Aluno é barrado em escola municipal do RJ por usar guias do candomblé

‘Ele foi muito humilhado’, disse a mãe sobre o ocorrido no dia 25 de agosto.
Jovem caracterizou o episódio como discriminação e mudou de escola.

Mariucha Machado, no G1

Colares são chamados 'guias' (foto: Reprodução / TV Bahia)
Colares são chamados ‘guias’
(foto: Reprodução / TV Bahia)

A rotina de ir à escola virou motivo de constrangimento para um aluno que estava se iniciando no candomblé. Aos 12 anos, o estudante da quarta série do ensino fundamental Escola Municipal Francisco Campos, no Grajaú, na Zona Norte do Rio, foi barrado pela diretora da instituição por usar bermudas brancas e guias por baixo do uniforme, segundo a família. A denúncia foi publicada nesta terça-feira (2) pelo jornal “O Dia”.

“Antes de ele entrar para o candomblé, eu avisei para a professora e ela logo disse que ele não entraria no colégio. Eu expliquei que ele teria que usar branco e as guias, mas ela não aceitou”, contou indignada a mãe do estudante ao G1, Rita de Cássia.

O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação e até o horário de publicação desta reportagem não obteve resposta.

No dia 25 de agosto, depois quase um mês sem ir à escola, o jovem tentou voltar. “Eu levei o meu filho e, na porta da escola, ela [diretora] não viu que eu estava atrás e colocou a mão no peito dele e disse: ‘Aqui você não entra’. E eu expliquei que ele teria que usar as guias e o branco por três meses e aí ela respondeu: ‘O problema é seu’”, disse Rita de Cássia.

Rita ressaltou que o filho de sentiu humilhado diante dos amigos do colégio e chorou muito. “Se ela estivesse esperado todo mundo entrar e me chamasse no canto para tentar encontrar uma forma para colocar ele pra dentro seria uma coisa. Mas, não. Ela barrou ele na frente de todo mundo. Eu discuti, falei palavrão feio pra ela, eu admito, mas ela não poderia ter feito isso com ele. Ele foi muito humilhado”, afirmou a mãe.

O jovem de 12 anos foi definido pela mãe como uma criança determinada. Apesar do constrangimento, Rita contou que o filho em momento algum pensou em abrir mão dos ideais do candomblé.

“A escolha de entrar para o candomblé foi dele. Ele sabe o que quer, é muito firme nas decisões. Por nada ele larga a religião dele. Quando aconteceu isso tudo ele disse: ‘Se eu fosse muçulmano ou qualquer outra coisa eu deveria ser respeitado, isso é discriminação’”, lembrou a mãe.

Segundo Rita, o jovem caminhou até em casa de cabeça baixa, teve febre e perdeu o interesse de retornar à escola. “Se o meu filho estivesse com drogas, se tivesse arma tenho certeza que eles iam tampar os olhos”, reclamou.

Depois de quatro dias do episódio, ele foi transferido para a Escola Municipal Panamá, também no Grajaú, onde foi bem recebido pela diretoria, professores e estudantes.

“Depois que eu fui lá para pedir a transferência a diretora disse que não gostaria que eu levasse ele porque ele era um ótimo aluno. Mas o que ela não poderia era ter feito meu filho passar vergonha. Depois que ele foi tão humilhado, meu filho foi muito bem aceito na escola nova. Todo mundo me apoiou. Pra quem é mãe é muito difícil ver um filho sofrendo esse preconceito”, disse emocionada Rita de Cássia.

Leia Mais

Torcedora gremista flagrada em caso de racismo pedirá desculpas em rede nacional, diz irmão

Patricia Moreira foi identificada como a torcedora que xingou o goleiro Aranha, do Santos, com atos racistas (foto: Reprodução de TV / ESPN BRASIL)
Patricia Moreira foi identificada como a torcedora que xingou o goleiro Aranha, do Santos, com atos racistas (foto: Reprodução de TV / ESPN BRASIL)

Publicado no Extra

Patrícia Moreira, a torcedora gremista flagrada chamando o goleiro Aranha, do Santos, de “macaco”, irá pedir desculpas ao jogador em rede nacional. Foi o que disse um dos irmãos da jovem em entrevista ao jornal “Zero Hora”. O rapaz, que preferiu não ser identificado, disse que a irmã admitiu ter errado ao xingar o atleta e está arrependida. Ele contou que a torcedora foi ameaçada de morte e de estupro por mensagens do whatsapp na sexta-feira, um dia após o jogo entre Grêmio e Santos, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, onde aconteceu o caso.

– Ela errou e admite. Nós temos consciência disso, mas ela nos disse que estava no embalo do jogo, da Geral do Grêmio. No momento certo, ela virá a público para se desculpar com o Aranha. É um momento muito difícil para nós todos, que nunca nos envolvemos em problemas com a Justiça – disse o irmão da torcedora ao jornal “Zero Hora”.

O caso é investigado pela 4ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, que irá intimar Patrícia Moreira nesta terça-feira. O depoimento da gremista deve acontecer entre quarta e quinta-feira, conforme disse o delegado Herbert Moura Ferreira, responsável pelas investigações.

– A menina é clara no xingamento. Nem precisa de recurso labial. Mas tem vários outros a serem responsabilizados. Se as imagens do clube e da arena não forem claras, vou recorrer à imprensa – falou o delegado.

Segundo o irmão da torcedora, ela irá se mudar de Porto Alegre com medo de represálias maiores, como já aconteceu com a casa dela, que foi apedrejada na noite de sexta-feira. Patrícia está na casa de parentes, na Região Metropolitana da capital gaúcha. A família acredita que a situação pode piorar se o Grêmio for punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) no julgamento que acontece nesta quarta-feira.

– Ela terá de se mudar, não tem mais condições de continuar no mesmo lugar. Queremos dizer ao Brasil que a Patrícia não é racista, ela agiu errado, mas tem muitos amigos negros, somos pessoas humildes, não merecemos todo esse linchamento que está ocorrendo – afirma o irmão dela ao jornal gaúcho.

O clube pode perder alguns mandos de campo e até ser excluído da Copa do Brasil. A partida de volta, na Vila Belmiro, foi suspensa até o julgamento acontecer. O Santos venceu o jogo de ida por 2 a 0.

Patricia, que xingou Aranha, posa para foto com um macaco com a camisa do Internacional (foto: Reprodução Twitter)
Patricia, que xingou Aranha, posa para foto com um macaco com a camisa do Internacional (foto: Reprodução Twitter)

O caso

Na noite de quinta-feira, durante a partida de ida pelas oitavas de final da Copa do Brasil, torcedores do Grêmio chamaram o goleiro Aranha, do Santos, de “macaco” e outros termos pejorativos. O canal de TV “ESPN Brasil” gravou alguns torcedores fazendo o ato racista, inclusive Patricia Moreira, que foi identificada um dia depois.

A jovem trabalhava como auxiliar de dentista numa clínica de odontologia da Brigada Militar de Porto Alegre, e foi demitida na sexta-feira. A casa dela foi apedrejada na Zona Norte da capital gaúcha.

No início da tarde de sexta, antes de viajar para o Rio de Janeiro, Aranha prestou queixa na 4ª DP sobre injúria racial. Já havia um inquérito aberto sobre o caso, feito pela Promotoria do Torcedor do RS.

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) suspendeu o jogo de volta entre os times e irá julgar o Grêmio pelos insultos de sua torcida. O clube foi denunciado no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (“ato discriminatório relacionado a preconceito”) prevê a punição com perda de pontos ou até mesmo a exclusão do Grêmio da competição.

O árbitro nem relatou o caso na súmula. Somente depois de chegar ao hotel, enviou um adendo ao STJD.

Goleiro Aranha, do Santos, foi vítima de racismo por parte dos torcedores do Grêmio (foto: Divulgação / Santos FC)
Goleiro Aranha, do Santos, foi vítima de racismo por parte dos torcedores do Grêmio (foto: Divulgação / Santos FC)

Leia Mais

Bíblia é fonte de inspiração e decisões são racionais, diz Marina

Questionada sobre casamento gay, ela disse que é a favor da união civil.
Ao Jornal da Globo, candidata também falou de pré-sal e preço da gasolina.

Os jornalistas William Waack e Christiane Pelajo entrevistam Marina Silva para o Jornal da Globo (foto: Reprodução/TV Globo)
Os jornalistas William Waack e Christiane Pelajo entrevistam Marina Silva para o Jornal da Globo (foto: Reprodução/TV Globo)

Publicado no G1

A candidata à Presidência pelo PSB, Marina Silva, afirmou que, para qualquer pessoa cristã ou judia, “a Bíblia é sem sombra de dúvida uma fonte de inspiração”, e que “as decisões são tomadas com base racional, para todas as pessoas”. A declaração foi feita em entrevista concedida nesta segunda-feira (1º) ao Jornal da Globo, quando a ex-senadora – que é evangélica – foi questionada se era verdade que tomava decisões lendo aleatoriamente a Bíblia.

“Todos nós agimos em base na relação realista dos fatos, mas os seres humanos, eles têm uma subjetividade. Uma pessoa que crê, obviamente que tem na Bíblia uma referência. Assim como tem na referência a arte, a literatura. Às vezes você pode ter um ‘insight’ assistindo um filme. O quanto nós já avançamos, do ponto da ciência, da tecnologia, pela capacidade antecipatória que você encontra, enfim, na indústria cinematográfica…”, disse.

“Mas a senhora toma decisões lendo a Bíblia aleatoriamente, é verdade isso?”, questionou a jornalista Christiane Pelajo.

“Olha, isso é uma forma que as pessoas foram construindo, ou estão construindo, para tentar passar uma imagem de que eu sou uma pessoa que é fundamentalista, essas coisas que muita gente de má-fé acabam fazendo”, afirmou Marina.

“Qual é o tamanho desse amparo que a senhora toma em preceitos religiosos, frente ao que a senhora pretende ser, que é governante de todos os brasileiros, tomando decisões nacionais?”, indagou então o jornalista William Waack.

“O mesmo amparo que você pode tomar a partir de outros referenciais. A Bíblia é, sem sombra de dúvida, uma fonte de inspiração para qualquer pessoa que é cristã ou que é um judeu, enfim, e que não vai negar que é uma fonte de inspiração, mas existem outras fontes de inspiração, às quais eu já me referi. As decisões são tomadas com base racional pra todas as pessoas”, respondeu Marina.

A candidata disse em seguida, porém, que “dificilmente você vai encontrar uma pessoa que diga que ela é 100% racional”.

“Essa pessoa estaria presa à realidade, e com certeza, se os especialistas do comportamento forem avaliar uma pessoa como essa, vai ver que ela tem uma subjetividade muito pobre. Qualquer pessoa forma, toma as suas decisões considerando vários aspectos. Ele é atravessado pela cultura; se tem crença, pela espiritualidade; se é da ciência, pelo conhecimento científico. O ser humano não é uma unidade, digamos, pura de alguma coisa não é? Somos seres subjetivos, e a subjetividade é uma riqueza interior, para qualquer ser humano”.

Os principais candidatos à Presidência foram convidados para a entrevista ao Jornal da Globo. Candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT) decidiu não participar. Na quarta-feira (3), será a vez de Aécio Neves (PSDB).

mari1

Casamento gay e homofobia
Na entrevista, Marina também foi indagada sobre o “recuo” no programa de governo do PSB, que retirou, em menos de 24 horas, a defesa de propostas para tornar lei o casamento entre pessoas do mesmo sexo e para criminalizar a homofobia. Marina reiterou que a mudança no programa foi motivada por um “erro de processo”, e explicou que, por uma “falha”, o documento inicialmente divulgado continha as reivindicações do movimento LGBT e não a “mediação no debate”, referindo-se ao texto final aprovado pelo PSB.

“Mas os direitos civis da comunidade LGBT, o respeito à sua liberdade individual, o combate ao preconceito, isso está muito bem escrito no nosso programa, melhor do que dos outros candidatos”, emendou a candidata.

Em seguida, questionada sobre sua posição em relação ao casamento gay, Marina evitou dizer que era contra. Disse ser a favor da “liberdade individual das pessoas” e que “vivemos em um Estado laico”. “O que nós defendemos é a união civil entre pessoas do mesmo sexo [...] Marina Silva é a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo”, concluiu.

Marina também foi questionada se a religião a impedia de ser a favor da lei que equipara a homofobia ao racismo. Ela respondeu que o projeto de lei em tramitação no Congresso sobre o assunto “não faz a diferenciação adequada em vários aspectos”. “Por exemplo, ninguém pode defender homofobia, qualquer forma de preconceito, discriminação. Por outro lado, você tem os aspectos ligados à convicção ou à manifestação de uma opinião. Você tem que separar isso. E na lei isso não está adequadamente claro”, argumentou. (mais…)

Leia Mais

Catadora de antigo lixão de São Gonçalo (RJ) vira modelo internacional e ajuda 15 irmãos

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Ricardo Rigel, no Extra

Sabe aquelas histórias de vida que poderiam facilmente se transformar num incrível roteiro de cinema? Daquelas para qualquer espectador se derreter de tanto chorar e ficar de queixo caído pela trama? Assim é a vida da gonçalense Sandra Passos, de 25 anos, modelo internacional, que já desfilou em passarelas importantes do mundo e tornou-se referência de beleza e estilo na China.

Antes de tudo isso acontecer, porém, a menina precisou encontrar seu jantar no lixo. A busca pelo sustento também era a procura por um teto: aos 10 anos, Sandra já havia morado em mais de oito lugares, incluindo o Lixão da Praia da Luz, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Filha de uma garçonete e de um criador de porcos, a menina simples e de fala doce poderia ter absorvido negativamente o sofrimento que passou na infância, ao lado de 15 irmãos. Mas é com um belo sorriso no rosto que Sandra fala sobre tudo o viveu até conquistar uma posição de destaque no concorrido mundo da moda.

— Costumo dizer que minha vida tinha tudo para dar errado, mas eu consegui reescrever o meu destino. E posso afirmar com todas as letras que só cheguei onde estou hoje porque enfrentei grandes dificuldades, sem me fazer de vítima — ensina a modelo.

Sandra treina os passos de modelo (foto: Fabiano Rocha)
Sandra treina os passos de modelo (foto: Fabiano Rocha)

A transformação começou aos 13 anos, quando Sandra participou de um concurso de beleza promovido por uma loja no Rodo Shopping, no Centro de São Gonçalo:

— Eu era uma garotinha muito magricela, mas a minha mãe sempre sonhou ter uma filha modelo. Como era a mais nova dos filhos, acabei sendo a escolhida para tentar esse caminho. Lembro que um dos jurados era Moisés Karam (descobridor de talentos na moda). Ele me deu nota zero como miss, mas dez como modelo. E prometeu para minha mãe que me transformaria em uma top.

E não é que as palavras de Moisés Karam se concretizaram? Depois de passar por alguns treinamentos, a jovem foi convidada para disputar um concurso de miss na China. E acabou virando a queridinha do mundo fashion oriental.

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Mundo de fantasia

Moradora da cidade de Guanhzhou, Sandra conta que nem tudo foi um conto de fadas em sua aventura pela China. A caminho do outro lado do mundo, tinha sonhos e pouco mais de 20 dólares.

— Quando viajei, minha mãe conseguiu esse dinheiro. Mas, assim que cheguei ao Galeão, lembrei que precisava comprar um despertador. O voo teve escala em São Paulo e, depois de um dia inteiro esperando, estava faminta. Comprei um misto quente e fiquei com menos dinheiro ainda… — conta ela, sem demonstrar qualquer tipo de abalo: — Quando vi, estava indo para o outro lado do mundo com uma migalha. Tudo bem que tinha comida no hotel, mas foi um aperto. Depois de um dia inteiro de trabalho na rua, virei para o meu tradutor e perguntei: “Será que com esse dinheiro dá para comprar um biscoito? Porque é tudo o que tenho aqui”. E ele começou a chorar.

Nesta primeira experiência, a bela ficou um ano e meio no exterior. Depois, Sandra foi e voltou mais uma vez. Agora, é contratada de uma agência chinesa e prepara as malas para voltar.

— Aprendi a criar um mundo de fantasia e glamour quando estou na China. Lá eles nem imaginam a história que mora por trás do meu sorriso — diz Sandra: — Mas posso dizer que contei a parte boa, porque a ruim eu me recuso a lembrar que vivi.

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Leia Mais

Governo reage a Marina com apoio a igrejas

Dilma Rousseff (PT) cumprimenta Marina Silva (PSB) ao final do debate no estúdio do SBT (foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
Dilma Rousseff (PT) cumprimenta Marina Silva (PSB) ao final do debate no estúdio do SBT (foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

Natuza Nery e Ranier Bragon, na Folha de S.Paulo

O governo Dilma Rousseff (PT) elabora um conjunto de ações para tentar conter o avanço de Marina Silva (PSB) com medidas que incluem o atendimento a uma das principais bandeiras evangélicas no Congresso: o apoio à Lei Geral das Religiões.

Segundo a Folha apurou, uma das iniciativas do Palácio do Planalto será desengavetar o projeto, proposto em 2009 e há mais de um ano parado em uma comissão do Senado, para conceder diversos benefícios a instituições religiosas, entre eles tributários.

Como primeiro ato do “pacote anti-Marina”, o Planalto determinará nesta semana o status de urgência à proposta, o que permitirá ao projeto pular etapas de tramitação e ganhar prioridade de votação.

O texto estende a igrejas evangélicas e outras denominações religiosas benefícios concedidos pelo governo brasileiro à Igreja Católica, a partir de um acordo feito com a Santa Sé em 2008.

Trata-se de tentativa de furar a adesão das igrejas pentecostais à campanha de Marina Silva, que é evangélica.

O projeto da Lei Geral das Religiões já foi aprovado pela Câmara e está na Comissão de Assuntos Sociais do Senado.

Entre outros pontos, ele concede às associações das igrejas que tiverem reconhecida ação social os mesmos benefícios tributários concedidos às filantrópicas.

Também prevê que fiéis que ajudam no dia a dia das igrejas não terão vínculo empregatício para evitar ações trabalhistas e dá uma proteção especial contra a desapropriação e a penhora dos bens das igrejas.

Pelo projeto, a imunidade tributária é garantida “às pessoas jurídicas e eclesiásticas e religiosas, assim como ao patrimônio, renda e serviços relacionados com as suas finalidades essenciais”.

EMPRESÁRIOS

A ofensiva petista para neutralizar Marina também contará com uma força-tarefa para afirmar a empresários que o programa da rival travará o gasto público em infraestrutura e provocará desemprego.

O plano petista prevê ainda a facilitação de crédito ao setor privado. A Folha apurou que o ex-presidente Lula cobrou do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, medidas para facilitar o financiamento de empresas para tentar animar a economia.

Além de Lula, o PT quer escalar o ex-ministro Antonio Palocci e o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) para atrair o setor produtivo.

Em outra frente, devem ser anunciadas ações incluídas no programa de Marina. Uma das ideias é turbinar a escola em tempo integral, um dos eixos do plano da candidata do PSB para o setor de educação.

Neste mês, Dilma detalhará seu programa de governo e pretende inserir antídotos contra o avanço de Marina, com atenção para medidas que contemplem jovens e eleitores de grandes centros urbanos, faixas onde ela concentra muito vigor eleitoral.

A rápida ascensão de sua ex-ministra do Meio Ambiente deixou Lula preocupado com o fato de até hoje o governo não ter tomado uma medida mais clara para se reaproximar de empresários.

Com a força-tarefa, o objetivo é instar parte do setor produtivo contemplado por benefícios federais a defender o projeto de Dilma.

Um dos argumentos do comitê eleitoral é o de que a proposta de Marina de independência absoluta do Banco Central acarretará uma fuga de gastos públicos para estimular a economia e aumentará o risco de desemprego.

Leia Mais