Menino corta cabelo após 6 anos para doar às vítimas de câncer: ‘Fiz o bem’

Mãe convenceu menino a fazer a boa ação por conta do Dia das Crianças.
Mechas foram destinadas ao projeto Fios de Felicidade, de Santos, SP.

Fabinho mostra o cabelo cortado, que será doado (foto: Mariane Rossi/G1)
Fabinho mostra o cabelo cortado, que será doado (foto: Mariane Rossi/G1)

Mariane Rossi, no G1

Um menino de São Vicente, no litoral de São Paulo, resolveu cortar o cabelo após 6 anos e doar as mechas para um projeto que confecciona perucas para pessoas com câncer e outras doenças. A ação foi uma forma que ele e a mãe acharam para presentear esses pacientes na semana do Dia das Crianças.

Ailton Fabio Hurtado Lopes, ou apenas Fabinho, de 10 anos, sempre gostou de ter cabelo comprido. Ele ficou anos sem cortar as madeixas, mesmo com a mãe insistindo muito. Era a sua marca registrada, ele fazia sucesso entre as professoras e os colegas da escola.

No entanto, Aline Cristina Hurtado Costa, mãe de Fabinho, o convenceu a mudar o visual. “Estava escondendo o rosto dele, o pessoal já o confundia com menina”, brinca. Mas a mudança não seria apenas pela estética, o menino doaria o cabelo para pessoas com câncer ou outras doenças cujos tratamentos acarretam na queda dos cabelos. “Minha mãe me convenceu”, diz Fabinho. “Falei para ele, quem planta o bem colhe o bem. E poderia fazer o bem para outras crianças. A intenção foi mostrar para ele que não era preciso conhecer a pessoa para doar. O cabelo, depois deixa crescer novamente”, explica Aline.

Fabinho antes e depois de cortar o cabelo para a campanha (foto: Mariane Rossi/G1)
Fabinho antes e depois de cortar o cabelo para a campanha (foto: Mariane Rossi/G1)

Fabinho teve um caso da doença na família. A irmã mais velha de Aline sofreu com um câncer de mama, perdeu o cabelo e ficou careca durante o tratamento. “Ela recebeu uma peruca e o Fabinho viveu de perto tudo isso”, conta Aline.

Na semana do Dia das Crianças, ele resolveu fazer a boa ação, e a missão ficou por conta dos cabeleireiros Fabio Sales da Silva e Alex Lima de Almeida. Durante o corte, Aline se emocionou várias vezes, admirada com a atitude do filho e feliz pelo quanto o cabelo dele poderá elevar a autoestima de muitas pessoas.

Já de visual novo, Fabinho era só alegria. Ele ainda estava se acostumando com o penteado e com a ideia de poder ajudar outras pessoas. “Eu achava legal ter cabelo grande, mas gostei, achei legal. Acho que o pessoal da escola vai gostar”, diz.

O menino entregou as mechas para Marta Gonzalez, criadora do projeto Fios de Felicidade, que arrecada cabelos para confeccionar perucas e distribuí-las, gratuitamente, a pessoas com câncer e outras doenças.

Aline, Fabinho e Marta mostram as mechas do menino após o corte (foto: Mariane Rossi/G1)
Aline, Fabinho e Marta mostram as mechas do menino após o corte (foto: Mariane Rossi/G1)

O Fios de Felicidade surgiu durante o tratamento de quimioterapia sofrido pela mãe de Marta, que teve câncer de intestino grosso. Ela, as irmãs e sobrinhas deixaram seus cabelos crescerem para depois cortar e doar para a paciente, o que acabou não sendo necessário. Porém, diante de uma promessa que fez, ela iniciou a campanha, junto com a amiga Jaci Aragão, e passou a promover ações para corte e coleta de mechas de cabelo, em abril de 2014. Elas destinavam o material a ONGs que confeccionam perucas para as pacientes. Em três ações, foram mais de 1.300 mechas.

Agora, o Fios de Felicidade já possui um banco de perucas, mas elas ainda encontram dificuldades para promover esse trabalho, que é totalmente voluntário. “A máquina para fazer as perucas nós já temos, veio por doação, mas falta alguém que nos ensine a fazê-las. Me interesso em aprender a confeccionar as perucas e as próteses”, diz Marta.

Fabinho é a segunda pessoa do sexo masculino a participar do Fios de Felicidade, e o primeiro menino. Marta explica que a grande maioria das doações vem de mulheres, já que costumam ter cabelos maiores. As mechas de Fabinho se juntaram a outras, que estão sendo entregues nos postos de arrecadação disponíveis no site do projeto. Para fazer uma peruca, segundo Marta, são necessárias 250 gramas de cabelo. Cada prótese de fios naturais custa entre R$ 1.300 e R$ 1.500. Assim, é preciso muitas mechas para que uma paciente consiga uma peruca. O ato de Fabinho, portanto, acabará se transformando na felicidade de outras pessoas. ”Era para fazer o bem, e eu fiz”, conclui Fabinho.

Leia Mais

Garoto usa giz para desenhar no chão. Quando perceberam o que era, todos já estavam emocionados

publicado no Awebic

A produção desse vídeo é realmente sensacional, em poucos minutos o vídeo consegue demonstrar o sentimento de uma criança que deve estar sentindo falta de alguma coisa.

Essa criança pega meia dúzia de giz e faz um desenho no chão que deixam as pessoas impressionadas e emocionadas ao mesmo tempo.

Só vendo o vídeo para saber do que estou falando, realmente foi de emocionar o que essa criança fez para suprir sua necessidade.

“Alguns de nós, ao contrário dos mais privilegiados, valoriza e deseja o amor materno. Ame e seja amado incondicionalmente. Adote uma criança“

Leia Mais

Executivo se demite após receber carta de sua filha de 10 anos

mohamed_el-erianpublicado na Época Negócios 

O executivo Mohamed El-Erian, internacionalmente reconhecido por seu trabalho na companhia de gestão de investimento Pimco, revelou ter deixado o cargo de CEO na empresa no início deste ano graças, em boa parte, a uma carta de sua filha. A menina de dez anos escreveu uma lista apontando 22 acontecimentos marcantes em sua vida que o pai havia perdido em razão do trabalho.

Entre esses momentos, estavam o primeiro dia de escola dela, um desfile de Halloween, o primeiro jogo de futebol e muitos recitais. O pedido de demissão do guru de investimento em janeiro de 2014 chocou o mundo financeiro. Só agora, em um artigo no site Worth, El-Erian esclareceu a sua saída – ou pelo menos parte das razões que o levaram a abandonar a gestora de investimentos que administra cerca de US$ 2 trilhões.

“Há cerca de um ano, eu pedi à minha filha várias vezes para fazer algo — escovar os dentes, eu acho — e não tive sucesso”, escreveu. “Ela então me pediu para esperar um minuto, foi ao quarto e voltou com um pedaço de papel. Era uma lista em que ela tinha compilado os eventos e atividades importantes que eu havia faltado devido a compromissos de trabalho.”

Segundo ele, havia uma boa desculpa para cada ocasião: viagens, reuniões importantes, um telefonema urgente e tarefas a cumprir. “Mas me dei conta de que não estava considerando algo infinitamente mais importante. (…) Eu não estava passando tempo suficiente com ela.”

A situação incomodou bastante o executivo. “Foi um sinal de alerta. E é um dos principais motivos pelos quais eu decidi fazer uma enorme mudança profissional”. Após renunciar ao cargo de CEO da Pimco, El-Erian diz que optou por fazer somente trabalhos de meio período, que exigem menos viagens e permitem mais flexibilidade.

O investidor, que estudou em Oxford e Cambridge, afirmou que agora tem tempo até de pegar sua filha na escola. Desde então, ele e a esposa se revezam para acordar a menina, preparar o café da manhã e levá-la à escola.

“Infelizmente, nem todas as pessoas têm esse luxo. Mas espero que empresas deem mais atenção à importância do balanço entre vida e trabalho, e mais e mais pessoas estejam em posição de decidir e agir em função do que é importante para elas.”

Leia Mais

Projeto deixa ingresso de cinema pendente para que pessoas que não podem pagar assistam ao filme que quiserem

publicado no Hypeness

Cecília Goursand é uma mineira que sempre se interessou por atos de gentileza e um especificamente despertou uma vontade intrínseca nela de tentar dar um passo que ninguém acreditava que daria certo – o café pendente.

Inspirada no mesmo princípio do café (que já postamos aqui, lembra?), Goursand decidiu reinventar a ideia solidária, com o intuito de oferecer mais cultura para quem não pode pagar. Ciça (como é carinhosamente chamada) é psicóloga e tem um blog de cinema, o Lupa, onde comenta sobre filmes e dá razões para as pessoas assisti-los. Então, unindo o útil e o agradável, ela criou o projeto Ingresso Amigo, que possibilita deixar ingresso pagos para alguém no Cinema Belas Artes de Belo Horizonte.

unnamed-1

Basta chegar na bilheteria e pegar um ingresso disponível ou ainda doar um ingresso a alguém que esteja procurando. O projeto não restringe ninguém, nem de doar, nem de pegar ingressos: qualquer pessoa pode chegar e pedir ou fazer uma caridade ao próximo. Alguém deixa pago o ingresso e a pessoa que pega escolhe o filme e o horário que quiser, desde que seja de segunda a quinta-feira. Para ajudar, Cecília também divulga em sua fanpage toda segunda e quarta-feira a quantidade de ingressos disponíveis.

IngressoAmigo1

IngressoAmigo2

IngressoAmigo3

unnamed

 

E pra quem acha que o projeto tem data para morrer e que nunca vai dar certo porque “aqui é Brasil”, saiba que ele fará um ano de vida (e sucesso!) neste mês de setembro. E aí, topa fazer isso na sua cidade?

Leia Mais

Criador do desafio do balde de gelo morre afogado nos Estados Unidos

Corey Griffin, de 27 anos, lançou campanha após diagnóstico de amigo.
Iniciativa arrecada dinheiro para tratamento da esclerose lateral amiotrófica.

Corey Griffin, um dos criadores do 'desafio do gelo', morreu afogado (foto: Reprodução/Facebook/Corey Griffin)
Corey Griffin, um dos criadores do ‘desafio do gelo’, morreu afogado (foto: Reprodução/Facebook/Corey Griffin)

Publicado no G1

Corey Griffin, um dos criadores do “ALS Ice Bucket Challenge”, o desafio do balde de gelo, morreu afogado em um acidente de mergulho no sábado (16). Aos 27 anos, ele havia arrecadado US$ 100 mil horas antes de sua morte e estava orgulhoso pela popularidade de sua campanha na internet, de acordo com o jornal “Boston Globe”.

Por volta de duas da madrugada daquele dia, Griffin saltou de um cais tradicionalmente usado por moradores de Nantucket, em Massachussetts, para mergulhos. Ele ainda teria voltado à superfície uma vez antes de se afogar. Um salva-vidas que estava de folga e passava pelo local o resgatou, mas ele foi declarado morto ao chegar ao hospital.

O jovem ajudou a popularizar o desafio do balde de gelo depois que seu amigo Pete Frates recebeu o diagnóstico de esclerose lateral amiotrófica, mal degenerativo também conhecido como doença de Lou Gehrig.

A campanha desafia personalidades a jogar um balde de água gelada contra a cabeça ou fazer uma doação de US$ 100 a ALS Association – ou os dois. Caso a pessoa participe da brincadeira, pode desafiar outros a fazer o mesmo em até 24 horas.

A campanha se tornou viral após Mark Zuckerberg, criador do Facebook, e Bill Gates, da Microsoft, terem divulgado seus vídeos. De acordo com o Facebook, 28 milhões de usuários aderiram, incluindo diversos artistas e celebridades que vão de Lady Gaga a Ana Maria Braga. Na quarta (20), por exemplo, o sapo Kermit, dos Muppets, e o ex-presidente dos EUA, George W. Bush, postaram vídeos de seus desafios.

Mais de US$ 15 milhões já foram arrecadados em menos de um mês, segundo comunicado oficial divulgado no site da ALS Association no domingo (17).

Leia Mais