Homem que defendeu travestis no metrô trabalhava no local há 20 anos

16361162

Publicado em O Povo

Um vendedor ambulante foi morto em uma estação do Metrô de São Paulo na noite de Natal. Segundo a Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP-SP), o vendedor Luís Carlos Ruas, 54 anos, foi agredido por dois homens, por volta das 22h25min do domingo, e morreu após ser espancado dentro da Estação Pedro II.

O boletim de ocorrência do caso não esclarece, mas há indicativos de que o ambulante tenha sido espancado após defender um morador de rua homossexual, que teria se desentendido com os dois agressores na entrada do metrô.

De acordo com a SSP-SP, Ruas comercializava salgados e refrigerantes na Rua Vergueiro, na região central da capital paulista, há 20 anos, e se desentendeu com os dois homens, próximo à estação Pedro II, da linha 3-vermelha do metrô paulista.

O comerciante tentou correr até a bilheteria da estação para escapar dos dois homens, mas foi atingido por vários golpes e caiu no local. Após a agressão, os homens ainda voltaram até a vítima, desacordada, e um dos suspeitos deu novos socos e chutes na cabeça na vítima.

Os agentes de segurança do metrô o socorreram e o encaminharam ao Hospital do Servidor, mas ele não resistiu às agressões.

De acordo com outras testemunhas, a dupla teria ido urinar em plantas localizadas do lado de fora da estação, quando um morador de rua, que seria homossexual, chamou a atenção dos homens. O comerciante tentou defender o morador de rua e, segundo a PM de São Paulo, houve o início do desentendimento e da briga.

Segundo o G1 São Paulo, o homossexual também foi perseguido pelos homens e teria sido agredido logo em seguida. Ele teria, no entanto, sido socorrido por populares que passavam pelo local.

A esposa do comerciante, Maria Aparecida Cavalcante, disse ao G1 que conversou com o marido poucos minutos antes da agressão. Chamada para socorrer o esposo, ela disse ter encontrado o vendedor já caído e machucado.

Intolerância
Por meio de nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) informou que o caso está sendo investigado pela Delegacia de Polícia do Metropolitano, que faz diligências para identificar e prender os suspeitos. Uma das linhas de investigação adotadas é de que um grupo de intolerância ao homossexualismo tenha praticado o crime.

A SSP-SP também informou que já obteve as imagens registradas pela câmera de segurança da estação do Metrô, que serão utilizadas para ajudar na investigação. O caso foi registrado no 78º DP (Jardins) como homicídio qualificado e será investigado pelo 1º DP (Sé).

Procurado pela Agência Brasil, o Metrô de São Paulo informou que depois de prestarem os primeiros socorros, os agentes de segurança da empresa conduziram o ambulante para o Pronto Socorro Vergueiro.

Segundo a nota, o ambulante foi agredido na área livre do mezanino da Estação Pedro II. “O Metrô colabora com a autoridade policial para o esclarecimento do crime”, diz a nota do órgão de transporte.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Homem que defendeu travestis no metrô trabalhava no local há 20 anos

1 Comentário

  1. Ginger disse:

    HOMOSSEXUALISMO? Nossa, pava! :X

Deixe o seu comentário