6 fatos (verdadeiros) sobre o Dia da Mentira

pinochio

Publicado em O Globo

Abril chegou e, com ele, aquele dia em que você tem dúvidas sobre todas as afirmações que chegam e tenta inovar nas pegadinhas para o Dia da Mentira. O que você talvez não saiba — e nisto, pode confiar — é que a causa mais provável para “comemorarmos” este dia remonta a cinco séculos atrás e que a data tem desdobramentos que chegaram às relações diplomáticas entre os Estados Unidos e o Iraque.

Confira!

1. Os atrasadinhos

O consenso em relação ao surgimento do Dia da Mentira é que, com a adoção do calendário Gregoriano, instituída pelo Papa Gregório XIII, a antiga comemoração do ano novo mudou de data. Antes do século XVI, a passagem de ano era comemorada da última semana de março até 1º de abril, coincindindo com a chegada da primavera no Hemisfério Norte. Mas os conservadores que não gostaram da mudança para o primeiro de janeiro passaram a ser classificados como “bobos” — em inglês, o Dia da Mentira é chamado “April Fool’s Day”, algo como o “Dia dos Bobos em Abril”.

Algumas versões dizem que os bobos do século XVI continuaram celebrando o ano novo em 1º de abril; outras contam que eles recebiam presentes e convites para comemorações falsas.

Além da mudança para o calendário Gregoriano, porém, há outras hipóteses. Por exemplo, a de que o Dia da Mentira seria uma continuidade das brincadeiras, músicas obscenas e fantasias usadas em festivais que marcavam a mudança das estações. Ou, ainda, a data teria surgido após o rei George III da Inglaterra ter feito uma piadinha, em 1º de abril, com a deposição do rei Luís XIV durante a revolução francesa.

2. Tradições centenárias

Hoje, o Dia da Mentira é celebrado através de diferentes tradições ao redor do mundo. Na França, por exemplo, a data se chama “Poisson d’Avril” (“Peixes de abril”) — a origem do nome também tem diversas possíveis explicações. Por isso, nas escolas, é comum a brincadeira de grudar um papel em formato de peixe nas costas do amiguinho.

Já na Escócia, o Dia da Mentira se estende do dia 1 a 2 de abril. No primeiro dia, chamado de “Hunt the Gowk” (algo como “Cace o bobo”), uma velha tradição, em decadência, é a brincadeira de enviar uma mensagem com o pedido de socorro a um amigo, que iniciará uma caça pela suposta pessoa perdida e, no fim, será o foco das piadas. No segundo dia, a brincadeira é colar nas costas do “amigo” um papel com a frase “Me chute”.

No Irã, o 13º dia do Ano Novo pelo calendário persa — oficial neste e em outros países do Oriente Médio — cai nos dias 1 ou 2 de abril. Além de festas ao ar livre, a data é repleta de brincadeiras.

3. O povo quer saber

No Brasil, entre as maiores buscas no Google em relação ao Dia da Mentira, estão consultas sobre suas origens, além da pesquisa por frases, mensagens e pegadinhas para a data. Entre as sugestões nos resultados da busca, está colocar insetos falsos em abajures, pasta de dente no lugar do recheio de biscoitos e até plantar grama no teclado de computador do colega de trabalho.

4. Na China, não

Em 2016, o governo chinês, por meio da agência de notícias estatal Xinhua, proibiu brincadeiras relacionadas ao Dia da Mentira, uma vez que a data “não faz parte da tradição cultural ou dos valores socialistas”. O comunicado deu a entender que quem desobedecesse as ordens poderia sofrer graves consequências.

5. Passando dos limites

As brincadeiras do Dia da Mentira já chegaram ao nível das relações internacionais. Em 1998, o jornal “Babel”, pertencente ao filho do então presidente Saddam Hussein, publicou uma notícia de que o presidente americano, Bill Clinton, havia acabado com as sanções contra o Iraque. Em uma página interna, a publicação admitia que a informação era falsa. A piada foi repetida em 2000.

Algumas décadas antes, na véspera de 1º de abril de 1940, o Instituto Frankiln, nos Estados Unidos, divulgou um comunicado de que o mundo acabaria às 3h da madrugada. A rádio KYW caiu na pegadinha, levando desespero aos ouvintes: “Seus maiores medos de que o mundo vai acabar foram confirmados pelos astrônomos do Instituto Franklin, na Filadélfia”.

richard

O fundador do grupo Virgin, o britânico Richard Branson, é também um conhecido autor de trotes. Em 1989, por exemplo, ele encomendou um balão de ar iluminado que parecia um disco voador para pousar nos arredores de Londres. O objeto no céu desesperou diversos moradores, que chamaram a polícia. Quando o balão pousou, uma pessoa vestida de ET saiu da “nave”, revelando a sofisticada piada.

O site do Museum of Hoax (“Museu das Farsas”) tem uma lista das 10 piadas mais surreais de Dia da Mentira de todos os tempos.

6. O Dia da Mentira na era da internet

As marcas estão a cada ano se superando nas brincadeiras do Dia da Mentira. O Google, por exemplo, já fez de tudo: transformou o Google Maps em um pergaminho, mudou a logo de seu site para o nome “Topeka” e já inverteu todas os caracteres em seu portal. Em 2016, teve que cancelar uma brincadeira que enviava GIF com Miniou pelo Gmail. Uma máquina caça-fantasmas e a inclusão da série “Game of Thrones” no Netflix também marcaram o 1º de abril de 2016.

Outras bizarrices já vieram da Mini Cooper, que anunciou um carro movido a folhas de chá na Inglaterrra, e do Cheetos, que brincou com o cheiro do salgadinho anunciando um perfume com sua essência (confira a propaganda do perfume “Cheeteau” abaixo, em inglês).

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for 6 fatos (verdadeiros) sobre o Dia da Mentira

Deixe o seu comentário