Edemar Lamarques, psiquiatra: ‘Gostar é espontâneo; amar é uma escolha’

Edemar_Lamarques

Publicado em O Globo

“Sou especialista em relacionamentos, e trabalho com casais e famílias. Também ofereço serviços de coaching para líderes de empresas. Além disso, realizo palestras pelo mundo todo com o objetivo de auxiliar as pessoas a lidarem melhor com as emoções e a alcançarem sucesso nas relações.”

Conte algo que não sei.

Quando alguém muito próximo a você, seja familiar ou amigo, agir de forma que lhe desagrade, e você imaginar saber o motivo deste comportamento, duvide de si mesmo, porque você não sabe. A motivação geradora da ação é mais importante que a ação. O que está na mente de uma pessoa, por mais conhecida que seja, só ela sabe.

Os casais estão mais ou menos compreensivos?

Infelizmente, menos compreensivos. Um poderoso motivo que leva a esse cenário é o excessivo tempo que as pessoas dedicam a seus eletrônicos. Os indivíduos se comunicam, cada vez mais, através de máquinas. Esse distanciamento de diálogo físico afasta as pessoas. Não há como criar intimidade sem contato presencial. As pessoas até podem utilizar redes sociais para expressar carinho, enviar uma mensagem de amor, mas isso de nada serve se, pessoalmente, não existe entrosamento.

Quais as principais queixas das pessoas que procuram o senhor?

Certamente, as diferenças de personalidade. É comum achar que essas incompatibilidades não têm solução, mas não é assim. Se você realmente tem vontade de mudar, é capaz de alterar a conduta no controle das suas emoções, que são naturais. Assim, você acaba apresentando um novo perfil, ou seja, uma nova personalidade.

Como o controle das emoções auxilia nessa mudança positiva?

A circunstância faz aflorar a emoção, seja positiva ou negativa, e a capacidade racional de escolha é que leva a impedir manifestações desse estímulo ou faz com que ele aconteça. Um exemplo é a irritação: ela vem de uma ação do outro, mas é o indivíduo quem libera a autorização para expressar irritabilidade. Muitas pessoas não percebem que temos vícios emocionais e acham que isso é circunstancial ou normal.

O que são pessoas com vícios emocionais?

Analise a seguinte característica: o efeito da manifestação emocional é positivo ou negativo? Nenhum de nós, em sã consciência, quer agir de forma negativa, mas, se a reação emocional em circunstâncias repetitivas (em casa, no trabalho) é negativa, existem vícios emocionais. Se o indivíduo não quer se sentir mal, mas insiste naquele comportamento, existe um problema.

Como sentimentos negativos afetam nossa saúde?

Quando uma emoção não é bem resolvida, e ela passa a se repetir, você a internaliza e o processo psicossomático se manifesta na doença. Eventualmente, você tem dor de cabeça ou problema de estômago. A depressão, mais grave doença do nosso século, está diretamente ligada a fatores emocionais.

Entender nossos desejos e nossas vontades ajuda a melhorar nossas ações?

Desejo é impulso, vontade é razão. Desejo é motivação não pensada, vontade é escolha. Por isso, amar é uma escolha, e gostar, espontâneo. Ao conviver e conhecer características do outro que não lhe agradam, só permanece na relação quem ama de verdade. Se não houver vontade de amar, a pessoa vai ficar apegada ao ponto que a desagradou e vai se afastar. Isso é muito comum: os indivíduos se distanciam por pequenas coisas desagradáveis, em vez de permanecerem juntos e perceberem possíveis qualidades. A vontade precisa ser mais forte que o impulso.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Edemar Lamarques, psiquiatra: ‘Gostar é espontâneo; amar é uma escolha’

Deixe o seu comentário