Ministério da Educação e da Cultura do Estupro

7p6ugvfdmkyha9553cyop6hux

João Paulo Cuenca, na Folha de S.Paulo

No dia em que virou notícia o caso de uma menor de idade dopada e estuprada por 30 homens, crime exposto em vídeo com risadas e piadas na internet, foi recebido pelo ministro Golpista da Educação e pelo ministro Biônico da Cultura um ator conhecido, entre outras coisas, por ter confessado o estupro de uma mãe de santo na TV –depois disse que aquilo era parte do seu show de stand up, apenas uma piada. Kkkkk.

Ficcional ou não, o relato de estupro foi recebido com aplausos e gargalhadas no programa do mesmo comediante que comentou a gravidez de uma cantora dizendo que “comeria ela e o bebê”. O apresentador também disse, num show de stand up, que mulher feia deveria ver estupro como “oportunidade” e não “crime”: “Homem que fez isso não merece cadeia, merece um abraço”. Defendeu-se dizendo que, claro, aquilo era apenas uma piada. Kkkkk.

Os homens que participaram desse estupro coletivo no Rio de Janeiro foram os que violaram a menina, os que a filmaram, os que compartilharam esse vídeo e os que fizeram comentários e piadas na internet sobre as imagens publicadas. Nenhum deles foi capaz de questionar o crime hediondo. Nenhum deles sentiu raiva, nojo, repulsa. Nenhum deles brigou para salvar a garota. Não saiu porrada. Nenhum deles foi a exceção: eles são a regra. No vídeo há gargalhadas. Em redes sociais, riram da mulher desacordada e sangrando assim: Kkkkk.

Todos eles também devem achar as piadas de Alexandre Frota e Rafinha Bastos sobre estupro muito engraçadas. Kkkkk.

*

Os números oficiais afirmam que uma mulher é estuprada no Brasil a cada 11 minutos. Como o crime é o mais subnotificado de todos, acredita-se que apenas entre 10% a 35% registrem queixa à polícia. Conhecendo nossa polícia, faz sentido. Estudos do Ipea apontam justamente para o pior cenário: 476 mil casos de estupro em 2014 no Brasil, cerca de um estupro por minuto. Segundo pesquisa Datafolha, 90% das brasileiras têm medo de ser vítima de agressão sexual. Faz sentido. Enquanto você leu os parágrafos acima, duas brasileiras devem ter sido estupradas.

O apelido do criminoso que divulgou o vídeo desse estupro é Michel Brasil. Faz sentido. Nesse país machista, autoritário, patriarcal e violento, onde culpar a vítima é regra e a impunidade de gente como ele está garantida, ele está em casa.

*

Não só ele. Nós. Todos os homens somos responsáveis pela manutenção da violência contra a mulher.

Não precisamos atacá-las fisicamente ou fazer piadas misóginas naturalizando violência para isso. Ao negar sua voz, ao tratá-la como nossa propriedade, ao objetificar sua existência, ao sermos os prepotentes narcisistas perversos e opressores que costumamos ser: o problema é nosso, a culpa também.

Só ficar consternado e escrever textinho oportunista pra ficar bem na fita não adianta. Existe um abismo de empatia que precisa ser atravessado –e isso é uma batalha diária que precisamos travar contra nós mesmos, contra nossa própria covardia e privilégios de gênero. Do contrário, nossas atitudes e palavras em momentos como esse terão a mesma substância de um livro de mesa de centro.

Autocrítica ou desconstrução é pouco: precisamos de uma autodemolição.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Ministério da Educação e da Cultura do Estupro

1 Comentário

  1. Fani disse:

    Tudo fica relativo e parece normal. Todo mundo escreve texto com irá e indignação. Pronto está tudo normal de novo. E eu fico pensando em quantos casos abomináveis como este não foram contados. Quantas mulheres são estupradas, não na rua deserta, quantas mulheres foram despidas de suas roupas ‘decentes’ na marra por pessoas que deviam cuidar delas e amar! Já estão postando vídeos de justiceiros e o pessoal compartilha como que ajudando a vingar a garota quando outros indivíduos matam um cara com requintes de crueldade! Outros sugerindo pena de morte e todo tipo de castração… Aí eu pergunto: se é para se sentir poderoso e faltar o órgão sexualidade vai fazer diferença, se eles violam com qualquer objeto a mão? O problema não é sexual apenas, é de mentalidade e caráter antes de tudo! E então, alguém sabe como cortar fora a crueldade desses animais não racionais?

Deixe o seu comentário