O que aconteceria se explodíssemos a Lua?

publicado no Mistérios do Mundo

Imagine que por alguma razão maluca, nós, terráqueos, chegamos à conclusão de que estamos cansados de olhar para a Lua todos os dias e decidimos que a melhor coisa a fazer é destruí-la em uma explosão épica. Como, afinal, faríamos uma coisa dessas?

Segundo Dave Harfield, do portal How It Works, para começar, já que a intenção é a de dar um fim na Lua, não ia adiantar muito se simplesmente explodíssemos o satélite em milhões de pedaços. Isso porque, com o tempo, os fragmentos lunares acabariam se fundindo novamente, formando outra lua — não tão bela ou redondinha como a atual, mas que possivelmente exerceria o mesmo efeito gravitacional sobre nós.

Obliteração lunar

De acordo com Harfield, para nos livrarmos da Lua de uma vez por todas, teríamos que pulverizá-la por completo. Pois, nesse caso, seria necessário muito empenho e uma quantidade absurda de explosivos para conseguir essa proeza — cerca de 30 trilhões de megatons de TNT ou algo que fosse 600 bilhões de vezes mais potente do que a Tsar Bomba, a bomba nuclear mais poderosa já criada pelo homem.

10183258939581

Bem, digamos que nós conseguimos reunir esses explosivos todos, os carregamos em uma porção de foguetes, posicionamos todos ao redor da Lua, e os deixamos prontinhos para disparar. Então, alguém dá a ordem aqui da Terra e… boom! O nosso bom e velho satélite é reduzido a poeira lunar. E aí, o que aconteceria depois?

Segundo Harfield, os fragmentos lunares seriam pequenos demais para coalescer e, portanto, começariam a se espalhar. Primeiro, uma boa parte desses pedaços de Lua começaria a cair aqui na Terra, fazendo o maior estrago, destruindo cidades e até devastando países inteiros. Depois, o material que continuaria no espaço começaria a orbitar ao redor do nosso planeta, formando um enorme anel — tipo os de Saturno.

Anel terrestre

O problema é que, assim como ocorre em Saturno, ter um anel — composto por bilhões de partículas com tamanhos que variam de grãos de areia a fragmentos tão grandes como montanhas — ao redor do planeta significa que a Terra seria constantemente bombardeada por objetos que escapariam periodicamente e colidiriam contra a superfície.

Além disso, de acordo com Harfield, a Lua também serve de escudo de proteção para nós, evitando que algumas rochas espaciais nos atinjam — e prova disso são as crateras que cobrem a superfície do satélite. Portanto, sem ela, o nosso planeta ficaria mais vulnerável.

Calmaria e calamidade

Outro efeito da falta da Lua seria ausência de ondas na Terra. Como você sabe, um dos fenômenos mais evidentes da ação do satélite sobre o nosso planeta são as marés — e sem a Lua por perto, os oceanos se tornariam muito mais tranquilos. O pior é que isso não afetaria apenas a diversão dos surfistas, que teriam que se contentar com as ondinhas formadas pelas marés solares. A “serenidade” prejudicaria grandemente a vida marinha.
Sem o movimento das marés, muitos animais teriam dificuldades enormes para se locomover pelos mares, sem falar que a circulação de nutrientes cessaria e, com o tempo, milhares — e até milhões — de espécies entrariam em extinção.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for O que aconteceria se explodíssemos a Lua?

Deixe o seu comentário