foi muito rápida nos EUA. Mas o judaísmo não é uma religião top-down. É como se cada rabino fosse um juiz. E os ortodoxos não concordam com essa posição. A questão é que não dá para controlar quem vai se apaixonar por quem. E meu objetivo é que haja continuidade do judaísmo, permitindo que indivíduos possam viver de forma confortável e feliz.

E no Brasil?

Na América Latina, em especial no Brasil, a comunidade judaica é ainda muito jovem, herança das imigrações principalmente dos anos 1915 a 1940. Acredito que daqui a uma ou duas gerações deverá surgir um estilo brasileiro de judaísmo.

É a favor do Estado Palestino? Com Jerusalém dividida?

Muitos progressistas acham que essa é a única solução para a paz. E, sim, Jerusalém terá que ser dividida como lugar sagrado para ambos os lados. Não é o que desejo, não abriria mão de Jerusalém, mas parece ser a única solução.

O que acha do Papa Francisco? O que pediria a ele?

O Papa Francisco é um dos líderes que buscam a paz nessa região e gostaria que ele persistisse. Com sua postura, ele se tornou excelente exemplo para líderes religiosos atuais. Trouxe de volta à Cúria a atitude ética e o considero um cristão progressista.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Daniel Freelander, rabino: ‘Não dá para controlar quem se apaixona por quem’

Deixe o seu comentário