O Viagra pode fazer bem para o coração, dizem cientistas

viagra
publicado na EXAME.com

O principal ingrediente do Viagra pode fazer bem ao coração. A descoberta é de cientistas da universidade Sapienza de Roma.

Em artigo publicado hoje no BMC Medicine, os pesquisadores apresentam os resultados de uma pesquisa sobre o PDE5i.

Principal ingrediente do Viagra e outros remédios contra disfunção erétil, o PDE5i bloqueia a ação da enzima PDE5. Essa enzima é responsável pelo relaxamento do tecido muscular liso. No caso do pênis, sua ação representa o fim da ereção.

Após analisarem dados de mais de 1.600 homens com problemas de coração em estágio inicial, os médicos italianos concluíram que a ingestão diária de doses controladas de PDE5i é capaz de evitar o crescimento do coração a longo prazo.

Além disso, eles também constataram que essa substância melhorou o desempenho do coração em todos os pacientes analisados, sem efeitos negativos para pressão arterial deles.

“Nós descobrimos que o principal ingrediente do Viagra pode ser usado como um tratamento efetivo e seguro para muitos pacientes com problemas de coração”, afirmou em nota Andrea Isidori, um dos cientistas responsáveis pelo estudo.

Agora, Isidori e sua equipe querem fazer novos testes para comprovar a eficácia do PDE5i no combate às doenças do coração em outros segmentos da população – como mulheres e homens com problemas cardiovasculares em fase avançada.

É sempre bom lembrar que o próprio Viagra é fruto de pesquisas ligadas a problemas do coração. Em 1994, os cientistas Nicholas Terrett e Peter Ellis testavam os efeitos do medicamento no tratamento de angina quando descubriram sua capacidade de combater a disfunção erétil.

Quatro anos depois, o Viagra foi lançado no mercado como primeiro remédio contra impotência pela Pfizer.

Leia Mais

Mulheres preferem abandonar sexo a chocolate, diz pesquisa

De acordo com o levantamento, as pessoas têm mais dificuldade de abrir mão de chocolate, álcool, sexo, cafeína e falar palavrões

Os especialistas justificam a escolha do chocolate por causa da endorfina que o alimento oferece,causando uma sensação de prazer e bem estar
Os especialistas justificam a escolha do chocolate por causa da endorfina que o alimento oferece,causando uma sensação de prazer e bem estar

Wendy Candido, no Virgula

Tomar decisão nunca é algo fácil. Mas se você tivesse que passar um mês sem algo, o que preferiria renunciar: chocolate ou sexo? Segundo um levantamento feito pela Instituição Pesquisa de Câncer, do Reino Unido, para as mulheres é mais difícil abandonar o doce e os homens não abrem mão do sexo.

Para chegar a essa conclusão foram entrevistadas duas mil pessoas; foi constatado que chocolate, álcool e sexo, não necessariamente nesta ordem, são as coisas mais complicadas de renunciar.

Enquanto 22% dos homens afirmaram que o sexo é uma das coisas mais difíceis de viver sem, apenas 9% delas concordaram, e em contrapartida, 22% das mulheres colocaram o chocolate como a coisa mais difícil de abandonar.

De acordo com o DailyMail, a pesquisa foi realizada para marcar o lançamento de uma campanha que incentiva testar sua força de vontade e abandonar o álcool.

“Indivíduos com mais força de vontade são provavelmente mais propensos a alcançar os seus objetivos. Alguns acreditam que a força de vontade é como um músculo, pode ficar cansado, mas também pode ser reforçado com o treinamento”, disse o psicólogo Robert West em entrevista ao tabloide britânico.

Em 2008, a Unilever realizou uma pesquisa com 13 países, incluindo o Brasil, para descobrir o que era mais irresistível para as mulheres e o estudo mostrou que as brasileiras são as maiores fãs do doce: 84% das participantes colocaram o chocolate no topo da lista e o sexo apareceu somente em quinto lugar, com 73% dos votos.

Na pesquisa, elas afirmam que comer um bom chocolate, além de garantir o bom humor, é como se presentar.

Leia Mais

5 sinais que fazem dele um sapo

homemsapo

Cyelen Veloso, no Catalogando-me

Posso não ter muita experiência com príncipes, mas com os sapos eu sou a campeã de bilheteria.

Posso não ter muita experiência com príncipes, mas com os sapos eu sou a campeã de bilheteria! O mal não está em namorar um “cara sapo”, mas em ficar com ele pensando que você vai fazer dele um príncipe. O resultado disso é trágico!

Mas primeiro vamos definir o que é um homem sapo.

Homem sapo pode ser aquele cara que não quer nada sério com você, aquele grosso que você insiste em ficar ou até mesmo o rapaz que te faz mal e só você não percebe. Então colega, não adianta pensar em subir ao altar com um cara desses que dificilmente esse negócio vai pra frente. O príncipe (odeio essa nomenclatura, mas vou usá-la pra ficar mais fácil) é o cara que gosta realmente de você, que dá valor ao que você faz/gosta, que procura te agradar e faz bem, vocês tem muito incomum e compartilham dos mesmos ideais.

E quais os sinais de que seu boy é um sapo?

Não sabe o que quer da vida.
Aquele homem que vive uma coisa hoje a amanhã quer outra e depois arruma outra coisa totalmente diferente. Ele não sabe quem é e o que quer e não toma nenhuma atitude para descobrir isso. Ele defende a teoria do “viver o hoje sem pensar no amanhã”, mas isso é apenas desculpa para disfarçar a falta de foco na vida.

Nunca tem tempo pra você
Ele arruma todas as desculpas do mundo para não ficar com você e muitas vezes te troca por coisas absurdamente irrelevantes. Vocês não precisam ficar juntos 24h por dia durante 7 dias da semana, mas um relacionamento se constrói com convivência e se o cara NUNCA tem tempo pra ficar com você ou prefere estar com os amigos tem alguma coisa estranha aí. (você fica com as sobras)

É egoísta
Tipicamente a pessoa que só pensa em si, nunca pensa no casal. Tudo tem que ser do jeito que ele quer, quando e como ele bem entender, ele não compartilha os momentos, vive dentro de um casulo e quer que você seja totalmente o contrário com ele, além de estar sempre disponível. (ômi, vá viver vá!)

Não respeita o garçom
Usei o garçom nesse ponto para exemplificar um método que eu tenho para saber se a pessoa é educada ou não. Sempre observo a atitude dele no restaurante ao tratar o garçom, se for gentil e educado ganha pontos comigo se não for, vou repensar esse caso. Mas fora isso a educação conquista qualquer mulher, um cara estúpido com os outros dificilmente será delicado com você. (Prestenção guria!)

Não te valoriza
Ninguém é igual, então ele não é obrigado a gostar das mesmas coisas que você ou entender tudo o que você faz, mas te valorizar é um ponto muito importante. Um cara que ignora seus valores, seu jeito de ser nunca vai estar ao seu lado. Imagina você se esforçar tanto para passar em uma prova e quando for compartilhar o resultado super feliz com ele for ignorada como se aquilo não tivesse importância. Um cara que gosta de você fica feliz com suas conquistas mesmo que não entenda o que ela realmente representa.

O importante é você se valorizar acima de tudo e escolher estar com alguém que faça o mesmo. Todas nós somos valiosas e não é qualquer sapo que vai tirar isso de você.

dica do Jénerson Alves de Oliveira

Leia Mais

Pesquisa mostra que ninguém liga para suas férias

tropical-vacation

publicado na Galileu

Ninguém quer saber se sua viagem para a Grécia foi inesquecível. É isso que umnovo estudo publicado na Psychological Science afirma: você pode até achar que suas experiências merecem ser compartilhadas, mas isso carrega um custo social.

Para os pesquisadores de Harvard, o diálogo costuma funcionar melhor quando as pessoas dividem experiências em comum. Dentro dessa premissa, situações como “acabei de voltar de Miami” normalmente não envolvem uma grande troca, e isso faz com que a atenção diminua.

De acordo com Gus Cooney, autor do projeto, isso pode gerar até mesmo consequências ruins: “As pessoas vão se sentir alheias e com pouco a dizer sobre determinado assunto. E no pior dos casos, podem sentir inveja e ressentimento por ter vivido tal experiência”.

O grupo chegou a essa conclusão depois de uma série de experimentos. No primeiro teste, a equipe dividiu os 68 participantes em grupos de quatro. Depois de divididos, os quartetos eram levados para uma sala com cabines onde alguns vídeos estavam passando. Por grupo, apenas um “sortudo” tinha acesso ao vídeo mais legal (julgamento dos pesquisadores), enquanto os outros ficavam com o menos interessante.

Logo que terminavam os vídeos, os participantes tinham que responder o quão felizes estavam se sentindo. Após isso, os cientistas de Harvard deixaram o quarteto conversando por um tempo após a exibição dos vídeos. Depois da conversa, responderam as mesmas questões.

Os resultados mostraram que aqueles que assistiram aos melhores vídeos ficavam mais “tristes” depois da conversa com seus colegas. Os pesquisadores entenderam que isso aconteceu porque o participante “sortudo” – mas nem tanto – se sentiu isolado da conversa dos outros três.

Para acompanhar o primeiro estudo, outros testes relacionados ao tema foram realizados pelo time de Harvard. Eles descobriram que as pessoas não imaginavam que esse tipo de situação era possível: quando perguntadas como se sentiriam nas respectivas ações, responderam que a conversa não seria capaz de diminuir a felicidade dos que viram o vídeo mais legal.

Como conclui o autor, em divulgação oficial: “Se uma experiência transforma você em alguém que não possui nada em comum com os outros, não o importa o quão bom tenha sido, em longo prazo isso não lhe trará felicidade”.

Leia Mais

Os mitos e as verdades sobre o ebola

141017123030_ebola_624x351_thinkstock

Publicado na BBC Brasil

Autoridades sugerem que as pessoas evitem o contato com pacientes contaminados, já que o vírus se espalha por fluidos corporais. Além disso, profissionais da saúde devem usar equipamentos de proteção e qualquer equipamento médico deve ser descontaminado.

Apesar de uma campanha de conscientização, há mitos sobre a disseminação da doença. Veja abaixo os mais populares – e as explicações verdadeiras.

O vírus se propaga pelo ar, pela água e é contraído através do contato com quem está contaminado

O contágio se produz quando os fluidos corporais de um indivíduo infectado toca alguma das membranas mucosas de alguém que não está contaminado. Isso quer dizer que o sangue, o suor, a urina ou as fezes do portador do vírus têm que entrar em contato com os olhos, os orifícios nasais, a boca, os ouvidos, a área genital ou uma ferida aberta para contrair a doença. O contato com lençóis, roupas ou superfícies infectadas pelo vírus também pode causar o contágio, mas apenas se houver algum corte na pele.

É possível ser contaminado por alguém que aparenta estar saudável

É muito improvável que isso aconteça, mesmo se alguém for portador do vírus. A razão é que os sintomas podem demorar até 21 dias para aparecer – período máximo de incubação da doença. E até que os sintomas sejam visíveis, não há contágio. Uma pessoa só pode transmitir a doença se o vírus estiver em seu sangue e secreções.

Não se contrai o vírus através de relações sexuais

Se um homem tem ebola, o vírus pode estar presente nos seus fluidos corporais, incluindo o sêmen. A Organização Mundial da Saúde acredita que o vírus pode permanecer nos fluidos do indivíduo até sete semanas após o paciente ter se recuperado. Mas outros especialistas sugerem que a doença pode permanecer por até três meses, mesmo se médicos confirmarem não haver partículas virais no sangue. Quem já teve ebola deve abster-se de relações sexuais ou usar preservativos durante esse período.

Alguém que morreu não pode espalhar a doença

Embora o indivíduo tenha morrido, o vírus ainda pode estar presente. Por isso, especialistas em epidemiologia temem que a disseminação ocorra em práticas funerárias tradicionais realizadas em alguns países africanos, nas quais parentes ficam em contato direto com os mortos. Nestes casos, a OMS recomenda o enterro imediato e o uso de luvas e roupas de proteção para o indivíduo que manipula o corpo. Recomenda-se, também, o treinamento daqueles que lideram os funerais sobre os procedimentos a serem seguidos para evitar que a infecção se espalhe.

Um paciente pode transmitir a doença, mesmo que ele tenha se recuperado

Normalmente, apenas as pessoas que têm os sintomas podem espalhar o vírus. No caso de uma mulher grávida que recebeu alta, recomenda-se que ela não amamente o bebê.

Antibióticos, água salgada, leite e cebola crua podem prevenir o ebola

O consumo destes alimentos não impede a contaminação pelo ebola. Além disso, a ingestão de água salgada – que alguns acreditam que pode curá-los da doença – pode ser perigosa, especialmente em dias quentes. A OMS cita dois casos de pessoas na Nigéria que morreram por essa razão.No momento não há cura para o ebola, mas vacinas estão sendo testadas. Se os testes forem bem sucedidos, profissionais de saúde terão prioridade em receber as injeções.

Você tem que usar produtos antissépticos caros para eliminar o vírus

Recomenda-se lavar as mãos com frequência, especialmente se você estiver perto de um paciente com o ebola. O álcool em gel pode ser útil, mas se as mãos estiverem visivelmente sujas, é importante lavar com sabão e água limpa, segundo autoridades sanitárias.

Este é o primeiro grande surto de Ebola

Este é o surto que causou mais mortes, mas não é o primeiro. Segundo a OMS, o vírus foi diagnosticado pela primeira vez em humanos em 1976, no Sudão e na República Democrática do Congo. O surto ocorreu em uma aldeia perto do rio Ebola, daí o nome da doença. Cerca de 500 pessoas foram infectadas e 400 morreram. Desde então, várias cepas do vírus surgiram no continente africano.

Leia Mais