Limpar a casa pode fazer mal para a saúde

casa1

publicado no Ciência Maluca

Da série “a ciência em prol dos seus vícios e preguiça”. Agora você já pode bater o pé quando insistirem para você limpar a casa, depois daquele dia exaustivo de trabalho. Afinal, preocupação com a saúde nunca é demais, né?
E, claro, a prova vem da ciência. Pesquisadores da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), nos Estados Unidos, acompanharam 30 casais, que trabalhavam fora de casa e tinham pelo menos um filho na faixa etária entre 1 e 10 anos. Eles avaliaram as atividades pós-expediente e os níveis de cortisol (hormônio do estresse) em cada um dos casais. E, olha só, quem fazia faxina na casa depois do trabalho, ao invés de relaxar, não conseguia diminuir o estresse acumulado do dia inteiro. Pior: na manhã seguinte, tinham menos energia e disposição do que os outros casais.

A pesquisa ainda enfatiza: “nosso corpo não responde bem quando tem uma produção alta de cortisol o tempo todo; depois de altos níveis durante o dia, espera-se que ele caía durante a noite”. E se continuar assim, segundo a pesquisa, seu organismo vai ficar mais fraco e você pode até morrer antes da hora.
E aí, se convenceu? Eu acho melhor não arriscar…

Leia Mais

Aulas para adolescentes deveriam começar depois das 8h30, diz estudo

De acordo com Academia Americana de Pediatria, mais horas de sono para adolescentes evitariam notas baixas e problemas de saúde

Segundo estudo, adolescentes que dormem pelo menos oito horas e meia por noite têm menos propensão a obesidade, diabetes e problemas comportamentais (foto: ThinkStock/VEJA)
Segundo estudo, adolescentes que dormem pelo menos oito horas e meia por noite têm menos propensão a obesidade, diabetes e problemas comportamentais (foto: ThinkStock/VEJA)

Publicado na Veja on-line

Uma nova recomendação da Academia Americana de Pediatria sugere que as aulas do ensino fundamental e médio comecem às 8h30 — ou mais tarde. Publicada nesta segunda-feira no periódico Pediatrics, a sugestão foi baseada em pesquisas que mostram que os adolescentes americanos dormem menos que o recomendado — de oito horas e meia a nove horas e meia por noite — e que a privação de sono é prejudicial para a saúde.

Segundo a instituição, apenas 15% das escolas americanas de ensino médio iniciam as aulas depois das 8h30. No caso do ensino fundamental, a maioria dos colégios dá o sinal às 8 horas — 20% começa antes disso.

De acordo com os médicos, adolescentes que dormem a quantidade de horas recomendadas têm menos propensão a obesidade, diabetes e problemas comportamentais como ansiedade e depressão.

Puberdade — O levantamento mostrou que essa medida seria mais eficaz do que mandar os filhos para a cama cedo. Nas mudanças hormonais da puberdade, o adolescente tende a mudar o seu relógio biológico e encontrar dificuldade para dormir antes das 23 horas. Nessa fase da vida, o jovem demora mais para sentir o cansaço acumulado durante o dia do que um adulto.

“O organismo dos adolescentes libera melatonina (um hormônio que induz ao sono) mais tarde do que dos adultos”, diz Judith Owens, líder da recomendação e diretora de medicina do sono do Centro Nacional de Medicina Infantil, nos Estados Unidos. Outro problema que favorece a falta de descanso adequado, segundo a pesquisa, é o excesso de tarefas dos adolescentes. “É importante eles terem menos coisas para fazer e poderem dormir antes da meia-noite”, diz

CONHEÇA A RECOMENDAÇÃO

Título original: School Start Times for Adolescents​

Onde foi divulgada: periódico Pediatrics

Quem fez: Judith A. Owens, Rhoda Au, Mary Carskadon, Richard Millman, entre outros

Instituição: Academia Americana de Pediatria

Recomendação: Segundo os médicos, as aulas dos adolescentes deveriam começar depois das 8h30. Desse modo, os jovens poderiam dormir a quantidade de horas recomendada por noite, o que evitaria problemas comportamentais e fisiológicos.

Leia Mais

Dor de cabeça pode ser tratada com sexo, diz estudo

De acordo com a especialista, o sexo pode dar melhores resultados no combate à dor de cabeça que analgésicos

O uso do sexo como analgésico natural para aliviar as crises de dor de cabeça é mais comum entre homens do que mulheres
O uso do sexo como analgésico natural para aliviar as crises de dor de cabeça é mais comum entre homens do que mulheres

Publicado no Virgula

Quem diria que a clássica desculpa para não transar, como “essa noite não dá porque estou com dor de cabeça”, poderia ser aliviada justamente com…sexo! Isso porque um estudo recente mostrou que as mulheres que sofrem de enxaqueca e dor de cabeça e fizeram sexo tiveram uma diminuição de 50% na intensidade e frequência das dores.

A pesquisa desenvolvida pela Southern Illinois University, dos Estados Unidos, explica que o ato sexual libera endorfina, uma substância natural produzida pelo cérebro que regula a emoção e a percepção da dor, ajudando a relaxar e gerando bem-estar e prazer.

Além das dores de cabeça, o ato sexual também pode ajudar a tratar outros tipos de dores, no entanto, quando o incômodo é persistente e forte, é válido recorrer aos analgésicos. E segundo a ginecologista Lauren Streicher, em entrevista ao Huffington Post, manter relações sexuais durante crises de dor não é simples.

“Sexo pode melhorar dor de cabeça, dores musculares, dor de estômago e qualquer outra dor que você possa imaginar. Apesar da dor e da falta de vontade, fazer sexo nessas horas pode ser uma boa solução”, explica a ginecologista.

Leia Mais

Cafeína pode ajudar você a perder peso

foto: flickr.com/jonathancohen
foto: flickr.com/jonathancohen

Carol Castro, no Ciência Maluca

Pode ajudar, mas só se você já fizer exercícios físicos. É que tomar uma xícara de café antes de ir à academia faz você malhar com mais empenho e por mais tempo: até 30% mais do que nos dias sem cafeína.

A explicação é simples – e talvez você até já conheça parte dela. A cafeína deixa seu organismo mais atento, em alerta. E melhora também sua habilidade motora, fazendo com que os exercícios físicos pareçam mais fáceis. Além disso, a cafeína reduz as mensagens químicas do cérebro que passam mensagens de cansaço e estimula a produção de energia e oxidação de gordura.

Quem garante é uma pesquisa da Associação Britânica de Café – bem suspeito, é verdade, mas teve como base outros estudos e a ajuda do pesquisador Mike Gleeson, da Universidade Loughborough. Segundo Gleeson, o ideal é tomar café uma hora antes de iniciar os exercícios físicos.

Não custa tentar…

(Via Express)

Leia Mais