Conheça Nora, o urso polar de 2 anos que foi criado na mamadeira

publicado no Hypescence

É possível que você tenha visto algum vídeo da ursinha polar recém-nascida Nora quando ela era criada na mamadeira pela equipe de veterinários do zoológico Columbus em Ohio (EUA), no fim do ano de 2015. Ela ficou famosa no mundo todo pela fofura, mas até agora, pouca gente sabia das terríveis dificuldades que ela e a equipe enfrentaram e ainda enfrentam.

Quem investigou e publicou todos os detalhes desta trajetória foi a jornalista do The Oregonian, Kate Williams, que contou a história de Nora em uma grande-reportagem dividida em cinco capítulos. Este trabalho, que poderia facilmente ser transformado em um livro-reportagem de ótima qualidade, vale a pena ser conferido pelos leitores que entendem inglês.

Tudo começou em meados de novembro de 2015, quando a mãe de Nora, Aurora, deu à luz dois filhotes muito comemorados pela equipe do zoológico Columbus. O macho nunca conseguiu mamar, e morreu apenas dois dias depois de nascer. Já a fêmea parecia ir bem até o sexto dia de vida, quando Aurora a abandonou e foi andar pelas outras áreas da jaula.
Isso imediatamente levantou bandeiras de alerta entre os cuidadores que estavam responsáveis por vigiar a mãe e a filhote 24 horas por dia com a ajuda de uma câmera. Na natureza, as mães não deixam seus filhotes sozinhos nem por um segundo nos primeiros meses, nem mesmo para se alimentar.

Eles apenas observaram durante a primeira hora. A filhote minúscula, ainda surda e cega, estava acomodada em um monte de feno na sala gelada. Na segunda hora, tentaram atrai-la de volta para a filhote com a ajuda de feno fresco, que normalmente chama a atenção da ursa. A filhote chorava alto, com frio e fome, chamando pela mãe. Na terceira hora, eles tentaram atraí-la com peixe, mas a equipe já parecia entender que Aurora havia abandonado a maternidade.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Conheça Nora, o urso polar de 2 anos que foi criado na mamadeira

Deixe o seu comentário