Mãe é criticada por maquiagem no parto: “Queria me sentir bem”, justifica

publicado no Bol

Maquiadora desde 2013, Kamila Queiroz de Natal, no Rio Grande do Norte, movimentou as redes sociais ao publicar uma foto da engenheira civil Beatriz Amorim, 28, maquiada no centro cirúrgico após dar à luz sua filha. No post, a profissional falou sobre o aumento da busca por esse tipo de serviço. “Em 2014, passei a maquiar muitas gestantes para os ensaios fotográficos e logo depois elas começaram a me procurar para o momento do parto. Afinal, quem não quer sair linda nas fotos, seja em qual estilo de foto for?”, questiona Kamila em entrevista ao UOL.

E foi justamente por isso que Beatriz procurou a profissional em sua segunda gravidez. “Queria me sentir bem. O fim da gravidez é bem cansativo para a mulher. Tinha um filho de 1 ano e 10 meses quando minha filha nasceu, então já estava bem esgotada no final. Como o meu primeiro filho nasceu de uma cesárea de urgência, o parto da minha filha acabou sendo igual. Devido ao tempo entre uma gestação e outra, minha obstetra tinha medo de rompimento uterino em caso de parto normal.

Com isso, tive a oportunidade de poder agendar e escolher a hora do nascimento, além de dar um toque a mais”, explica. “A maquiagem não era importante para mim, tanto que no [nascimento do] meu primeiro filho não teve, foi tudo muito rápido. Mas se eu tinha a possibilidade de fazer, se a obstetra tinha autorizado e indicado, por que não? Fiz, adorei e faria novamente. O importante é que deu tudo supercerto, as fotos ficaram lindas. Com ou sem maquiagem, o momento é lindo e único”, garante Beatriz, que recebeu diversos comentários negativos sobre sua imagem e de sua filha e se incomodou com as mensagens pejorativas.

Wagner Rodrigues Hernandez, obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz, garante que a maquiagem, inclusive, o uso de esmalte estão liberados no centro cirúrgico. “As mulheres com cesáreas agendadas geralmente fazem isso antes de internarem. Com as de parto normal, como não há horário [para o nascimento], é mais complicado’, argumenta ele, que reforça que acessórios, no entanto, são proibidos por conta de infecções causadas por germes e bactérias no ambiente hospitalar. “No caso da cesárea em que também usamos bisturi elétrico, os acessórios podem gerar queimaduras, por isso também não devem ser utilizados”.

Mas caso o nascimento seja em casa, por exemplo, tudo bem o uso. “Foi ótimo, olha, não é como nas novelas, não. Estava no segundo filho, já sabia o que fazer e o que não, mas ainda assim a amamentação é difícil, às vezes o leite não vem, o bebê faz a pega errada, o mamilo fica ferido. Por conta da cesárea, a mulher fica dolorida. As visitas não param, o bebê acorda a todo instante, tem a sonda. Então, tem certas vaidades que amenizam os pequenos sofrimentos”, garante Beatriz, que é mãe de Vicente e Sofia.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Mãe é criticada por maquiagem no parto: “Queria me sentir bem”, justifica

Deixe o seu comentário