MBL, ‘princesa do conservadorismo’ e comandante viram alvo da direita

Publicado na Folha de S. Paulo

O que a jornalista Rachel Sheherazade, o cofundador do MBL Kim Kataguiri, o general Eduardo Villas Bôas e o articulista Rodrigo Constantino têm em comum?

Aos olhos do Brasil de 2018, uma queda pelo comunismo. É esse o rótulo, ao menos, que a extrema-direita vem atribuindo a alvos até aqui monopolizados pela esquerda do país.

A desaprovação dessa turma à greve dos caminhoneiros propulsionou a fagocitose ideológica, com a direita da direita atacando a direita.

Bordão assíduo em atos esquerdistas, “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo” ganhou espaço nas rodovias paralisadas. “Emissora corrupta pau mandado do governo” é uma das várias agulhadas contra a corporação em grupos de WhatsApp com motoristas.

Nesses fóruns virtuais sobram também bordoadas para Constantino. Autor de “Privatize Já!” e “Esquerda Caviar”, ele reproduziu texto que questiona a ideologia destra nas estradas: “Não se trata de uma greve de trabalhadores de direita. Eles não leem Olavo de Carvalho, não se deliciam com os livros liberais, não estão dentro de uma concepção de Estado mínimo”.

Blogueiros progressistas condecoravam Sheherazade com o título de “princesa do conservadorismo brasileiro”.

Agora é o outro polo ideológico que a tem na mira. Os bofetões se multiplicaram após o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) divulgar um vídeo para criticar a contratada do SBT.

Sheherazade havia publicado um primeiro vídeo, no qual destaca prateleiras desguarnecidas, indústrias sem insumos e escassez de remédios. “Eu me pergunto: o que querem os caminhoneiros com esta greve absurda?” A paralisação, continua, é a “gênese de um novo modelo venezuelano de caos social”.

No Twitter, ela compartilhou uma foto da ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher, bastião da direita global, mais a legenda: “Titia tá de olho nestes conservadores apoiando greve, hein?”.

No banco do passageiro de um carro, Bolsonaro assiste no celular à retórica de Sheherazade. “Já fui um grande fã desta jornalista”, diz para em seguida lamentar suas observações. “Na própria página dela, tem 90% de negativações.”

Refere-se à saraivada de polegares para baixo, sinal de reprovação virtual, que ela acumula num post no Facebook contrário à paralisação. O comentário mais curtido soma 14 mil apoios. “Tu não era assim. Te vendestes?????”

Aliado de Bolsonaro e pré-candidato a deputado, o ator Alexandre Frota fustigou a “sirigaita da comunicação tendenciosa” que “nunca saiu do seu ar condicionado” e, portanto, não estaria habilitada para falar sobre as manifestações.

“Se desiludi Bolsonaro, fico até satisfeita, pois abomino seus posicionamentos desrespeitosos, machistas e intolerantes”, afirma Sheherazade à Folha. “Não reconheço nele um representante da direita, mas um conservador de conveniência, um pseudoliberal, amante saudoso da ditadura, que se locupletou desse capital ideológico para arregimentar um eleitorado desiludido com a esquerda e os partidos de centro.”

Na véspera de um julgamento sobre Lula, o comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, causou frisson ao dizer numa rede social que a instituição sob sua guarda zelava por suas “missões institucionais” —fala interpretada como aval a uma intervenção militar caso o Supremo Tribunal Federal concedesse habeas corpus ao ex-presidente.

Virou o queridinho da extrema-direita e um João Bobo para a esquerda. O entusiasmo de intervencionistas murchou após o general se dizer empenhado em “buscar a solução da crise sem conflitos” na greve dos caminhoneiros.

“Você vai ficar com essa balela e vendido até quando?”, questionou um de seus 279 mil seguidores no Twitter. De outro: “Está mais do que na hora dos militares assumirem os rumos deste país. […] Me desculpe, general, mais estas suas postagens são inúteis”.

Outro réu no tribunal da internet: o MBL (Movimento Brasil Livre), que virou a menina dos olhos do conservadorismo ao capitanear protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

No perfil de um de seus líderes, Kim, chovem ataques à posição do MBL sobre a crise. Abaixar o preço do diesel, bandeira dos grevistas, vai aumentar o custo de etanol e gasolina, “então quem paga a conta é você”, sustenta o movimento. “Não entendi até agora por que vocês não chamaram o povo para as ruas para se juntar aos caminhoneiros. Lamentável, decepcionado”, escreveu um ex-admirador.

Após o posicionamento, o grupo perdeu seguidores nas redes sociais (Kim não dimensiona quantos).

“Estes conservadores que acreditam em revolução e defendem a queda de tudo de uma vez, botar fogo na casa em vez de resolver aos pouquinhos, estão mais perto de Stalin do que de Ronald Reagan e não têm a menor noção disso”, diz Kim à reportagem.

Professor da UFPR que estuda partidos de direita, Adriano Codato traça um paralelo “entre radicalismos”. Na extrema-esquerda, diz, “há o PCO diante do PSOL, caracterizado como ‘partido pequeno-burguês’”.

“A diferença é que o PCO fala para o seu público interno, cativo. Já essa extrema-direita quer uma audiência maior. Dado o primitivismo das camadas médias brasileiras, não me espanta isso ter eco.”

Professora do Departamento de História da UFRGS, Claudia Wasserman lembra de outra comparação possível, desta vez entre os tempos atuais e a temporada do general Ernesto Geisel na Presidência (1974-1979).

“No período houve uma crise entre militares linha dura e militares que entendiam a necessidade de abertura do regime. Os casos das bombas do Rio Centro e da OAB foram uma clara reação da extrema-direita contra a abertura que a direita estava promovendo.” Tentativa de golpe dentro do golpe, resume.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for MBL, ‘princesa do conservadorismo’ e comandante viram alvo da direita

Deixe o seu comentário