‘Fingi que era homem para poder trabalhar – até ser acusada de estupro’

_96067538_94838ee4-99da-43e7-8038-647fbb804cf1

Publicado na BBC Brasil

Pili Hussein queria fazer fortuna procurando uma pedra preciosa que acredita-se ser mil vezes mais rara do que diamante, mas, já que as mulheres não podiam trabalhar nas minas na Tanzânia, ela se vestiu como homem e enganou seus colegas por quase uma década.

Hussein cresceu em uma família grande na Tanzânia. Seu pai era um criador de gado que tinha muitas fazendas, seis mulheres e 38 filhos. Mas ela nem sempre se lembra da infância com saudades.

“Meu pai me tratava como um garoto e me dava gado para cuidar. Eu não gostava nem um pouco daquela vida”, disse à BBC.

Mas seu casamento era ainda mais infeliz, e aos 31 anos, Pili fugiu, abandonando o marido abusivo.

Em busca de trabalho, ela foi para a pequena cidade de Mererani – aos pés do monte Kilimanjaro, o mais alto do continente africano -, único lugar no mundo onde se encontra uma pedra rara e roxo-azulada chamada de tanzanita.

“Eu não estudei, então não tive muitas opções”, diz.

“Mulheres não podiam entrar nas minas, então entrei como um homem forte. Você pega calças largas, as transforma em shorts e fica parecendo um homem. Foi isso o que eu fiz.”

Para completar a transformação, ela também mudou de nome.

“Eu era chamada de Uncle (tio) Hussein. Não disse a ninguém que meu nome real é Pili. Até hoje, se você for na mina, pode me procurar por esse nome.”

Gorila’

_96067533_composite

Nos túneis quentes e apertados das minas – alguns dos quais se estendem por centenas de metros sob a superfície -, Pili trabalhava de 10 a 12 horas por dia, cavando e peneirando, esperando descobrir pedras preciosas em veios de grafite.

“Eu descia a até 600 metros, tinha mais coragem do que muitos outros homens. Eu era muito forte e conseguia produzir o que era esperado de um homem.”

Pili diz que ninguém suspeitou que ela era uma mulher.

“Eu me comportava como um gorila. Eu sabia lutar, falava palavrões, andava com um facão como um guerreiro (da tribo) Massai. Ninguém sabia que eu era uma mulher porque eu fazia tudo como um homem.”

Depois de cerca de um ano, ela descobriu dois aglomerados enormes de tanzanita. Com o dinheiro que conseguiu, construiu casas para seu pai, sua mãe e sua irmã gêmea, comprou mais ferramentas e contratou mineiros para trabalhar para ela.

_95776745_gettyimages-71352160

Seu disfarce era tão convincente que foi preciso um incidente fora do comum para que sua verdadeira identidade fosse revelada. Uma mulher afirmou ter sido estuprada por alguns dos mineiros e Pili foi presa como suspeita.

“Quando a polícia apareceu, os homens que estupraram a mulher disseram: ‘O culpado é ele’, e eu fui levada para a delegacia”, relembra.

Exame

Ela não teve escolha a não ser revelar seu segredo.

Pili pediu que a polícia encontrasse uma mulher que pudesse fazer um exame médico nela, para provar que não poderia ser responsável pelo estupro. Ela foi liberada em seguida, mas, mesmo assim, seus colegas mineiros não conseguiram acreditar que tinham sido enganados por tanto tempo.

“Eles nem acreditaram quando a polícia disse que eu sou mulher. Não foi fácil para eles aceitarem, até 2001, quando eu me casei e comecei minha família.”

Encontrar um parceiro quando todos acham que você é um homem não é fácil, diz Pili, mas ela conseguiu.
“A pergunta que ele se fazia sempre era: ‘Ela é uma mulher mesmo?’. Só depois de cinco anos ele se aproximou de mim.”

Vida diferente

_96057849_pili-hussein_top

Pili fez uma carreira de sucesso e hoje é dona de sua própria companhia de mineração, com 70 funcionários. Três de suas funcionárias são mulheres, mas elas trabalham como cozinheiras, não como mineiras.

Segundo Pili, apesar de haver mais mulheres hoje na mineração do que quando ela começou, poucas ainda trabalham realmente no interior das minas.

“Algumas lavam as pedras, algumas as vendem, outras estão cozinhando, mas elas não descem para as minas. Não é fácil convencer mulheres a fazer o que eu fiz.”

Seu sucesso permitiu que ela custeasse a educação de mais de 30 sobrinhas, sobrinhos e netos. Apesar disso, no entanto, ela não quis que sua filha seguisse seus passos.

“Tenho orgulho do que fiz. Me fez rica, mas foi difícil para mim.”

“Quero que minha filha vá à escola, tenha educação e consiga viver sua vida de uma maneira muito diferente da minha”, afirma.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for ‘Fingi que era homem para poder trabalhar – até ser acusada de estupro’

Deixe o seu comentário