Advogado negro é barrado em bar de Curitiba por ‘parecer um segurança’

1719737

Publicado na Folha de S. Paulo

Um advogado negro foi barrado na entrada de uma boate em Curitiba, na noite de quinta-feira (13), por causa da roupa que vestia –uma camisa social preta e uma gravata da mesma cor.

Segundo o funcionário que o abordou, o frequentador “parecia um segurança” e iria ser confundido no interior do local, no James Bar.

“Eu fiquei tão bobo que não tive reação”, contou Juliano Trevisan, 27, à Folha. “Ele me olhou dos pés à cabeça e disse isso.”

Trevisan se retirou do local, sem reclamar, e diz que “a ficha só caiu” minutos depois. “É engraçado, porque no início você se culpa. Pensei: poxa, poderia mesmo ter trocado de roupa. Aí que veio a noção do absurdo.”

Ao chegar em casa, ele postou uma carta ao bar nas redes sociais –que se retratou, pediu desculpas pelo ocorrido e demitiu o funcionário.

Em nota, o James Bar informou que foi “uma atitude arbitrária” e que isso “não condiz com o que acreditamos”.

Trevisan, natural do interior do Paraná, é advogado e trabalha como diretor de marketing de uma escola. Também tem um canal no YouTube, onde fala sobre preconceito e empoderamento negro. Com tatuagens, barbas e cabelo dreadlock, classifica seu estilo como “excêntrico”.

“Infelizmente, a nossa sociedade é muito visual; está pouco preocupada com o que as pessoas têm a oferecer”, afirma.

Para ele, que diz ter recebido mensagens de dezenas de pessoas que passaram por situações parecidas, “preconceito não é mimimi”.

“Sempre que isso acontece, passa um filme na minha cabeça; e é isso que ninguém entende”, comenta, lembrando de outras situações de discriminação. “Tem gente que vira para mim e fala: foi só isso? Mas nunca é só isso.”

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Advogado negro é barrado em bar de Curitiba por ‘parecer um segurança’

1 Comentário

  1. William disse:

    Onde está o preconceito? A profissão de segurança é indigna? Se sentiu humilhado por estar parecendo alguém que cuida de nossa integridade física? Faz favor né! Concordo com o Haddad… qualquer coisa que acontece é motivo de mimimi. Dá até medo, hoje em dia, de cumprimentar a pessoa, perder o emprego e ser processado. Já leram o significado da palavra segregação no dicionário? Isso mesmo… separação. Separando na hora de conseguir uma vaga no trabalho ou na faculdade, separando com leis diferentes se uma pessoa brigou e xingou, etc. Qdo a pessoa faz a prova no vestibular, a prova não é diferente do candidato da cor tal e da cor tal. A finalidade do vestibular não é ver se o candidato é intelectualmente capaz de fazer o curso? Na boa… o governo adora aprovar na educação para fazer números. Temos exemplos das crianças na escola que não sabem ler, escrever e operações básicas da matemática. Isso não dá certo. Tenho medo do que o futuro nos reserva.

Deixe o seu comentário