Depois de ir à Lua, astronauta gastou o resto da vida procurando pela Arca de Noé

Publicado na Aventuras na História

Ao final do primeiro dia de exploração da Lua, o astronauta americano James Irwin, integrante da missão Apollo 15, disse estar com algo na cabeça.

Ele deixou vazar o conteúdo de sua mente pelo rádio com o Centro de Controle de Missão em Houston:

Levantarei os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro?

Esse é o primeiro versículo de Salmos 121, que continua com: “O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra”.

Uma passagem bíblica não exatamente adequada para uma missão que transcorria sem qualquer transtorno. Irwin então achou um jeito de quebrar a tensão: “Mas, é claro, recebemos um pouco de socorro* de Houston também”.

Irwin disse que teve um epifania no espaço. A partir dali, ele se dedicou apenas a Deus. Onze anos depois, o oitavo humano a pisar na superfície da Lua estava em uma aventura bem diferente, no Monte Ararat, na Turquia.

Uma aventura que, segundo Irwin, era muito mais importante que a primeira: encontrar a Arca de Noé. Um barco de madeira gigante capaz de carregar um casal de cada espécie terrestre do planeta, dos elefantes aos pinguins e carrapatos, para protegê-los de uma enchente que cobriria o topo do Everest.

A Arca de Noé

Irwin e sua equipe se prepara escalar o Monte Ararat, 1982

A história da Arca não é exatamente amigável ao pensamento científico. Sabemos hoje que existem espécies demais para algo assim ser possível, que a água no planeta é constante, e que um dilúvio assim seria facilmente visível no registro geológico – o que não é. A dinâmica de populações também tornaria impossível o mundo ser reabitado em tão pouco tempo. Por fim, madeira é biodegradável e desaparece do registro arqueológico, salvo em condições muito especiais.

São razões para a maioria dos cristãos encararem a Arca como uma alegoria, não algo que aconteceu realmente, ou que aconteceu, mas não exatamente como está na Bíblia. Porém, Irwin não era um cristão como a maioria.

A busca de Irwin

O monte Ararat, na Turquia, é o local mencionado tanto na Bíblia quanto no Alcorão como o ponto de “pouso” da Arca. Apesar de não ser particularmente alto nem exigir um nível técnico elevado para ser escalado, ainda assim possui seus perigos: encostas íngremes e grande quantidade de gelo e pedras.

Irwin foi à Turquia acompanhado de Bob Cornuke, ex-membro da SWAT. Chegaram a ser detidos pelas autoridades turcas sob acusação de espionagem – partes do Ararat são zonas militares e é preciso uma permissão especial para escalá-lo. Cornuke admite que eles tinham altas expectativas em encontrar a Arca. “Sempre existia a chance de encontrarmos o velho barco escondido no gelo no topo do Monte Ararat”, ele disse. “E quando existe uma chance, vale a pena o esforço.”

O ex-astronauta terminaria por quase morrer na empreitada. Em uma das tentativas de escalar o Monte Ararat, em 1982. ele foi gravemente ferido por uma queda de rochas e sofreu inúmeras lacerações no rosto e nas pernas. No ano seguinte, ele ainda sobrevoou o Monte Ararat com um helicóptero para tentar encontrar pistas. Novamente, falhou. “É mais fácil caminhar sobre a Lua”, ele terminaria por constatar.

James Irwin após ser ferido durante uma das expedições para o Monte Ararat, em 1982

Caçada sem fim

Sem nunca desistir, o astronauta morreria relativamente cedo, em 1991, aos 61 anos, por problemas cardíacos.

Sua história não dissuadiu outros caçadores da Arca. Em setembro 2011, o pedreiro escocês Donald Mackenzie foi pego por uma nevasca brutal a quase 4 mil metros. Seu corpo nunca foi encontrado.

A última “descoberta” relacionada a ela foi divulgada em outubro passado, quando o “especialista” americano Paul Esprante anunciou que havia encontrado no Monte Ararat uma estranha colina em formato de barco. Essas aspas todas são porque nenhum dos meios que abordou o achado – começando pela agência estatal turca – citou qualquer filiação acadêmica. Uma pesquisa por seu nome só traz a própria notícia, nenhum site pessoal, nem de universidades.

“É altamente improvável que a arca exista”, afirma Bob Cargill, professor-assistente de religião na Universidade de Iowa. “A história bíblica do dilúvio é adaptada de histórias anteriores sobre inundações na Mesopotâmia, como as epopeias de Atrahasis e de Gilgamesh. Os estudiosos mais críticos entendem que a história da inundação bíblica é uma reformulação desses mitos, recriados para refletir a identidade, ideologia e teologia judaica.”

Nota

* (A tradução é para manter a piada. “Ajuda” e “socorro” em inglês são a mesma palavra, help)

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Depois de ir à Lua, astronauta gastou o resto da vida procurando pela Arca de Noé

Deixe o seu comentário