Barack Obama tem cartão de crédito recusado em Nova York

bara
publicado no Yahoo!
Não está fácil para ninguém. Barack Obama, presidente dos EUA, passou por um constrangimento, após jantar com a esposa Michelle Obama, num restaurante em Nova York no mês de setembro de 2014. Após a reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas, Obama decidiu jantar com a esposa e teve o cartão de crédito recusado, segundo o site NY Mag.

A história foi revelada pelo próprio Obama em uma entrevista coletiva na sexta-feira (17). “Acho que não uso muito o cartão e eles acharam que era uma fraude”, disse ele ao assinar uma lei contra roubo de identidades. Quem pagou a conta foi Michelle: “Ela tinha outro cartão e pagou o jantar”, disse ele,às gargalhadas.

Faz sentido o cartão ter sido bloqueado. Obama é um cliente com renda variável. Contas muito caras. Para piorar, efetua pagamentos em locais muito diferentes mundo afora. O sistema da operadora de cartão tende a achar que muitas dessas operações são uma fraude e bloqueia o pagamento. Que situação, hein?

Comentários

Leia Mais

Quem ouve Radiohead é mais inteligente do que quem ouve Beyoncé, afirma estudo

img-1027094-estudo-virgil-griffith
publicado na Rolling Stones

“Diga-me o que escutas e te direi quem és.” É possível dizer o quão inteligente uma pessoa é de acordo com o gosto musical dela? Nos últimos anos, um software, criado por Virgil Griffith, tem estabelecido um gráfico musical baseado na pontuação média no SAT – exame educacional norte-americano padronizado a estudantes do ensino médio. Algo como o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) no Brasil.

Por exemplo: a média obtida pelos estudantes do California Institute of Technology é 1520 (acima da média). Analisando o Facebook destes estudantes e descobrindo qual a banda mais curtida entre eles, Griffith conclui que Radiohead é ouvido por pessoa inteligentes.

No final das contas, Sufjan Stevens, Bob Dylan, The Shins e Counting Crows levaram a melhor. Por outro lado, Lil Wayne, Beyoncé e Kanye West acabaram no “lado ruim” do gráfico.

giphy

giphy (1)

 

Comentários

Leia Mais

‘Não tenho por que esconder’, declara Miss Brasil 2014 sobre virgindade

miss
publicado no G1

Com apenas 20 anos, a cearense Melissa Gurgel, eleita Miss Brasil em setembro, adota tranquilidade ao falar de temas polêmicos. Depois de receber críticas por sua origem e respondê-las com a mesma elegância que havia conquistado os jurados, a mulher eleita a mais bela do país revelou que é virgem. Fez a escolha ainda na adolêscencia, através de um movimento evangélico. Apesar da opção, garante não ter preconceitos religiosos ou de qualquer outro cunho. Com a coroa, quer lutar pela liberdade de escolhas.

Em visita a Porto Alegre para se preparar para o Miss Universo, a jovem recebeu o G1 em um hotel no Centro da cidade. Exibindo um elegante vestido branco, pediu água e um omelete feito apenas com clara de ovo e pouco sal. O foco no concurso que será realizado em janeiro nos Estados Unidos não permite excessos na alimentação. Com a agenda cheia, entre exercícios físicos e compromissos com o mundo da moda, Melissa também reserva espaço para entrevistas. Está, segundo ela, “à disposição” para que os críticos da época em que recebeu a faixa conheçam sua personalidade.
“Abordo isso [virgindade] com naturalidade. Sou super clara e objetiva. Não tenho por que esconder. Desde adolescência eu decidi isso, foi uma escolha pessoal. Não tenho preconceito em relação a nada. Cada um tem que viver sua vida da melhor forma. O princípio de tudo é o respeito”, comenta.

Melissa está tão feliz com o título que nem mesmo os comentários de preconceito contra os nordestinos incomodam mais. Nos últimos dias, recebeu flores em casa e mensagens de incentivo. Na capital gaúcha, foi parada por pessoas que estavam no saguão do hotel e recebeu inúmeros elogios pela simpatia e aparência.

A agenda de miss inclui visitas a diferentes estados do país. Quer conhecer as peculiaridades de cada local para representar da melhor forma o Brasil em terras estrangeiras. No Rio Grande do Sul, provou o tradicional chimarrão e aprovou a “delícia”, como ela mesmo definiu.

miss2
Ela diz que está adorando conhecer a maior parte do Brasil. “Fiquei bastante triste, porque me surpreendi com o preconceito do povo. Nosso país é muito rico, e eu vejo o quanto é importante essa diferença cultural, essa diversidade de etnias. Tenho muito orgulho de ser nordestina, e acho que agora meu recado já foi dado. Estou visitando várias cidades para conhecer a cultura. O povo tem que ser unido. Por exemplo, o chimarrão é uma delícia. Nunca tinha provado e adorei”, diverte-se.

Nova coroa na mira
Melissa não desvia o foco do Miss Universo, que será realizado em janeiro, em Miami. Formou dupla inseparável com o gaúcho Evandro Hazzy, atual coordenador técnico do concurso brasileiro e especialista no assunto, que coleciona 30 anos de carreira e já garantiu oito faixas do Miss Brasil ao Rio Grande do Sul. A obsessão agora? Dar ao país o título que não vence desde 1968, quando Martha Vasconcellos ganhou a coroa nos Estados Unidos.
Para alcançar o objetivo, a rotina dos dois não se resume apenas a exercícios físicos e dieta. A postura e a presença de palco têm de estar impecáveis. Por isso, a jovem toma aulas de passarela com Hazzy (veja o vídeo exclusivo abaixo) e é treinada exatamente para o que vai apresentar aos jurados na passarela. A forma de olhar para a câmera, o último giro, a cruzada de pernas, tudo é projetado nos mínimos detalhes.

Comentários

Leia Mais

Insônia crônica pode gerar depressão, ansiedade e falhas de memória

insônia
Segundo Instituto do Sono, 45% da população paulistana apresenta alguma dificuldade para dormir

Publicado no Estadão

Noites total ou parcialmente em claro, interrupções de sono ou sensação de não ter dormido. A ocorrência disso pelo menos três vezes por semana ao longo de três meses sugere um quadro de insônia crônica. A definição, usada como base por médicos do mundo todo no combate aos males do sono, pertence ao DSM-5, manual de diagnóstico de transtornos mentais da Associação Americana de Psiquiatria.
“A doença, eventualmente, tem causas bem definidas: problemas de saúde, físicos, psiquiátricos, mentais, neurológicos, do ambiente no qual a pessoa dorme, estresse”, explica o neurologista e pesquisador do Instituto do Sono de São Paulo Luciano Ribeiro. “Nossa busca é descobrir o vilão da história.”

E os números são de tirar o sono. Segundo o último levantamento realizado pelo instituto, 45% da população paulistana apresenta alguma dificuldade para dormir; destes, 15% sofrem de insônia crônica.

O neurologista do Hospital São Luiz Álvaro Pentagna aponta que a enfermidade pode estar associada a quadros depressivos e de ansiedade, como causa ou consequência de ambos. Isso se dá porque “a falta de sono afeta o bom funcionamento do sistema nervoso central e a manutenção do equilíbrio geral do organismo”.

Esse foi o caso do assistente administrativo Gilvan Soares, de 54 anos. Desde os 14, o cearense tem dificuldades para dormir e, nos últimos tempos, desenvolveu depressão, o que só piorou sua ausência de sono. “Não existe coisa pior do que passar noites em claro. Você fica horrível. É um inferno vivo”, conta.

Não raro, a privação de sono acompanha outros sintomas: alterações de humor, dificuldade de concentração, baixa resistência, perda de apetite e da libido, falhas de memória e agressividade. Entretanto, às vezes, não conseguir dormir é manifestação de outra doença. No publicitário paulista Túlio Darros, de 27 anos, a insônia se manifestou como indício do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDHA). “Há pouco mais de um ano procurei ajuda médica, mas ligavam minha insônia ao estresse do trabalho”, lembra. “Isso estava prejudicando, inclusive, meu relacionamento.” Só depois de diversos exames no Insituto do Sono de Piracicaba se esclareceu a causa.

Hoje, Soares e Darros se tratam com medicamentos. O assistente administrativo toma fluoxetina e carbonato de lítio, para a depressão, e clonazepam, para dormir; já o publicitário usa ritalina. Apesar de não condenar o uso de remédios tradicionais, o neurologista Luciano Ribeiro defende, em alguns casos, outros caminhos antes da medicação. “Há uma linha interessante que é da terapia comportamental cognitiva”, diz. A forma de atuação, baseada em quatro ou seis sessões com um profissional de saúde, foca em mudança de hábitos e pensamentos para tratar a enfermidade.

Segundo ele, a utilização abusiva de medicamentos da família dos benzodiazepínicos (como o clonazepam, por exemplo), aliada à automedicação, também é grande vilã. “A médio ou longo prazo, além da dependência que causa, altera o sono normal e piora a própria insônia. O tratamento deve ser sempre com controle médico”, alerta.

Há quase 25 anos no Instituto do Sono, Ribeiro pontua que alguns fármacos mais modernos do que os calmantes tradicionais e ainda não tão difundidos na comunidade médica brasileira, como o Zolpidem, trazem menos malefícios ao paciente. “É um indutor de sono que age rápido e conserva a boa qualidade do sono”, afirma. Além disso, o medicamento não deixa “resíduos” de sonolência durante o dia. Mas remédios nessa linha são raros no Brasil e muitas novidades continuam sem previsão de chegada. “Estamos engatinhando ainda”, lamenta.

Comentários

Leia Mais

Mentiras da crença popular que você achou que fosse verdade!

10-mentiras-da-crença-popular

Publicado no Guri Curioso

1 – Os chicletes não levam cerca de sete anos para serem digeridos. A verdade é que eles não chegam a ser digeridos completamente, passando assim diretamente por nosso corpo.

2 – Quem disse que o raio não pode cair duas vezes no mesmo lugar? Isso é um mito, o raio pode sim cair duas vezes no mesmo lugar, o prédio Empire State é uma prova disso, que recebe no ano 100 raios.

3 – Morcegos não são cegos, eles apenas usam outros mecanismos para o vôo e para a caça.

4 – A cor da famosa “meleca” que sai do seu nariz pode indicar as doenças que você tem.

5 – A Àgua pura não conduz eletricidade, a causa disso são os minérios e os detritos presentes na mesma, isso que passa a conduzir a eletricidade.

6 – Após a morte, nossa pele encolhe, porisso da a sensação de que os cabelos e unhas cresce após a morte.

7 – Artrite é causada pela obesidade e genética, e não por estralar os dedos.

8 – Gatos e Cachorros enxergam nos tons de azul e verde, e não em preto e branco.

9 – Os hamburgueres do Mc Donald’s apodrecem se expostos a condições necessárias.

10 – Uma moeda de cinco centavos jogada de cima de um prédio não pode te matar, apenas causar graves ferimentos.

Comentários

Leia Mais