PT apostou no silêncio de ex-diretor da Petrobras, e perdeu

A1.jpg

Elio Gaspari, na Folha de S.Paulo

A doutora Dilma chamou de “golpe” a exposição dos depoimentos de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, e do operador financeiro Alberto Youssef. Pode-se achar que tenha sido meio girafa a escolha da ocasião, entre os dois turnos eleitorais. Mesmo assim, o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, ouviu-os no desempenho de suas atribuições e tinha obrigação de tornar públicas as informações que recebeu. “Golpe” houve quando a dupla e seus comparsas delinquiram.

Como aconteceu no caso do mensalão, o comissariado fez várias apostas e perdeu todas. Houve um dia em que o governo poderia ter saído da crise, tomando o caminho da moralidade: 19 de março de 2014. Na véspera, respondendo a uma indagação da repórter Andreza Matais, a doutora Dilma redigiu uma nota dizendo que, como presidente do Conselho de Administração da Petrobras, aprovara a compra da refinaria de Pasadena baseada em “informações incompletas” de um parecer “técnica e juridicamente falho”. Era só continuar nessa linha.

No dia 20 de março, a Polícia Federal prendeu Paulo Roberto Costa. Tratava-se de uma investigação relacionada com suas transações com Youssef, um notório operador de ilegalidades, que já passara por dois escândalos.

Se o comportamento do Planalto e a ação da Polícia Federal tivessem andado na mesma direção, teria sido possível abrir a caixa-preta da Petrobras. Doeria, mas seria uma boa marca para o governo. Como no caso do mensalão, os sábios resolveram fazer o contrário. Deram marcha a ré e criou-se um “gabinete de crise” para lidar com o problema provocado pela nota de Dilma. Erro, a nota não era a origem de um problema, mas de uma solução.

Youssef e o “amigo Paulinho” (diminutivo carinhoso usado por Lula) continuavam na cadeia. O comissariado sabia que empreiteiras, fundos de pensão, fornecedores e políticos haviam caído na rede da investigação. Temia-se que Paulo Roberto Costa virasse um “homem bomba”. O comissariado operou e “Paulinho” passou com louvor por uma CPI. Disse que tinha R$ 1,2 milhão em casa para fazer pagamentos, e o líder do PT considerou sua fala “satisfatória”. Não se tratava mais de fingir que não se sabia, mas de encobrir o óbvio. Apostaram que o “amigo” ficaria calado e levaram a bomba para dentro do governo.

Parecia possível empurrar o caso com a barriga, pedindo-se até mesmo a anulação das provas já conseguidas. Em junho, o governo suíço bloqueou US$ 23 milhões que o “amigo” guardava no ultramar. Ele voltou a ser preso e, dois meses depois, começou a colaborar com a Viúva. Youssef acompanhou-o. Deu no que deu e no muito que dará.

O governo apostou no efeito-barriga. A blindagem chegou ao absurdo quando a doutora Dilma disse que demitira o “amigo Paulinho”. A ata da Petrobras informa que ele pediu demissão, mas ela acrescentou que esse é um “direito” dos servidores. Errado, não existe esse direito. Na ata onde está o registro de sua saída lê-se que o presidente do conselho da Petrobras, ministro Guido Mantega, “determinou o registro do agradecimento do colegiado ao diretor que deixa o cargo, pelos relevantes serviços prestados à companhia”. Falta definir “relevantes serviços”.

Comentários

Leia Mais

Contra Universal, Valdemiro Santiago pede voto em Pezão

Líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, apóstolo Valdemiro Santiago pede voto em Pezão (foto: Reprodução Facebook/VEJA)
Líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, apóstolo Valdemiro Santiago pede voto em Pezão (foto: Reprodução Facebook/VEJA)

Felipe Frazão, na Veja on-line

Em nenhuma outra disputa eleitoral no país a religiosidade é tão explorada como no Rio de Janeiro. Nesta terça-feira, ela ficou ainda mais acirrada. O governador e candidato à reeleição, Luiz Fernando Pezão (PMDB), ganhou apoio do apóstolo Valdemiro Santiago, fundador e líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, além de maior antagonista da Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo.

Em vídeo divulgado nas redes sociais do peemedebista, o apóstolo dispara contra a Igreja Universal: “Estou aqui para uma causa nobre. Quero pedir para você votar Pezão para que eu tenha a liberdade de pregar o Evangelho porque estão querendo me privar disso”.

Valdemiro Santiago perdeu neste ano para a Igreja Universal grande parte do horário que comprava na TV para transmitir ao vivo os cultos de sua igreja. A Mundial era a igreja neopentecostal que mais crescia no Brasil, tirando fiéis da Universal.

A entrada do apóstolo na campanha de Pezão é pragmática: engrossa o coro contra o senador e ex-ministro da Pesca Marcelo Crivella (PRB), bispo da Universal e sobrinho de Edir Macedo. Crivella também sofre forte oposição do pastor Abner Ferreira, da Assembleia de Deus Madureira, e do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Em contrapartida, Crivella recebeu apoio do candidato derrotado no primeiro turno Anthony Garotinho (PR), seguidor da Igreja Presbiteriana.

Comentários

Leia Mais

Jovem pede para Bolsonaro ‘sair do armário’ em selfie inusitada com deputado

Flagrante foi registrado durante voo e faz sucesso no Instagram

Jovem tira selfie de ‘protesto’ com Bolsonaro (foto: Instagram / Reprodução)
Jovem tira selfie de ‘protesto’ com Bolsonaro (foto: Instagram / Reprodução)

Publicado em O Globo

O deputado federal reeleito Jair Bolsonaro, conhecido por ser contra pautas LGBT, foi alvo de uma brincadeira no Instagram. A caminho de Brasília, no avião, uma estudante flagrou o parlamentar dormindo ao lado de outro homem a algumas cadeiras de distância. Ela então pegou um papel, escreveu “Bolsonaro, sai do Armário” e posou para uma selfie com o deputado eleito ao fundo.

Ao jornal Extra, a autora da selfie contou ser militante de movimentos sociais, que saía do Rio de Janeiro em um voo da companhia aérea Azul. Ela contou que esperou Bolsonaro dormir para registrar o flagrante.

A ideia não é nova. Em setembro, a mineira Murielle Facure sentou na frente do pastor Silas Malafaia em um voo da Gol e aproveitou para tirar uma foto com uma plaquinha escrita à mão com os dizeres “Abra sua mente, gay também é gente”, refrão de uma música do grupo Mamonas Assassinas. A imagem viralizou nas redes sociais. 

ELEITO COM MAIS DE 400 MIL VOTOS

O deputado é conhecido pelas polêmicas provocadas por declarações feitas dentro e fora do Congresso. Em 2011, ele chegou a discutir com o deputado Jean Wyllys (Psol), defensor da ampliação de direitos LGBT. Com uma plataforma voltada tanto para a “família tradicional” como para a segurança pública, Bolsonaro foi eleito com 464.572 votos

Militar da reserva, Bolsonaro já disse que usuários de maconha deveriam apanhar e já se posicionou contra a política de cotas raciais nas universidades federais e a favor da pena de morte para crimes premeditados. Dizendo-se defensor da família, já criticou gays e disse a Wyllys – um homossexual declarado – que não teria orgulho de tê-lo como filho.

Comentários

Leia Mais

Discussão política no Facebook abala relações de internautas com amigos

flavialopes620

Publicado no G1

Discussões sobre política nas redes sociais, especialmente a respeito das eleições, têm causado consequências diretas na vida real de algumas pessoas. Amigos de infância estão brigando, excluindo um ao outro do convívio pela internet e, nos casos mais graves, até da relação pessoal. E não é só entre amigos que a coisa está ficando complicada: o ambiente familiar também está se estremecendo em algumas situações. Segundo o Safernet, em relação ao mesmo período do ano anterior, o número de denúncias sobre crimes de ódio na internet mais que triplicou nos dias próximos da votação.

É o caso da coordenadora de programação Flávia Lopes, 40 anos, que expõe publicamente seu posicionamento político em sua página no Facebook. Ofensas pessoais, posts que vão contra os direitos constitucionais dos brasileiros e xingamentos são motivos suficientes para exclusão. “Eu tento o diálogo, mas acabo excluindo amigos e parentes que têm pensamento considerado mesquinho, tacanho e muito agressivo.”

Para Célia Leão, consultora de etiqueta e marketing pessoal, “o respeito precisa imperar, principalmente entre parentes e amigos. É preciso haver equilíbrio e muito cuidado com o que for escrever nas redes sociais.”

Flávia revelou que, desde o início do processo eleitoral brasileiro, excluiu três parentes, três amigos de infância e mais de 20 conhecidos de sua rede social. “Tirei gente da minha família, como primo e tio. Excluo do Facebook para não ver mais os posts deles e para que eles não vejam mais os meus. Não é só pelo posicionamento político ou partidário. Sou contra recados homofóbicos e cartilhas conservadoras.”

A efervescência da página de Flávia no Facebook é tão grande entre os familiares, que a mãe dela disse que estava preocupada com isso. A declaração foi feita enquanto a reportagem do G1 estava na casa dela, o que gerou risos da filha. “Está vendo? É sério.”

Exclusões e bloqueios

Apesar de parecer radical nas exclusões, Flávia mantém o bom humor mesmo diante dos ataques pela internet. “Em uma ocasião, um amigo postou uma mensagem falsa no Facebook e fui argumentar com ele que aquilo não tinha procedência. Ele me desafiou a provar o que estava dizendo. Comecei a postar tudo detalhadamente. Em determinado momento, um amigo dele, que é policial, começou a me ofender, a me atacar. Tudo bem, deixei de lado, mas um dia esse cara apareceu na minha página e começou a me atacar em outros posts. Ele parou quando se deu conta de que estava em minha página e não na do nosso amigo em comum.”

Célia afirmou que é preciso “respirar antes de dar o ‘enter’ na mensagem e publicar algo numa rede social. Em algumas situações, o silêncio é a resposta mais contundente, é o melhor ataque.”

Flávia lembrou que chegou a ser acusada de receber dinheiro de um partido para fazer os posts que faz. “Nunca recebi dinheiro de partido. Não sou defensora de nenhum partido. Teve até quem falasse da minha vida sexual. Aí eu entrei na brincadeira e comecei a provocar o sujeito que me atacava até ele parar.”

A consultora de etiqueta lembrou que postou em sua página pessoal um texto, com a temática das eleições, afirmando defender a democracia e que as pessoas de seu círculo de convívio deveriam se conter para que seus posts não fossem excluídos. “Fiz um texto enorme falando que a democracia é respeitar o que o outro pensa. Há liberdade de expressão, mas é preciso ter limites. Se você discorda de alguém, vá para sua página e discorde lá, nunca embaixo do post da outra pessoa”, disse Célia.

“Fora do ringue”

amigos

O fotógrafo Alexandre Frata, 40 anos, disse que tem embates ferozes com o amigo e músico Fábio Hoffman quando o tema é política, mas sempre pela internet. “Fui ao aniversário dele, no dia anterior ao da votação, e já falei que não falaríamos sobre política para não ‘sairmos na mão’. Eu sou mais esquentado do que ele, mas nunca chegamos às vias de fato. Nem por política, nem por futebol.”

A professora de etiqueta do Senac, Monayna Pinheiro, disse que é preciso “entender que estamos em uma rede social e é inevitável a crítica às suas opiniões. A discussão é saudável, desde que seja equilibrada, sem palavrões e ofensas.”

Frata lembrou que tocou em uma banda com o amigo “rival” e que duas das músicas próprias, composições de um baixista, abordavam o tema política. “Somos amigos há mais de 20 anos, tivemos banda por 13 anos juntos, eu tocando bateria e ele tocando guitarra. Sempre me dei melhor com ele do que com o baixista, por exemplo. Tinha uma música ‘Quem quer que seja’ que era praticamente um hino ao anarquismo. Faz um tempo que não voto em candidato algum, para cargo algum.”

Hoffman disse que as conversas que costumam ter são saudáveis e baseadas em argumentos que cada um considera correto. “Sempre tivemos desavenças políticas. Tenho um pé mais no conservadorismo do que ele [Alexandre].”
O amigo afirmou que evita ainda mais o tema política com pessoas desconhecidas. “Se não converso sobre política com amigo, que pela amizade a gente acaba tendo mais liberdade para falar alguma coisa mais dura, com alguém desconhecido nem pensar em falar no tema”, explicou Frata.

Dados da Safernet, entidade que recebe denúncias de crimes cibernéticos, indicam que entre 28 de setembro (data do debate na TV em que Levy Fidelix fez declarações consideradas homofóbicas) e 6 de outubro (o dia seguinte ao primeiro turno) houve 3.734 denúncias sobre crimes de ódio na internet. Esse número é mais do que o triplo do acumulado no mesmo período no ano passado – 1.221 denúncias.

Código de etiqueta

Monayna disse que é preciso que as pessoas considerem os efeitos provocados pela velocidade da informação na internet. “Tudo é muito rápido, às vezes as pessoas não têm essa dimensão da velocidade. É preciso mudar o ‘penso, logo posto’ que acontece muito. Se você se expõe numa rede precisa ter maturidade para enfrentar as consequências. Não sabe brincar? Não desce para o playground.”

campanha-mj

Campanha do Ministério da Justiça

No começo de outubro, o Ministério da Justiça soltou uma campanha pelas redes sociais para conscientizar os internautas para que mantenham os direitos individuais e evitem conflitos pessoais. Veja a íntegra do texto:
“Liberdade de expressão é o direito de manifestar livremente opiniões e ideias. Entretanto, o exercício dessa liberdade não deve afrontar o direito alheio, como a honra e a dignidade de uma pessoa ou determinado grupo. O discurso do ódio é uma manifestação preconceituosa contra minorias étnicas, sociais, religiosas e culturais, que gera conflitos com outros valores assegurados pela Constituição, como a dignidade da pessoa humana. O nosso limite é respeitar o direito do outro.”

Comentários

Leia Mais

Papa Francisco ainda me levará a crer em Deus

PapaFranciscoGregorioBorgiaAP

Por Josias de Souza, no UOL

No ano passado, instado a dizer o que pensa sobre os homossexuais, o papa Francisco soara assim: “Se uma pessoa é gay, busca Deus e tem boa vontade quem sou eu para julgar?”. Fiquei surpreso. Incréu, jamais compreendi o descaso da Igreja para com as sagradas escrituras .

No versículo 34 do capítulo 13, o livro de João anota: “Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros.” Jesus disse isso antes do início do calvário que o levaria à crucifixação. Foi como se ditasse um testamento.

A despeito das palavras Dele, a Igreja sempre amou de forma seletiva. Imagine se Jesus retornasse para sussurrar o mandamento nos ouvidos das batinas: “amai, irmãos, amai como eu vos amei.” Seus operadores responderiam, crispados de bondade: “Só aos heterossexuais, ó, Senhor. Só aos heterossexuais.”

Súbito, o papa convocou um Sínodo. E incluiu os gays na pauta dos bispos. Nesta segunda-feira (13), veio à luz o esboço de um texto que deve ser aprovado no sábado. Não chega a equiparar a união civil entre pessoas do mesmo sexo ao casamento. Mas…

Mas anota coisas assim: “As pessoas homossexuais têm dons e qualidades que podem oferecer à comunidade cristã.” Ou assim: é preciso acolhê-las “aceitando e valorizando sua orientação sexual.” Alvíssaras!

O homossexualismo, como se sabe, é um dado da realidade. Existe a despeito da vontade da Igreja. Está presente, aliás, no interior de bons seminários, conventos e mosteiros. Mas sempre foi tratado pelo Vaticano como uma agressão à natureza, um atentado contra o “crescei e multiplicai-vos”.

Levando-se o argumento às últimas (in)consequências, também a Igreja estaria conspirando contra a natureza humana ao impor o voto de castidade aos seus sacerdotes. Se o destino do homem e da mulher é a procriação, o celibato teria de ser considerado tão “anormal” quanto o homossexualismo.

No rascunho produzido durante o Sínodo, anotou-se que há casos em que a união entre pessoas do mesmo sexo provê “o mútuo sustento” e “constitui um apoio precioso para a vida de cada um dos parceiros.”

A prevalecer esse entendimento na Igreja, o papa Francisco vai acabar me fazendo acreditar em Deus. Até porque, considerando-se os rumos da humanidade, está difícil de acreditar em qualquer outra coisa.

Comentários

Leia Mais