Filme de Edir Macedo, ‘Nada a Perder’ tem bilheteria inflada

Publicado na Folha de S. Paulo

A Folha esteve em nove sessões de “Nada a Perder” durante o primeiro fim de semana da cinebiografia do bispo Edir Macedo em cartaz.

Mas não havia salas lotadas, como se esperava diante dos 4 milhões de ingressos comercializados em pré-venda.

A marca batia até a de “Os Dez Mandamentos” (2016), outra produção da Igreja Universal do Reino de Deus, que encerrou a trajetória no topo da bilheteria nacional, com 11,3 milhões de ingressos.

Como dois anos atrás, verifica-se discrepância entre a ocupação das salas que exibem “Nada a Perder” e o número de entradas vendidas.

Somente para o final de semana de estreia, foram vendidos 2,3 milhões de ingressos, segundo estimativa do site especializado Filme B.

Já é o maior sucesso nacional deste ano e também supera as bilheterias brasileiras de 2017 —à exceção de “Minha Mãe É uma Peça 2”, estreia de dezembro de 2016 que totalizou 9,8 milhões.

Mas não é possível saber quantas pessoas assistiram a “Nada a Perder” —não há controle, nas redes UCI, Playarte e Itaú, de quantos pagantes de fato assistiram às sessões. A Cinemark não respondeu.

O fato de ingressos terem sido presenteados a fiéis da Iurd, nem todos os quais compareceram às salas, explica os vazios —espectadores presentes nas sessões visitadas declararam que haviam ganhado as entradas.

Espectadores disseram à reportagem ter recebido o ingresso de graça na igreja; mas houve também quem afirmasse ter comprado espontaneamente a entrada.

Em nota, a Universal disse ter incentivado fiéis a assistirem ao filme, mas negou ter controle ou responsabilidade sobre o comparecimento do público (leia mais abaixo).

EXCURSÃO
Nas antessalas dos cinemas visitados pela reportagem, o clima era de excursão.

No Espaço Itaú do shopping Frei Caneca (região central), a responsável por pegar os bilhetes na porta do cinema tentava organizar a entrada. “Por favor, tirem os ingressos do plástico”, repetia a funcionária.

Questionada sobre essa prática, ela respondeu que “o pessoal que ganhou o ingresso chega com o convite dentro do plástico e isso atrapalha o andamento da fila”.

As conversas durante a sessão não eram apenas entre vizinhos de cadeira. Ocorriam, muitas vezes, entre pessoas de fileiras diferentes, revelando grandes grupos.

No fim de uma sessão, espectadores aplaudiram e louvaram, como em um culto.

Com 211 lugares, a sala 2 do Frei Caneca tinha apenas 29 lugares disponíveis no mapa de assentos online para a última sessão de quinta, ou seja, 182 lugares vendidos. No entanto, apenas cerca de 80 pessoas (menos da metade) estavam na sessão.

No Cinemark do shopping Pátio Higienópolis (região central), na quinta (29), às 20h40, o site de venda de ingressos mostrava apenas 6 lugares disponíveis, em uma sala com 115 assentos.

Na sessão, porém, pouco mais da metade dos assentos estava preenchida. Esse padrão se repetiu em todas as salas visitadas pela Folha.

Na sessão da quinta, às 22h20, do Cinemark do shopping Eldorado (zona oeste), cerca de 70 pessoas, incluindo crianças de colo, ocupavam a sala de 303 lugares. Quando a reportagem comprou o ingresso, três horas antes, mais de dois terços da sala já haviam sido vendidos.

A Folha conversou com dez grupos de familiares e amigos no Higienópolis. Alguns diziam ter recebido ingressos na Igreja Universal no Bom Retiro (região central).

Funcionários do complexo, que não quiseram se identificar, disseram que um pastor havia comprado um lote de ingressos.

Metade das pessoas ouvidas no cinema, contudo, afirmou ter comprado suas entradas —sós ou organizados em grupo, mas sem intermédio de líderes religiosos.

No Espaço Itaú de Cinema Pompeia (zona oeste), três salas (5, 6 e 7) exibiam ao mesmo tempo “Nada a Perder” e eram isoladas das outras salas por uma corda.

O mapa de assentos da sala 7 indicava que, dos 117 lugares, 95 haviam sido vendidos, mas só cerca de 60 espectadores, entre os quais crianças e bebês, estavam lá.

Uma mulher entrou com um grupo na sala 6. Lá, ouviu de um jovem, chamado de pastor por espectadores: “Falei que ia ficar em cima de vocês até vocês virem”.

LENCINHO
Na porta de ao menos três salas visitadas pela reportagem, estavam sendo distribuídos lencinhos da Iurd.

Ao final da projeção, o bispo Edir Macedo aparece na tela orientando o público a segurar o lencinho, que traz impressa uma citação bíblica.

“Use este lencinho por sete dias e entregue em uma Universal”, convoca uma mensagem no próprio artigo.

No Kinoplex Itaim (zona oeste), a Folha perguntou ao bilheteiro se parte do público fora convidada à sessão. “Sim, um homem que recebeu convites para a família toda me deixou esses sete ingressos porque só ele veio. Quer?”

Leia, na íntegra, nota enviada pela Igreja Universal do Reino de Deus após ser procurada pela Folha para comentar sobre a discrepância entre ingressos vendidos e ocupação real das salas.

“A Igreja Universal do Reino de Deus agradece o profundo interesse da “Folha de S.Paulo” no filme “Nada a Perder”, a ponto de enviar repórteres às salas de cinema e contar o número de pessoas que assistiram ao filme.

E, respeitosamente, perguntamos se a Folha também verificou se houve discrepância nas salas adjacentes, exibindo outros filmes com muito menor público, como “Jogador Nº 1”, “Pedro Coelho”, entre outros.

Será que em alguma dessas salas houve algum caso de pessoas que foram detidas no trânsito, ou sofreram algum imprevisto e não puderam comparecer?

Será que entre os 2,3 milhões de pessoas que visitaram os cinemas em todo o Brasil neste fim de semana (segundo dados oficiais de portal Filme B), pode ter acontecido de algumas pessoas não conseguirem assistir à sessão planejada?

Certamente, se não acontecesse, isso sim mereceria ser notícia.

Portanto, reafirmamos que a Universal não tem controle nem responsabilidade sobre o público que decide ir, ou não, às salas de cinema que estão exibindo “Nada a Perder”.

Mas confirmamos, sim, que muito orgulhosamente, incentivamos todos os nossos membros e o público em geral a assistir ao filme, para que tenham a oportunidade de conhecer a verdadeira história do Bispo Edir Macedo, pois, a depender de alguns veículos da imprensa preconceituosa como a “Folha de S.Paulo”, as pessoas só terão acesso às mentiras e falsas informações, cujo objetivo é claro: denegrir a fé evangélica.

Chega de preconceito. Chega de fake news.”

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Filme de Edir Macedo, ‘Nada a Perder’ tem bilheteria inflada

Deixe o seu comentário