“Usar cocar no Carnaval é uma troca entre culturas”, diz indígena em vídeo que viralizou

Publicado em O Povo

A polêmica do Carnaval gira na questão do que se “pode ou não” usar como fantasia. Na última sexta-feira, 9, a ativista Katú Mirin publicou vídeo dizendo que a prática era racista e apropriadora cultura. Em contrapartida, a indígena Ysani Kalapalo disse que usar cocar no Carnaval não é desrespeito mas sim, um troca entre culturas.

O vídeo de Ysani viralizou ao longo do final de semana e alcançou mais de 1,5 milhão de visualizações no Facebook. Ela enfatiza que cada povo indígena tem cultura e opiniões diferentes e que, para ela, ver os foliões usando cocar no Carnaval não é ofensivo.

“Eu vou falar da minha cultura. Eu sou do povo Kalapalo, natural do parque indígena do Xingu. Na minha cultura Kalapalo, pelo que eu vivi e vi, não tem nada demais usar cocar e adereços indígenas no Carnaval”, afirma ela no vídeo.

“Quando a gente vai para a cidade a gente usa roupa, óculos, tênis de marca”, completa, afirmando que racismo é “quando branco chama o índio de bicho e incapaz” e “tira o índio da sua terra”.

Ysani diz também que consultou a família e outras lideranças indígenas da tribo para gravar o vídeo. Ela afirma que só ela aparece, mas a decisão foi tomada em conjunto.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for “Usar cocar no Carnaval é uma troca entre culturas”, diz indígena em vídeo que viralizou

Deixe o seu comentário