9 coisas sobre morar que podemos aprender com os japoneses

publicado na Casa

Tirar o sapato antes de entrar em casa, usar futon sobre o tatami para dormir, portas de correr feitas de papel e muita tecnologia. Confira alguns hábitos que os japoneses têm em casa

01

1 – Genkan

Hábito bem conhecido no Ocidente, tirar os sapatos que você usou na rua antes de entrar em casa dispensa muitas explicações: além de ser muito mais higiênico, ajuda muito na limpeza. As casas mais tradicionais do Japão possuem um mini cômodo na entrada só para isso: o chamado genkan (玄関) é geralmente feito em desnível e é o local para tirar, colocar e guardar os sapatos. Chinelos (tanto para os moradores como para as visitas) também ficam aí. Os genkan são comuns em escritórios, templos e escolas também.

2 – Medidas de apartamento

Se você for alugar um imóvel no Japão, muito provavelmente vai se deparar com sílabas do tipo 4LDK ou 1LDK. A leitura é fácil: o primeiro número indica o número de quartos da casa e as letras são L de living room (sala social), D de dining room (sala de jantar) e K de Kitchen (cozinha). Às vezes, um quarto têm várias funções ao mesmo tempo (a sala social, a de jantar e a cozinha são integradas, por exemplo). Outra forma de medida de área é chamada de jou (畳) que significa quantidade de peças de tatami. Ou seja, um quarto 4畳 tem uma área que pode ser ocupada por 4 tatamis. Cada tatami tem cerca de 1,653 m².

3 – Tatami e futon

Apesar de a geração nova já ter adotado o uso de camas, muitas japoneses ainda dispensam o móvel (vale lembrar que, quanto mais móveis dentro de uma casa, menor o espaço de circulação). Nos quartos – que muitas vezes são forrados com tatami no chão – em vez de camas, são utilizados futons. De noite, é só estendê-los no chão e dormir. De dia, dobre e guarde no armário (ou deixe ao sol). Pronto, você ocupa o espaço somente quando está dormindo e pode utilizar essa área para outras atividades durante o dia.

4 – Portas de correr

Chamadas de shouji (障子), as portas tradicionais japonesas têm estrutura de madeira ou bambu e são forradas por papel translúcido. Utilizadas somente internamente, servem para integrar ou separar os cômodos. Ou seja, de dia, se você deixar a porta do quarto aberta, o espaço acaba se tornando uma continuação da sala. Se alguém quiser dormir, é só fechar para ter privacidade. Como é de correr, economiza espaço. Quando elas são feitas de material mais opaco (e geralmente dão para áreas externas), recebem o nome de fusuma (襖).

5 – Poucos móveis

Grande parte das pessoas que moram em apartamentos pequenos no Japão possuem poucos móveis: hábito prático e eficaz para economizar espaço. Se não há cama no quarto, também não há cadeiras na mesa de jantar. Aliás, nem mesa do jeito que estamos acostumados: geralmente o móvel é baixo e você senta no chão para comer (mas pode usar uma almofada ou encosto sem problemas). Essas mesas podem ser bem tecnológicas, como mostra o item a seguir.6 – Das maravilhas japonesas: o kotatsu

Pode parecer estranho, mas este móvel é simples e eficiente: a mesa conta um aquecedor central e uma coberta em volta para manter o calor e não deixar o frio entrar. Ou seja, para enfrentar o inverno gelado nipônico, você pode sentar no chão, colocar suas pernas embaixo na mesa e se cobrir – tenha certeza que isso esquenta.

6 – Das maravilhas japonesas: o kotatsu

Pode parecer estranho, mas este móvel é simples e eficiente: a mesa conta um aquecedor central e uma coberta em volta para manter o calor e não deixar o frio entrar. Ou seja, para enfrentar o inverno gelado nipônico, você pode sentar no chão, colocar suas pernas embaixo na mesa e se cobrir – tenha certeza que isso esquenta.

7 – Ofurô

Esqueça toda referência que você tem sobre ofurô no Brasil. No Japão, quando alguém falar essa palavra, estará se referindo a uma banheira pequena e profunda que, geralmente, acomoda uma pessoa em posição fetal (nada parecido com as imersões com sais oferecidas pelos spas brasileiros). Seu intuito é proporcionar um momento de relaxamento e reflexão depois de um dia de trabalho. Ah! E mesmo parecendo uma banheira, não é um lugar para se limpar: você precisa passar antes no chuveiro e só depois entra no ofurô. Como a água não fica suja, você não precisa esvaziar o ofurô depois do uso e pode deixar a água ali para o próximo tomar banho. Casas antigas no Japão não possuem espaço de banho e até hoje muitas pessoas utilizam casas especializadas nisso: chamadas de sentou (銭湯), você paga uma quantia para se limpar e usar o ofurô – que muitas vezes é coletivo e tem o tamanho de uma piscina.

8 – Vaso sanitário high tech

Na arquitetura tradicional, o vaso sanitário japonês é basicamente um buraco no chão (e você vai encontrar muitos desses ainda hoje, em parques e locais públicos). Mas, em um dos países mais tecnológicos do mundo, não poderia faltar inovação no banheiro: o vaso sanitário japonês é cheio de botões e oferece vantagens como assento aquecido, limpeza a base de água, abertura automática da tampa, musiquinha para as pessoas que não gostam de ouvir o barulho do próprio xixi e até controle via smartphone.

9 – Panela de arroz e chaleira elétrica

Arroz é essencial na culinária japonesa – inclusive, é consumido mesmo no café da manhã. Para fazê-lo, nada de perder tempo no fogão e ainda correr o risco de errar o ponto: as panelas elétricas são práticas, conservam o arroz quente e podem ser programadas. Ou seja, dá para chegar em casa e ter um arroz fresquinho te esperando. Outro item elétrico que ajuda muito na cozinha, são as chaleiras que esquentam água. Com ela, você pode fazer café, chá e qualquer líquido instântaneo (como a sopa de missô) e também comidas desidratadas, como o macarrão instantâneo.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for 9 coisas sobre morar que podemos aprender com os japoneses

Deixe o seu comentário