George Clooney Critica a Falta de Diversidade do Oscar, Mas a Repete em Seus Filmes

George Clooney

Por Kara Brown no Jezebel (Tradução de Fábio Martelozzo)

George Clooney se meteu na conversa a respeito da constrangedora falta de diversidade, tanto nos indicados ao Oscar neste ano quanto em Hollywood em geral.

O ator fez uma exclusiva declaração à revista Variety, reagindo em partes à declaração da presidente da Academia Cheryl Boone Isaacs sobre a branquitude generalizada, assim como à decisão de Spike Lee e do casal Jada Pinkett e Will Smith de boicotarem a cerimônia.

Se voltarmos dez anos, a Academia estava fazendo um trabalho melhor. Pense sobre quantos mais afro-americanos eram indicados. Eu argumentaria o seguinte, não acho que o problema seja sobre quem está sendo escolhido, mas sim o seguinte: quantas opções há disponíveis para as minorias no cinema, principalmente em filmes de qualidade?

Ele continua lamentando a falta de bons papéis principais para mulheres – um assunto importante que aqui parece como sendo um leve deslize. Clooney também cita nominalmente uma série de filmes e atores que ele pensa merecerem indicação neste ano.

Mas, sinceramente, deveria haver mais oportunidades que isso. Deveria haver vinte, trinta ou quarenta filmes de qualidade que a pessoas considerassem para o Oscar. A propósito, estamos falando de afro-americanos. Para os hispânicos a situação é ainda pior. Precisamos melhorar nisto. Costumávamos ser melhores nisto.

Bem colocado, George! Concordo com tudo isso – embora esse trecho “não acho que o problema seja sobre quem está sendo escolhido” seja um tanto estranho. Mas, vamos falar sobre algo.

George está certo ao dizer que a maioria das minorias (que, aliás, como muitas vezes acho importante mencionar, não são na verdade minoria quando se trata de, você sabe, a Terra) não recebe oportunidades para papéis bons e interessantes. O que ele não menciona aqui, embora seja realmente relevante, é o fato dele ser um prolífico produtor de cinema, com sua própria produtora.

Em outras palavras, George Clooney representa uma parte importante do “nós” que ele diz que precisa melhorar. Considerando que ele tem opiniões fortes a respeito da questão da diversidade em Hollywood a ponto de dar uma declaração a uma das revistas de maior circulação, presumiríamos que George pratica o que ele prega em seu próprio trabalho, certo?

Vamos dar uma olhada nos últimos dez filmes de Clooney e quantas pessoas negras apareceram em papéis de destaque. Ele fez uma pequena participação em A Very Murray Christmas, que contou com Rashida Jones e Maya Rudolph em papéis importantes. Ele produziu o fracasso de Sandra Bullock, Especialista em Crise (Our Brand Is Crisis), que a colaboradora de Jezebel, Julianne Escobedo Shepherd percebeu tratar-se basicamente de uma mulher branca caindo de paraquedas e “salvando” a Bolívia. O lançamento de 2015 Tomorrowland – Um Lugar onde Nada é Impossível incluiu Keegan-Michael Key.

Depois disso, a lista mergulha em uma brancura ofuscante com filmes como Caçadores de Obras Primas (The Monuments Men), Gravidade (Gravity) e Álbum de Família (August: Osage County).

Clooney também estrelou Os Descendentes (The Descendants), que também tinha um monte de gente branca fingido ser parte havaianos, e Argo , com Ben Affleck fazendo o papel de um descendente de mexicano. Você tem de voltar até 2011 em Tudo Pelo Poder (The Ides of March) ou ainda mais até 2007 em Treze Homens e um Novo Segredo (Ocean’s Thirteen) para encontrar algum negro em algo que se assemelhasse a um papel importante – sendo um tanto generoso nessa definição de “importante”.

Esse pedaço do “nós” que é o “eu, George Clooney,” também não está fazendo um bom trabalho!

A questão é que George Clooney não parece demonstrar muito interesse em resolver de verdade o problema da falta de diversidade de Hollywood, muito embora afirme se importar e esteja em uma posição excelente para fazê-lo. Pelo menos para mim, suas palavras soam vazias.

Mas fico feliz que ele tenha dito algo, assim como fico feliz que Stephen Colbert tenha recebido DeRay Mckesson em seu programa. Todavia, isso não muda o histórico de Clooney ou o fato de que a equipe de redatores do programa de Colbert seja formada exclusivamente por brancos e em sua maioria por homens.

Talvez, olhando para frente, George Clooney se torne mais consciente da necessidade de um casting diversificado – tanto em frente quanto atrás das câmeras. Seria bom. Ele tem muito pra corrigir.

 

Contate a autora em kara.brown@jezebel.com.

Imagem via AP.

 

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for George Clooney Critica a Falta de Diversidade do Oscar, Mas a Repete em Seus Filmes

1 Comentário

Deixe o seu comentário