Cereja em calda é feita de chuchu?

publicado na Super Interessante

Você provavelmente já brigou para roubar chuchu da cobertura do bolo. Embora a maioria dos vidrinhos de cereja ao marasquino tenham a fruta de verdade, muitas padarias e confeitarias recorrem à réplica bastarda para driblar a sazonalidade e o preço da legítima. “Além da textura adequada, o chuchu não tem personalidade: o sabor que você der ele aceita”, diz Sueli Saraiva, culinarista considerada especialista no truque.

Como saber se você comprou chuchu a preço de cereja? A SUPER procurou o Inmetro, que informou que o alimento nunca foi testado. A Anvisa só examina alimentos que representem risco alimentar, suspeitos de causar intoxicação ou que contenham algum ingrediente nocivo não especificado na embalagem. Não é o caso da chuchureja.

No entanto, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça, explica que vender um produto informando outra coisa é crime. Substituir chuchu por cereja pode dar até um ano de detenção e multa de R$ 3 milhões. Se a lei for cumprida, cheque os ingredientes no rótulo, mas, se você desconfiar, veja se a suposta cereja tem caroço. Se for do tipo desencaroçada, cheque se as bolinhas têm a concavidade em que antes ficava o caroço. Ou então se delicie com seu pote de chuchurejas.

cereja_para_melhorar_o_sono

De sapo a princesa

Como travestir o chuchu para a festa de aniversário

1. Cozinhe o chuchu até ficar al dente. Em seguida retire bolinhas do legume com um instrumento chamado “boleador”.

2. Jogue as bolas em água com cal virgem culinária, que deixa a comida firme por fora e macia por dentro. Desligue ao ferver e espere 3 horas.

3. Despeje as bolinhas em calda quente de groselha. Deixe no fogo brando. Quando descerem, apague o fogo e retire-as da calda.

4. Jogue um copo de açúcar na calda e ferva-a. Despeje as bolinhas e apague o fogo. Quando a calda esfriar, acrescente licor marasquino.

Comentários

Leia Mais

Pré-férias: o descanso remunerado antes de você começar no novo emprego

publicado na Época

Começar um novo emprego após um longo e extenuante período de trabalho pode prejudicar tanto o funcionário quanto a empresa. Afinal, o “burnout”, estado de exaustão extrema e perda de interesse nas tarefas, aniquila a produtividade. Foi ao se deparar com um desses casos que Jason Freedman, CEO de 42Floors,  serviço imobiliário de São Francisco, inventou uma prática que está dando o que falar nos Estados Unidos: o “pre-cation”, ou “pré-férias”, como chamaríamos por aqui. Freedman procurava preencher uma vaga na sua companhia e encontrou o candidato perfeito. Mas este estava desgastado demais para emendar uma função na outra. Como Jason não queria um recém-chegado já desmotivado, ele pagou ao profissional duas semanas de férias para que descansasse antes de seu primeiro dia no escritório. “Foram só quinze dias, mas ele voltou revigorado, foi incrível”, disse em entrevista ao site Slate.

A novidade agradou tanto o CEO e os contratados que agora ele adota a mesma medida com todos que iniciam na empresa. “Quando eles recebem a carta de oferta, é como uma manhã de Natal, pois têm um emprego novo e já estão pensando nas férias que estão prestes a tirar. É tipo ‘divirta-se! E quando voltar, trabalhe como nunca’”.  Atlassian, startup de programação com base em São Francisco e em Sidney, combina essa mesma estratégia com outros benefícios que, segundo ela, deixam os funcionários felizes, sem arrebentar sua verba financeira. Cestas de presentes, com champanhe e chocolates caros, são dadas ao final de cada ano no lugar de bonificações. E a cada cinco anos de trabalho, o profissional recebe três mil dólares para gastar em uma viagem dos sonhos. “Queremos que as pessoas tragam o melhor de si todos os dias e que fiquem a longo prazo”, afirma Jeff Diana, chefe de gerência do Atlassian. “Trocar de emprego é uma mudança importante e queremos dar tempo para se reequilibrar, passar mais tempo com a família. Porque quando você começa, acaba indo com

beach_feet

O final dessas afirmações sobre “ralar a todo vapor“ levantaram dúvidas entre o mercado: as “pré-férias” ajudariam o profissional a se recuperar antes de um novo desafio ou não passariam de uma desculpa para que a companhia abusasse dele ao longo dos anos seguintes, fazendo-o trabalhar muito mais e desestressar ainda menos? Para Fábio Saad, gerente sênior da consultoria Robert Half a estratégia deve ser encarada com ressalvas. “O descanso é importante para a pessoa concluir um ciclo e estrear um novo. No Brasil, é comum que as empresas segurem uma vaga enquanto o candidato tira as férias que já estavam programadas – mas sem pagar nada. Bancar o gasto de uma folga antecipada para alguém que ainda nem começou tem seus pontos altos, mas, ao mesmo tempo, quem garantirá que esse funcionário vai ficar um ano dentro da empresa para reverter esse investimento?”, explica Fábio. A solução, segundo ele, seria negociar com o contratado um período de licença não-remunerada ou um contrato com espaço de alguns dias. “É melhor ele passar um período se recompondando do que passar um ano saturado, sem render”, diz.

“Pré-férias” ainda não podem ser chamadas de tendência, pois aparecem no mercado como casos pontuais. Em São Paulo, Marcelo Apovian, head hunter na consultoria Odgers Berndtson, mediou recentemente uma contratação que teve o mesmo final das de 42Floor e Atlassian. O cliente se sentia esgotado e negociou duas semanas de férias remuneradas pela nova empresa como parte do pacote de contratação. O risco deu certo porque o contratante gostara muito do candidato e porque, caso demorasse para começar na vaga, este perderia uma série de bonificações. “O maior problema para implementar essa técnica no Brasil são as leis trabalhistas ultrapassadas, que não compreendem o novo pensamento empresarial e acabam prejudicando o funcionário”, diz Marcelo. Isso porque, ao contrário daqui, onde a lei prevê 30 dias de férias a cada ano trabalhado e a proibição de acúmulo delas por mais de dois anos, nos Estados Unidos os profissionais contam com um número de folgas fixo, o qual deve ser tirado, mas não necessariamente por períodos corridos. “Ideias inovadoras, como o ‘pré-férias’, são de nicho: talvez não possam ser reproduzidas igualmente em todas as empresas ou regiões do país, mas é possível adaptá-las ao estilo e ramo de cada uma delas”.

Se você estiver entre os poucos com a chance de desacelerar por um tempo antes de retomar a correria, Fábio e Marcelo recomendam: durante as “pré-férias”, esqueça sua vida profissional. Viaje, não consulte e-mails, nem fale sobre negócios. O objetivo é recarregar ao máximo as energias e esquecer os vícios e inseguranças adquiridos no emprego anterior. Caso não resista, estude sobra a empresa só no seu último dia de férias. Você vai chegar ao primeiro dia confiante e pronto para o que der e vier.

Comentários

Leia Mais

Passageiros podem ver paisagem dos céus em avião futurístico

aviaosemjanela

Publicado em O Globo

Um dos atrativos nas viagens aéreas é a vista, mas as pequenas janelas limitam o campo de visão e permitem que apenas dois passageiros por fileira tenham esse privilégio. Pensando nisso, a companhia britânica Centre for Process Innovation (CPI) propõe uma remodelagem radical no interior das aeronaves, substituindo as paredes internas por telas de alta definição, que criam a ilusão que a fuselagem é transparente.

O avião futurístico é apenas um projeto, mas, de acordo com a empresa, pode estar voando dentro de dez anos. As telas sensíveis ao toque, além de exibirem imagens do exterior da aeronave, podem passar outros cenários e servirem como plataforma de serviços e entretenimento.

Segundo o CPI, o projeto também é vantajoso para as fabricantes de aeronaves e companhias aéreas. Com a retirada das janelas será possível reduzir a espessura da fuselagem e o peso total, permitindo o aumento da largura dos assentos e diminuindo o consumo de combustível.

Pelos cálculos da empresa, cerca de 80% do peso total de uma aeronave comercial totalmente carregada é do próprio avião e do combustível. Para cada 1% de redução no peso, a economia de combustível é de 0,75%, o que diminui os custos e as emissões de CO2 na atmosfera.

Comentários

Leia Mais

Conheça 22 lugares mais coloridos do mundo

Publicado no Catraca Livre

As cores têm o poder de influenciar o humor e deixar o ambiente mais alegre. O site Distractify fez uma lista dos 22 lugares mais coloridos do mundo para inspirar seu dia. Confira abaixo:

1 – Vale das Flores (Índia)

viagem_livre_lugares_coloridos1

2 – Five Flower Lake (China)

viagem_livre_lugares_coloridos2

3 – Parque Hitsujiyama (Japão)

viagem_livre_lugares_coloridos3

4. Grande Barreira de Corais (Austrália)

viagem_livre_lugares_coloridos4

5 – Campos de arroz de Yuanyang (China)

viagem_livre_lugares_coloridos5

6 – Campos de lavandas (França)

viagem_livre_lugares_coloridos6

7 – Lake Hillier (Austrália)

viagem_livre_lugares_coloridos7

8 – Braunwald (Suíça)

viagem_livre_lugares_coloridos8

9 – Praia Vermelha (China)

viagem_livre_lugares_coloridos9

10 – Campos de tulipas (Holanda)

viagem_livre_lugares_coloridos10

11 – Grand Prismatic Spring (Wyoming, EUA)

viagem_livre_lugares_coloridos11

12 – Cornwall (Inglaterra)

viagem_livre_lugares_coloridos12

13 – Alberta (Canadá)

viagem_livre_lugares_coloridos13

14 – Luoping (China)

viagem_livre_lugares_coloridos14

15 – Shark Bay (Austrália)

viagem_livre_lugares_coloridos15

16 – Pamukkale (Turquia)

viagem_livre_lugares_coloridos16

17 – Kawachi Fuji Gardens (Japão)

viagem_livre_lugares_coloridos17

18 – Hokkaido (Japão)

viagem_livre_lugares_coloridos18

19 – Vermont no outono (EUA)

viagem_livre_lugares_coloridos19

20 – Rio Caño Cristales River (Colômbia)

viagem_livre_lugares_coloridos20

21 – Namaqualand (Namíbia)

viagem_livre_lugares_coloridos21

22 – Juneau (Alaska)

viagem_livre_lugares_coloridos22

Comentários

Leia Mais

Dizer obrigado à equipe é um dos 13 hábitos do profissional bem-sucedido ao fim do dia

publicado no O Globo

Atualizar lista de tarefas, dar a última checada no e-mail, fazer um balanço do que foi feito no dia. Enquanto alguns profissionais passem os últimos minutos do expediente de olho no relógio, outros aproveitam os últimos instantes na empresa, checando tarefas e se organizando para enfrentar a agenda do dia seguinte.

“Como você termina o dia de trabalho é muito importante”, diz Michael Kerr, palestrante internacional de empresas e autor de “You Can’t Be Serious! Putting Humor to Work” (“Você não pode estar falando sério! Colocando humor no trabalho”, em tradução livre). Segundo ele, “Isto pode definir o seu estado de espírito para o resto do dia, pois isso pode afetar suas relações pessoais, o nível geral de satisfação, e quão bem você irá dormir naquela noite. Além disso, irá definir o cenário para o seguinte”.

Lynn Taylor, especialista em ambiente de trabalho, afirma em artigo do site americano Business Insider, que as pessoas mais bem-sucedidas normalmente têm uma rotina durante a qual tentam mitigar tarefas que possam atrasá-las ou impedi-las de terem foco nos eventos da manhã seguinte.

traba

Diante deste cenário, o Business Insider listou alguns dos hábitos que esses profissionais bem-sucedidos cumprem nos últimos dez minutos da jornada de trabalho.

Costumam dizer obrigado. Grandes ambientes de trabalho são construídos com uma base de gratidão e reconhecimento. O hábito de agradecer quem lhe ajudou durante o dia, no fim da jornada de trabalho, é uma forma extremamente eficaz de contribuir para um bom ambiente de trabalho.

Atualizam suas listas de tarefas. Os profissionais bem-sucedidos sempre estão de olho na lista com seus afazeres. No fim do dia, verificam o progresso do dia e se finalizaram algumas das tarefas e atualizam o que ficou para ser feito no dia seguinte.

Se despedem dos colegas ao fim do dia. Desejar boa tarde ou boa noite de forma amigável é uma atitude pouco valorizada, mesmo requerendo pouco esforço. Lembre-se que o cumprimento lembra ao seu chefe e à equipe que, além de profissional, você é uma pessoa educada.

Organizam sua mesa, computador e ambiente de trabalho. Os projetos levam muito mais tempo para ser concluídos quando não somos organizados. Por isso, dizem os especialistas, ter um ambiente de trabalho e a mesa em ordem ajuda a pensar com clareza e dar prioridade às coisas de forma mais eficaz. E, também, facilita na hora de encontrar mais rapidamente os documentos importantes na hora que precisar. Por essas e outras, profissionais bem-sucedidos se preocupam em organizar a mesa e os arquivos no computador, salvando os documentos nas pastas corretas.

Vão embora de bom humor. Sair do escritório sorrindo deixa um clima mais agradável para você e os colegas de trabalho. Os líderes bem-sucedidos costumam deixar uma boa impressão no fim do expediente, e este clima irá durar até a manhã seguinte, diz Lynn Taylor.

Analisam o que já fizeram. Lynn Taylor diz que, além de se concentrar no que ainda precisa ser feito, é importante olhar para trás e ver o que já foi feito. Da mesma opinião, Michael Kerr acredita que separar um minuto para fazer este tipo de reflexão pode deixar o funcionário com um sentimento de realização e, num dia particularmente difícil e agitado, vai ver que conseguiu fazer muito mais do que acreditava.

Simplesmente vão embora. Os profissionais de sucesso evitam a tentação de ficar enrolando no escritório. Eles sabem como é importante o equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal, por isso tentam sair do escritório em uma hora decente. “Ficar por ficar, sem nenhuma boa razão, irá limitar seu nível de energia para quando precisar no dia seguinte”, explica Taylor.

Param por um momento para refletir sobre o dia. As pessoas de sucesso refletem sobre os projetos do dia, e analisam por quais motivos deram certo ou errado durante o expediente. “Os profissionais experientes sabem que, se não estão aprendendo, não estão crescendo”, diz Lynn Taylor.

Identificam as mensagens urgentes. Você está perto de sair do trabalho, mas continua recebendo e-mails, telefonemas e outras demandas variadas. Sejam urgentes ou não. Profissionais eficientes sabem distinguir quais precisam de uma resposta imediata e o que pode esperar até o próximo dia de trabalho.

Mantêm o foco. As pessoas bem-sucedidas não se distraem com atividades que não são relacionadas com o trabalho no fim do dia. “Este é um momento em que sua mente pode se dispersar. Normalmente, não somos tão focados no final do expediente”, explica Taylor.

Definem seus principais objetivos para o dia seguinte. Os profissionais de sucesso têm uma lista diária de tarefas e sabem identificar os principais objetivos para o dia seguinte. Quanto mais organizada for essa agenda, mais a pessoa pode ser capaz de se concentrar no resto do dia, com a cabeça fria, e ficar pronto para trabalhar no dia posterior, afirma a especialista em ambiente de trabalho.

Permitem que os colegas de trabalho saibam como entrar em contato até o dia seguinte. As pessoas mais bem-sucedidas avisam a seus chefes e colegas se estarão ou não disponíveis, fora do expediente, até a manhã seguinte, seja pelo e-mail ou celular. Mas não necessariamente ele ficar checando o e-mail corporativo durante suas horas de descanso.

Checam sua agenda da manhã seguinte. A pior maneira de começar o dia é chegar no trabalho e descobrir que você tem uma reunião em cinco mimutos. As pessoas de sucesso verificam a agenda e buscam rever como o dia seguinte vai se desenrolar. Isso, segundo Kerr, permite que elas cheguem para o próximo dia útil melhor preparados, mais confiantes e menos estressados.

Comentários

Leia Mais