Se as supercolas colam tudo, como elas não colam na embalagem?

publicado na Mundo Estranho

O truque dos fabricantes é embalar a supercola a vácuo, mantendo a substância adesiva longe do contato com o ar. Isso porque é a umidade da atmosfera que faz a supercola ficar bem grudenta. Vamos explicar como isso acontece usando o exemplo da mais famosa supercola, a Super Bonder. Ela é composta por moléculas de cianoacrilato de etila, uma substância colante que naturalmente adere a plásticos ou metais. Dentro da embalagem, as moléculas de cianoacrilato ficam bem separadas entre si. Por isso, elas não grudam no tubo.

foto-imagem-cola-instantanea-Super-Bonder

Mas quando a gente abre a embalagem, tudo muda: a umidade age como um “gancho” que liga as moléculas de cianoacrilato, transformando a cola na substância supergrudenta que a gente conhece. Essa reação tem um nome: polimerização. “Isso fica mais claro em supercolas do tipo epóxi, como a Araldite. Nesse caso, a substância colante vem em uma embalagem e a que promove a polimerização em outra. Antes de usar a cola, a gente mistura as duas substâncias”, diz o químico Henrique Toma, da USP. Se você errar o alvo e grudar os próprios dedos, não se desespere: assim que a cola endurecer, use uma lixa de unha para raspá-la. A água quente também ajuda a amolecer o adesivo.

Um grude só
Efeito colante só começa quando o produto entra em contato com o ar
1. A substância adesiva de supercolas é o cianoacrilato de etila. Na embalagem, as moléculas de cianoacrilato não têm contato com o ar e ficam longe umas das outras. Por isso, elas não grudam no tubo

2. Quando o tubo é aberto, as moléculas de cianoacrilato encontram moléculas de água no ar. O vapor atua como um agente de ligação entre as moléculas de cianoacrilato, deixando-as juntas e fazendo-as aderir a quase todos os materiais

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Se as supercolas colam tudo, como elas não colam na embalagem?

Deixe o seu comentário