Substâncias psicodélicas melhoram atividade cerebral, revela estudo

publicado no O Globo

Substâncias psicodélicas são capazes de melhorar a plasticidade neural e as sinapses cerebrais, indica um estudo realizado por cientistas brasileiros e publicado ontem na revista “Scientific Reports”, do grupo Nature. A pesquisa analisou um composto da família dimetiltriptamina (DMT), substância psicodélica encontrada em várias plantas. É ela, por exemplo, o princípio ativo da mistura do ayahuasca, chá utilizado em rituais do Santo Daime.

O composto em questão foi o 5-MeO-DMT. O grupo de pesquisadores pôs uma única dose desse psicodélico em contato com minicérebros — estruturas feitas com células-tronco que imitam cérebros humanos reais. O resultado foi que quase mil proteínas cerebrais mostraram alterações após serem expostas à substância. E proteínas importantes para a formação e a manutenção de sinapses estavam presentes em maior quantidade. Dentre elas, algumas envolvidas em fenômenos de aprendizado e memória, essenciais para o funcionamento do cérebro.

— Nossos resultados ratificam o potencial clínico de substâncias banidas por questões políticas e que merecem total atenção da comunidade médica e científica — destaca o líder da pesquisa, Stevens Rehen, professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e diretor de Pesquisa do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR).

O neurocientista ressalta que esta é a primeira vez que foi possível descrever alterações nas proteínas do tecido cerebral humano exposto a uma substância psicodélica.

— Tínhamos a expectativa da influência desse psicodélico [o 5-MeO-DMT] em vias metabólicas importantes do cérebro, mas os resultados superaram todas as nossas expectativas — conta Rehen.

Estudos recentes têm demonstrado que substâncias como LSD (dietilamida do ácido lisérgico), MDMA (metilenodioximetanfetamina) e DMT apresentam potencial terapêutico. Em particular, já era sabido que compostos da família da DMT estão relacionados à redução da resposta inflamatória e a efeitos antidepressivos.

Para desvendar os efeitos do composto 5-MeO-DMT sobre o cérebro, o time de pesquisadores mapeou quais proteínas foram alteradas e quais funções elas desempenham no cérebro humano. Além de uma melhor aprendizagem e memória, a conclusão a que os cientistas chegaram é que proteínas envolvidas com inflamação, degeneração e lesão cerebral foram encontradas em menor quantidade, indicando que esse composto é um neuroprotetor em potencial.

— Os resultados sugerem que psicodélicos clássicos são poderosos ativadores da plasticidade neural, uma ferramenta de transformação psicobiológica que apenas começamos a entender — comenta Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e coautor do estudo.

Rehen ressalta como o uso de minicérebros tem sido importante para o avanço das pesquisas nos últimos anos:

— Eles são avatares biológicos do cérebro humano. Seria impossível fazer esse tipo de estudo com pessoas vivas.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Substâncias psicodélicas melhoram atividade cerebral, revela estudo

1 Comentário

  1. Luzia Gomes disse:

    Eu não quero mais receber está mensagem que fasso para conselar

Deixe o seu comentário