Casagrande, o campeão moral da Copa do Mundo

Publicado no El País

Mais uma vez, Walter Casagrande não se envergonhou de compartilhar a luta diária contra a dependência química. O comentarista da Globo fez um breve e emocionante relato no fim da transmissão que exaltou o bicampeonato da França. “Essa foi a Copa do Mundo mais importante da minha vida. Eu tinha a proposta de ir sóbrio, permanecer sóbrio e voltar pra casa sóbrio. E eu consegui.” A fala levou às lágrimas o companheiro de jornada e transmissões. Afinal, ninguém melhor que Galvão Bueno para reconhecer a valentia do enorme ser humano que existe por trás dos atributos de comentarista e ex-jogador.

Entrevistei Casagrande há sete anos, para a Placar. Algum tempo antes, ele havia se chateado com a revista, que publicou uma matéria revelando a batalha que travava com as drogas. Nunca imaginei que uma pessoa pudesse falar com tanta lucidez e desprendimento sobre um drama que lhe rendeu várias feridas. Saí de seu apartamento dividido entre o choque e a admiração, ainda absorvido pelo teor de suas palavras em mais de duas horas de conversa: “Eu tinha um mecanismo de autodestruição. Queria acabar com a minha vida. Quando estava sozinho, me achava um bosta. Me afundei, quase morri.”

Na mesma entrevista, ele descreveu o papel determinante que Galvão Bueno desempenhou ao longo de sua reabilitação, entre avanços e recaídas. “Meus problemas emocionais eram tão graves que só as drogas me saciavam. Eu sempre queria mais. O Galvão brigou lá na Globo quando eles tinham dúvidas se eu poderia ir para a Copa [de 2010], se estaria bem. E ele dizia: ‘Tem que ir, vai ser bom para ele estar lá, do nosso lado’. Galvão foi uma das pessoas que mais me ajudaram após meu problema e pode contar comigo para o resto da vida.”

Casagrande tem plena consciência de que não está livre do vício nas drogas. É um enfrentamento constante, “para o resto da vida”, como ele costuma frisar nas palestras que ministra pelo país e sempre que aproveita oportunidades para contar sua história na televisão, a exemplo da série com médico Drauzio Varella exibida pelo Fantástico. Muito além do comentarista que não demonstra papas na língua tampouco corporativismo ao criticar jogadores, o ídolo da torcida corintiana descobriu um novo propósito de vida: quebrar o tabu sobre a dependência química e mostrar que não há mal algum em reconhecer as próprias fraquezas, já que o autoconhecimento é a única forma de confrontá-las.

Em um torneio de gratas surpresas, como Bélgica e Croácia, e de seleções que souberam sair de cabeça erguida mesmo na derrota, Walter Casagrande deixa a Rússia como o campeão moral da Copa do Mundo. Sua conquista pessoal é tão tocante quanto o exemplo que deixa para aqueles que lutam diariamente contra “seus demônios”, tal qual ele descreve em sua biografia. E também um soco no estômago dos que, desprovidos de sobriedade e caráter, tentam desqualificá-lo sob o estigma de dependente químico. Que a grandeza de Casão, em franco e ininterrupto estágio de reconstrução, seja sempre maior que o desvario dos abutres.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Casagrande, o campeão moral da Copa do Mundo

Deixe o seu comentário