O homem resoluto e provisório – um conto

conto-gondim

Ricardo Gondim

Não! O homem esbravejou, contundente.

Enquanto caminhava, seguiu sem raiva.
Viajava com certa impaciência, sim.
Por isso, murmurou, insistindo consigo mesmo: Nunca!
Negar era seu jeito de procurar manter alguma lucidez.
Esperneou para não se ver enredado nas teias pegajosas da estrada imponderável.
Soltou um grito primitivo e pueril para fazer a catarse do negativo.
Mastigou palavras raras.
Contentou-se em repetir seu jamais todo próprio.
Logo a estrada bifurcou.
Ele empacou.
Notou o risco de escolher entre dois caminhos.
Pensou: Mais uma opção provisória.
Balbuciou com os dentes semicerrados um não a mais.

Andou bastante fora da trilha já aberta.
Pouco tempo depois, definitivo e obstinado, definhou.
Morreu se sentindo livre e feliz.

fonte: site do Ricardo Gondim

Comentários

Leia Mais

No ponto mais baixo da campanha, Lula comanda show de baixarias em MG

Ex-presidente insinua que Aécio bate em mulheres. E credita ao tucano a tática de ‘partir para cima agredindo’. Comício teve menção ao uso de drogas

Luiz Inácio Lula da Silva participa de comício com Fernando Pimentel (PT),governador eleito do estado de Minas Gerais em primeiro turno, na praça Duque de Caxias, Belo Horizonte (MG) (foto: Alex Douglas/O Tempo/Folhapress)
Luiz Inácio Lula da Silva participa de comício com Fernando Pimentel (PT),governador eleito do estado de Minas Gerais em primeiro turno, na praça Duque de Caxias, Belo Horizonte (MG) (foto: Alex Douglas/O Tempo/Folhapress)

Gabriel Castro, na Veja on-line

Em um comício realizado em Belo Horizonte neste sábado – sem a presença de Dilma Rousseff -, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ultrapassou os limites da inconsequência e comandou um show de baixarias e ofensas desmedidas contra Aécio Neves. Foi o ponto mais baixo da campanha até aqui. E não apenas desta campanha: desde 1989 o Brasil não assistia a um festival de ataques como os que o PT hoje protagoniza em uma campanha. Lula não apenas se utiliza das mesmas armas de que foi alvo na campanha contra Collor, como vai ainda mais longe. No comício, o ex-presidente citou o nome de Aécio muito mais que o de Dilma, que se tornou personagem secundário dos discursos. A ordem era atacar, sem tréguas.

Em um discurso precedido por insultos pessoais ao tucano, Lula disse que Aécio usa violência contra as mulheres, por “experiência de vida”, e a tática de “partir para cima agredindo”. Ao comentar a estratégia do tucano contra Dilma Rousseff, o ex-presidente insinuou que Aécio costuma bater em mulheres. “A tática dele é a seguinte: vou partir para a agressão. Meu negócio com mulher é partir para cima agredindo”, afirmou Lula. O ex-presidente também classificou Aécio de “filhinho de papai” e “vingativo”. E o comparou a Fernando Collor. O mesmo Fernando Collor que hoje divide palanques com Dilma, como há uma semana, em Alagoas. Lula ainda voltou a mencionar o episódio em que o adversário deixou de soprar o bafômetro em uma blitz no Rio de Janeiro.

O ato deste sábado deixou claro que a tática do PT na reta final da campanha, após o revés de Dilma Rousseff no debate do SBT, na quinta-feira, será a de expor a presidente Dilma como uma vítima das “grosserias” de Aécio. Foi o que fez Lula neste sábado. “O comportamento dele não é o comportamento de um candidato (…) . É o comportamento de um filhinho de papai que sempre acha que os outros têm de fazer tudo para ele, que olha com nariz empinado. Eu não sei se ele teria coragem de ser tão grosseiro se o adversário dele fosse um homem”, disse o presidente.

O ex-presidente comparou Aécio a Fernando Collor porque, segundo ele, a eleição do ex-presidente (aliado do PT) foi fruto da pressão da mídia e de um falso discurso do “novo”. “Em 1989, com medo de mim, com medo do Ulysses, do Brizola, com medo do Mário Covas, muitas vezes instigado pela imprensa, este país escolheu o Collor como presidente da República dizendo que era o novo. E vocês sabem o que aconteceu neste país.”

Lula também disse que Aécio age como Carlos Lacerda, o estridente líder da oposição a Getúlio Vargas, ao mencionar o “mar de lama” para “esconder o próprio rabo”. O petista afirmou que, quando governou Minas Gerais, o tucano perseguiu professores de forma mais intensa do que a ditadura. “Não conheço, em nenhum momento da história, nem no regime militar, um momento em que os professores foram tão perseguidos como foram em Minas Gerais”, afirmou Lula. No vale-tudo, Lula tentou até subverter o tempo: indagou o que Aécio fazia quando Dilma foi presa por enfrentar a ditadura – ignorando que, na época, o tucano tinha apenas dez anos de idade.

Inacreditavelmente, Lula tentou definir o adversário com uma frase que resume de forma precisa a tática do PT: “É muito grave, porque as pessoas se acham no direito de desrespeitar os outros com muita facilidade e depois ir para a imprensa se passar de vítima. Não é possível.”

Mais ataques - Mais cedo, antes de Lula entrar no palanque, o mestre de cerimônias do comício leu uma carta de uma psicóloga petista que atribui a Aécio a prática de espancar mulheres e de uso de drogas, além de classificá-lo como “ser desprezível”, “cafajeste” e “playboy mimado”. Ela afirma que o tucano tem um “transtorno mental”.

Depois, o rapper Flávio Renegado, que discursou já na presença de Lula, do governador eleito Fernando Pimentel e de parlamentares petistas, disse que Aécio costumava fazer festinhas regadas a “pó royal”, uma gíria para cocaína. Durante o discurso de Lula, grande parte da militância presente emplacou um grito de “Aécio cheirador”, sob a complacência de Lula – o mesmo que, minutos antes, se orgulhara de nunca ter agido de forma desrespeitosa em nenhuma das campanhas eleitorais das quais participou.

Comentários

Leia Mais

Pesquisa mostra que ninguém liga para suas férias

tropical-vacation

publicado na Galileu

Ninguém quer saber se sua viagem para a Grécia foi inesquecível. É isso que umnovo estudo publicado na Psychological Science afirma: você pode até achar que suas experiências merecem ser compartilhadas, mas isso carrega um custo social.

Para os pesquisadores de Harvard, o diálogo costuma funcionar melhor quando as pessoas dividem experiências em comum. Dentro dessa premissa, situações como “acabei de voltar de Miami” normalmente não envolvem uma grande troca, e isso faz com que a atenção diminua.

De acordo com Gus Cooney, autor do projeto, isso pode gerar até mesmo consequências ruins: “As pessoas vão se sentir alheias e com pouco a dizer sobre determinado assunto. E no pior dos casos, podem sentir inveja e ressentimento por ter vivido tal experiência”.

O grupo chegou a essa conclusão depois de uma série de experimentos. No primeiro teste, a equipe dividiu os 68 participantes em grupos de quatro. Depois de divididos, os quartetos eram levados para uma sala com cabines onde alguns vídeos estavam passando. Por grupo, apenas um “sortudo” tinha acesso ao vídeo mais legal (julgamento dos pesquisadores), enquanto os outros ficavam com o menos interessante.

Logo que terminavam os vídeos, os participantes tinham que responder o quão felizes estavam se sentindo. Após isso, os cientistas de Harvard deixaram o quarteto conversando por um tempo após a exibição dos vídeos. Depois da conversa, responderam as mesmas questões.

Os resultados mostraram que aqueles que assistiram aos melhores vídeos ficavam mais “tristes” depois da conversa com seus colegas. Os pesquisadores entenderam que isso aconteceu porque o participante “sortudo” – mas nem tanto – se sentiu isolado da conversa dos outros três.

Para acompanhar o primeiro estudo, outros testes relacionados ao tema foram realizados pelo time de Harvard. Eles descobriram que as pessoas não imaginavam que esse tipo de situação era possível: quando perguntadas como se sentiriam nas respectivas ações, responderam que a conversa não seria capaz de diminuir a felicidade dos que viram o vídeo mais legal.

Como conclui o autor, em divulgação oficial: “Se uma experiência transforma você em alguém que não possui nada em comum com os outros, não o importa o quão bom tenha sido, em longo prazo isso não lhe trará felicidade”.

Comentários

Leia Mais

Os mitos e as verdades sobre o ebola

141017123030_ebola_624x351_thinkstock

Publicado na BBC Brasil

Autoridades sugerem que as pessoas evitem o contato com pacientes contaminados, já que o vírus se espalha por fluidos corporais. Além disso, profissionais da saúde devem usar equipamentos de proteção e qualquer equipamento médico deve ser descontaminado.

Apesar de uma campanha de conscientização, há mitos sobre a disseminação da doença. Veja abaixo os mais populares – e as explicações verdadeiras.

O vírus se propaga pelo ar, pela água e é contraído através do contato com quem está contaminado

O contágio se produz quando os fluidos corporais de um indivíduo infectado toca alguma das membranas mucosas de alguém que não está contaminado. Isso quer dizer que o sangue, o suor, a urina ou as fezes do portador do vírus têm que entrar em contato com os olhos, os orifícios nasais, a boca, os ouvidos, a área genital ou uma ferida aberta para contrair a doença. O contato com lençóis, roupas ou superfícies infectadas pelo vírus também pode causar o contágio, mas apenas se houver algum corte na pele.

É possível ser contaminado por alguém que aparenta estar saudável

É muito improvável que isso aconteça, mesmo se alguém for portador do vírus. A razão é que os sintomas podem demorar até 21 dias para aparecer – período máximo de incubação da doença. E até que os sintomas sejam visíveis, não há contágio. Uma pessoa só pode transmitir a doença se o vírus estiver em seu sangue e secreções.

Não se contrai o vírus através de relações sexuais

Se um homem tem ebola, o vírus pode estar presente nos seus fluidos corporais, incluindo o sêmen. A Organização Mundial da Saúde acredita que o vírus pode permanecer nos fluidos do indivíduo até sete semanas após o paciente ter se recuperado. Mas outros especialistas sugerem que a doença pode permanecer por até três meses, mesmo se médicos confirmarem não haver partículas virais no sangue. Quem já teve ebola deve abster-se de relações sexuais ou usar preservativos durante esse período.

Alguém que morreu não pode espalhar a doença

Embora o indivíduo tenha morrido, o vírus ainda pode estar presente. Por isso, especialistas em epidemiologia temem que a disseminação ocorra em práticas funerárias tradicionais realizadas em alguns países africanos, nas quais parentes ficam em contato direto com os mortos. Nestes casos, a OMS recomenda o enterro imediato e o uso de luvas e roupas de proteção para o indivíduo que manipula o corpo. Recomenda-se, também, o treinamento daqueles que lideram os funerais sobre os procedimentos a serem seguidos para evitar que a infecção se espalhe.

Um paciente pode transmitir a doença, mesmo que ele tenha se recuperado

Normalmente, apenas as pessoas que têm os sintomas podem espalhar o vírus. No caso de uma mulher grávida que recebeu alta, recomenda-se que ela não amamente o bebê.

Antibióticos, água salgada, leite e cebola crua podem prevenir o ebola

O consumo destes alimentos não impede a contaminação pelo ebola. Além disso, a ingestão de água salgada – que alguns acreditam que pode curá-los da doença – pode ser perigosa, especialmente em dias quentes. A OMS cita dois casos de pessoas na Nigéria que morreram por essa razão.No momento não há cura para o ebola, mas vacinas estão sendo testadas. Se os testes forem bem sucedidos, profissionais de saúde terão prioridade em receber as injeções.

Você tem que usar produtos antissépticos caros para eliminar o vírus

Recomenda-se lavar as mãos com frequência, especialmente se você estiver perto de um paciente com o ebola. O álcool em gel pode ser útil, mas se as mãos estiverem visivelmente sujas, é importante lavar com sabão e água limpa, segundo autoridades sanitárias.

Este é o primeiro grande surto de Ebola

Este é o surto que causou mais mortes, mas não é o primeiro. Segundo a OMS, o vírus foi diagnosticado pela primeira vez em humanos em 1976, no Sudão e na República Democrática do Congo. O surto ocorreu em uma aldeia perto do rio Ebola, daí o nome da doença. Cerca de 500 pessoas foram infectadas e 400 morreram. Desde então, várias cepas do vírus surgiram no continente africano.

Comentários

Leia Mais

‘Ganho R$ 2 mil por mês’, diz editor que aluga iPhones para ‘ostentação’

iphone
Marco Aurélio (direita) tem ampliado o negócio com novos iPhones (Foto: Arquivo pessoal/Marco Aurélio Costa)

Publicado no G1

O iPhone 5 pode ser alugado por R$ 120. A versão 5S sai por R$ 170. É o preço para ter o smartphone da Apple por 24 horas. Com a proposta de alugar um dos celulares mais desejados do mercado, o mineiro Marco Aurélio Costa, 28 anos, tem ganho uma média de R$ 2 mil por mês em Natal. O editor de imagens credita o sucesso do negócio ao desejo das pessoas de ‘ostentar’ o produto. “Como não podem comprar um iPhone, as pessoas alugam. E com as redes sociais, muita gente quer mostrar que está na vida boa. É a coisa da ostentação”, diz.

O negócio começou quando Marco Aurélio comprou um smartphone novo e ficou com dois iPhones em casa. “Preferi locar do que vender. Minha primeira cliente foi uma jovem de 19 anos que queria um telefone porque o namorado não tinha condição de comprar. Tirou várias fotos, gostou e espalhou para amigos”, explica. Do boca a boca a frequência a locação de celulares aumentou, assim como o preço do aluguel. “Comecei cobrando R$ 80 e aumentei depois da repercussão”, afirma.

Atualmente o editor de imagens possui cinco iPhones, quatro do modelo 5 e outro 5S. “O 5S é o que faço uso pessoal, mas também alugo. Neste fim de semana, por exemplo, estou usando um celular mais antigo que nem foto tira”, revela Marco Aurélio, que chegou a Natal em fevereiro e está no negócio de aluguel de celulares desde maio. A renda extra Marco Aurélio usa para lazer. “Dá para garantir os fins de semana na praia”, brinca.

Quando anunciou o aluguel de iPhones em um grupo da Apple nas redes sociais, as pessoas acharam que Marco Aurélio estava fazendo piada. “Alugo iPhone 5S para vc curtir nas baladas. 150 reais a diária, a primeira impressão sempre será a primeira que ficará (sic)”, dizia o anúncio, que foi apagado pela administração do grupo. “Mesmo assim teve gente que me ligou perguntando se era sério e consegui alugar”, afirma.

Mesmo com o crescimento da clientela, o editor de imagens afirma que não aluga o smartphone para qualquer um. “Não é fila de sopa. E a maioria que aluga não gosta de ser identificado. Até porque se for identificado derruba a fantasia toda”, reforça. Até hoje ninguém deu calote ou roubou os smartphones. “Uma metade é paga antes da locação e a outra na devolução. Só pego o CPF. Se perder eu rastreio o celular”, acrescenta. O acerto, segundo Marco Aurélio, é sempre na palavra, no entanto o mineiro já estuda fazer contratos com os clientes.

Sem revelar o nome dos clientes, Marco Aurélio conta histórias de pessoas que alugam seus Iphones. “Teve um cara que alugou para sair com uma menina. Acho que ajudou porque os dois estão juntos até hoje. Outra garota locou e na hora de baixar um aplicativo precisou usar meu nome. As pessoas pensaram que o celular era roubado”, brinca. A maioria da clientela é formada por homens jovens. “Para cada mulher tem três homens alugando. Querem impressionar a mulherada”, diz.

O negócio tem dado tão certo que o editor de imagens até brinca sobre ampliar a variedade de produtos. “Se eu tivesse uma Lamborghini alugaria. Penso até em comprar umas cuecas da Calvin Klein para o pessoal usar e deixar mostrando”, conta. O editor de imagens já recebeu proposta de um amigo para se associar ao negócio. Enquanto a parceria não é fechada, a nova meta é comprar a versão 6 do smartphone, que o mineiro pretende alugar por R$ 220.

“Estou só esperando o preço baixar para comprar. Tem que aproveitar antes de aparecer concorrência alugando mais barato. Falando nisso, você tem iPhone? Se não tiver estamos aí”, diz Marco Aurélio, antes de encerrar a conversa com a reportagem do G1.

Comentários

Leia Mais