Por que ¼ dos jovens brasileiros não estudam nem trabalham?

Publicado na Ultimato

No infográfico apresentado na edição atual (370) da revista Ultimato, que foca nos dados e perspectivas sobre os idosos no Brasil, está divulgado a projeção de que o número de pessoas acima de 60 anos no país deve passar de 23,5 milhões em 2011 para 64 milhões em 2050. Outra expectativa é a de que a força de trabalho brasileira fique cada vez mais velha, e comece a diminuir a partir de 2035. Um indício disso hoje é que um quarto da população entre 15 e 29 anos, cerca de 11 milhões de jovens, não estudam nem trabalham.

Para entender melhor esse quadro dos jovens, pesquisadores do Banco Mundial conduziram 77 entrevistas em Pernambuco, com pessoas entre 18 e 25 anos, moradores tanto de zonas urbanas quanto das rurais. O resultado é o estudo “Se já é difícil, imagina para mim…”, lançado pelo Banco Mundial no Rio de Janeiro.

Segundo a autora do relatório, Miriam Müller, é preciso desconstruir o termo “nem-nem”, que não reflete as muitas diferenças entre esses jovens e joga sobre eles um enorme estigma. “A culpa não é dos jovens. O estudo mostra que algumas condições relacionadas à pobreza e ao gênero produzem um conjunto de barreiras difíceis de superar. Essas limitações prejudicam sobretudo as mulheres, que se veem afetadas na capacidade de imaginar seus futuros, perseverar e ter resiliência”, avalia a cientista social alemã.

O fenômeno dos jovens fora da escola e do mercado de trabalho não é exclusividade brasileira: o documento lembra que ele persiste na América Latina e no Caribe, com consequências desafiadoras. Trabalhos anteriores feitos na região sugerem, por exemplo, que o problema pode ameaçar a produtividade e o crescimento econômico em longo prazo. Além disso, como 66% dos nem-nens latino-americanos e caribenhos são mulheres, o tema também pode contribuir para uma transmissão intergeracional da desigualdade de gênero.

Três indícios das causas

Os jovens brasileiros considerados “nem-nens” ou “desengajados” têm diversas razões para estar assim. A primeira delas é o que as autoras chamam de barreiras à motivação interna, ou seja, falta de aspiração ou predisposição para voltar aos estudos ou ao trabalho. Mulheres casadas e com filhos pequenos encontram-se nesse perfil.

No segundo grupo, estão aqueles que expressaram motivação para voltar a trabalhar ou estudar, mas não tomaram uma providência porque lhes faltam as ferramentas necessárias para realizar essa aspiração. Embora muitos dos entrevistados tenham se inscrito no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou enviado currículos, não deram continuidade a esses esforços.

“Como esses jovens não tiveram contato com pessoas cujas carreiras fossem interessantes, não conseguiram encarar suas aspirações como algo realista nem receberam informações sobre como realizá-las. A escola tampouco os apoiou”, informa o documento.

Por último, o estudo conta a história de jovens que, embora tenham se esforçado para estudar ou trabalhar, desistiram por causa de barreiras externas. Entre elas, os desafios de conciliar emprego e sala de aula, poucos recursos financeiros ou qualificação, falta de transporte público seguro para se locomover entre uma atividade e outra, e a crise econômica do país. As que já são mães ainda relataram a discriminação que sofreram por parte de potenciais empregadores.

Para acessar o estudo completo, clique aqui.

Foto: Marcello Casal Jr/Abr.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Por que ¼ dos jovens brasileiros não estudam nem trabalham?

Deixe o seu comentário