Francês que era ateu, virou católico e perdeu a fé escreve livro sobre o cristianismo

No livro O reino, o escritor francês Emmanuel Carrère escava as ruínas de sua fé e, espantado, investiga as verdade de uma religião na qual ele não mais acredita

francês

Ruan de Sousa Gabriel, na Época

A “estrada de Damasco” é a metáfora favorita dos cristãos para a conversão religiosa. Segundo a Bíblia, foi no caminho poeirento entre Jerusalém e a capital da Síria que Saulo, judeu fanático e perseguidor de cristãos, ouviu uma voz vinda do céu: “Saulo, Saulo, por que me persegues?”. Quem perguntava era o próprio Jesus, o líder crucificado da seita que Saulo queria exterminar. Aquele encontro transformou Saulo, o algoz dos cristãos, em Paulo, o apóstolo, que anunciou que o messias dos judeus também salvava outros povos. Para o escritor francês Emmanuel Carrère, a “estrada de Damasco” foi uma aldeia suíça, onde ouviu um sermão sobre uma das últimas interações entre Jesus e seus discípulos, proferido por um velho padre belga, acompanhado por um coroinha com síndrome de Down. Carrère foi “tocado pela graça”.

De volta a Paris, Carrère, um escritor boêmio e ateu, se transformou num católico devoto: ia à missa todos os dias, preenchia cadernos com seus comentários sobre o Evangelho de João e refletia sobre a doutrina da transubstanciação – aquela que afirma a real presença de Cristo na hóstia. A “estrada de Damasco”, porém, é uma via de mão dupla. Três anos, dezenas de cadernos e muita psicanálise depois, a o abandonou. Passados 20 anos, Carrère voltou aos textos sagrados – não como crente, mas como escritor. Em seu novo livro, O reino (Alfaguara, 434 páginas, R$ 54,90), ele escava as ruínas de sua fé e investiga as origens do cristianismo. “Eu quis estabelecer um diálogo entre o cético que eu sou hoje e o crente que eu fui um dia.”

O reino ganhou prêmio e vendeu mais de 300 mil exemplares na França. Carrère tem 58 anos, escreveu roteiros, assinou resenhas na imprensa e publicou mais de uma dezena de livros. “Há poucos grandes escritores na França hoje, e Emmanuel Carrère é um deles”, afirmou a importante revista literária The Paris Review. No entanto, ele é pouco conhecido no resto do mundo. Em 2014, o jornal britânico The Guardian publicou um perfil de Carrère cujo título era: “O maior escritor francês de quem você nunca ouviu falar”.

Em 2000, depois de 15 anos dedicados à ficção, Carrère publicou O adversário, um romance de não ficção sobre Jean-Claude Romand, um médico francês que, em 1993, assassinou a mulher, os filhos e os pais aparentemente sem motivo. A realidade se tornou o combustível de sua prosa. Carrère não teme a exposição e transforma a si mesmo e seus entes mais próximos em personagens. Escreveu que seu avô simpatizava com o nazismo e narrou a batalha perdida de sua cunhada contra o câncer.

Nas páginas de O reino, Carrère percorre as duas vias da “estrada de Damasco” acompanhado de dois personagens bíblicos: Paulo, o apóstolo, e Lucas, autor de um dos evangelhos e dos Atos dos apóstolos, o livro do Novo Testamento que registra a história do cristianismo primitivo. O escritor transforma Paulo num pregador visionário, caluniado pelos outros apóstolos (os que conheceram Jesus) e atormentado por dúvidas: voltaria ele, um dia, a ser Saulo? Lucas é o duplo de Carrère: um intelectual que é atraído pela estranha fé dos cristãos e se põe a investigá-la.

Lucas era um médico grego simpático ao judaísmo. Depois de ouvir a mensagem de Paulo sobre o carpinteiro de Nazaré que ressuscitara, passa a acompanhá-lo em suas viagens missionárias. “Paulo e Lucas eram parceiros, como Dom Quixote e Sancho Pança ou Sherlock Holmes e Watson”, afirma Carrère. “Eu me identifiquei com Lucas porque ele escreveu seu evangelho como um repórter ou um historiador, alguém que investiga e checa os fatos. Eu gosto de imaginar como teria sido essa investigação.” Lucas não começa seu evangelho com uma profissão de fé, como João (“No princípio era o Verbo”) ou Marcos (“Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus”), mas como um historiador que se propõe a empreender “uma narração coordenada dos fatos que entre nós se realizaram”. Mas Carrère acredita que ele também tinha pendor de romancista. “No evangelho de Lucas, há obras-primas literárias, como as parábolas do bom samaritano e do filho pródigo”, diz. “Essas histórias não aparecem nos outros evangelhos. Podemos imaginar que foram invenções dele.”

Carrère também inventa. O reino preenche as lacunas bíblicas com as dúvidas e elucubrações do escritor, que um dia encarou aqueles textos como fonte de inesgotável sabedoria. É o “método Carrère”, que mistura escrita confessional, ensaísmo, reflexões sobre a literatura e bom humor para mostrar quão estranha é essa história de milagres e mortos que voltam à vida – e quão estranho é que o próprio Carrère tenha acreditado nela.

livro-o-reino

 

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Francês que era ateu, virou católico e perdeu a fé escreve livro sobre o cristianismo

Deixe o seu comentário