Na era da grosseria, vale até desejar a morte do ex-presidente Lula

Comunidade no Facebook reúne mais de 5 mil que torcem pela morte de Lula. Instituto Lula pediu remoção da página

lulafbBruno Ferrari, na Época

Há duas semanas, ÉPOCA publicou uma reportagem com o título A era da grosseria. No texto, discutimos com cientistas políticos e pensadores como as redes sociais tornaram-se um território fértil para a escalada da intolerância e do ódio no Brasil. E de que forma deveríamos buscar espaço para um debate democrático e pacífico.

Uma comunidade do Facebook que foi objeto de reportagem do caderno Poder, do jornal Folha de S. Paulo, é mais um exemplo do ambiente agressivo que tomou conta do mundo virtual. Com mais de 5 mil adeptos, a “Morte ao Lula” reúne postagens contrárias ao ex-presidente e a Dilma Rousseff.

Alguns integrantes usam a “morte” no sentido figurado, querendo pregar a “morte política” de Lula. Outros defendem que desejar a morte é algo além do aceitável e que todo o ser humano tem o direito de errar. Mas são a minoria. A maioria se porta de forma mais exaltada. “Cirurgião dentista revoltado! !! Enquanto não chega o dia do enterro vou divulgando sua prisão em parceria com este lixo de mulher”, diz um dos participantes da comunidade, exibindo o enorme adesivo colado no vidro traseiro do carro com Dilma e Lula atrás das grades.

O movimento chamou a atenção do Instituto Lula, que pediu ao Facebook a remoção da comunidade e lembrou da bomba caseira arremessada contra o prédio da instituição semanas atrás. Segundo a reportagem da Folha de S. Paulo, a rede social não atendeu ao pedido alegando que a comunidade não transparece uma “ameaça real”.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Na era da grosseria, vale até desejar a morte do ex-presidente Lula

Deixe o seu comentário