TRE lacra templos e Edir Macedo critica ação “truculenta”

102014x33617z

Publicado no Terra

Depois de manter silêncio mesmo sobre temas polêmicos envolvendo seu nome e o da Igreja Unversal do Reino de Deus (lurd) na disputa ao governo do Rio, o bispo Edir Macedo resolveu se manifestar nesta segunda-feira e no domingo de eleição. Em sua página do Facebook, ele criticou a ação da Justiça Eleitoral que lacrou três templos da Iurd no último sábado na Baixada Fluminense e na capital. Nos locais, fiscais encontraram milhares de panfletos do então candidato ao governo, Marcelo Crivella, do PRB, que é sobrinho de Macedo.

Em sua postagem, o bispo divulgou reportagem e nota em que a ação do TRE é condenada. O texto diz que a decisão de lacrar os templos foi considerada “truculenta e constrangedora” pelos fieis que estavam nos locais durante as operações. A página da Iurd ainda diz que, “segundo especialistas, houve excesso e abuso de poder por parte dos agentes, e a ação é inconstitucional”.

Segundo o texto compartilhado por Macedo, a Iurd vai ingressar “com os recursos cabíveis para esclarecer os fatos e processar todos os envolvidos em quaisquer ações ilícitas”. Pela legislação, templos religiosos são proibidos de fazer campanha para candidatos que disputam eleições.

Edir Macedo e sua Igreja foram protagonistas dos mais acirrados embates no segundo turno da disputa ao governo do Rio. Como tática para barrar uma possível ascensão de Crivella (PRB), bispo licenciado da Universal, o governador Pezão passou a expor o parentesco e a proximidade entre Macedo e Crivella. Em um debate, Pezão chamou o adversário de “testa de ferro” do tio, e classificou a igreja como uma “organização” com interesse de tomar o poder no Estado.

Leia Mais

Dilma só ultrapassou Aécio com 89% dos votos apurados

5f734a2c3ec5a82a630f6a70670067b8_original

publicado no Yahoo!

A campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) deve ter suado frio na noite de domingo (26), pois Aécio Neves (PSDB) esteve à frente da petista até a apuração do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alcançar 88,91%.
O momento exato da ultrapassagem da presidente foi às 19h32, segundo informações confirmadas pelo Yahoo junto ao TSE. Os resultados só foram divulgados publicamente após as 20h de domingo, quando as eleições haviam sido encerradas em todo território nacional – por conta do fuso-horário, o Acre foi o último estado a finalizar sua votação.

Dilma ganhou a corrida presidencial por uma estreita margem de pouco mais de 3%, totalizando 54,5 milhões de votos (51,6% dos votos válidos), enquanto Aécio conquistou pouco mais de 51 milhões (38,4%).
Um gráfico em circulação na Internet, cuja autoria não pôde ser confirmada pelo Yahoo Brasil, mostrou o momento exato da ultrapassagem de Dilma sobre Aécio. Contatado, o TSE não confirmou os dados anteriores à ultrapassagem (intersecção das linhas azul e vermelha).
59312f70-5e14-11e4-a58e-83495c92c51c_10743668_926241397404038_1099316457_n

 

Leia Mais

Nenhuma cidade brasileira deu a Aécio votação maior que em Miami

publicado na Folha de S. Paulo

A cidade em que Aécio Neves (PSDB) teve o maior percentual de votos não está no Brasil, mas nos Estados Unidos. Em Miami, o tucano atingiu 91,79% dos votos válidos, contra 8,21% de Dilma Rousseff (PT). Lá, Aécio teve no total 7.225 votos, enquanto Dilma registrou 646.

A presidente Dilma venceu a eleição em segundo turno neste domingo (26), somando 51,64% dos votos válidos, ante 48,36% do tucano.

Em nenhum município do Brasil Aécio teve um percentual tão expressivo de votos quanto na cidade americana. Sua melhor votação em termos percentuais aqui foi em Nova Pádua (RS), com 88,14%.

Já Dilma obteve seu melhor desempenho em Belágua. No município amazonense, ela conseguiu 93,9% dos votos válidos. No primeiro turno, havia conseguido 92,13%.

Em Caracas, na Venezuela, Aécio teve 70,86% (462 votos); Dilma atingiu 29,14% (190 votos).

miami

RESULTADO DA ELEIÇÃO 2014

A diferença entre os dois é a menor observada entre dois finalistas de uma eleição presidencial desde o fim da ditadura militar e a redemocratização do país. E pela terceira vez seguida, brasileiros reelegem um presidente.

O novo mandato de Dilma representa um triunfo de ordem pessoal e outro de natureza política. Criticada por ministros do seu governo e dirigentes do próprio partido, o PT, a presidente venceu apesar do desempenho ruim na economia e ao final de uma campanha marcada pelo desejo de mudança da maioria do eleitorado.

Leia Mais

Integrantes de CPI de alvarás de SP são acusados de extorsão

Eles são acusados de extorquir dinheiro de comerciantes.
Uma dessas conversas aconteceu dentro da Câmara e foi gravada.

Eduardo Tuma, presidente da CPI dos Alvarás.
Eduardo Tuma, presidente da CPI dos Alvarás.

Publicado no G1

Integrantes da CPI criada para fiscalizar a emissão de alvarás para comerciantes são exatamente os acusados de extorquir dinheiro desses comerciantes. Uma dessas conversas aconteceu dentro da câmara e foi gravada. O Ministério Público vai investigar.

Dois homens entram em um bar e se apresentam como fiscais de uma CPI. Dizem que o comércio tem irregularidades. Depois, marcam um encontro com o dono e falam: ‘é só dar dinheiro, que tudo se resolve’. Como você se sentiria se passasse por isso?

Um comerciante, que enfrentou essa situação, responde: “Eu me sinto mal. Me sinto constrangido. Sensação de impotência. Essa é a verdade”.

Ele é dono de um bar na capital paulista, recebe em média 100 clientes por dia. Depois que foi assediado, o comerciante procurou o Fantástico e pediu ajuda. Disse que estava sendo vítima de uma tentativa de uma tentativa de extorsão por dois funcionários públicos. Com uma câmera escondida, passamos a acompanhar as conversas. Gravamos inclusive o encontro com o representante de uma empresa que, em troca de dinheiro, prometia regularizar a situação do comércio.

Representante: Eu vou dar baixa no seu processo para arquivo. E aí, morreu o assunto. Eu vou dar um parecer e eu vou falar direto com o vereador. Eu não vou nem falar com eles. É direto com o vereador que eu vou falar.

O comerciante diz que a corrupção começou quando os dois funcionários públicos foram ao bar dele. Era 15 de agosto passado.

“Os caras vieram aqui, comeram, pagaram. Depois se identificaram como integrantes da CPI dos alvarás. Olharam supostas irregularidades e pediram uma série de documentação”, conta o comerciante.

“CPI dos Alvarás” é a comissão da Câmara Municipal de São Paulo criada para investigar irregularidades nas emissões dos alvarás de funcionamento de bares, casas noturnas e restaurantes da cidade.

A CPI começou em fevereiro deste ano, com a promessa de evitar tragédias como o incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Lá, 242 pessoas morreram, em janeiro de 2013.

Os dois funcionários públicos que procuraram o dono do bar, em São Paulo, são Roberto Torres e Antônio Pedace. Roberto é engenheiro civil, funcionário da Prefeitura de São Paulo. Trabalha na Secretaria Municipal de Licenciamento.

“O cargo que ele ocupava na prefeitura, nós consideramos, sim, sensível. É um cargo que trabalha na concessão de licenças, na liberação de licenças”, explica o controlador-geral da Prefeitura de São Paulo, Mário Vinicius Spinelli.

Em maio passado, a prefeitura autorizou roberto a trabalhar na CPI dos Alvarás da Câmara Municipal. Já Antônio Albertino Pedace é assistente parlamentar do vereador Eduardo Tuma, o presidente da CPI.

Depois de vistoriar o bar, no dia 15 de agosto, Roberto e Antônio deixaram um relatório com o comerciante. Quem assinou foi Roberto, que é engenheiro e assessor técnico da CPI. Disse ter encontrado oito irregularidades e pediu que oito documentos fossem apresentados. O prazo foi de cinco dias.

O comerciante reconhece que o bar não tem certificado de acessibilidade nem brigada de incêndio; e que espera a renovação do alvará dos Bombeiros. “Se eu estou errado, eu tenho que corrigir. Eu tenho que ter direito a fazer a correção do erro e ponto final”, diz o comerciante.

Mas não era bem isso que os integrantes da CPI pareciam querer como mostram as conversas a seguir:

Primeiro, Roberto Torres marcou, por telefone, uma reunião na Câmara dos Vereadores.

Roberto Torres: Você me dá uma ligadinha que eu vou estar na casa.
Comerciante: É na Câmara mesmo?
Roberto Torres: Na Câmara mesmo.

A reunião acontece 24 dias depois da suposta vistoria no bar, no dia 8 de setembro.

Os fiscais se encontraram com o dono do bar em uma sala, que fica no subsolo da Câmara Municipal. Uma sala que fica trancada. Tem que ter chave para entrar no local. Foi uma conversa particular, a portas fechadas. Em nenhum momento, ele prestou esclarecimentos públicos como deve acontecer em uma CPI desse tipo.

O comerciante mostra a documentação do bar, mas os dois integrantes da CPI não dão muita bola, não. O assessor Antônio Pedace vai direto ao assunto. Fala que o comerciante precisa de um laudo.

Antônio Pedace: “Vai fazer um laudo para nós que está tudo ok na casa de vocês, entendeu? Que está ok”.

E os dois indicam uma arquiteta chamada Margarete.

Comerciante: Como é que ela trabalha? Ela vai lá?
Pedace: Não, ela vai vir aqui.
Comerciante: Nós não vamos ter problema depois?
Torres: Não. Com relação à CPI, não. Como eu sou membro técnico, eu assino, mando para a secretaria e acabou.
Pedace: Tem o carimbinho e tudo. A gente dá baixa e põe no arquivo.
Comerciante: E o valor que ela vai?
Pedace: É R$ 15 mil que ela cobra. Porque ela já fez para outras casas aqui também para resolver.

O comerciante fala que está preocupado em perder movimento se tiver o bar citado na CPI e tiver que prestar depoimento.

Comerciante: Pode até ser chamado em plenário? Eu fiquei preocupado.
Pedace: Na semana passada, veio um monte de empresário chamado em plenário.
Comerciante: Está vendo.

O dono vai dando corda, para ver a reação dos dois. E ele termina a conversa fazendo uma proposta para encerrar o caso.

Comerciante: A gente não quer nenhum problema com a CPI. Agora, sei lá. Se der para fazer R$ 10 mil. Não sei.
Pedace: Eu vou falar com ela.

Comerciante: Quando você faz uma fiscalização, quando ela vem, ela vem, fotografa e a irregularidade põe no processo. Não tem nem processo. Não mostraram nem processo que foi aberto.
Fantástico: O que caracteriza isso para o senhor?
Comerciante: É pagamento de propina. Estou pagando dinheiro para que o processo seja arquivado.

O Fantástico mostrou as imagens do encontro na Câmara para dois promotores de Justiça que fazem parte do Grupo Especial de Combate a Crimes Financeiros.

“São evidências de que nós estamos diante de um esquema de corrupção”, diz o promotor Arthur Lemos Junior.

“Tudo indica que eles acabaram visitando outros comerciantes, usando a mesma estratégia ilícita”, completa Arthur Lemos Júnior.

O Fantástico falou com o vereador presidente da CPI dos Alvarás, Eduardo Tuma. Ele garantiu que não sabia de nada.

“A CPI não tem qualquer força para arquivar ou não arquivar caso. Ou para conceder ou não conceder alvarás. Nós fizemos diligências públicas. Quer dizer, contávamos com acompanhamento da Guarda Civil Metropolitana, com a TV Câmara. Conversar com comerciante dentro da Câmara não é procedimento da CPI. Não é mesmo”, diz Eduardo Tuma.

A história do dono do bar não parou por aí. Um dia depois do encontro na Câmara Municipal de São Paulo, o assistente parlamentar Antonio Pedace deu um aviso ao comerciante. A arquiteta Margarete, que nem chegou a ser apresentada ao dono do bar, não quis fazer o laudo por menos de R$15 mil.

Pedace: Não teve jeito de abaixar. Então, eu estou te mandando uma outra pessoa falar com você que se chama Marcos Peçanha.

Marcos Peçanha se apresenta como engenheiro: Fazemos tudo. Todo tipo de regularização. Eu vou dar baixa no seu processo para arquivo e morreu o assunto. Eu cobro R$ 13 mil, em duas vezes.

Comerciante: Mas o senhor faz parte da CPI?
Marcos Peçanha: Não.
Comerciante: Mas eu não vou ter problema não?
Marcos Peçanha: Não. Eu encerro a fiscalização lá.
Comerciante: Você está fazendo para mais gente também?
Marcos Peçanha: Eu fiz para várias pessoas.
Comerciante: Aqui nessa CPI dos Alvarás?

Como Peçanha conseguiria arquivar o processo tão facilmente?

Marcos Peçanha: Eu vou dar um parecer e eu vou falar direto com o vereador.
Comerciante: Com o engenheiro?
Marcos Peçanha: Eu não vou nem falar com eles. É direto com o vereador que eu vou falar.
Comerciante: Quem que é?
Marcos Peçanha: O presidente da CPI. Eu vou ser sincero. Eu vou matar o negócio no ninho.

Peçanha diz que vai dar um presente para Eduardo Tuma, o presidente da CPI dos Alvarás: “Um presente para o vereador e acabou. Uma garrafa de uísque, qualquer coisa”, diz Marcos Peçanha.

No fim da conversa, Peçanha dá a entender que o presente pode ser dinheiro também.

Marcos Peçanha: Não pense que eu vou pegar R$ 13 mil para mim que não funciona.
Comerciante: Já falaram que tem pessoas que precisam receber.
Marcos Peçanha: Deixa eu conversar com ele. Alguma coisa lá tem que dar para o vereador.
Comerciante: Está bom.
Marcos Peçanha: Um presente. Vamos ver.

“Isso que ele está dizendo é crime. Isso é crime. Eu quero que o Ministério Público atue nesse sentido. O que é isso? Imagina. Não conheço. Nunca recebi nada, qualquer forma de presente ou de vantagem licita ou ilícita desse senhor.  Eu não posso ser responsável por uma pessoa que se utiliza do meu nome. Quero que ele testemunhe isso. Faço questão de fazer uma acareação com esse senhor”, diz Eduardo Tuma.

No começo deste mês, a CPI dos Alvarás terminou, com a apresentação de 15 propostas, principalmente para diminuir a burocracia na concessão dos documentos.

O dono do bar nem chegou a ser nem citado no relatório. Acreditava que assim teria sossego. Mas nem com o fim da CPI, isso não aconteceu. Marcos Peçanha não desistiu.

Comerciante: Peçanha?
Marcos Peçanha: Isso.
Comerciante: Meu sócio ligou e falou que a CPI foi encerrada.
Marcos Peçanha: Ela está encerrada mas, como diz, ela foi encerrada. Mas quando eles foram aí, não estava encerrada, entendeu?

Peçanha faz uma sugestão: diz ao comerciante para ele oferecer menos dinheiro a Roberto Torres e Antônio Pedace, os dois homens que se apresentaram como fiscais da CPI.

Marcos Peçanha: “Se conselho fosse bom, a gente não dava, vendia. Faz uma contraproposta e acabou. Dentro das suas condições e já era”.

O Fantástico foi até o escritório de Marcos Peçanha, engenheiro que sugeria dar baixa nos processos.

A informação que o Fantástico recebeu é que Peçanha não estava. No dia seguinte, fomos lá outra vez e nada de novo. Também ligamos várias vezes, deixamos recados mas ele não retornou.

Procuramos Antônio Pedace na Câmara, mas ele não foi localizado. No sábado (25), o assistente parlamentar enviou uma nova ao Fantástico. Disse que: “Em nenhum momento, pediu qualquer valor a seu favor ou de outras pessoas e que simplesmente. Indicou uma empresa especializada, uma pessoa que já fazia esse trabalho de forma idônea, para regularizar e realizas as pendências realizadas no referido estabelecimento. E obras e mudanças seriam necessárias para a continuidade das atividades comerciais”.

O presidente da CPI afirmou que nem o assistente dele, Antônio Pedace, nem o engenheiro Roberto Torres tinham autorização para fiscalizar comerciantes. “Esse senhor é o Antônio. Ele é ligado a nós sim, mas não tinha qualquer autorização para trabalhar nessa questão da CPI. Talvez análise de documentos, sim”, declarou Tuma.

O escritório onde Marcos Peçanha recebeu o dono do bar fica na Rua Riachuelo, região central. O Fantástico investigou e o engenheiro Roberto Torres, o integrante da CPI dos Alvarás que procurou o comerciante, aparece na escritura desse imóvel. Roberto é o dono do escritório.

Roberto de Faria Torres está sendo monitorado desde junho do ano passado pelo setor de inteligência da Controladoria Geral do Município. O nome dele está em uma lista de servidores públicos que são analisados. É uma checagem que a controladoria faz para saber se o salário do funcionário é compatível com o patrimônio dele.

O Fantástico apurou que, nos últimos cinco anos, pelo menos 15 imóveis apareceram no nome de Roberto, como os mostrados no vídeo acima. Ele recebe da prefeitura um salário de R$ 4 mil por mês. A investigação da controladoria pode comprovar se o engenheiro teria ficado rico ilegalmente.

“Se, de fato, a conduta dele foi uma conduta que desabone a sua função enquanto servidor público, ele será sim penalizado. Inclusive, dependendo do caso, com a demissão”, destaca o controlador-geral da Prefeitura de São Paulo, Vinicius Spinelli.

Tentamos falar várias com Roberto Torres. Ele chegou a desligar duas vezes o telefone na nossa cara.

O Ministério Público vai investigar se havia uma máfia na CPI dos Alvarás.

“Há necessidade de outras pessoas que também foram vítimas desse esquema de nos procurarem para que a gente possa apurar os fatos não só em relação a essa vítima, mas em relação a todos os outros que também foram extorquidos por este grupo”, diz o promotor de justiça Roberto Bodini.

O comerciante não cedeu à pressão. “Se eu pagar, o que vai acontecer? Mês que vem, vai bater outra pessoa na minha porta. Não dá para, simplesmente, o cara querer sobreviver às nossas custas”, diz o comerciante.

a “nota de esclarecimento” do vereador evangélico pode ser lida aqui.

perguntas: por que ele esperou a veiculação da reportagem para agir? por que não afastou imediatamente seu assessor de confiança envolvido?

Leia Mais

TSE proíbe Veja de fazer propaganda de capa

Reprodução mostra capa da revista, que saiu em edição extra
Reprodução mostra capa da revista, que saiu em edição extra

Publicado por Estadão [via A Tarde]

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu liminar na noite desta sexta-feira (24) que proíbe a editora Abril, responsável por publicar a revista Veja, de fazer propaganda em qualquer meio de comunicação da reportagem de capa segundo a qual a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teriam conhecimento do esquema de corrupção da Petrobras. A reportagem diz se basear em depoimento prestado na última terça-feira (21) pelo doleiro Alberto Youssef no processo de delação premiada a que ele se submete para ter direito à redução de pena.

O pedido para impedir a publicidade da matéria foi apresentado pela campanha de Dilma na tarde desta sexta-feira. A defesa da petista requereu ao tribunal que a revista se abstivesse fazer propaganda de sua capa, que tem, na opinião dos advogados de Dilma, conteúdo ofensivo à candidata à reeleição. Para a campanha petista, uma eventual publicidade do caso tem por objetivo único beneficiar a candidatura do tucano Aécio Neves.

A ação da defesa de Dilma se ampara no artigo da Lei das Eleições que prevê que a propaganda eleitoral no rádio e na televisão restringe-se ao horário gratuito, sendo proibida a veiculação de propaganda paga. Essa mesma vedação, segundo campanha da petista, é estendida à divulgação de propaganda na internet e por meio de outdoors. Em caso de descumprimento da liminar, os advogados de Dilma cobram a aplicação de multa de R$ 1 milhão por veiculação proibida.

A campanha da presidente argumentou ainda que a revista Veja antecipou sua edição em dois dias com a “nítida intenção de tumultuar a lisura do pleito eleitoral do próximo domingo (26)”. Citam ainda que a revista teria postado no Facebook dela, com 5,4 milhões de seguidores, notícia com o título “Tudo o que você queria saber sobre o escândalo da Petrobras: Dilma e Lula sabiam”. Essa propaganda teria sido reproduzida na página oficial do PSDB, partido do adversário na disputa ao Palácio do Planalto, também na mesma rede social.

Em sua defesa, a Editora Abril sustentou que as liberdades de comunicação e de atividade econômica são direitos previstos na Constituição. Esses direitos, disse a editora, “não podem ser sufocados por medidas de cunho censor sob a alegação de imaginária propaganda eleitoral”. Para Abril, o que se pretende é “impedir a imprensa de divulgar assunto que a sociedade tem o direito de tomar conhecimento”. “Não houve ilícito algum na matéria publicada na edição e tampouco nas propagandas de divulgação da revista, de modo que a representada (Editora Abril) agiu no seu estrito direito constitucional”, afirmou.

Em parecer, o procurador-geral Eleitoral, Rodrigo Janot, manifestou-se a favor da campanha da Dilma. Para Janot, diante da iminência da realização de uma propaganda eleitoral irregular, é necessário proibir a divulgação das publicidades sob pena de acarretar “prejuízo irreparável ao equilíbrio e (à) lisura do pleito”.

Em sua decisão, o ministro Admar Gonzaga, relator do processo, afirmou que há elementos para acatar o pedido liminar, suspendendo, até o julgamento do mérito, qualquer publicidade da editora sobre o assunto. Segundo ele, cabe ao TSE “velar pela preservação da isonomia entre os candidatos que disputam o pleito”. “Desse modo, ainda que a divulgação da revista Veja apresente nítidos propósitos comerciais, os contornos de propaganda eleitoral, a meu ver, atraem a incidência da legislação eleitoral, por consubstanciar interferência indevida e grave em detrimento de uma das candidaturas”, afirmou o ministro.

Admar Gonzaga – um dos advogados da campanha de Dilma em 2010 – disse ainda que a antecipação em dois dias da divulgação da revista “poderá transformar a veiculação em verdadeiro panfletário de campanha, o que, a toda evidência, desborda do direito/dever de informação e da liberdade de expressão”.

“No caso, muito embora o periódico possa cuidar – em suas páginas – desse tema sensível, confirmando sua linha editorial de maior simpatia a uma das candidaturas postas, entendo que a transmissão dessa publicidade por meio de rádio, ou seja, de um serviço que é objeto de concessão pelo Poder Público e de grande penetração, desborda do seu elevado mister de informar, com liberdade, para convolar-se em publicidade eleitoral em favor de uma candidatura em detrimento de outra”, afirmou o ministro, em decisão divulgada às 23h36 desta sexta-feira (24).

Leia Mais