Deus nos livre de um Brasil evangélico

Ricardo Gondim

Começo este texto com uns 15 anos de atraso. Eu explico. Nos tempos em que outdoors eram permitidos em São Paulo, alguém pagou uma fortuna para espalhar vários deles, em avenidas, com a mensagem: “São Paulo é do Senhor Jesus. Povo de Deus, declare isso”.

Rumino o recado desde então. Represei qualquer reação, mas hoje, por algum motivo, abriu-se uma fresta em uma comporta de minha alma. Preciso escrever sobre o meu pavor de ver o Brasil tornar-se evangélico. A mensagem subliminar da grande placa, para quem conhece a cultura do movimento, era de que os evangélicos sonham com o dia quando a cidade, o estado, o país se converterem em massa e a terra dos tupiniquins virar num país legitimamente evangélico.

Quando afirmo que o sonho é que impere o movimento evangélico, não me refiro ao cristianismo, mas a esse subgrupo do cristianismo e do protestantismo conhecido como Movimento Evangélico. E a esse movimento não interessa que haja um veloz crescimento entre católicos ou que ortodoxos se alastrem. Para “ser do Senhor Jesus”, o Brasil tem que virar “crente”, com a cara dos evangélicos. (acabo de bater três vezes na madeira).

Avanços numéricos de evangélicos em algumas áreas já dão uma boa ideia de como seria desastroso se acontecesse essa tal levedação radical do Brasil.

Imagino uma Genebra brasileira e tremo. Sei de grupos que anseiam por um puritanismo moreno. Mas, como os novos puritanos tratariam Ney Matogrosso, Caetano Veloso, Maria Gadú? Não gosto de pensar no destino de poesias sensuais como “Carinhoso” do Pixinguinha ou “Tatuagem” do Chico. Será que prevaleceriam as paupérrimas poesias do cancioneiro gospel? As rádios tocariam sem parar “Vou buscar o que é meu”, “Rompendo em Fé”?

Uma história minimamente parecida com a dos puritanos provocaria, estou certo, um cerco aos boêmios. Novos Torquemadas seriam implacáveis e perderíamos todo o acervo do Vinicius de Moraes. Quem, entre puritanos, carimbaria a poesia de um ateu como Carlos Drummond de Andrade?

Como ficaria a Universidade em um Brasil dominado por evangélicos? Os chanceleres denominacionais cresceriam, como verdadeiros fiscais, para que se desqualificasse o alucinado Charles Darwin. Facilmente se restabeleceria o criacionismo como disciplina obrigatória em faculdades de medicina, biologia, veterinária. Nietzsche jazeria na categoria dos hereges loucos e Derridá nunca teria uma tradução para o português.

Mozart, Gauguin, Michelangelo, Picasso? No máximo, pesquisados como desajustados para ganharem o rótulo de loucos, pederastas, hereges.

Um Brasil evangélico não teria folclore. Acabaria o Bumba-meu-boi, o Frevo, o Vatapá. As churrascarias não seriam barulhentas. O futebol morreria. Todos seriam proibidos de ir ao estádio ou de ligar a televisão no domingo. E o racha, a famosa pelada, de várzea aconteceria quando?

Um Brasil evangélico significaria que o fisiologismo político prevaleceu; basta uma espiada no histórico de Suas Excelências nas Câmaras, Assembleias e Gabinetes para saber que isso aconteceria.

Um Brasil evangélico significaria o triunfo do “american way of life”, já que muito do que se entende por espiritualidade e moralidade não passa de cópia malfeita da cultura do Norte. Um Brasil evangélico acirraria o preconceito contra a Igreja Católica e viria a criar uma elite religiosa, os ungidos, mais perversa que a dos aiatolás iranianos.

Cada vez que um evangélico critica a Rede Globo eu me flagro a perguntar: Como seria uma emissora liderada por eles? Adianto a resposta: insípida, brega, chata, horrorosa, irritante.

Prefiro, sem pestanejar, textos do Gabriel Garcia Márquez, do Mia Couto, do Victor Hugo, do Fernando Moraes, do João Ubaldo Ribeiro, do Jorge Amado a qualquer livro da série “Deixados para Trás” ou do Max Lucado.

Toda a teocracia se tornará totalitária, toda a tentativa de homogeneizar a cultura, obscurantista e todo o esforço de higienizar os costumes, moralista.

O projeto cristão visa preparar para a vida. Cristo não pretendeu anular os costumes dos povos não-judeus. Daí ele dizer que a fé de um centurião adorador de ídolos era singular; e entre seus criteriosos pares ninguém tinha uma espiritualidade digna de elogio como aquele soldado que cuidou do escravo.

Levar a boa notícia não significa exportar uma cultura, criar um dialeto, forçar uma ética. Evangelizar é anunciar que todos podem continuar a costurar, compor, escrever, brincar, encenar, praticar a justiça e criar meios de solidariedade; Deus não é rival da liberdade humana, mas seu maior incentivador.

Portanto, Deus nos livre de um Brasil evangélico.

fonte: site do Ricardo Gondim

Comentários

Leia Mais

Tudo é maravilhoso hoje e ninguém está feliz

.

Pedro Burgos

Cheguei agora há pouco a Brasília. No embarque em São Paulo, no avião e no desembarque, ouvi as mesmas reclamações de sempre. “Só tem esse amendoim?” “E tem que pagar?” (Webjet, no caso); “Tem que despachar?”; “Aff, tem que esperar o ônibus pra levar até o avião?”; “Isso é apertado demais, Deus que me livre”. Se essas pessoas que reclamaram aproveitaram a mesma promoção que eu, todas elas pagaram menos de R$ 100 para percorrer quase mil km em 1h20. Pense nisso por um instante. Como diz o comediante americano Louis C.K., estamos numa época maravilhosa de avanços tecnológicos que pode estar sendo estragada por uma geração de idiotas mimados. Ele explica melhor no 4° melhor vídeo da história da internet.

Viu? Eu assisti este pedacinho da entrevista dele no programa do Conan O’Brien há coisa de um mês e não consigo o tirar da minha cabeça – mostro o vídeo pra basicamente qualquer pessoa que passe na minha casa desde então. E, sim, tenho total consciência que rir disso é um pouco de rir de mim mesmo. Nós aqui reclamamos quando o sinal GPS demora mais de 2 segundos, ou quando o sistema operacional do seu celular “obsoleto” que está carregando as páginas 0.3 segundos mais lento que o do vizinho. Precisamos?

Resmungar pelo celular é cada vez mais comum. Mas, como diz o Louis, quando o assunto é viagem de avião, a coisa é pior. Quando eu era moleque, viajar de avião era coisa para pouquíssimas pessoas. A Varig servia um almoço bom, com talher de prata (minha mãe roubou alguns), porque o preço da passagem era ridiculamente alto. Hoje é mais barato que ônibus em alguns casos. Aí tem gente que reclama que “aeroporto está parecendo uma rodoviária”. Só que isso é bom. Mostra que gente de todo tipo voa hoje. No voo de hoje, a senhora do meu lado certamente nunca havia voado de avião. E ela não reclamava como o idiota na poltrona da frente que bufava por não ter um bom lugar para pendurar o terno (onde já se viu?!).

A senhorinha achava o máximo, sorria. Ela estava voando. E talvez precisemos mais dessa inocência: de tempos em tempos, pare de reclamar um pouco da tecnologia e lembre o quão mágico é o momento histórico que vivemos. Até agora há pouco eu estava sentado em um cadeira. No céu. Não dá para ser mais fantástico que isso.

fonte: Gizmodo Brasil
dica da Kesia Leonardo

Comentários

Leia Mais