Cunha (e outros) na prisão

Das quatro fases que pessoas passam ao serem presas, a depressão é a mais comum

Cunha deixa o plenário da Câmara após seu discurso, diante de cartazes pedindo sua cassação (foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo)

Cunha deixa o plenário da Câmara após seu discurso, diante de cartazes pedindo sua cassação (foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo)

Frei Betto, em O Globo

Pessoas que possuem formação superior costumam passar por quatro fases ao serem presas: a da indignação, na qual se consideram injustiçadas; a da depressão, quando se dão conta de que a porta do cárcere não se abrirá por milagre, malgrado seus bons advogados; o período da abnegação, quando o preso se convence de que não deve ficar com a cabeça aqui fora enquanto o corpo está lá dentro; e o da resiliência, quando passa a fazer exercícios físicos e aproveitar melhor o tempo com leituras, artesanato, estudo de seu processo, aprendizado de idiomas ou jogos como xadrez ou baralho.

Há quem não supere a fase da depressão. Em meus anos de cárcere, vi companheiros ficarem na cama 18 horas por dia, na expectativa de que o tempo passasse mais rápido…

No caso da Lava-Jato, o maior sofrimento dos presos consiste em suportar a dor de seus familiares, obrigados a mudar hábitos de vida e a enfrentar constrangimentos; a pressão sobre os advogados, para que encontrem o quanto antes a porta de saída; e a espada de Dâmocles chamada delação premiada: guardo silêncio e suporto os longos anos de condenação ou alívio o meu lado e complico o de outros envolvidos em maracutaias?

E há aqueles que, temendo ser presos e conscientes de que têm culpa no cartório, usam seu poder político para fazer aprovar, a toque de caixa, a lei contra o abuso de autoridade, versão hodierna da Lei Fleury aprovada pela ditadura.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Cunha (e outros) na prisão

Deixe o seu comentário