Axilas em festa: cultivar e tingir os pelos de cores vibrantes é a nova moda entre as minas descolês do Instagram

A americana Roxie Hunt e suas axilas azuis: a mina não só adotou a tendência como fez um tutorial no blog dela para ensinar as outras garotas a tingirem os pelos sozinhas
A americana Roxie Hunt e suas axilas azuis: a mina não só adotou a tendência como fez um tutorial no blog dela para ensinar as outras garotas a tingirem os pelos sozinhas

Publicado no Vírgula

Se você pensou que “a” tendência de beleza de 2014 entre as minas descoladas era raspar a lateral da cabeça e tingir o cabelo de azul, verde, rosa, roxo… pensou errado! Agora a moda é deixar crescer e pintar de cores vibrantes o pelos das axilas! E não sou eu quem estou falando isso, é a internet! E meu bem, você sabe, a voz da internet é a nova voz de Deus! Essa é pra zerar 2014 meixmoooo!!!

A tendência está conquistando as meninas, em especial (claro) aquelas que já têm os cabelos coloridos (da cabeça), e querem que os pelos da “sovaco” fiquem “combinandinho”. No Tumblr e no Instagram dá pra encontrar várias fotos de garotas que já adotaram o novo visual. A hashtag #dyedpits (axilas tingidas, em inglês) é a bombante do momento!

1702b5cc41f195b307bb2531afded5b4

Se você curtiu a modinha mas não sabe como fazer, não tem problema! A cabeleireira e blogueira americana Roxie Hunt, que trabalha em um salão de beleza em Seattle, nos Estados Unidos, detalhou o processo num passo a passo em um blog. O post já tem mais de 32 mil compartilhamentos. Uh la la!!!

dying-armpit-hair

Segundo ela, a coloração durou algumas semanas e foi desaparecendo aos poucos até que os pelos ficassem descoloridos e, em seguida, voltassem à cor natural. “Quem sabe um dia nós podemos tentar uma cor diferente e fazer isso nos pelos pubianos também”, completou.

Olha só quem já aderiu…Uh, Lady Gaga!!!

6a00e5536b2ba98833015433769b05970c-500wi_zps8b01de62

Bom, você tem todo o direito de não gostar desse lance de tingir os pelos da axila. Mas antes que você diga algo sobre como considera a prática da não-depilação nojenta e blá blá blá, é bom injetar alguns dados históricos e culturais no seu cérebro:

1) A depilação como conhecemos só começou em 1915, tsá? Embora o costume seja antigo e era geralmente praticado em sociedades onde piolhos eram um problema, as mulheres europeias e americanas mantiveram os pelos das axilas e outras partes intactos até o século XX.

2) Uma famosa marca de lâmina da barbear queria expandir seus negócios e se aproveitou do fato que as mangas das roupas das mulheres estavam encurtando, para lançar uma campanha castradora dos pelos das axilas os tornando símbolo de feiúra, impureza e masculinidade.

3) Os anúncios de lâminas para remover os pelos da perna surgiu em 1920. Ou seja, os pelos das axilas foram incriminados cinco anos antes.

Leia Mais

Dormir nu pode melhorar o sono, o relacionamento e até a saúde do coração

Um em cada três adultos não usa nada para descansar, diz estudo da Fundação Nacional do Sono dos EUA

Casais que dormem pelados são mais felizes, aponta pesquisa (foto: Freeimages)
Casais que dormem pelados são mais felizes, aponta pesquisa (foto: Freeimages)

Publicado em O Globo

“Sabe, eles te fazem perguntas. Só um exemplo: ‘O que você veste na cama? Você veste blusa de pijama? Veste calça de pijama? Camisola?’. Então eu disse: ‘Chanel No. 5’”, já brincava Marilyn Monroe em um comercial de perfume da década de 1960. E pesquisas recentes mostram que ela estava apenas sendo saudável. Um em cada três adultos dorme nu, de acordo com um estudo internacional feito pela Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos, que demonstrou ainda que o hábito pode trazer todos os tipos de benefícios: melhorar a qualidade de sono, aprimorar o relacionamento e até a saúde do coração.

Peritos concordam que é importante manter a calma durante a noite, já que a temperatura do corpo tem que cair cerca de meio grau para que você caia no sono. O cérebro, impulsionado pelo relógio biológico, envia mensagens para os vasos sanguíneos se abrirem e liberarem calor.

– A temperatura central em geral está no ápice às 23h e tem nível mais baixo às 4h – disse Chris Idzikowski, diretor do Centro de Sono de Edimburgo e autor de “Sound Asleep: The Expert Guide To Sleeping Well”. – Se nada impede o declínio da temperatura, o cérebro vai acordar para ver o que está acontecendo, ou seja, você vai lutar para conseguir dormir ou vai ter um sono perturbado. A vantagem de dormir nu é que é mais fácil para o corpo esfriar e manter a temperatura baixa que o cérebro quer alcançar.

Sono interrompido pelo calor não significa apenas menos sono em geral, mas também menos sono profundo, o tipo mais restaurador. Ele é fundamental para a consolidação da memória e da produção de hormônio do crescimento – importante para a reparação celular e o crescimento.

Embora seja importante não ficar com muito calor durante a noite, certifique-se de que você tem mãos e pés quentes, afirmam estudiosos: para baixar a temperatura, o corpo precisa perder o excesso de calor, e faz isso através do envio de sangue aos vasos próximos à pele – em particular, os das mãos e dos pés.

No entanto, como o professor de neurociência circadiana Russell Foster explica, se as mãos e os pés estão frios, os vasos sanguíneos se contraem ao lado da pele e reduzem o fluxo de sangue em um esforço para manter o calor e parar de deixá-lo escapar. Isto significa que a sua temperatura interna não será capaz de cair facilmente. É por isso que as pessoas com síndrome de Raynaud – um distúrbio caracterizado por mãos e pés extremamente frias são mais propensos a sofrer com insônia.

DIVIDINDO A CAMA

Pijamas acolhedores são tentadores, mas se você divide a cama com um parceiro, dormir nu irá gerar um impulso generoso de oxitocina, um hormônio que tem vários benefícios à saúde.

– Ela é acionada pela proximidade, pelo contato pele a pele – disse Kerstin Uvnas-Moberg, fisiologista da Universidade Sueca de Ciências Agrícolas e especialista em oxitocina. – Os nervos sensoriais na pele enviam impulsos para o cérebro, provocando a liberação do hormônio. Quando um bebê é colocado no peito de sua mãe, o sangue da mãe e do filho começa a pulsar com oxitocina.

A oxitocina tem um efeito protetor sobre o coração: reduz a pressão arterial, estimula o sistema imunológico e reduz a ansiedade.

Além disso, pessoas que dormem como vieram ao mundo tem vidas amorosas mais felizes, de acordo com uma pesquisa deste ano de uma empresa de roupas de cama, feita com mil britãnicos. O estudo revelou que 57% das pessoas que dormiam peladas estavam felizes com seus relacionamentos, em comparação com 48% dos usuários que vestiam pijama para dormir e 43% dos que usavam camisolas. Dormir nu é uma boa estratégia para aqueles com problemas de imagem corporal, afirmou a terapeuta sexual Denise Knowles.

– Você pode deslizar sob os lençóis, e, em seguida, tirar a roupa, e então você pode ser tocado, mesmo se você não quiser ser olhado – concluiu.

Leia Mais

Genes influenciam propensão à infidelidade, diz estudo

Publicado em O Globo

O desejo de trair pode ser hereditário, segundo indica um estudo de pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália.

Os pesquisadores concluíram que variações genéticas podem fazer com que tanto homens quanto mulheres tenham maior propensão a cometer adultério.

O estudo, publicado na revista científica “Evolution & Human Behaviour”, analisou o comportamento de mais de 7.000 pares de gêmeos na Finlândia, com idades de 18 a 49 anos, todos em relacionamentos estáveis.

Os pesquisadores compararam as diferenças de comportamento entre casais de gêmeos: os idênticos, que compartilham todos os genes, e os fraternos, que apresentam diferenças.

Cerca de 10% dos homens e 6,4% das mulheres tinham pulado a cerca no ano anterior.

Os resultados sugerem que 63% do comportamento infiel nos homens e 40% nas mulheres podem ser atribuídos à herança genética.

No caso das mulheres, os cientistas detectaram que variações em um gene chamado AVPRIA estava associado ao comportamento infiel.

Pesquisadores australianos acreditam que características genéticas deixam homens e mulheres mais propensos a pular a cerca
Pesquisadores australianos acreditam que características genéticas deixam homens e mulheres mais propensos a pular a cerca

Este gene é associado à produção da arginina vasopressina, um hormônio envolvido na regulação do comportamento social e que mostrou ter influência em testes com roedores.

“Nossa pesquisa mostra que a genética influencia a possibilidade de pessoas fazerem sexo com parceiros fora de seu relacionamento”, explica Brendan Zietsch, coordenador do estudo.

ORIGENS DA INFIDELIDADE

A infidelidade é um assunto que provoca mistério na comunidade científica, que tradicionalmente busca explicações na biologia evolucionária. Para homens, a poligamia seria explicada pela necessidade da preservação da espécie: mais sexo resultaria em mais filhos.

No caso das mulheres, porém, há divergências. Trair costuma ser visto como um tipo de “efeito colateral” provocado pelo comportamento masculino; ou então como resultado de uma ação mais instintiva: em tempos mais primitivos, ter filhos com vários parceiros reduziria a possibilidade de infanticídio.

Este debate fez com que os pesquisadores de Queensland examinassem também o comportamento de gêmeos de sexo diferentes. Pelo menos na amostra estudada, eles não identificaram nenhuma correlação significativa de promiscuidade de influência social.

Leia Mais

Psicoterapia realmente funciona para evitar suicídio, comprova estudo

Jairo Bouer, no UOLTERAPIA300

Um estudo dinamarquês mostrou que a psicoterapia é capaz de reduzir em 25% o risco de uma pessoa tentar o suicídio. O trabalho foi publicado na revista Lancet Psychiatry.

Este é um dos primeiros trabalhos de grandes proporções a confirmar o benefício das terapias baseadas na fala na prevenção do suicídio. E os pesquisadores da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health reiteram que a proteção é de longo prazo.

Pessoas que já tentaram acabar com a própria vida são consideradas de alto risco para o suicídio. Dos mais de 65 mil dinamarqueses que fizeram alguma tentativa entre 1992 e 2010, 5.678 foram encaminhados para psicoterapia em clínicas especializadas. Eles foram acompanhados por até 20 anos.

Os pesquisadores, então, compararam os resultados com os de 17.304 pessoas que haviam tentado suicídio, mas que não receberam tratamento especializado depois, por vontade própria ou por não terem tido acesso às clínicas especializadas em prevenção do suicídio do país, implementadas gradualmente a partir de 1992.

Durante o primeiro ano de pesquisa, aqueles que passaram por psicoterapia foram 27% menos propensos a tentar o suicídio de novo e tiveram 38% menos probabilidade de morrer por qualquer causa. Depois de cinco anos, houve 26% menos suicídios no grupo que tinha sido tratado após a primeira tentativa. Após 10 anos, a taxa de suicídio foi de 229 por 100.000 habitantes, em comparação com 314 por 100.000 no grupo que não conseguiu tratamento.

A psicoterapia varia de acordo com as necessidades individuais do paciente, por isso os pesquisadores não podem dizer o que fez a diferença. Eles esperam reunir mais dados para saber se algum tipo específico de terapia funciona melhor que outro para prevenir o suicídio. Mas eles acreditam que o simples fato de ter com quem conversar em caráter confidencial já seja uma grande ajuda para quem pensa em se matar.

Leia Mais

Casar com a pessoa errada é um dos maiores arrependimentos entre idosos

Não conseguir guardar dinheiro para aposentadoria e não conhecer o mundo também aparecem no estudo

No filme Simplesmente Complicada, a personagem de Meryl Streep se separa de Steve Martin para começar um novo romance com o personagem de Alec Baldwin - Divulgação
No filme Simplesmente Complicada, a personagem de Meryl Streep se separa de Steve Martin para começar um novo romance com o personagem de Alec Baldwin – Divulgação

Publicado em O Globo

A idade avança e os arrependimentos, principalmente os amorosos, também. Esta é a conclusão de um levantamento feito entre as pessoas de meia-idade para identificar suas principais angústias. A maioria das lamentações eram ligadas a questões mais mundanas como não ter conseguido ver todo o mundo, com 23% dos entrevistados, e não ter arrecadado dinheiro o suficiente para a aposentadoria, para 19%. Já as outras respostas demonstraram mágoa.

O arrependimento por ter casado com a pessoa errada foi a principal resposta para 18% dos entrevistados mas o questionários não perguntou se o casamento terminou ou não. Outros 10% falaram que gostariam de se apaixonar novamente antes de morrerem.

A pesquisa também apontou que 17% dos entrevistados nunca disse aos seus pais o quanto eles significavam para eles, enquanto 15% se arrependeu por não terem pedido aos seus avós para contarem mais sobre suas vidas.

O remorso por priorizar o trabalho sobre a vida familiar e o tempo livre também apareceu na votação. A reclamação das longas horas de trabalho foi feita por 16% dos entrevistados, enquanto 15% lamentaram não terem passado tempo suficiente com seus filhos. Nunca ter aprendido um instrumento foi a lamentação para 15% das pessoas ouvidas.

O número de pessoas com mais de 50 anos divorciadas subiu um terço nos últimos dez anos. Para Martin Lock, chefe executivo de um site de estilo de vida para aqueles com mais de 50 anos, ouvido pelo The Independent, este comportamento pode ser novo mas não é totalmente inesperado.

– Foi um pouco estranho ver tantas pessoas falando que tinham escolhido seu parceiro errado, mas com o elevado nível das taxas globais de divórcio, isso talvez não seja tão anormal – afirmou Martin.

Leia Mais