A [inaudível] guinada para a direita dos evangélicos

O movimento evangélico é já resultado de uma privatização

Os Protagonistas - Conceito de Individualismo

Os Protagonistas – Conceito de Individualismo

Paulo Brabo

Circulou há algumas semanas uma entrevista em que o sociólogo Roberto Dutra analisa o impacto político do crescimento da população evangélica no Brasil. Seu alerta mais ressonante é o de que haveria “uma cegueira da esquerda em compreender essa nova classe trabalhadora”:

O PT é informado por uma visão de esquerda de que os pobres devem seguir um modelo de ser e agir que vem dos moldes dos sindicatos. Os pobres devem ser coletivistas. Os pobres devem se enquadrar em um viés de solidarismo antiindividualista. Toda vez que o PT encontra a valorização do indivíduo, a valorização da autonomia do indivíduo frente às intempéries da vida, que, em resumo, é a pregação cotidiana das igrejas pentecostais, o PT aponta o dedo acusatório: “É a pregação do individualismo, é a pregação do neoliberalismo dentro das igrejas”.

Há diversas camadas nesse raciocínio. Politicamente, ele sugere a possibilidade (ou a necessidade) do surgimento de uma esquerda de alguma forma conciliada com o individualismo. Num nível mais profundo, seu argumento é de que se os evangélicos conciliaram cristianismo com individualismo, o PT (ou algum seu sucessor mais iluminado) poderia muito bem estar aprendendo a conciliar individualismo com a esquerda:

De modo que há, de forma muito presente nas igrejas, essa cultura da valorização da iniciativa individual. E isso não significa a negação da solidariedade. Acredito que há uma cegueira do PT em compreender a alma e a cultura dessa nova classe trabalhadora que não é formada no sindicato e que hoje é a maior parte dos brasileiros pobres e remediados do país. Esse é o distanciamento que existe, mas ele não é exclusivo do PT. A esquerda de forma geral não entendeu que o sonho dessa nova classe trabalhadora é, muitas vezes, ter uma empresa própria, ser um empreendedor. Há muitas semelhanças com a população dos EUA, por exemplo. É um liberalismo popular que não é, necessariamente, conservador. Hoje, esses ideais liberais de autonomia e afirmação do indivíduo estão em disputa e os conservadores têm conseguido capturá-los com mais eficiência.

Confesso que não entendo o que acabei de ler. O autor parece não encontrar qualquer dificuldade de conciliação entre as prioridades sociais da esquerda e as ênfases individualistas de uma novo liberalismo popular (que teria, magicamente, semelhanças com o dos EUA sem ser necessariamente conservador). Dutra dá a entender que o social é muito incompetente por deixar de cooptar em seu favor o individual, porém não dá qualquer indicação de como isso poderia ser feito.

A quem se interessa pelas contradições inerentes à questão, recomendo fortemente o quarto e último capítulo do documentário O século do eu, de Adam Curtis. Esse episódio (assista clicando aqui: o vídeo Oito pessoas bebendo vinho é o último, está mais ou menos no meio da página) relata as tentativas de partidos progressistas na Inglaterra e dos Estados Unidos (via Tony Blair e Bill Clinton) de reverter em favor das causas sociais as ênfases individualistas das populações desses países. Posso adiantar que é mais difícil do que parece, e as consequências podem ser ao mesmo tempo ridículas e desastrosas; é um relato de interesse ainda porque fala de concessões que num cenário diferente o PT também fez.

Se Roberto Dutra pede que ignoremos as contradições inerentes entre os valores coletivos da esquerda e os valores individualistas dos neoconservadores talvez seja porque os evangélicos fazem algo semelhante, escolhendo ignorar eles mesmos as contradições entre a sua pregação individualista e a ênfase dos evangelhos e do Novo Testamento no social e no comunitário.

A priorização do coletivo é um dos muitos sentidos em que os católicos estão mais próximos do ~evangelho~ do que os evangélicos (ah, a doce cooptação das palavras). Nesse sentido, há muito mais consequências políticas no fato de a nova classe trabalhadora estar escolhendo se distanciar do catolicismo pela filiação evangélica do que no fato de que sua formação está deixando de ser sindical.

O relevante é que a ênfase individualista do movimento evangélico – “a ideia de que para ser alguém valoroso na sociedade é preciso ser um indivíduo respeitado em sua privacidade” – não é uma novidade no movimento com a qual a esquerda brasileira deveria estar se atualizando, mas define desde a sua origem a herança protestante. A novidade é a penetração da ideia país afora pela expansão do movimento evangélico: a noção em si tem pelo menos 500 anos.

Pouco a pouco vamos nos dando conta de que Weber não foi longe o bastante quando sugeriu que a ascensão do capitalismo deve muito à propagação da ética de trabalho protestante. A Reforma representou a privatização – a palavra é essa mesmo, com todas as suas ressonâncias – efetiva e sem precedentes de esferas inteiras da experiência. Os reformistas invocaram mundo adentro nada menos do que uma nova leitura e representação da realidade.

Em linhas gerais, no mundo caótico e sem privacidade da idade medieval tardia o católico encontrava na missa o silêncio e a pausa possíveis para uma reflexão individual. O encontro do adorador com o individual acontecia dentro da igreja: do lado de fora das portas reinavam a esfera do público e do comunal. A herança católica era portanto e permanece um diálogo perene com a sociedade: um cristianismo exercido fundamentalmente quotidiano adentro, fora das portas.

A privatização proposta e efetuada pela Reforma Protestante reverteu esse cenário. Para o protestante e seus descendentes evangélicos, a esfera pública está essencialmente restrita ao que acontece dentro do templo: são os cultos, as reuniões, os louvores, as vigílias, a Escola Dominical. São encontros ricos, intensos, calorosos e emocionalmente compensadores, em tudo estudados para antagonizarem e anularem o recato da missa. Em retribuição, e ao contrário do católico, o evangélico acredita que fora da igreja é o terreno em que vem exercidas a individualidade e a privacidade. Dito de outro modo, o evangélico sente ou tende a sentir que fora da igreja não é responsável por ninguém além de si mesmo: seu diálogo com a sociedade e sua noção de responsabilidade social simplesmente não existem.

Não é a hora nem o lugar para lembrar o quanto essa disposição contradiz a disposição de Jesus e do Novo Testamento. Bastará entender o quanto a ênfase do movimento evangélico no individualismo em detrimento do coletivo se alinha às necessidades do capitalismo. Não é absolutamente à toa que os Estados Unidos e a Inglaterra do capitalismo são países de herança protestante.

Através do movimento evangélico, e não só: ele está no meio de nós.

fonte: A Bacia das Almas

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A [inaudível] guinada para a direita dos evangélicos

2 Comentários

  1. Ytsilva disse:

    Acho a argumentação simplificada e equivocada. Nos EUA mais conservador, tipo o Mid West, os protestantes são maioria da população e têm uma tradição de sociedade cooperativa muito forte, tratam quase todo o interesse público de forma associada. Essa associação é quase impositiva e a igreja tem papel de destaque nesse processo. Se um gato sobe na árvore e ñ consegue descer a vizinhança monta logo um comitê pra salvar o gato.

Deixe o seu comentário