Consumidores formam fila menor para comprar novos iPhones em SP

Movimento na loja da Vivo no Shopping Eldorado para compra do iphone 6 (foto: Ronny Santos/Folhapress)
Movimento na loja da Vivo no Shopping Eldorado para compra do iphone 6 (foto: Ronny Santos/Folhapress)

Douglas Gavras, na Folha de S.Paulo

Quem esperava enfrentar longas filas se surpreendeu. O número de consumidores que aguardavam para comprar os novos iPhones 6 e 6 Plus nos primeiros minutos de venda em São Paulo foi menor neste ano em relação aos lançamentos anteriores.

Desde a 0h desta sexta-feira (14) os mais recentes modelos do smartphone da Apple estão à venda no Brasil em lojas das operadoras e varejistas.

A TIM estima que 40 pessoas esperavam na frente da loja da operadora no Shopping Eldorado. “No ano passado, a fila chegava a dar voltas”, lembra o bancário Murilo Aguiar, 24.

O movimento também era menor do que nos anos anteriores nas lojas da Vivo e da Claro localizadas no shopping.

André Gomes, 35, e Dênia Silva, 26, eram os primeiros da fila da loja da TIM, para comprar o iPhone 6.

“Já vendi meu 5s e vim direto comprar o iPhone novo, que vou pagar em parcelas”, disse o motorista. A gente é louco pelos produtos da Apple, mas é tudo muito caro.”

PREÇO ABSURDO

A aposentada Telma Rodrigues, 67, não precisou enfrentar fila na TIM e acabou sendo a primeira a levar o iPhone 6 para casa. Ela diz que pretende começar a usar o smartphone da Apple agora, mas confessa que o celular novo deve ficar para o filho.

“Acho o preço absurdo, mas é tão bonito. Deve valer a pena.”

Na loja da operadora, os aparelhos desbloqueados saiam pelos mesmos valores que na Apple Store.

O modelo mais barato, o iPhone 6, de 4,7 polegadas, com capacidade de armazenamento de 16 GB, custa R$ 3.199. O mais caro, o iPhone 6 Plus, com tela de 5,5 polegadas, sai por até R$ 4.399 na versão com 128 GB.

As operadoras, no entanto, dão descontos no preço do iPhone 6 e do iPhone 6 Plus a quem contratar um plano pós-pago.

A rede iPlace aceita um smartphone usado como parte do pagamento na compra de um iPhone 6 ou 6 Plus. O valor do desconto varia de acordo com o estado do aparelho.

Na Vivo, Denis Alveia, 33, esperava para comprar o iPhone 6.

Apesar de reclamar do alto preço do aparelho, o despachante disse que a compra valeria a pena, pois o plano pós-pago oferecido pela operadora era vantajoso.

“É caro, mas, depois que usei meu primeiro iPhone, não consegui mais largar. O aparelho tem muita qualidade, o sistema não trava. Não quero outra vida.”

Para João Truran, diretor comercial da regional São Paulo da Vivo, as filas no lançamento foram menores neste ano porque as lojas se preparam para receber os clientes.

“Agendamos atendimentos, fizemos parte das pré-vendas pelo site. Tentamos dar mais conforto para o cliente e amenizar o tempo que eles passariam na fila.”

Saulo Sousa, 22, está em seu quatro iPhone. O vendedor chegou à loja da Vivo uma hora antes do início das vendas e foi um dos primeiros atendidos.

Satisfeito com o aparelho novo, ele se dizia impressionado com o preço cobrado pelo iPhone 6 no Brasil.

“Nunca pensei que gastaria tanto em um celular, mas vendi meu iPhone antigo por R$ 1.500, então, acabei sentindo menos no bolso.”

Comentários

Leia Mais

“Ainda não sei o que foi”, diz lutadora que andou nua no RS

Conheça a história da mulher de 35 anos que andou nua pelas ruas de Porto Alegre

Publicado no Terra

Tu sabe o que foi que aconteceu? Me explica, que eu ainda não sei o que foi”, assim começa a entrevista com Betina Baino, 35 anos, a lutadora de MMA que protagonizou o segundo episódio de nudez pública ocorrido em Porto Alegre nas últimas semanas. A indignação e o desespero acumulados em uma vida de erros e acertos a levaram ao ato extremado em um momento no qual se sentia completamente desamparada por tudo e por todos.

“Eu não quero pena, porque eu acho que ninguém tem o que não mereça e que não aguente. Mas quero que de repente as pessoas não façam o mesmo que eu, que vejam que não sou só um corpo, que possam manter a dignidade”, diz Betina.

Ela se refere à prostituição, trabalho ao qual teve que recorrer para comer, sendo que naquele momento no qual resolveu ficar nua, nem a venda do próprio corpo lhe garantia o mínimo necessário para viver. “Estou em uma fase da minha vida em que eu não tenho mais nada”.

Enquanto caminhava na rua, nua, em meio aos carros debaixo de chuva, ouvindo buzinadas e gritos de gostosa, Betina disse entre outras coisas que era do MMA. O carinho que ela tem pelo esporte é imensurável para quem vê de fora, porque nos três anos nos quais praticou o esporte, pela primeira vez na vida, sentiu o que era ter autoestima.

“Tu treina para aquilo, é respeitada. Eu nunca achei que merecia ser tratada com tanta admiração, porque fiz muita coisa errada na minha vida. Mas quando virei prostituta para ser atleta, parece que eu virei um bicho (…) não tenho como começar porque tenho 35 anos. Não tenho carteira assinada, um salário de R$ 800 não paga o meu quarto de R$ 500, mais a minha passagem, a minha comida, e os meus filhos, então me deu um desespero tão grande porque se era o meu corpo que queriam ver, que olhem de graça porque não quero mais cobrar por isso…”desabafa em uma entrevista na qual chorou em vários momentos.

Os motivos que levaram Betina a uma atitude extremada de protesto pelas ruas são apenas a ponta do iceberg de uma vida de sofrimento. Diagnosticada como borderline (um transtorno de personalidade), ela diz que sempre “eu sempre soube que eu era diferente, fiz escolhas erradas e era mais fácil me rotular como louca, inconsequente e drogada, mas eu não era nada disso”. A vida difícil fez com que se separasse dos filhos, uma adolescente de 17 anos, com quem ainda tem contato, e um menino de 3 anos, que nem sabe que ela é sua mãe. “Foi tanta dor que eu tive que fazer alguma coisa”.

“Sempre tive uma vida em família, mas fui muito porra louca, fiz muita besteira, morei aqui, morei ali, usei droga, tive depressão, passei por internação… sempre tentando melhorar, mas eu não conseguia”, conta.

Mas hoje, sua família são seus amigos, os mais próximos conquistados através do MMA. Eles são as pessoas que mais tem lhe dado apoio desde que seu caso ganhou repercussão nacional. Sem ter bem uma direção certa, ela passa os dias na academia onde treina e faz planos para buscar um trabalho e um futuro melhor do alto da experiência de quem já sofreu muito na vida, mas se recusa a desistir.

Comentários

Leia Mais

Site Pet Romance quer ser o Facebook dos bichos

Após o cadastro, o usuário pode publicar e curtir textos e fotos. Perfis de animais para adoção e contatos de pet shops e outas empresas da área são alguns dos recursos do site.

Publicado na Exame

Um novo site pretende intensificar as relações entre cães, gatos e outros animais. Batizado de Pet Romance, ele quer ser a rede social dos bichos de estimação.

“Você se cadastra no site como se fosse o próprio bicho”, explicou em entrevista a EXAME.com o idealizador do site Luís Quadros.

Segundo ele, o usuário deve informar o nome e o tipo do animal quando cria um perfil no site. Informações como raça, idade, peso, cor, localização são opcionais.

Após o cadastro, o usuário pode publicar e curtir textos e fotos. Perfis de animais para adoção e contatos de pet shops e outas empresas da área são alguns dos recursos do site.

Segundo Quadros, o site é para todo tipo de bicho – embora 80% das contas sejam de cães ou gatos. Após 11 meses no ar, o Pet Romance já acumula 6 mil usuários ativos, 30 mil fotos publicadas, 50 mil postagens compartilhadas e 95 mil fãs no Facebook.

“Entre os usuários, já surgiram até algumas gírias próprias do site – como #aubraços, #lambeijos, #aumigo”, afirma Quadros.

Até o momento, o idealizador não faturou nada com o site. Mas ele já tem planos para monetizá-lo. Entre eles, estão a inclusão de anúncios e um espaço para que pet shops e outras empresas possam fazer vendas online.

A ideia é que, a cada negócio fechado, o Pet Romance fique com uma pequena porcentagem. E os planos de Quadros não param por aí.

Em dezembro, ele deve lançar o app do site para Android (em janeiro, sai a versão para iOS). O aplicativo terá funções extras – como um botão de emergência para casos de sumiço do bicho de estimação e um recurso que vai dizer ao usuário que outros animais com perfil no site estão nas redondezas.

“O app será como um Waze para pets”, aposta ele. Além disso, a versão em inglês do Pet Romance deve entrar no ar no começo do ano que vem. Com ela, Quadros quer ganhar os usuários americanos.

“O Pet Romance é o Facebook dos bichos”, resume ele.

Comentários

Leia Mais

Mulher finge estar bêbada para ver como homens reagem na rua

Publicado na RedeTV!

Uma bela atriz usando um vestido curto resolveu fazer um experimento nas ruas dos Estados Unidos e fingiu estar bêbada para ver como os homens reagiriam quando ela pedisse ajuda para chegar em casa. O vídeo com o resultado da câmera escondida faz sucesso nesta terça-feira (11) no YouTube.

No ‘experimento social’, como o canal do YouTube onde o vídeo foi postado chamou o vídeo, a atriz quer encontrar um ônibus para chegar em casa mas é convidada pela maioria dos homens a ir até outro lugar.

Confira:

Comentários

Leia Mais

Gentileza gera gentileza

gentil

Maurício Zágari

Tenho uma tristeza em meu coração que cresce a cada dia, mas já falo sobre isso. Antes permita-me trazer à memória uma recordação de infância. Lembro-me de quando era criança e, no caminho para a escola, passava por baixo do agora demolido elevado da Perimetral, na região do cais do porto do Rio de Janeiro. Pela janela do ônibus eu constantemente via uma figura solitária, que estava sempre presente: um senhor idoso, de barbas grandes e roupas extravagantes, que escrevia palavras nas pilastras do enorme viaduto. Eu não sabia na época, mas aquele homem, chamado José Datrino, viria a ser conhecido como “Profeta Gentileza”. Não tenho como contar sua história neste post, mas se desejar saber mais sobre essa figura icônica do Rio dos anos 1980, pode ler mais AQUI. Enfim, o que chamava atenção nas suas inscrições era que ele escrevia muitas frases desconexas, mas uma expressão nunca faltava: “Gentileza gera gentileza”. Em meio aos seus devaneios, provavelmente aquele homem não sabia que estava dizendo uma verdade bíblica; verdade essa replicada em passagens como:

“A resposta calma desvia a fúria, mas a palavra ríspida desperta a ira” (Pv 15.1);

“Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’. Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venhama ser filhos de seu Pai que está nos céus” (Mt 5.43-45);

“Não retribuam mal com mal, nem insulto com insulto; ao contrário, bendigam; pois para isso vocês foram chamados, para receberem bênção por herança” (1Pe 3.9);

“Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais do que a si próprios” (Rm 12.10);

“Alegrem-se com os que se alegram; chorem com os que choram. Tenham uma mesma atitude uns para com os outros. Não sejam orgulhosos, mas estejam dispostos a associar-se a pessoas de posição inferior.Não sejam sábios aos seus próprios olhos.  Não retribuam a ninguém mal por mal” (Rm 12.15-17).

“O seu falar seja sempre agradável e temperado comsal, para que saibam como responder a cada um” (Cl 4.6).

E por aí vai.

A tristeza que carrego em meu coração é por ver que a sociedade em que vivo está muito distante do ideal do Profeta Gentileza. Que, como vimos, reflete os ideais das Escrituras sagradas. E me refiro à sociedade como um todo: cristãos e não cristãos. Sinceramente, não sei o que está acontecendo ou como chegamos a esse ponto: vejo meus irmãos em Cristo refletirem uma agressividade difícil de compreender. É como se xingar, ofender e não perdoar tivessem se tornado virtudes do evangelho. Sei que já falei sobre este tema aqui no APENAS, mas a cada novo dia vejo tantas situações que me assombram quanto a isso que não tenho como deixar para lá.

gentileza2Acabei de ler um livro que fala exatamente sobre esta questão: a importância da gentileza no trato com quem discorda de nós. Não posso dizer o nome do livro nem o autor, por haver questões éticas envolvidas, mas posso relatar que é uma obra que mostra como a forma que tratamos quem discorda de nós é tão ou mais importante do que os argumentos que apresentamos. Isso se aplica a qualquer circunstância da vida: evangelismo, discussão apologética ou no simples trato diário. A conclusão é simples e óbvia, mas parece que nos esquecemos disso, sabe-se lá por quê: se pregamos as verdades do evangelho com agressividade, ofensas, sarcasmo e outras formas horríveis de se comportar, nosso procedimento desqualifica aquilo que dizemos. Isso está errado, muito errado, e precisamos urgentemente resgatar a vivência da gentileza na nossa rotina. Devemos tratar quem diverge de nós com afeto. É indispensável que sejamos corteses e gentis com quem não acredita no que acreditamos ou mesmo com quem acredita mas comete erros. Temos de ser menos implacáveis. Caso contrário, nossas palavras serão cristãs, mas nosso comportamento será diabólico.

Em grande parte, a culpa disso é de certos líderes. Pessoas que se posicionam com palavras agressivas de quem discorda de si, que usam de sarcasmo, ofensas, ódio… e muitos de nós, por admirarmos tais líderes, achamos que esse comportamento é válido. Se é o seu caso, escute: NÃO É. Esses líderes estão errados. Muito errados. Totalmente errados. E não devemos imitá-los. Se um líder cristão usa termos ofensivos para se referir a quem discorda dele em questões político-partidárias, doutrinárias ou teológicas, ele não está seguindo o exemplo de Cristo. Temos de ser mansos e humildes de coração. Temos de temperar nossas palavras com sal. Cristãos agressivos não são sal da terra e luz do mundo, são insossos e trevas. Desculpe ser tão incisivo, mas essa é verdade. Muitas vezes o mundo nos acusa de destilar ódio, e muitas vezes o mundo acerta ao afirmar isso, pois temos, sim, sido odiosos em muitas situações.

As últimas eleições revelaram o pior de nós. Fiquei estarrecido de ver como muitos cristãos se posicionaram nas redes sociais. Na verdade, fiquei envergonhado. Tive vontade de gritar: “Eu concordo com o que eles dizem mas discordo totalmente da forma como dizem! Esse temperamento explosivo e esse comportamento odioso não me representa!”. Recentemente, vi no facebook pessoas se referirem a uma cantora evangélica com adjetivos inacreditáveis pelo fato de ela ter cometido uma gafe durante uma pregação (detalhe: posteriormente, ela se retratou e pediu perdão). Li cristãos chamarem essa irmã em Cristo de “boçal”, “idiota” e outras coisas do gênero, sem perceber que estavam agindo de modo absolutamente anticristão na escolha de suas palavras e no ódio que transmitiam. E, se dos lábios sai o que está cheio o coração, o que esse tipo de verborragia revela sobre o nosso coração?

Meu irmão, minha irmã, precisamos parar e refletir sobre como temos nos comportado, o que temos falado, como temos nos sentido com relação a quem discorda de nós. E isso em todas as arenas: político-partidária, doutrinária, teológica, pessoal, profissional, ministerial… não importa. Ou amamos de fato em nosso modo de nos relacionarmos ou para nada mais servirmos exceto para sermos jogados fora e pisados pelos homens. Não importa como os outros se comportam, importa como VOCÊ se comporta. Faça sua parte. Não conseguiremos mudar toda uma multidão raivosa, mas se você conseguir mudar a si mesmo, repensar como tem se posicionado e deixar a agressividade para viver a gentileza que gera gentileza… os céus se alegrarão e os anjos farão festa. Ser um cristão agressivo é uma contradição. Perceber o erro, arrepender-se e mudar de rumo é o evangelho em sua essência. O que você prefere ser, uma contradição mundana ou um exemplo do que o evangelho pode fazer?

gentileza4Faça sua parte. Repense sua forma de falar e se relacionar. Se perceber que não tem sido tão gentil como Cristo seria, sugiro humildemente que procure se reinventar. Ore pelos que erram ao abraçar a agressividade achando que Deus se agrada disso. Compartilhe essa ideia, passe adiante esses valores. E que o Senhor nos ajude a sermos um corpo formado por membros amorosos, graciosos, compassivos, misericordiosos, pacíficos e pacificadores, amáveis, bondosos, com domínio próprio e mansos. Sejamos menos punhos cerrados e mais corações abertos. Sejamos cristãos.

fonte: Blog Apenas

Comentários

Leia Mais