Pastor Everaldo promete Estado Laico Mínimo

Pastor Everaldo também prometeu fazer sessões de descarrego
Pastor Everaldo também prometeu fazer sessões de descarrego

Publicado impagavelmente no site da Piauí

TEMPLO DE SALOMÃO – Transformado em mártir após resistir aos ataques do fariseu William Bonner, o pastor Everaldo esculpiu suas propostas na pedra fundamental do Templo de Salomão. “São 10 mandamentos para acabar com a promiscuidade pública, transformar água em energia e promover o milagre da multiplicação do PIB”, revelou, ungido de Grecin.

Pressionado por Bonner, o pastor prometeu privatizar a Petrobras, os Correios e a Igreja Universal do Reino de Deus. “Ganharemos em eficiência e na arrecadação de impostos”, profetizou, enquanto virava um balde de água benta na cabeça.

Em seguida, prometeu abrir o país para as iniciativas privada e divina. “Vou diminuir o número de ministérios, enxugar a quantidade de religiões, reduzir os gêneros a masculino e feminino e, claro, restringir o guarda-roupas das irmãs a 3 ou 4 peças abaixo da linha dos joelhos. É o Estado Laico Mínimo”, jurou.

Antes de terminar a entrevista, prometeu: “Os brasileiros que recebem até 5 mil reais serão isentos do Imposto de Renda e pagarão apenas 5% de dízimo”.

Comentários

Leia Mais

Acusados de ligação com o crime, policiais viram cabos eleitorais de Garotinho no Rio

Álvaro Lins, ex-chefe de Polícia do Rio que chegou a ser preso, faz campanha em áudio por vitória de candidato no PR no primeiro turno. Inspetor acusado de ligação com máfia dos caça-níqueis envia mensagens pedindo votos para Garotinho e avisando que vai acabar a “palhaçada de UPP”

VELHOS CONHECIDOS – Anthony Garotinho, na época em que era governador do Rio de Janeiro, apresentando o novo chefe de Polícia Civil, delegado Álvaro Lins, em 24/11/2000 (foto: Ricardo Leoni/Agência O Globo/VEJA)
VELHOS CONHECIDOS – Anthony Garotinho, na época em que era governador do Rio de Janeiro, apresentando o novo chefe de Polícia Civil, delegado Álvaro Lins, em 24/11/2000 (foto: Ricardo Leoni/Agência O Globo/VEJA)

Thiago Prado, na Veja on-line

Diga-me com quem andas e te direi quem és. O provérbio clichê é valioso em uma campanha para projetar como seria o governo de um candidato em caso de vitória. Nas últimas semanas no Rio de Janeiro, tornaram-se cabos eleitorais do ex-governador Anthony Garotinho (PR) dois condenados por envolvimento com a máfia dos caça-níqueis que tiveram papel crucial nas políticas de segurança do seu governo e da mulher, Rosinha. Preso em 2008 pela Polícia Federal, o ex-chefe da Polícia Civil do Rio, Álvaro Lins, chegou a ser condenado a 28 anos de prisão por formação de quadrilha armada, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Recentemente, ele gravou um áudio e enviou para várias pessoas no Estado conclamando “vingança” e pedindo a vitória do seu candidato no primeiro turno. O inspetor Fábio Menezes Leão, o Fabinho, condenado no mesmo processo de Lins, foi ainda mais escrachado: em uma mensagem de celular enviada para dezenas de colegas, afirmou que Garotinho terá o apoio dos “amigos das vans” e que “acabará com essa palhaçada de UPP (Unidade de Polícia Pacificadora)”.

Em mensagem no whatsapp, Fábio Leão, condenado por formação de quadrilha, pede votos a Garotinho
Em mensagem no whatsapp, Fábio Leão, condenado por formação de quadrilha, pede votos a Garotinho

O áudio de Álvaro Lins que está circulando na rede revela o rancor do ex-delegado com o governo de Sérgio Cabral (PMDB), que o expulsou da Polícia Civil em 2009. Álvaro não cita Garotinho, mas ressalta que quer a vitória no primeiro turno. Hoje, segundo a última pesquisa Datafolha, o ex-governador é o primeiro colocado com 25% das intenções de voto, sete pontos a frente de Marcelo Crivella (PRB). “Bem aventurados aqueles que têm sede de justiça, pois serão saciados. Essa é a única expressão que vem à minha cabeça quando vejo uma notícia como essa. Eu espero que cada um de vocês nos ajude nessa luta. Eu sou apenas mais um dos muitos que sofreram na mão dessa corja que tem que ser varrida do Rio de Janeiro. Essa é a oportunidade que nós temos, não vai haver outra oportunidade. Daqui um ano, dois anos, quatro anos, dez anos. Acabou. Ou é agora ou nunca. Vamos varrer essa gente do Rio de Janeiro. A gente tem que conseguir isso. Eles é que são bandidos, eles é que roubaram o povo do Rio de Janeiro. Eles não têm nada contra nós. A gente vai dar o troco. Então, vai para rua hoje, telefona para a sua família, para o seu amigo, para pessoa que você não vê há muito tempo. Convence aquele cara que ainda está na dúvida.  E vamos ganhar isso, se possível até no primeiro turno. Essa é a minha voz, eu espero que seja a sua também”, diz Álvaro. Procurado pelo site de VEJA, o ex-chefe de Polícia não se manifestou.

Já as mensagens enviadas pelo celular de Fábio Leão assumem compromissos maiores que os de Álvaro. Ele é integrante do grupo dos inhos – como ficou conhecido um núcleo formado por ele e outros dois inspetores chamados Jorge Luiz Fernandes, o Jorginho, e Hélio Machado da Conceição, o Helinho. Os três foram condenados em 2012 pela juíza Karla Nanci Grando, da 4ª Vara Federal do Rio após a operação Gladiador da PF. “Irmãos, estive com nosso chefe, Dr Álvaro (Lins) esta manhã e o que ele me pediu para passar é o seguinte: com apoio dos amigos das vans, das comunidades que foram impedidas de terem suas próprias seguranças e foram tomadas por traficantes entre outros casos, provavelmente o nosso governador Garotinho ganhará no primeiro turno”, enviou para um grupo de amigos no Whatsapp. Quando fala em “seguranças próprias”, Fábio está se referindo às milícias que dominam favelas do Rio de Janeiro há anos, contrapondo-se ao tráfico de drogas. Segundo o relatório de 2008 da CPI das Milícias da Assembleia Legislativa do Rio, o poder de tais grupos paramilitares – que fazem justiça com as próprias mãos e faturam com a venda de gás, pirataria na TV por assinatura e transporte alternativo – cresceu exponencialmente no estado durante os governos Rosinha e Garotinho.

Mas a mensagem de Fábio que mais chama atenção é a que põe em xeque o discurso de Garotinho de que não vai acabar com as UPPs: “Dr Alvaro esteve com o governador Garotinho essa manhã e o mesmo garantiu que reintegra todo o nosso grupo a PCERJ (Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro) nos primeiros dias de 2015!!! Garantiu que acabará com essa palhaçada de UPP!!! Irmão, vamos ajudar! Garotinho na cabeça! Não se envergonhe! Gardênia, Rio das Pedras e todas de Jacarepaguá já declararam apoio e voto a Garotinho. Vamos para cima deles! Essa é a hora! Conto com a ajuda e o apoio de vocês. Ass: Fábio Leão”, afirmou na mensagem. Procurado, Fábio nega que tenha enviado as mensagens. Chegou a alegar clonagem do seu celular e montagem das imagens. No entanto, admite que encaminhou para alguns amigos o áudio de Álvaro Lins pedindo votos para Garotinho. VEJA tem o print screen de várias mensagens enviadas por Fábio nos últimos dias. ​

Comentários

Leia Mais

Bélgica investe em controle genético e produz vacas “marombadas”

vaca01

publicado no Globo Rural

O resultado do cruzamento entre raças por mais de 100 anos deu origem às “super vacas”. Especialistas em genética da Bélgica apresentaram os animais chamados “azuis belgas” como capazes de render o dobro de carne do que um bicho comum da espécie.

Com aspecto de “marombadas”, as vacas chegam a pesar uma tonelada.

As “super vacas” são resultado da reprodução seletiva, que repassa os genes desejados por meio de inseminação artificial.

Neste caso, as fêmeas possuem uma espécie de “defeito genético”, que faz com que os músculos cresçam além do normal.

vaca03

Comentários

Leia Mais

Você pode ter uma miniatura sua impressa em 3D por 150 reais

size_590_DSC_5305_bx (1)

publicado no Exame

Já pensou se você pudesse ter uma versão em miniatura de você mesmo? Há pelo menos duas empresas – Avatoys e MiniYou – que estão usando impressoras 3D para oferecer esse tipo de serviço.

Na próxima quinta (dia 21), a Avatoys abre um quiosque com essa finalidade no MorumbiShopping, em São Paulo.

Ao chegar no local, o interessado é escaneado por 15 segundos na pose desejada. Então, as imagens registradas são enviadas a um computador, que leva 50 minutos para processá-las.

Depois disso, uma impressora 3D imprime a miniatura em até quatro horas. Ela é feita de um pó composto de gesso, plástico e outros materiais.

Após a aplicação de resina protetora, o objeto está pronto para ser retirado. O prazo de entrega é de até cinco dias úteis.

“Já estamos pensando em abrir lojas em outras partes de São Paulo e no resto do país”, afirmou Caio Alegre, fundador e diretor-geral da Avatoys, em entrevista a EXAME.com.

MiniYou

A Avatoys não é a única empresa a usar impressoras 3D para fabricar miniaturas de pessoas. Em funcionamento há um mês, a MiniYou vem colhendo bons resultados na área.

A empresa usa uma tecnologia parecida com a da Avatoys para oferecer esse tipo de serviço. “Já vendemos mais de 100 miniaturas”, afirmou Raquel Topgian, uma das diretoras da MiniYou, em entrevista à EXAME.com.

A MiniYou funciona em um estúdio em Santana, na zona Norte de São Paulo. A empresa planeja abrir três espaços em shoppings paulistanos até o fim do ano. Em 2015, o plano é criar filiais em Belo Horizonte, Curitiba e Rio.

Segundo Raquel, o modelo de miniatura mais vendido pela MiniYou é o de 18 centímetros, que custa 699 reais. “Quanto maior é, mais real parece”, explica ela.

Além dele, a empresa oferece miniaturas de 10 centímetros (150 reais), 14 centímetros (249 reais) e 20 centímetros (899 reais). Já no caso da Avatoys, são oferecidas miniaturas de 10 centímetros (150 reais), 12 centímetros (200 reais) e 14 centímetros (250 reais).

Versões de miniatura com duas pessoas também estão à venda na Avatoys, custando – respectivamente – 220, 300 e 350 reais para modelos de 10, 14 e 20 centímetros.

A seguir, veja vídeo de divulgação da MiniYou:

Comentários

Leia Mais

Vídeo mostra queda de avião que matou Eduardo Campos

thumb-544-momento-da-queda-do-aviao-resized

publicado na INFO

A Rede Globo divulgou nesta quarta-feira (20) imagens inéditas do momento exato da queda do jatinho que matou o candidato à Presidência da República, Eduardo Campos. O acidente também causou a morte de mais seis pessoas no dia 13 de agosto, em Santos, no litoral de São Paulo.

A câmera que registrou o acidente é de um prédio em construção que fica a cerca de 500 metros do local do acidente, no bairro do Boqueirão. É possível ver que o jatinho caiu de bico em alta velocidade após passar por dois prédios (veja o vídeo).

O vídeo demorou a ser divulgado porque o horário do sistema de monitoramento da câmera estava errado. De acordo com o Jornal da Globo, havia um erro no horário do equipamento, que marcava 11h03 quando o jatinho caiu. No entanto, o acidente aconteceu por volta das 10h.

O vídeo é o primeiro que mostra o avião no momento da queda. As imagens devem ajudar nas investigações para descobrir as causas do acidente.

O acidente – O candidato Eduardo Campos e mais seis pessoas morreram com a queda do jatinho de modelo Cessna 560XL, com prefixo PR-AFA. Também estavam no avião os assessores Pedro Valadares, assessor direto; Carlos Augusto Leal Filho (Percol), assessor de imprensa; Marcelo Lyra, cinegrafista; e Alexandre Severo, fotógrafo oficial, além dos pilotos Marcos Martins e Geraldo da Cunha.

A aeronave havia partido do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao Guarujá. O jatinho arremeteu antes do pouso por causa do mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com o jatinho.

A Força Aérea Brasileira (FAB) afirmou que a gravação da caixa-preta do jatinho não é do voo de Campos e sim de outro voo realizado dias antes. Atualmente, uma equipe de peritos está em Santos com o objetivo de apurar a causa do acidente.

99360-momento-da-queda-do-aviao

 

Comentários

Leia Mais