Arquivos da categoria: comportamento & saúde

Crianças expostas à religião têm mais dificuldade em distinguir o que é real

Pesquisadores descobriram que os pequenos que frequentam instituições religiosas têm mais probabilidade de acreditar que elementos sobrenaturais, como animais falantes, podem ser reais

(foto: Flickr/Creative Commons/ Panoramas)

(foto: Flickr/Creative Commons/ Panoramas)

Publicado na Galileu

De acordo com um novo estudo, publicado na revista Cognitive Science, crianças que crescem próximas à religião têm mais dificuldade de separar fato da ficção. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores responsáveis analisaram 66 meninos e meninas com idades entre 5 e 6 anos. Metade ia a escola paroquial e a outra metade frequentava escolas laicas.

A metade que ia para a igreja com frequência tinha mais dificuldade de separar elementos sobrenaturais da realidade. Acreditavam, por exemplo, que animais falantes poderiam ser reais. E elas confiavam em elementos da religião para justificar esse tipo de crença.

O estudo refuta hipóteses anteriores de que crianças “nascem” com uma predisposição para a fé. Os autores sugerem que “a exposição a histórias sobre milagres, faz com que crianças tenham uma receptividade mais genérica para o impossível, uma aceitação maior de que coisas podem desafiar a realidade, sem relações causais”.

Via Huffington Post

Cumprimento com o punho é mais higiênico do que aperto de mãos

Experimento realizado por pesquisadores britânicos mostrou que o nível de transmissão de germes durante o chamado ‘fist bump’ chega a ser 90% menor

Cumprimento com os punhos, conhecido como 'fist bump' (foto: Paolo Toffanin/Thinkstock/Thinkstock)

Cumprimento com os punhos, conhecido como ‘fist bump’ (foto: Paolo Toffanin/Thinkstock/Thinkstock)

Publicado na Veja on-line

O aperto de mãos não é a forma mais higiênica de cumprimentar alguém. Segundo uma nova pesquisa britânica, a transmissão de germes é muito menor quando as pessoas usam o fist bump, expressão em inglês para o cumprimento com a mão fechada.

No experimento, o professor da Universidade Aberywstwyth Dave Witworth e a aluna de doutorado Sara Mela usaram luvas contendo uma espessa camada da bactéria E. coli. Eles trocaram aperto de mãos, high fives (quando a palma da mão de uma pessoa encosta na de outra) e o cumprimento com os punhos. Depois, a dupla realizou testes para verificar em que caso a transmissão de microrganismos foi maior.

Barack Obama cumprimenta um soldado americano com um 'fist bump' (foto: Pete Souza/Getty Images/VEJA)

Barack Obama cumprimenta um soldado americano com um ‘fist bump’ (foto: Pete Souza/Getty Images/VEJA)

Os especialistas concluíram que o aperto de mãos foi o cumprimento que provocou a maior transmissão da bactéria. O contágio chegou a ser 90% maior em comparação ao cumprimento com a mão fechada e 50% mais elevado do que com o high five. Ainda de acordo com a dupla, a transmissão de microrganismos é maior quanto mais forte for o aperto de mão.

Segundo os pesquisadores, o cumprimento com os punhos geralmente é mais rápido do que o aperto de mãos, o que reduz a transmissão de micróbios. Além disso, nesse caso, a área de contato com a mão da outra pessoa é menor, fator que também ajuda a explicar o contágio reduzido.

“As pessoas raramente pensam sobre as implicações para a saúde de apertar as mãos. Se o público em geral for encorajado a usar o fist bump, há um genuíno potencial de reduzir a propagação de doenças infecciosas”, diz Witworth. A pesquisa será publicada na edição de agosto do periódico American Journal of Infection Control.

Oito em cada 10 mulheres editam fotos antes de compartilhar

mulhereseditamfotogyt

Publicado no Terra

Oito em cada 10 mulheres editam as fotos que tiram durante as férias antes de postá-las nas redes sociais e mais da metade (58%) apagam as clicadas pelos maridos e namorados para garantir que apenas as boas irão “sobreviver”. A informação é de uma nova pesquisa feita pela empresa Forza Supplements e divulgada pelo Daily Mail.

De acordo com o estudo, o principal motivo pelo qual as mulheres editam suas fotos é se sentirem intimidadas por celebridades que exibem curvas impecáveis de biquíni, como Elle Macpherson e Gwyneth Paltrow.

A pesquisa também apurou os cinco tipos de imagens que mais incomodam as mulheres e a primeira da lista é aquela em que aparecem sentadas e com a barriga de fora. Aquela foto que mostra um look justo demais, que evidencia os quilos em excesso, aparece em segundo lugar, seguida por cliques que exibem o “queixo duplo”. As imagens em que aparecem bêbadas estão em quarto lugar e, na última colocação, a maioria das mulheres elegeu as fotos em que acabaram de sair da piscina ou mar e estão com os cabelos molhados e despenteados.

Ainda de acordo com o estudo, 76% das mulheres afirmaram que já se sentiram constrangidas depois que um amigo ou parente compartilhou uma foto da qual não gostaram, enquanto 57% pediram que as imagens pouco favoráveis fossem excluídas. A a razão para a remoção das fotos é a já tradicional “estou gorda”.

Entre os casais, são as mulheres que se encarregam de postar fotos nas redes sociais em 74% dos casos. O levantamento ainda mostrou que 95% das pessoas que compartilham imagens de férias o fazem por meio do Facebook, do Instagram, do Twitter ou simplesmente as enviam por e-mail pelo celular.

Um quarto das pessoas se diz doente ao voltar de férias

ferias

publicado no Terra

Voltar ao trabalho depois de uma viagem de férias pode ser traumático, principalmente se for no dia seguinte. De acordo com uma pesquisa da empresa de câmbio Travelex, um quarto das pessoas já disse estar doente pelo menos uma vez no dia de retorno, mesmo estando bem. Os dados são do jornal Daily Mail.

O levantamento ouviu a opinião de 2 mil trabalhadores que estavam de férias. Constatou que quase metade dos entrevistados admite voltar às atividades com distração e esquecimento. E essas atitudes típicas de quem estava relaxando tendem a irritar 30% dos colegas.

Ao retornar ao trabalho, cerca de um quarto passa sua hora de almoço sonhando com a próxima viagem. Quando se trata de se preparar para as férias, os turistas do sexo masculino tendem a fazer as malas no dia da partida, enquanto 40% das mulheres começam esse processo com uma semana de antecedência.

 

Confira 15 práticas de corrupção cotidianas

Publicado em O Globo

A campanha eleitoral já começou. Nesse período, corrupção é tema frequente nos embates entre os candidatos e nas conversas dos brasileiros. A prática, porém, extrapola o campo político. Conheça exemplos lembrados pelo cientista político Alexandre Gouveia que mostram o quanto atitudes corriqueiras se enquadram nesse ato.

Não dar nota fiscal

1notafiscal

Vender ou comprar produtos falsificados e/ou contrabandeados

A Receita Federal apreendeu mais de 200 mil bolas falsificadas em Santos

Não declarar produtos comprados no exterior, evitando o recolhimento de impostos

3imposto

Não declarar rendimentos extras no Imposto de Renda

4impostorenda

Usar o vale refeição para fazer compras no supermercado

5mercado

Estacionar veículos, utilizar filas prioritárias e assentos destinados exclusivamente para idosos e deficientes

6idosos

Vender seu voto ou trocá-lo por algum benefício pessoal, como emprego, material de construção, cesta básica, etc.

7voto

Na escola, dar uma olhada na resposta do colega (a famosa “Cola”)

8cola

Andar com o veículo pelo acostamento

9acostamento

Evitar uma multa oferecendo dinheiro ao policial

10multa

Furar fila

11filas

Fazer ligação ilegal de serviços como TV a Cabo, Energia Elétrica, etc.

12gato

Apresentar atestado médico falso 

2011031677137

Falsificar carteirinha de estudante para obter descontos e benefícios

14carteirinha

Bater o ponto de trabalho para o amigo

15ponto