13 curiosidades sobre a escravidão

publicado no Mistérios do Mundo

A escravidão foi (e continua sendo) uma das práticas mais terríveis da humanidade. Hoje em dia, todos os livros de história contam como se deu a escravidão no Brasil e em todos os cantos do mundo, mas hoje trazemos 13 curiosidades que talvez você ainda não conhecesse sobre essa prática condenável.

escravos_brasil

Confira:

1 – O país com mais escravos em todo o mundo é a Índia, que ainda hoje em dia conta com cerca de 15 milhões de pessoas em condição de trabalho escravo.

2 – Os romanos antigos celebravam a ‘Saturnália’, onde os escravos podiam se comportar, por um dia, como homens livres.

3 – Benjamin Franklin tentou acabar com a escravidão em 1790, sem sucesso.

4 – Estimativas dizem que um escravo americano, na década de 1850 deveria custar, em moeda moderna, 12 mil dólares (aproximadamente 45 mil reais).

5 – Parte da Casa Branca, nos Estados Unidos, foi construída por escravos.

6 – De acordo com historiadores, as pirâmides foram construídas por trabalhadores que eram pagos com produtos da época, e não por escravos.

7 – Algumas espécies de formigas escravizam seus semelhantes.

8 – A escravidão só foi abolida na Arábia Saudita e Yêmen em 1962.

9 – Gregos e romanos da antiguidade compravam escravos com sal.

10 – Cerca de 4 milhões de escravos foram trazidos da África para o Brasil, o que significa 40% dos escravos que foram levados para toda a América.

11 – A maioria dos romanos evitava ferir seus escravos. Eles preferiam dar bonificações para aprimorar a produtividade.

12 – Cervantes, autor de Don Quixote, foi escravo na Argélia antes de escrever seu famoso livro. Ele só foi solto após o pagamento de uma quantia por parte da sua família.

13 – Uma matéria de 2012 da BBC mostrou que, naquela época (e provavelmente o número ainda não mudou tanto) haviam mais escravos ao longo do mundo do que houve em toda a história da humanidade.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for 13 curiosidades sobre a escravidão

Deixe o seu comentário