Grupos pressionam pelo fim do celibato na Igreja Católica

Publicado na Folha de S. Paulo

Eles não planejavam se apaixonar. Não queriam ser alvo de fofocas maldosas. Não haviam imaginado manter encontros secretos, mas foi assim que aconteceu desde que uma mulher e um padre desafiaram um tabu da Igreja Católica e se envolveram.

“Algumas pessoas me veem como o diabo”, disse a mulher, que, em companhia do padre com o qual está envolvida, concordou em falar sobre sua situação.

1431240

Os dois pediram anonimato temendo agravar a desaprovação dos pais, que sabem da situação, e o desdém de amigos e paroquianos, que suspeitam de que a amizade seja mais do que platônica.

“Corro o risco de perder tudo se isso se tornar público”, disse o padre. Eles aceitaram falar, diz sua parceira, porque “sofrer nos leva a tentar mudar essa injustiça”.

Uma busca online com o termo “apaixonada por um padre” leva a uma sucessão de blogs de amantes contestados pela igreja.

No Facebook, um grupo de 26 mulheres chegou a fazer uma petição ao papa Francisco pela mudança do celibato obrigatório para os sacerdotes católicos, o que aliviaria seu sofrimento.

“É realmente difícil explicar essa relação a alguém que não tenha passado por isso”, disse uma das signatárias, que também está envolvida com um padre. “Queríamos informar ao papa que esse sofrimento é generalizado.”

Ela voltou a escrever ao papa em setembro, pouco antes do Sínodo Episcopal, uma reunião de cerca de 200 religiosos convocados ao Vaticano para discutir questões que as famílias enfrentam nas sociedades contemporâneas.

Foi o sínodo acompanhado com mais atenção em décadas, e alguns vaticanistas traçaram paralelos com outro convocado pelo papa Paulo 6º em 1971, no qual o celibato obrigatório dos padres foi a questão central.

Naquele momento, após uma discussão acalorada, o sínodo reconfirmou o celibato obrigatório, e não houve revisão oficial dessa posição em 40 anos. Aqueles que esperavam que a questão fosse retomada no sínodo de outubro sofreram nova decepção.

Mas cada vez mais organizações de padres nos EUA, Austrália, Irlanda e outros países continuam a pressionar por mudanças.

Aqueles que contestam o celibato clerical apontam para a escassez mundial de padres e para estudos que demonstram que o celibato desencoraja jovens que desejam se tornar sacerdotes.

As estatísticas recolhidas pela Congregação para o Clero não especificam os motivos para que padres “desertem”, mas os críticos sugerem que o celibato clerical seja em parte a razão.

Embora não haja números específicos, o Advent, grupo de apoio a padres que deixaram a vida sacerdotal no Reino Unido, estima que cerca de 10 mil homens tenham abandonado o sacerdócio católico para se casar nos últimos 50 anos, e isso apenas na Inglaterra e País de Gales.

A escassez exerceu impacto significativo sobre várias paróquias, diz Alex Walker, líder da Advent, que deixou o sacerdócio para se casar.

“Os bispos podem continuar orando por mais jovens com vocação para o sacerdócio, ou podem estudar o que fazer a respeito”, completou.

Comentários

Leia Mais

Metade dos calouros da USP está entre os 20% mais ricos do Brasil

usp41_cidade_universitaria
publicado na Folha de S. Paulo

Metade dos alunos ingressantes na Universidade de São Paulo se situa no quinto mais elevado da pirâmide de distribuição de renda do país. O rendimento domiciliar per capita mensal dos brasileiros 20% mais ricos era superior a R$ 1.200 em 2013. No mesmo ano, cinco em cada dez estudantes da universidade tinham renda familiar per capita acima de R$ 1.270.

As estimativas foram feitas pelo economista Sergio Firpo, da Fundação Getulio Vargas. As contas referentes aos calouros da USP se basearam em informações prestadas pelos alunos que fizeram o vestibular para ingresso em 2014. Os dados inéditos foram fornecidos pela universidade a pedido da Folha. As estatísticas relativas à população foram calculadas por Firpo a partir de dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios).

Outro recorte dos números indica que a renda dos alunos ingressantes na USP é cerca de duas vezes superior aos ganhos da população brasileira de forma geral. “Essa diferença é semelhante em todas as faixas de renda”, diz Firpo, que tem doutorado na universidade de Berkeley e está entre os dez economistas brasileiros com maior número de publicações e citações por outros pesquisadores.

Dos ingressantes da USP, os 10% menos favorecidos, por exemplo, têm rendimento familiar per capita de, no máximo, R$ 390, ante um teto de R$ 169 entre os 10% mais pobres do país. Já entre os calouros 10% mais ricos da USP, aqueles com menor renda atingem R$ 3.751, ante R$ 1.876 no mesmo grupo da população. Dos calouros da Fuvest de 2014, 65,4% cursaram todo o ensino médio, o antigo colegial, em escolas particulares.

Comentários

Leia Mais

Eis a prova definitiva que o homem foi sim à Lua

apollo
publicado no Mistérios do Espaço

Muitas pessoas ainda não acreditam que o homem foi sim à Lua, e sempre com argumentos sem fundamento algum. Um dos mais clássicos é a interpretação das fotografias, eles interpretam de forma totalmente errada. Agora vamos provar a esses conspiracionistas que eles estão totalmente errados.

A estudante da história da corrida espacial, Amy Shira Teitel, fez uma vídeo explicando que as missões nunca poderiam ter sido forjadas, um dos exemplos que é usado em seu vídeo são os pós de poeira nas rodas do Rover Lunar.

Ela explica que a poeira que é levantada pelo Rover lunar, cai de uma maneira que só é possível no vácuo. Sendo assim ou a NASA criou um estúdio enorme com total ausência de ar, ou o vídeo foi realmente gravado na Lua.

Comentários

Leia Mais

Música de cantor potiguar que cita ‘senzala’ e ‘pretinha’ gera polêmica

Composição ‘Ma Nêga’, de Artur Soares, é alvo de críticas na internet.
Músico nega que música tenha intenção racista ou machista.

lenart

Publicado no G1

Uma composição de um músico do Rio Grande do Norte vem causando polêmica nas redes sociais por, supostamente, conter trechos racistas e machistas. A música “Ma Nêga”, do cantor Artur Soares, traz versos que citam as palavras “senzala” e “pretinha”, principais alvos das críticas. O Coletivo Autônomo Feminista Leila Diniz chegou a publicar uma nota na qual afirma que Soares “se apropria de uma dor histórica” para vender a música. Clique AQUI e veja o clipe da música.

O cantor nega que a composição teve a intenção de ser racista e explica que a música é uma homenagem à mulher negra. “Não tive nenhuma intenção machista ou racista, justamente porque a escrevi em homenagem à uma mulher negra que, por sinal, entendeu à sua maneira e adorou a canção, assim como as mais de vinte negras que gravaram conosco. Acredito nisso, que o que há de bom e o que há de mal no modo de ver as coisas está dentro de nós”, rebateu Soares.
O trecho mais citado nas redes sociais é o que diz “nêga, você vai gostar. Nêga, eu vou te prender na senzala iorubá e o que eu ensinar você vai ter que aprender, porque eu vou te maltratar, pretinha”. A nota do Coletivo Leila Diniz, publicada no Facebook, também fala do verso “trago uma coca-cola pra você pra combinar com sua cor, pretinha”. Para o coletivo, a música de Artur Soares remete a episódios tristes da história, “como a escravidão e a violência sexual a que eram submetidas as escravas mulheres”, diz a nota de repúdio ao artista.

Quanto às críticas, o músico disse que de início não entendeu muito bem, pois “a música havia sido lançada junto ao clipe três meses atrás. Saiu em alguns jornais, blogs, já tocando razoavelmente no rádio… sempre bem recebida e ninguém se manifestou a respeito de tais questões. Quando percebi, uma espécie de burburinho já estava instaurada”.

Sobre “senzala”, “pretinha” e “maltratar”, ele explica que foi influenciado pelo compositor Ataulfo Alves, quando escreveu “Mulata Assanhada”. E citou um trecho da canção: “Ai, meu Deus, que bom seria/Se voltasse a escravidão/Eu pegava a escurinha/E prendia no meu coração!…/E depois a pretoria/Resolvia a questão!”.
O G1 também perguntou se a música poderia ter sido escrito de outra forma e, com a repercussão, se ele pretende mudar a letra, como sugerem alguns críticos. Ele respondeu que a música que ele fez é um single, e que quando gravou a faixa já sabia que ela não entraria em trabalhos posteriores. “Agora, sobre ter escrito de outra forma, não consigo imaginar. Cada canção leva sua própria essência. Vou citar uma frase bem interessante, e que convém perfeitamente ao caso, onde um dos nossos grandes ídolos diz: – não sou eu. São as músicas. Sou o carteiro que as envia. Eu entrego as músicas”.

artur

Para o Coletivo Leila Diniz, “o cantor não parece compreender que os respingos dessa dor ainda predomina na realidade da população negra, sobretudo das mulheres, e ‘Ma Nêga’ vem rememorar e legitimar a violência colonial perpetrada pelos sinhôzinhos sobre nós”. Na nota de repúdio, o coletivo também estende a crítica a espaços culturais em que Artur Soares apareceu, como o Prêmio Hangar de Música e o projeto Eco Praça, e acrescenta que o movimento tentou sem sucesso o diálogo com o músico.

Já Soares afirma que procurou os críticos para explicar a música, mas não foi bem recebido e acabou desistindo. Para o cantor, cada pessoa interpreta de um modo a música que ele escreveu. “Creio na diversidade da natureza e, sendo assim, não seria sensato afirmar como verdade absoluta apenas quem eu acho que se equivocou no acontecido. Todos nós sabemos que existem variadas formas de se ver a mesma coisa. Suponhamos que há um quadro do imortal pintor Caravaggio à sua frente. Pois bem, quando você analisá-lo para chegar a determinada conclusão, a sua opinião sobre o mesmo quadro certamente será diferente das demais, porque cada um vê o mundo e a arte de uma forma. E essa é a graça da vida, a diversidade”.

Eco Praça
O Eco Praça também publicou uma nota no Facebook após ter o nome envolvido na polêmica. A organização do projeto lamentou o envolvimento em “questionamentos sobre reprodução de comportamentos e ideias racistas e misóginas das quais não compactuamos. Nos comprometemos a avaliar e ser mais atenciosos com o conteúdo das próximas atrações que participarem do Eco Praça”, acrescenta a nota.

Por fim, a organização do projeto faz um convite para que temas como racismo e machismo sejam discutidos na próxima edição do Eco Praça.

“Discordamos de qualquer forma de opressão e convidamos a todos os interessados a participar de uma vivência com o propósito de dialogar sobre temas como racismo, machismo, intolerância de gênero que ainda marcam profundamente a nossa sociedade. Propomos a realização dessa vivência no nosso próximo encontro que acontecerá nos dias 27 e 28 de dezembro”, conclui.

Veja nota do Coletivo Leila Diniz

O cantar ou escutar uma canção é capaz de desencadear fortes efeitos emocionais numa pessoa. Tristeza, alegria, nostalgia, raiva, etc. Por isso, dentre tantas manifestações artísticas, a música é uma das mais fortes influências culturais. Por vezes desperta bons sentimentos, desejos, parafraseando Belchior: desejo de amar e mudar as coisas. Mas nem sempre.
Uma vez que, as práticas musicais não podem ser dissociadas do contexto cultural, podemos pensá-la de duas formas:
1. Meio de transmissão de valores, sonhos, ideais e luta. Como exemplo, basta relembrar o vasto conteúdo musical, símbolo de resistência coletiva, criado na época da ditadura.
2. Reprodução de preconceitos como a objetificação do corpo da mulher, racismo, homofobia, dentre outros.
Em tempos de Felicianos, Aécios e Bolsonaros, o jovem artista potiguar, Artur Soares, escolheu a segunda opção. Este ano, ele lançou a faixa e videoclipe “Ma Nêga”. Segue trechos da música em questão:
“Trago uma coca-cola pra você pra combinar com sua cor, pretinha”
“Nêga, você vai gostar. Nêga, eu vou te prender na senzala iorubá e o que eu ensinar você vai ter que aprender, porque eu vou te maltratar, pretinha”
“Pretinha (calada)”
Para quem tiver dúvidas sobre o contexto, segue a letra completa: http://letras.mus.br/artur-soares/ma-nega/
Desde o lançamento, Artur foi chamado atenção diversas vezes sobre o forte racismo na sua música. A resposta? deboche. E é o que ele continua a fazer diante de quem não se cala.
Artur Soares se apropria de uma dor histórica, como a escravidão e a violência sexual a que eram submetidas as escravas mulheres, para vender sua música.

O cantor não parece compreender que os respingos dessa dor ainda predomina na realidade da população negra, sobretudo das mulheres, e “Ma Nêga” vem rememorar e legitimar a violência colonial perpetrada pelos sinhôzinhos sobre nós.

Quando um artista potiguar abre a boca pra cantar que vai prender a negra na senzala, diz que vai maltratá-la, a manda ficar calada, e por isso ainda vai concorrer a um prêmio, NÃO PODEMOS NOS CALAR, o que, inclusive, ele pede na música! Sobretudo num mês importante como Novembro, marcado especialmente pelos dias 20 (Dia da Consciência Negra) e 25 (Dia da não-violência contra a mulher). Nesse contexto tão importante de luta, nós, do Coletivo Autônomo Feminista Leila Diniz, não poderíamos deixar de vir à público manifestar nosso REPÚDIO ao artista Artur Soares.

Também REPUDIAMOS e convidamos todos a BOICOTAR os meios e espaços culturais (Prêmio Hangar de Música, Eco Praça, dentre outros) que tem recebido e reconhecido Artur Soares, até que haja retrat(ação) do artista e recusa pública em receber esse tipo de música.

Comentários

Leia Mais

Jovens não temem a aids — e se deixam contaminar, diz pesquisa

DESCUIDO - Portador do HIV, o bailarino Rafael Bolacha diz que, nas poucas vezes em que fez sexo sem proteção, estava sob o efeito do álcool ou tinha certeza de que o parceiro não oferecia risco (foto: Luiz Maximiano/VEJA)
DESCUIDO - Portador do HIV, o bailarino Rafael Bolacha diz que, nas poucas vezes em que fez sexo sem proteção, estava sob o efeito do álcool ou tinha certeza de que o parceiro não oferecia risco (foto: Luiz Maximiano/VEJA)

Natalia Cuminale, na Veja on-line

Aos 25 anos, o ator e bailarino Rafael Bolacha viu sua vida mudar radicalmente. Sem alterar os hábitos alimentares nem a rotina de atividade física, em apenas três semanas ele perdeu 5 quilos. Preocupado, procurou um médico. Entre os exames pedidos, o de HIV. Alguns dias depois, veio o resultado positivo para o vírus causador da aids. Foi um baque. “Raramente fazia sexo sem proteção”, lembra. As poucas vezes em que Bolacha diz ter se exposto ao perigo foram por confiar no parceiro ou por estar sob o efeito do álcool. Hoje, aos 30 anos, o bailarino se dedica a conscientizar outros jovens sobre os riscos do HIV. Em breve, adaptará um livro de sua autoria, Uma Vida Positiva, para os palcos, em São Paulo. “Os jovens de hoje acham que estão imunes à contaminação”, diz. “E, se contraírem o vírus, acreditam que é só tomar os remédios que poderão levar uma vida normal.” Não é assim. Para manter o HIV sob controle, Bolacha toma seis comprimidos por dia. Não é fácil. O bailarino convive com crises diárias e severas de diarreia.

Bolacha não é exceção. A imensa maioria dos brasileiros sabe como o vírus é transmitido e como se proteger, mas muita gente ainda dispensa o uso do preservativo e não tem o costume de fazer o teste de HIV. Esse é o resultado de um levantamento conduzido pelo Departamento de Pesquisa e Inteligência de Mercado da Editora Abril, que edita VEJA. Parte integrante do projeto Atitude Abril – Aids, campanha institucional do Grupo Abril para a conscientização sobre a doença, o trabalho ouviu, via internet, em todo o Brasil, 15 002 homens e mulheres acima de 16 anos — 20% deles se declararam virgens e 5%, portadores do HIV. Dos sexualmente ativos, 11% têm relações desprotegidas e, deles, 33% não procuram investigar se carregam ou não o vírus. Outros levantamentos nacionais indicam números ainda maiores de displicência. Pelo menos metade dos brasileiros nunca ou raramente se protege durante o sexo. Deles, um em cada dois nunca fez o teste. Diz o infectologista Artur Timerman, uma das maiores autoridades brasileiras em aids: “Ter informação sobre determinada doença é diferente de ter consciência sobre ela. As pessoas sabem que é importante usar camisinha, mas ainda não introjetaram essa informação”.

Atualmente 720 000 brasileiros estão infectados pelo HIV. Desses, um em cada cinco não sabe que está contaminado. Da pesquisa Atitude Abril – Aids emergiram três perfis de risco — os jovens de 16 a 24 anos; os homens acima de 50 anos; e as mulheres com mais de 30 anos. A seguir, VEJA esmiúça o comportamento de cada um desses grupos.

arte-pesquisa-aids-c-size-575

Os jovens não têm medo

Jovens de classe média contaminados pelo vírus da aids em baladas regadas a muito álcool e drogas têm se tornado figuras frequentes nos consultórios dos infectologistas. A probabilidade de um jovem praticar sexo inseguro é cinco vezes maior se ele tiver bebido demais. De acordo com os dados do Ministério da Saúde, as infecções pelo HIV entre rapazes e moças de 15 a 24 anos cresceu cerca de 25% entre 2003 e 2012. Na pesquisa Atitude Abril – Aids, 8% dos jovens até 24 anos declararam não usar camisinha. Outros levantamentos, no entanto, revelam dados mais assustadores. Segundo pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), divulgada no início do ano, um terço dos rapazes e moças de 15 a 24 anos dispensa a proteção. Os especialistas são unânimes em afirmar que, na realidade, esse número deve ser ainda maior.

O projeto Atitude Abril – Aids traz um dado revelador dessa realidade. Apenas um em cada quatro jovens associa a palavra medo à doença. A juventude do século XXI não testemunhou o horror dos primórdios da epidemia de aids. No início dos anos 80, quando não havia os remédios antirretrovirais, a infecção pelo HIV representava uma sentença de morte. Entre o diagnóstico e a fase terminal, transcorriam, em média, cinco meses. No fim da década de 90, com a criação do coquetel antiaids, foi possível prolongar, com qualidade, a vida dos portadores por tempo indeterminado.

É comum também o jovem dispensar a camisinha à noite e, no dia seguinte, recorrer ao uso profilático do coquetel. Administrados até 72 horas depois da exposição ao vírus, os medicamentos podem conter a proliferação do HIV. A maioria não leva em conta, no entanto, a extensa e dolorosa lista das reações adversas dos antirretrovirais — depressão, diarreia, anemia e gastrite, entre outras. No levantamento Atitude Abril – Aids, 36% dos entrevistados não acreditam nos graves efeitos colaterais dos medicamentos antiaids ou os desconhecem.

arte-graf-aids-c-size-575

A displicência da maturidade

Entre 2003 e 2012, as contaminações por HIV no Brasil cresceram assustadoramente entre as pessoas acima de 45 anos. Nesse universo, os homens com mais de 50 anos despertam a preocupação dos especialistas. De cada 100 entrevistados na enquete Atitude Abril – Aids, 47 têm relações sem camisinha. Outros trabalhos apontam um cenário ainda mais sombrio, em que esse índice chega a 63%. Apesar do comportamento de risco, 31% na pesquisa da Abril nunca se submeteram ao exame de HIV. Mas por quê? A maioria tem certeza de que não tem o vírus. Igualmente estarrecedor é o dado de que 11% não fazem o teste porque têm medo de descobrir que estão infectados. É um comportamento de altíssimo risco.

​O aumento da incidência de aids nesse grupo está diretamente associado aos avanços no tratamento da disfunção erétil. Os comprimidos an­ti-impotência lançados no fim da década de 90 afastaram o fantasma da impotência, e muitos homens recuperaram o vigor sexual. Eles, no entanto, não estavam habituados à camisinha. Um em cada três entrevistados para o Atitude Abril – Aids reconhece ter dificuldade para usar o preservativo. E o motivo? Para a maioria, porque atrapalha a ereção.

CERTEZA PERIGOSA - Gygy Maciel foi contaminada por um namorado médico: “Confiei demais. Fui ingênua”, diz ela. (foto: Luiz Maximiano/VEJA)
CERTEZA PERIGOSA - Gygy Maciel foi contaminada por um namorado médico: “Confiei demais. Fui ingênua”, diz ela. (foto: Luiz Maximiano/VEJA)

A exagerada confiança feminina

A paraense Gygy Maciel descobriu ser portadora do HIV aos 34 anos. Ela estava recém-separada. Fragilizada por causa do divórcio, Gygy começou a namorar seu ortopedista. Confiava plenamente nele, tanto que nunca cogitara o uso da camisinha. O relacionamento durou cerca de um ano. Pouco depois, por sugestão de uma amiga em comum, Gygy fez o exame. Positivo para o HIV. Das participantes do projeto Atitude Abril – Aids com 34 anos, em média, 14% dizem fazer sexo sem proteção porque, em sua maioria, confiam no marido ou namorado. Fora do universo das entrevistadas, o número de brasileiras nessa faixa etária que têm o mesmo comportamento está por volta de 52%.

Comentários

Leia Mais