Nas capitais, 250 candidatos vêm de templos evangélicos

Levantamento feito pelo site de VEJA em todas as capitais brasileiras mostra capitais e regiões com maior número de candidatos-sacerdotes evangélicos

Igreja Evangélica (Nas capitais, 250 candidatos vêm de templos evangélicos)

Igreja Evangélica (Nas capitais, 250 candidatos vêm de templos evangélicos)

João Pedroso de Campos, na Veja on-line

Em disputas eleitorais, sobretudo a cargos nas esferas do Legislativo, é comum que candidatos direcionem suas propostas a apenas uma demanda social, como saúde, educação e segurança, para atrair os votos dos eleitores que a tem como prioridade. Além desta estratégia eleitoral, há candidatos que busquem logo em seus nomes de campanha, antes mesmo do conteúdo, alguma identificação com determinados setores da sociedade. Daí tantos candidatos cujos nomes são precedidos, entre outros, por “professor”, “Dr.”, patentes policiais e das forças armadas e funções em igrejas, sobretudo evangélicas, denominação que cresceu 61% no país entre 2000 e 2010, segundo o último censo demográfico do IBGE.

Um levantamento feito pelo site de VEJA entre os postulantes aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador de todas as capitais brasileiras na eleição deste ano encontrou 250 candidatos que levam em santinhos, adesivos e à urna eletrônica, junto de seus nomes, suas funções hierárquicas evangélicas. São 195 candidatos-pastores, 33 missionários, 14 bispos, sete apóstolos e um presbítero.

A capital que mais concentra candidatos do gênero é Belo Horizonte (MG), com 26 no total: 19 pastores, quatro missionárias e três bispos. A seguir vêm Manaus (AM), com 21, e Salvador (BA), que tem 18, entre os quais o candidato a prefeito Pastor Sargento Isidoro (PDT), conhecido na cidade por um jingle que diz “o doido está buscando a paz, a união, drogas jamais”.

Cuiabá (MT), que tem nesta condição apenas Pastora Janda, é a capital brasileira onde há menos candidatos evangélicos até no nome. Porto Alegre (RS), com dois postulantes, Florianópolis (SC), Palmas (TO) e Macapá (AP), todas com três candidatos, também estão entre as capitais com os menores números no levantamento.

Além de Salvador, outras quatro capitais têm pastores na eleição majoritária, que envolve prefeitos e vice-prefeitos. Em Porto Velho (RO), Pastor James Melo (PR) concorre a vice na chapa encabeçada por Dr. Ribamar Araújo (PR) e tem como adversário Pastor Severino (DEM), vice de Pimentel (PMDB). A disputa em Campo Grande (MS) tem a Pastora Márcia Mega (PROS) como candidata a vice de Luiz Pedro (PROS); em Boa Vista (RR), Pastor Frankembergen (PSC) é vice de Sandro Baré (PP); já em Aracaju (SE) Pastor Antonio (PSC) é candidato a vice na chapa de Valadares Filho (PSB).

Embora uma capital do Sudeste seja a que mais conta com opções claramente evangélicas nas eleições, o Nordeste é região do país onde há mais delas. Nas capitais dos nove estados nordestinos, há, no total, 83 sacerdotes evangélicos disputando o pleito municipal: 67 pastores, 10 missionários, quatro bispos e dois apóstolos. Salvador (18), Recife (15) e Aracaju (12) lideram neste quesito.

O sul é a região com o menor número de concorrentes vindos de algum templo evangélico nas eleições deste ano. Em Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, eles são 16, divididos entre 13 pastores, dois bispos e uma missionária.

Confira aqui o quadro que detalha os números de candidatos-sacerdotes evangélicos em cada uma das capitais brasileiras.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Nas capitais, 250 candidatos vêm de templos evangélicos

Deixe o seu comentário