Entenda a psicologia do atraso – e veja dicas científicas para se tornar uma pessoa mais pontual

tempo

publicado na Galileu

Segundo pesquisas, a cada cinco pessoas, uma sofre com problemas de atraso. Pensando nisso, cientistas e empreendedores realizaram estudos a fim de compreender as causas e os efeitos dos atrasos. Os estudos mostraram que ser pontual pode trazer uma série de benefícios financeiros e emocionais.

Em 2012, um trabalho expôs que mais da metade da população britânica se atrasa para compromissos do trabalho ao menos cinco vezes por mês. Para os responsáveis pela pesquisa, essa é a principal justificativa aos problemas de transporte.

Contudo, essas pesquisas foram capazes de identificar fatores psico e fisiológicos que explicam esse “problema”:

Seu corpo quer se atrasar

Na realidade, pessoas que têm o costume de “viver em cima da hora” estão correndo atrás de adrenalina. Da mesma forma que existem os alucinados por montanhas russas, também existe quem adore chegar cinco minutinhos atrasado.

Pés no chão?

Os atrasados costumam fazer planos impraticáveis acreditando piamente que conseguirão realizá-los. Em um estudo realizado por Diana DeLonzor, quando escrevia a obra Never Be Late Again: 7 Cures for the Punctually Challenged, descobriu-se que a percepção de tempo é completamente diferente para pessoas pontuais e para os atrasados.

Fácil distração

Em 2008, um trabalho da World Health Organization mostrou que pessoas que sofrem de Desvio de Déficit de Atenção e Hiperatividade conseguem perder, em média, a produtividade durante 143 dias em um ano. Para psicólogos, assim como os atrasados, eles são considerados “insensíveis ao tempo”.

Insegurança pura

Alguns indivíduos simplesmente gostam de fazer as pessoas esperarem por ele. Traz confiança, poder e na maioria das vezes são homens; conta a pesquisa de DeLonzo.

E quais são reais consequências?

Ser um pouquinho atrasado, não pagar aquela conta no dia correto e esquecer-se de entregar o relatório podem até parecer coisas inofensivas; mas os efeitos em longo prazo são piores do que se imagina.

Atraso = Prejuízo

Se você ganha cerca de 50 mil reais por ano e costuma se atrasar dez minutos por dia; seu prejuízo para a empresa é de 400 reais. Pesquisadores acreditam que esse problema custa mais de três bilhões de dólares por ano, nos Estados Unidos. Então cuidado para não dar essa ~margem ao seu chefe…

Falta de pontualidade faz mal à saúde

De acordo com o autor Alex Lickerman, muitas pessoas sofrem de ansiedade e excesso de apreensão por não saber se conseguirão chegar no horário para os seus compromissos. E por mais que adrenalina possa gerar uma boa sensação, seus efeitos nas pessoas que vivem nesse estado podem ser muito nocivos: problemas no coração, diabetes, insônia e imunidade baixa são alguns deles.

Há como melhorar?

Sim, quaisquer que sejam as razões para os seus atrasos, existem possibilidades para melhorar esse problema “crônico”:

Aprenda a usar seu tempo

Uma boa maneira de começar é colocar no papel quanto tempo você leva para realizar seus compromissos – e seja realista. Existem sites como o RescueTime que nos ajudam a mapear e definir objetivos para aproveitarmos melhor o nosso tempo.

Mantenha listas

Papel e caneta para anotar tudo que você vai fazer durante o dia. Marque tudo que precisa fazer ao longo de curtos períodos, e vá riscando tudo que já tiver conquistado. Isso trará sensações de plenitude muito agradáveis.

Deixa a vida te levar (vida leva eu)

Agende pagamentos, coloque o alarme mais cedo, use calendários e crie uma estrutura para a sua vida. Segundo DeLonzor, passamos 45% da nossa vida em rotina; então é melhor aproveitar seu tempo para fazer as coisas do que para ficar planejando.

Para finalizar, descanse

Permitir-se um tempo extra de sono e ser mais generoso com a sua agenda de vez em quando pode ajudar a diminuir a ansiedade. Isso pode colocar um rumo menos atrasado para a sua vida.

Comentários

Leia Mais

Como a tecnologia transformou nossas mesas de trabalho com o passar dos anos

mesa-tecnologia4
publicado no Hypeness

O calendário não vira mais folha, as planilhas são editáveis e o mural de fotos comporta quantas imagens você quiser. Desde os anos 80, muita coisa mudou na tecnologia e, com isso, as mesas de escritório ficaram mais limpas. Foi depois de perceber isso que o pessoal do Harvard Innovation Lab decidiu traçar as mudanças da clássica mesa de trabalho em um curioso vídeo.

Das apresentações e livros à calculadora, câmera fotográfica e globo terrestre, muitos objetos e equipamentos físicos foram virtualmente integrados ao computador. Se há quem diga que a tecnologia tornou nossas vidas mais complexas e distantes, esse vídeo mostra que a mesa de escritório nunca foi tão simples!

mesa-tecnologia6

Comentários

Leia Mais

Passageiro causa pânico em avião ao simular que tinha ebola

0,,17838538_303,00

publicado no Terra

Um homem não identificado que viajava dos Estados Unidos a Punta Cana, na República Dominicana, causou pânico dentro de um avião ao simular que havia contraído o vírus ebola.

De acordo com informações do aeroporto, quando a aeronave se preparava para pousar, ele começou a gritar que estava com febre e que tinha acabado de voltar da África, aterrorizando os outros passageiros.

O piloto, no momento da confusão, avisou as autoridades locais, que imediatamente começaram a tomar as medidas necessárias para lidar com um possível caso de ebola.

“Já em terra, a revisão do passaporte do indivíduo permitiu comprovar que não era certo que ele havia visitado a África antes dessa viagem. Também se comprovou que ele não estava com febre”, disseram, em comunicado, os responsáveis pelo aeroporto. Eles disseram ainda que o passageiro confessou se tratar de uma “piada”.

O homem, cuja nacionalidade não foi divulgada, não chegou a ser detido.

Comentários

Leia Mais

Fotos de animais gêmeos: 25 pares de irmãos impossíveis de diferenciar

Publicado no Hype Science

Dois animais superfofos são melhores do que um, certo?
A raridade de tais gêmeos na natureza torna os animais idênticos verdadeiramente especiais, ainda mais os dessa lista, que são filhotes!

E quando dizemos “raridade”, na verdade estamos nos referindo a maioria das espécies, incluindo humanos, mas não a todas – nascimentos gêmeos ou mesmo trigêmeos são comuns entre os macacos da subfamília Callitrichinae, por exemplo.

Naturalmente, pode ser que nem todos os animais mostrados abaixo sejam verdadeiramente gêmeos. Alguns devem ser, provavelmente, apenas irmãos ou membros muito semelhantes da mesma espécie, mas a máxima do título continua: não podemos distingui-los.
Confira 25 fotos de animais gêmeos: [BoredPanda]

fotos-de-animais-gemeos-25

fotos-de-animais-gemeos-24

fotos-de-animais-gemeos-23

fotos-de-animais-gemeos-22

fotos-de-animais-gemeos-21

fotos-de-animais-gemeos-20

fotos-de-animais-gemeos-19

fotos-de-animais-gemeos-18

fotos-de-animais-gemeos-17

fotos-de-animais-gemeos-16

fotos-de-animais-gemeos-15

fotos-de-animais-gemeos-14

fotos-de-animais-gemeos-13

fotos-de-animais-gemeos-12

fotos-de-animais-gemeos-11

fotos-de-animais-gemeos-10

fotos-de-animais-gemeos-9

fotos-de-animais-gemeos-8

fotos-de-animais-gemeos-7

fotos-de-animais-gemeos-6

fotos-de-animais-gemeos-5

fotos-de-animais-gemeos-4

fotos-de-animais-gemeos-3

fotos-de-animais-gemeos-2

fotos-de-animais-gemeos-1

Comentários

Leia Mais

Vigilante se despede de cão em vídeo e emociona internautas

Mineiro Marcos Pimenta registrou o momento em que seu cão é sacrificado.
Vídeo já teve mais de 11 mil visualizações na internet.

Marcos Pimenta e Othello trabalharam juntos por quase quatro anos (foto: Arquivo pessoal)
Marcos Pimenta e Othello trabalharam juntos por quase quatro anos (foto: Arquivo pessoal)

Thaís Pimentel, no G1

Othello de Sadonana nasceu e foi criado em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Era respeitado pelos amigos e colegas de trabalho. Passou grande parte da vida trabalhando como vigilante em um condomínio de luxo da capital. Se aposentou aos oito anos e morreu no dia em que completou nove.

O pastor alemão tinha um tumor maligno bem perto do coração e foi sacrificado no último sábado (4). Todo o processo foi filmado pelo dono, o também vigilante Marcos Pimenta, 29 anos, que trabalhou com Othello por quase quatro anos. “Começamos juntos. Aprendi muito com ele. Era um superparceiro. Um grande amigo”, conta.

Vigilante Marcos Pimenta se despede do cão Othello (foto: Arquivo pessoal)
Vigilante Marcos Pimenta se despede
do cão Othello (foto: Arquivo pessoal)

O vídeo foi publicado na internet e já teve mais de 11 mil visualizações. “Eu filmei porque queria ter uma última lembrança do meu amigo. Depois publiquei e marquei no Facebook pessoas que tiveram uma ligação com ele. Mas a história tomou uma proporção tão grande. Estou recebendo mensagens do Acre, de São Paulo, do Rio Grande do Sul. Uma loucura”, disse Marcos.

Uma das pessoas que foram “marcadas” na rede social por Marcos foi o adestrador Max Macedo que treinou Othello. “Ele nasceu aqui comigo. Eu treino cães para vigilância. Quando ele estava pronto foi trabalhar com o Marcos. Os dois ficaram muito apegados. Assim que Othello parou de trabalhar, dei ele para o Marcos”, revela.

“Quando a gente trabalhava junto, era eu que tratava dele. Limpava canil, tirava pelo morto, dava de comer. No trabalho, ele era dócil quando tinha que ser e ágil no momento certo”, explica Marcos.

Segundo o vigilante, Othello mudava de comportamento assim que observava alguma coisa errada. “Uma vez, ele percebeu a entrada de alguns homens em uma obra, que planejavam roubar um ar-condicionado. Afugentou todos. Era muito bom de serviço”, conta.

O pastor alemão ficou pouco menos de um ano na casa de Marcos. Ele sofria de uma grave doença na pele que fez com que perdesse todo o pelo. Assim que Othello terminou o tratamento da dermatite, seu dono percebeu uma alteração no pescoço do cachorro.

Pastor alemão Othello era vigilante ao lado de Marcos Pimenta em um condomínio de BH (foto: Arquivo pessoal)
Pastor alemão Othello era vigilante ao lado de
Marcos Pimenta em um condomínio de BH
(foto: Arquivo pessoal)

“Tinha uma gordura na papada que depois desceu para o tórax. Apareceu um caroço rígido no local. Levei para o veterinário que recomendou uma biópsia urgente. Era um tumor maligno, próximo ao coração. Tudo foi muito rápido. Questão de dias mesmo. Ele já não estava comendo direito. A boca estava inchada. Corri para a clínica. Tinha a possibilidade de cirurgia, mas não havia certeza de plena recuperação. Veterinário disse que ele iria sofrer demais. Aí eu disse ‘pode sacrificar, melhor a alternativa'”, disse o vigilante.

No vídeo, Marcos usa uma braçadeira de adestramento para manter o cão calmo e distraído para que o veterinário fizesse aplicação do medicamento. O concunhado do vigilante, César Augusto, fez a filmagem e também se emociona durante o vídeo. Graças a Othello, Marcos começou a trabalhar com adestramento de cães por hobby. “Eu faço figuração que é uma etapa importante no treinamento. Sempre gostei de animais. Sempre cuidei dos cães da família”, disse.

Hoje, o cão ganhou uma página em sua homenagem “Eterno Othello“. “É para as pessoas conhecerem um pouco da história dele. Outro dia recebi uma mensagem de uma menina que decidiu fazer veterinária por causa do vídeo. Mesmo depois de morto, o Othello está trazendo coisas boas pra mim”.

Eutanásia
O sacrifício animal é previsto pela resolução n°1000, que faz parte da legislação que regulamenta a medicina veterinária no Brasil. Segundo um dos pontos do texto, “a eutanásia pode ser indicada nas situações em que o bem-estar do animal estiver comprometido de forma irreversível, sendo um meio de eliminar a dor ou o sofrimento dos animais, os quais não podem ser controlados por meio de analgésicos, de sedativos ou de outros tratamentos”.

Ainda de acordo com o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), são princípios básicos dos métodos de eutanásia “elevado grau de respeito aos animais;
ausência ou redução máxima de desconforto e dor nos animais; busca da inconsciência imediata seguida de morte; ausência ou redução máxima do medo e da ansiedade; segurança e irreversibilidade; ausência ou mínimo impacto ambiental; ausência ou redução máxima de risco aos presentes durante o procedimento; ausência ou redução máxima de impactos emocional e psicológico negativos no operador e nos observadores”.

Comentários

Leia Mais