Essa velhinha de 79 anos dança como se tivesse 19

Ivan Mola, no Eu te amo hoje

Programas de talentos existem em todas as partes do mundo desde que a TV é TV, mas vez ou outra aparece alguém que surpreende não só aos jurados, mas ao telespectador e a toda internet.

Pois foi o que aconteceu com Paddy, uma senhora de 79 anos que tem como maior hobby a dança.

Paddy se apresentou com o professor de dança Nico no Britain’s Got Talent, programa que já revelou Susan Boyle e Jonathan Antonine entre outros, e assim como os dois citados, foi alvo de brincadeiras ao entrar no palco, sendo comparada até com um programa de humor inglês.

O começo da apresentação não empolgou o público, que era mostrado com expressão de desânimo pelas câmeras. Até que Simon Cowell deu seu “não”, e o tango introdutório se transformou em uma animada salsa, onde a vovó e seu par fizeram todo tipo de acrobacia, fazendo o público espantado delirar.

As imagens da plateia e dos jurados provam o quanto a dança foi espetacular.

Assista a incrível apresentação da vovó Paddy, um exemplo a todos de qualquer idade.
[não esqueça de ativar as legendas]

Comentários

Copa expõe as “falhas horríveis” do Brasil, afirma jornal britânico

Dois operários morreram em obras no estádio de Manaus para Copa do Mundo, a Arena da Amazônia, em 14 de dezembro de 2013. Parte dos trabalhos foi interditada pela Justiça (foto: Renata Brito/AP0

Dois operários morreram em obras no estádio de Manaus para Copa do Mundo, a Arena da Amazônia, em 14 de dezembro de 2013. Parte dos trabalhos foi interditada pela Justiça (foto: Renata Brito/AP0

Publicado no UOL

“A Copa do Mundo começa daqui a menos de dois meses, quando o Brasil enfrentará a Croácia em São Paulo, no dia 12 de junho. Isso considerando, é claro, que o estádio estará pronto – ele ainda está em obras. De qualquer forma, parece que a principal competição do futebol mundial irá definir outras coisas além de qual nação tem o melhor futebol do mundo. Ela também poderá exercer influência crucial nas eleições presidenciais brasileiras, marcadas para outubro”.

Assim começa reportagem do jornal britânico “Financial Times” publicada no último domingo, cujo título é “O belo jogo expõe as falhas horríveis do Brasil” (The beautiful game exposes Brazil’s ugly flaws). De acordo com a publicação – um dos jornais de economia mais respeitados do mundo -, a Copa do Mundo é “uma nuvem negra” no horizonte da presidente e candidata a reeleição, Dilma Rousseff.

“Grande parte dos problemas se anunciam no Rio de Janeiro, onde uma série de crises colocaram um grande ponto de interrogação sobre a pretensa capacidade do Brasil de organizar um evento tão complexo quanto uma Copa do Mundo, para não falar dos Jogos Olímpicos, que a capital fluminense sediará daqui a dois anos”, escreve o “FT”.

A matéria recorda ainda as manifestações ocorridas durante a Copa das Confederações, em junho do ano passado, que teriam chocado a classe política brasileira. “Centenas de milhares tomaram as ruas da nação e enfrentaram a polícia, exigindo o fim da corrupção que aflige todas as instituições”, afirma a reportagem, que afirma também que as manifestações foram mais intensas no Rio de Janeiro, onde há falta de infraestrutura e onde políticas de pacificação das favelas falharam.

Para o jornal, incidentes envolvendo corrupção policial e a volta de traficantes a favelas ‘pacificadas’ deixaram a cidade ainda menos segura do que era há um ano: “Roubos e assassinatos estão em alta, e confrontos armados entre traficantes e policiais estão de volta ao noticiário. A população está assustada”.

A reportagem britânica afirma que os protestos do ano passado foram feitos majoritariamente pela população de classe média, e que “os moradores da favela se mantiveram fiéis ao Partido dos Trabalhadores, de Dilma”, mas, durante a Copa, “se os manifestantes voltarem às ruas, não serão necessários muitos incidentes envolvendo gangues cariocas e turistas estrangeiros para que se levantem dúvidas quanto a competência de Dilma Rousseff”.

Por fim, a reportagem do Financial Times profecia: “Se o Brasil falhar na organização da Copa, Dilma talvez tenha que procurar outro emprego, e só poderá culpar a si mesma. (…) A mensagem dos protestos do ano passado não poderia ter sido mais clara. O Brasil precisa acabar com a corrupção e focar em saúde, educação e transporte. Se não fizer isso, o governo será punido”.

Comentários

Sacadas geniais em peças publicitárias

Doces Chupa Chups: Sem Açúcar

Doces Chupa Chups: Sem Açúcar 

Publicado no Desafio criativo

Empresas necessitam ir de encontro a seus consumidores, e uma das estratégias mais bem sucedidas é através da propaganda. Das mais variadas em forma, conteúdo e tipo de mídia, com frequência encontramos campanhas que entram para a História deste rentável porém competitivo mercado de publicidade.

As que listo hoje para vocês são um bom exemplo de propagandas impressas que alcançaram seu objetivo, ou seja, aproximaram a identificação da marca ao seu público. Apesar de estarem escritas em inglês, as peças publicitárias são visuais e, caso não tenha entendido de primeira não desista! Pense um pouco e entenderá o significado da mensagem passada. Divirta-se e lembre de comentar qual a que mais curtiu!

Ecovia: Pare Com a Violência [no trânsito]

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_01

Fio Dental Colgate

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_05

Telescópios Orion

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_012

Lentes Keloptic

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_013

McDonald’s: Wi-Fi Grátis

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_018

‘Curtir’ Não Está Ajudando: Seja Um Voluntário

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_023

Cada folha Produz CO2 – Plante Para o Planeta

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_025

Lego: Imagine

creatives-ads-propaganda-criativa-dcriativo-desafio-criativo_044

 

Comentários

Vocalista fica famoso na web fazendo versões metal para músicas pop

Publicado no Judão

O jovem cantor norueguês Per Fredrik Åsly, que atende pela alcunha de Pellek, vem sendo apontado pelos críticos especializados como uma espécie de queridinho da atual safra do novo heavy metal europeu.

À frente de uma banda que leva seu nome, ele mostra talento executando um power metal altamente influenciado por nomes como Kamelot, Helloween, Masterplan e mesmo pelos brasileiros do Angra. Mas o curioso é que Pellek também tem mostrado sua perícia vocal fazendo curiosas (e, na maior parte dos casos, excelentes) versões heavy metal de canções pop como Get Lucky (Daft Punk), Happy (Pharrell Williams), Smooth Criminal (Michael Jackson) e mesmo a premiada Let It Go, tema do filme animado Frozen.

Além disso, também são bastante divertidas as suas rendições às músicas de abertura de séries e/ou de filmes como Homem-Aranha, Caça-Fantasmas, Duck Tales, Power Rangers, Dragon Ball Z, Game of Thrones, Bleach e por aí vai. Alguns exemplos selecionados podem ser encontrados abaixo – mas você pode dar uma boa fuçada no perfil do sujeito no YouTube.

Comentários

Twitter também pode servir para prever crimes, diz estudo

A análise de tuítes permite prever 19 entre 25 formas de crime, especialmente o assédio ou a perseguição, o roubo e alguns tipos de agressão Foto: Kacper Pempel / Reuters

A análise de tuítes permite prever 19 entre 25 formas de crime, especialmente o assédio ou a perseguição, o roubo e alguns tipos de agressão Foto: Kacper Pempel / Reuters

Embora os tuítes não tenham relação direta com um crime, eles contém elementos valiosos sobre as atividades de seus autores

Publicado no Terra

Os tesouros escondidos no Twitter podem ser extremamente úteis para combater crimes, segundo um estudo americano de acordo com o qual muitos crimes ou agressões podem ser detectados antecipadamente caso esta informação seja analisada de forma adequada.

A análise de tuítes permite prever 19 entre 25 formas de crime, especialmente o assédio ou a perseguição, o roubo e alguns tipos de agressão, segundo um trabalho da Universidade da Virgínia, publicado no periódico científico “Decision Support Systems”.

As conclusões podem surpreender porque, é claro, as pessoas raramente tuítam diretamente os crimes que vão cometer, diz o autor principal do estudo, Matthew Gerber, do Laboratório de Tecnologia Preditiva da Universidade da Virgínia (nordeste).

No entanto, embora os tuítes não tenham relação direta com um crime, eles contém elementos valiosos sobre as atividades de seus autores ou sobre seu bairro e seu entorno.

“As pessoas tuítam sobre suas atividades cotidianas”, explica Gerber à AFP. “Estas atividades rotineiras as colocam em um contexto no qual há possibilidades de que aconteça uma infração. Por exemplo, se eu e muitas outras pessoas tuitamos que vamos nos embebedar esta noite, sabemos que vão ocorrer algumas infrações associadas ao álcool”.

Gerber e seus colegas analisaram os tuítes de alguns locais de Chicago, ajudados pela base de dados de criminalidade na cidade. Assim, conseguiram fazer previsões sobre as regiões onde há risco de ocorrer determinados tipos de crimes, o que pode ser útil para a dotação orçamentária de segurança ou para a mobilização de policiais ao local.

“Esta aproximação permite ao analista visualizar e identificar rapidamente as áreas com forte criminalidade”, explica o estudo, “visto que as potenciais infrações com frequência ocorrem em locais onde este tipo de crime já foi cometido”. Isto “permitirá elaborar uma cartografia das áreas de fama duvidosa, que funcionará como uma ferramenta útil para prever o crime”.

Nos últimos anos, a ideia da “polícia preditiva” ganhou terreno e os serviços de vigilância têm se apoiado cada vez mais em dados previstos por gigantes como a IBM. Este novo estudo é publicado depois de outros informes, segundo os quais o comportamento dos usuários no Twitter pode ajudar a prever o resultado das eleições ou inclusive o surgimento de um vírus ou uma epidemia.

Gerber destacou que os tuítes são uma fonte muito fácil de usar, pois são de acesso público e muitos contêm dados de geolocalização. O estudo foi financiado pelo exército americano que, segundo Gerber, utiliza técnicas similares para determinar ameaças às suas forças no Iraque e no Afeganistão. O especialista destaca que não há limites para o uso de seu modelo de previsão, embora alguns crimes – como os sequestros ou os incêndios criminosos – não possam ser previstos por uma razão que lhes escapa.

Após ser contatado pela polícia de Nova York, Gerber já começou a examinar os dados da megalópole americana para determinar se os resultados que obteve em Chicago são igualmente bem sucedidos ali. Por outro lado, o pesquisador espera poder ampliar seus estudos a outras redes sociais, a fim de detectar melhor os crimes e avaliar se é possível impedi-los. “Não estudamos se isto pode reduzir a criminalidade”, diz Gerber. “Esta é outra etapa”, prossegue.

Comentários