Arquivos da categoria: Mkt/biz

Em campanha fora do Brasil, Coca-Cola brinca com jeito de falar do brasileiro

Coca-cola Portuguesiño

Vinícius Martins, no Plugcitários

O brasileiro é cheio de manias, assim como qualquer outro povo. De norte à sul do país temos uma diversidade riquíssima de gírias e costumes na hora de nos comunicarmos. E uma dessas nossas manias está presente em todo território brasileiro: falar as coisas no diminuitivo. “Meu amorzinho, meu cachorrinho, seu timinho” e por ai vai.

A Coca então, acaba de lançar uma nova campanha em países latino-americanos, intitulada “Portuguesiño”. Nos vídeos, os “gringos” falam palavras em português ou no próprio espanhol no diminuitivo. A brincadeira ficou bem bacana. Em um dos vídeos ainda, ela brinca com os penteados de Neymar e Ronaldo. Confira abaixo:

ExpoCristã é cancelada. De novo

Anna Virginia Balloussier, na Folha de S.Pauloexpo_crista

A ExpoCristã, que por mais de uma década se manteve como maior feira gospel de negócios do Brasil, foi cancelada. De novo.

A Expo prometia voltar “com força total” para sua 12ª edição, que aconteceria em julho no Expo Center Norte, em São Paulo. O site ainda convida fiéis a serem um “líder de caravana” do “evento mais completo para cristãos”.

Entre apoios já anunciados, o banco Bradesco, a universidade Mackenzie, a seguradora Mapfre e a Universal Music Christian Group.

Marcas como Quinta da Glória (moda gospel) e Bom Pastor (editora) também estavam no barco.

Em 2013, a casa caiu após a feira ser despejada no pavilhão do Anhembi, com uma dívida de quase meio milhão de reais.

Neste ano, a ExpoCristã estava sob nova direção: Leo Ganem, ex-CEO de duas empresas da Globo (seis anos na Som Livre e três na Geo Eventos).

A organização diz, em nota à imprensa, que o evento não acontecerá neste ano “devido às dificuldades impostas pelo calendário, com Copa e Eleições”.

Site dos EUA se assusta com preços da Apple no Brasil: “impensáveis”

Em nova reportagem, Business Insider diz que valores de produtos da empresa no país são “insanamente altos” e tenta encontrar motivos para isso.

publicado no Macworld

Depois da Bloomberg, agora é a vez de outro respeitado veículo dos EUA se espantar com os altos preços praticados pela Apple no Brasil. Em reportagem publicada na última quinta-feira, 10/4, o site de economia e negócios Business Insider afirma que os valores dos produtos da “maçã” em nosso país são “impensáveis” e “insanamente altos”.

Como exemplo, a BI cita o iPhone 5S, cujo modelo de 64GB sai por 3.600 reais por aqui, sendo o mais caro do mundo. Nos EUA, o produto desbloqueado sai por 849 dólares, cerca de metade do preço no Brasil.

Para fazer a reportagem, a Business Insider diz ter visitado uma loja iPlace localizada no Shopping Bourbon, em São Paulo, notando que ninguém comprou um iPhone ou iMac enquanto a reportagem esteve no local, mas destaca que “a loja parece receber bastante movimento de consumidores”.

Entre as supostas razões para preços tão altos da Apple no Brasil, o site destaca algumas, como políticas protecionistas, histórico de alta inflação, moeda supervalorizda, e sistema de impostos disfuncional.

Ao final da reportagem, a BI cita diversos outros exemplos de produtos da Apple que custam cerca de duas vezes mais no Brasil em relação aos EUA – a lista inclui iMac, Apple TV, iPad Mini e até os fonos de ouvido Earbuds.

 

 

Conheça a história da clássica imagem de fundo de tela do Windows XP

Publicado no IG

Prestes a completar 13 anos, o Windows XP teve o fim do seu suporte decretado. Na próxima terça-feira (8), a Microsoft deixará de fornecer atualizações para essa versão. Segundo mais popular no mundo, o XP é um dos sistemas mais populares da história da tecnologia. E um dos aspectos mais marcantes é sua imagem de fundo de tela. Esta.

Divulgação

Windows XP foi lançado em 25 de outubro de 2001

A imagem do céu azul e dos campos verdes apresentada como papel de parede padrão do Windows XP é real e foi batizada de Bliss pela Microsoft. O curioso é que há uma história de amor por trás da imagem, de acordo com um texto da Cnet.

Era 1996 e o fotógrafo Charles O’Rear dirigia pela região das vinícolas de Sonoma, na Califórnia, para ver Daphne, sua então namorada. Segundo Charles, era janeiro, época do ano de bastante chuva conhecida como meio-inverno nos Estados Unidos. Uma tempestade parecia se aproximar, mas tão logo ela se foi, as nuvens brancas chegaram para contrastar com a grama verde brilhante característica desse período do ano.

Diante da paisagem, Charles parou o carro e fez a foto com uma câmera de filme Mamiya RZ67. Segundo o fotógrafo, essa não tinha sido a primeira vez que ele tentava fotografar as colinas da região usando um filme Kodachrome 64, seu preferido.

Sem nenhum tipo de retoque digital, a imagem foi enviada para o Corbis, serviço de licenciamento de fotos fundado por Bill Gates em 1989. Na época, o Corbis não devia ter mais que 50 fotógrafos inscritos. Hoje, são mais de 100 milhões de imagens no banco de dados.

Nem Charles nem a Microsoft divulgam quanto foi pago pela foto na época, mas estima-se que ela tenha sido uma das mais caras de todos os tempos. Charles diz não saber como a Microsoft encontrou sua foto, ou seja, quais termos de busca foram usados para localizar a imagem.

O fotógrafo conta ainda que vários anos depois do lançamento do Windows XP recebeu um e-mail de um dos engenheiros da Microsoft. Ele queria saber onde a fotografia havia sido feita. O e-mail dizia: “nós estamos apenas curioso sobre onde essa fotografia foi feita. A maioria de nós do departamento de engenharia acha que foi ‘photoshopada’ [manipulada digitalmente no Photoshop]. Alguns pensam que ela foi feita não muito longe da sede da Microsoft, em Washington”.

Charles esclareceu que estavam todos errados e que o lugar era real, que a foto foi feita perto de onde ele morava (em Santa Helena, no condado de Napa), e que a sua imagem era original. A Microsoft, no entanto, havia cortado a foto para que ela coubesse na área de trabalho e reforçado o verde da colina.

Apenas por diversão, o fotógrafo fez uma versão de Bliss no Photoshop a partir de outras fotografias suas e o resultado não é nem de perto bom como a original.

Com o fim do suporte ao Windows XP, a foto que nasceu com ele pode desaparecer. Mas Charles não está preocupado com isso, ele acha que Bliss será para sempre. “Quando você tiver 90 anos, em algum lugar, uma fotografia como a Bliss vai aparecer e você vai dizer: eu me lembro disso, quando tivemos computadores na nossa mesa, ela estava na tela. Em qualquer lugar neste planeta, se você parar alguém na rua e mostrar a fotografia, eles vão dizer: eu vi isso em algum lugar, eu reconheço.”

A disseminação mundial do Windows XP significa que Bliss foi vista em lugares bastante distantes. Charles comenta um foto recente que recebeu. A imagem foi feita na Coreia do Norte por um fotógrafo autorizado a entrar no país e traz dois homens sentados em uma usina próximos a um computador. “Quem está na foto?”, questiona Charles. “Bliss”. Até imagens oficiais da Casa Branca já estamparam sua foto para não dar detalhes do que era feito nos computadores.

Charles já colaborou com National Geographic e fotografou para o Los Angeles Times. Atualmente, passa grande parte do seu tempo fotografando regiões produtoras de vinho de todo o mundo para livros, a trabalho, e para o seu site, o Wineviews.com. Segundo sua esposa, Daphne, aquela mesma, Charles foi um dos últimos fotógrafos de sua geração a migrar para o digital. Agora, depois de sete ou oito anos, ele não se vê sem sua Panasonic Lumix LX3 com lente de 28 milímetros.

Sobre ter suas fotos em outros papeis de parede do sistema operacional da Micorosoft, Charles conta que continua esperançoso, que mandou seu número de telefone, mas que ninguém ligou pedindo outra imagem. Enquanto isso, na casa que divide com Daphne, Bliss continua a estampar a tela do computador.

Starbucks pede desculpas por símbolos satânicos na espuma do café

Consumidora ficou assustada com pentagrama invertido e número 666 nos copos de cappuccino e postou fotos na página da rede de cafeteria no Facebook

Consumidora ficou indignada com desenhos na espuminha do café (foto: Reprodução/Facebook)

Consumidora ficou indignada com desenhos na espuminha do café (foto: Reprodução/Facebook)

Publicado no Estadão

A rede Starbucks pediu desculpas públicas a uma consumidora nos Estados Unidos depois que ela divulgou fotos de dois copos de cappuccino com símbolos satânicos desenhados na espuma.

A moda de cafés com espumas decoradas com desenho faz sucesso em muitas cafeterias e em fotos nas redes sociais. Mas, a consumidora Megan Pinion, da Louisiana, nos Estados Unidos, ficou chocada ao perceber que o garçom desenhou uma estrela de cinco pontas e o número 666 na outra.

O pentagrama de cabeça para baixo é usado frequentemente como um símbolo demoníaco, assim como o número 666, associado a Satanás no livro do Apocalipse.

A consumidora tirou fotos dos copos de cappuccino e publicou na página da Starbucks no Facebook.

A empresa respondeu imediatamente com um pedido de desculpas público. “Entramos em contato com a consumidora através de meios de comunicação social para pedir desculpas”, disse o porta-voz da Starbucks Tom Kuhn, responsável pelas redes sociais.

“Estamos levando a queixa a sério”, acrescentou o representante da empresa. A consumidora comentou em entrevista à rede CBS que não pretendeu julgar as crenças do funcionário que a atendeu e nem a qualidade dos seus desenhos. “Estou julgando apenas a sua falta de profissionalismo e de respeito pelos outros”, disse.

Em seu comunicado, a Starbucks diz que vai tomar providências para evitar que outros consumidores venham a ter a mesma experiência da consumidora da Louisiana.

dica do Gerson Caceres Martins