Via web, estudantes descobrem os livros

Acostumados com informações em 140 caracteres via web, como atrair adolescentes para as 140 páginas de um livro? Esse é um dos principais desafios de pais e professores: aproximar os maníacos pela rede das histórias impressas em papel.

Nascida em 1995, já em plena internet, Gabriela Holmer praticamente chegou ao mundo com um mouse na mão e palavras-chaves na cabeça. Moradora de Porto Alegre, a estudante de 15 anos passa as tardes navegando no mundo da web: “Visito muitos sites em busca de notícias e informações do meu interesse. Mas o que eu mais faço é conversar com meus amigos em redes sociais”, diz a garota. Frequentadora diária das redes socais, Gabriela conta que não tem o costume de ler: “Ler cansa e ainda dá sono. Os livros não prendem a minha atenção como a internet, por exemplo”.

Conectados diariamente e expostos a um turbilhão de músicas, fotos e vídeos, a maioria dos jovens apresenta o mesmo comportamento de Gabriela, onde a combinação de palavras e papel não se mostra nem um pouco apetitosa. Para o jornalista Sérgio Pavarini, o desafio de aproximar adolescentes dos livros pode ser resolvido através da mesma ferramenta que parece os afastar da leitura: a internet.

Viciado inveterado por literatura, morador de São Paulo e dono de uma empresa de comunicação e marketing, Pavarini criou o site Livros só mudam pessoas: “É uma iniciativa bem simples. Mensalmente os participantes informam o que leram no mês (nome do livro e número de páginas) e divulgamos um ranking de todos os participantes do portal. O internauta que liderar o ranking ganha como prêmio vários livros”.

Mas para Pavarini, o site criado por ele é somente uma ferramenta mais formal via web que tem o poder de criar nos navegadores o desejo de parar de clicar e começar a pegar no papel. O jornalista ainda tem um newsletter semanal com mais de 200 mil leitores, onde em cada edição recomenda um autor. Além disso, seu perfil no Twitter (@pavarini) é lotado de frases da literatura e sorteios de livros. “O clima de festa em torno da leitura quebra aquela desnecessária aura de seriedade”, comentou.

Sérgio Pavarini também já rodou o Brasil dando palestras de incentivo a leitura para jovens e adolescentes. De forma interativa, ele desconstrói os mitos de que ler é chato e de que ler dá sono. E em tom de novidade, conta para os ouvintes que, assim como existe uma infinidade de oportunidades no mundo da web, existe da mesma forma uma infinidade de histórias e personagens no mundo da literatura.

fonte: Terra

Comentários

Leia Mais