Cumprimento com o punho é mais higiênico do que aperto de mãos

Experimento realizado por pesquisadores britânicos mostrou que o nível de transmissão de germes durante o chamado ‘fist bump’ chega a ser 90% menor

Cumprimento com os punhos, conhecido como 'fist bump' (foto: Paolo Toffanin/Thinkstock/Thinkstock)
Cumprimento com os punhos, conhecido como ‘fist bump’ (foto: Paolo Toffanin/Thinkstock/Thinkstock)

Publicado na Veja on-line

O aperto de mãos não é a forma mais higiênica de cumprimentar alguém. Segundo uma nova pesquisa britânica, a transmissão de germes é muito menor quando as pessoas usam o fist bump, expressão em inglês para o cumprimento com a mão fechada.

No experimento, o professor da Universidade Aberywstwyth Dave Witworth e a aluna de doutorado Sara Mela usaram luvas contendo uma espessa camada da bactéria E. coli. Eles trocaram aperto de mãos, high fives (quando a palma da mão de uma pessoa encosta na de outra) e o cumprimento com os punhos. Depois, a dupla realizou testes para verificar em que caso a transmissão de microrganismos foi maior.

Barack Obama cumprimenta um soldado americano com um 'fist bump' (foto: Pete Souza/Getty Images/VEJA)
Barack Obama cumprimenta um soldado americano com um ‘fist bump’ (foto: Pete Souza/Getty Images/VEJA)

Os especialistas concluíram que o aperto de mãos foi o cumprimento que provocou a maior transmissão da bactéria. O contágio chegou a ser 90% maior em comparação ao cumprimento com a mão fechada e 50% mais elevado do que com o high five. Ainda de acordo com a dupla, a transmissão de microrganismos é maior quanto mais forte for o aperto de mão.

Segundo os pesquisadores, o cumprimento com os punhos geralmente é mais rápido do que o aperto de mãos, o que reduz a transmissão de micróbios. Além disso, nesse caso, a área de contato com a mão da outra pessoa é menor, fator que também ajuda a explicar o contágio reduzido.

“As pessoas raramente pensam sobre as implicações para a saúde de apertar as mãos. Se o público em geral for encorajado a usar o fist bump, há um genuíno potencial de reduzir a propagação de doenças infecciosas”, diz Witworth. A pesquisa será publicada na edição de agosto do periódico American Journal of Infection Control.

Comentários

Leia Mais

10 lições sobre liderança (ou a falta dela)

artigo_79315

publicado no Administradores

Liderança é conversa fiada, afirmou Peter Drucker, o grande guru da Administração, em sua última entrevista para a imprensa americana, pouco antes de partir, em 2005. Como se trata de alguém que dedicou a vida à Administração, muita gente torceu o nariz, mas não se manifestou nem contra nem a favor.

Em todas as minhas turmas de MBA com foco em liderança, testemunho a preocupação dos jovens e adultos sobre a dificuldade cada vez maior de se obter comprometimento das pessoas que ingressam no mercado de trabalho.

Na prática, essa nossa maldita cultura de dependência das benesses do governo e a preguiça natural do ser humano serve muito mais para criar pessoas descompromissadas e abusadas em alguns aspectos do que para formar cidadãos preocupados com o futuro do país e com o seu próprio futuro.

O comprometimento com os resultados e o respeito à hierarquia tornaram-se uma utopia e as pessoas mudam de emprego na mesma velocidade com que mudam de roupa em razão do imediatismo financeiro e profissional que tomou conta do mundo.

Tenho avaliado com profundidade essa questão da liderança e arrisco a dizer que nenhuma faculdade, universidade ou mesmo escola de negócio forma líderes. O que a maioria tenta é adestrar profissionais para seguirem a cartilha das empresas, as quais, lamentavelmente, pelo menos no Brasil, ainda pensam que as pessoas são apenas um número e, portanto, devem fazer aquilo que a empresa quer, não o que é necessário ser feito.

Como professor da matéria, posso dizer que a nossa tarefa consiste em formar pessoas que cometam o menor número possível de erros em cargos de liderança considerando que os mitos do líder nato, do líder treinável ou mesmo do carismático já foram derrubados há muito tempo.

É duro imaginar que, em pleno século 21, as pessoas ainda necessitem de “líderes” para comandá-las ou para ensinar o que elas mesmas não conseguem aprender em trinta anos de carreira e que ainda tenhamos de utilizar exemplos de lideranças questionáveis como as de Hitler, Putin, Clinton e a do próprio Jack Welch.

Liderança é uma forma de dominação social e de poder, seja ela carismática, racional-legal ou tradicional. Como diria Stephen Covey, estudioso do assunto, é um conceito misterioso e ilusório que nunca será dominado na face da Terra, pois as variáveis políticas, sociais e econômicas mudam constantemente e não temos o menor controle sobre elas.

Se você quer apenas conhecer as melhores práticas sobre liderança e, de quebra, ainda levar um certificado, a escola é o melhor caminho, mas se você quer entender como funciona os bastidores da liderança nua e crua, aqui vão algumas lições que, raramente, são ensinadas nas escolas.

1. Liderança é uma forma de dominação social, mas o fato é que ninguém gosta de receber ordens; a maioria das pessoas se sujeita por uma questão pura e simples de necessidade ou de sobrevivência;

2. Para a maioria dos presidentes, diretores e gerentes, o melhor profissional sempre foi e sempre será aquele que não questiona e, principalmente, aquele que não tem a menor pretensão de ocupar o lugar do chefe;

3. Chefe é aquilo que você deseja ser, mas odeia ter; Se você precisa de um chefe para se motivar, você está no lugar errado;

4. Os quatro mitos da liderança já foram quebrados por Robert Goffe e Gareth Jones, pesquisadores do assunto: 1º) Nem todos podem ser líderes, alguns nem querem; 2º) Nem todos os líderes que chegam ao topo são líderes, alguns chegam por conchavo, conluio e outros métodos nada ortodoxos; 3º) Nem todos os líderes levam a resultados, caso contrário, o serviço público seria maravilhoso; e 4º) Nem todos os líderes são grandes coaches.;

5. Existem coisas da alta administração que nunca vão chegar ao chão de fábrica e vice-versa, portanto, não há razão para conspirar nos banheiros da empresa. Alimentar expectativas em relação a isso é uma forma inquestionável de sofrimento;

6. A maioria dos profissionais que se dizem líderes tem dificuldades em reconhecer o bom trabalho dos seus liderados; portanto, se o reconhecimento não vier como o esperado, pare de reclamar e continue trabalhando;

7. Não existe liderança nata, mas algumas pessoas são favorecidas por características de comando e controle, fruto do meio onde nascem, crescem e se desenvolvem;

8. As empresas são realidades socialmente construídas muito mais nas cabeças e mentes de seus líderes do quem em métodos aprendidos nas escolas; as empresas refletem o pensamento do dono, do diretor, do chefe e assim por diante;

9. A maioria dos líderes não sabe dar nem absorver feedback, primeiro porque não foram preparados para isso, segundo porque tomam o próprio feedback como ofensa pessoal; quem não sabe avaliar, reposicionar e demitir pessoas nunca deve se meter em cargos de liderança;

10. Ao contrário do que afirmava James Hunter, autor de O Monge e o Executivo, liderança não exige perdão, nem humildade, nem altruísmo, nem nada parecido; liderança exige muita disposição para engolir sapos e lidar com gente dissimulada, uma boa dose de hipocrisia corporativa e, principalmente, desprendimento de alguns valores, caso contrário, você pode chegar até o topo, mas não conseguirá se manter nele.

Por fim, lembre-se: não existe fórmula para ser líder. A liderança é um somatório de várias competências raramente encontradas numa única pessoa. Portanto, seja você mesmo, faça o melhor que puder e pratique o senso de justiça. Ter poder não lhe dá o direito de ser cruel nem de brincar com a vida das pessoas.

Comentários

Leia Mais

Como passar a roupa no Microondas

publicado no SOS Solteiros

Logo depois que a roupa bater na máquina, ainda ÚMIDA (importante que esteja úmida para que sua roupa não pegue fogo, como já explicamos), dobre a peça como se fosse guardar no armário, ”o mais lisinho que você conseguir” segundo a autora do vídeo, Ana Caetano. Então faça um montinho com as peças.

passar-roupa-no-microondas-1-800x548

ATENÇÃO: Evite peças com detalhes metálicos ou secos (como botões), ou seja, só use a técnica para peças lisas (tecido), como já explicamos também. Agora basta colocar as roupas no microondas.

passar-roupa-no-microondas-2-800x516

Outra coisa importante nessa modalidade de passar roupa, vire o prato ao contrário para que ele não fique girando, também tome cuidado para que a roupa não encoste nas laterais do forno.

passar-roupa-no-microondas-3-800x552

O tempo ideal é de 7 minutos, podendo variar para 5 minutos, dependendo da potência do seu microondas.

passar-roupa-no-microondas-4-800x549

Ao tirar as peças, a autora do vídeo ainda alerta para ter muito cuidado ao pegá-las, pois saem muito quentes. Aí basta estender em um varal, o mais esticado que conseguir, respeitando as marcas da peça, como se tivesse passado a roupa (para fazer da melhor forma.

passar-roupa-no-microondas-5-800x447

E pronto, tudo passadinho e sem muito esforço.

Comentários

Leia Mais

Canal no Youtube aborda o tema da espiritualidade com simplicidade

sauloheder

Publicado no Hypeness

A busca por algum tipo de espiritualidade faz parte da vida de muitas pessoas. Quando falamos em espiritualidade, nos referimos à qualquer coisa que traga conexão. Espiritualidade está em reconhecer que há algo maior do que a gente. Até os que negam esse fato, acabam se vendo pedindo forças para “algo” ou “alguém” superior nos momentos de angústia e desespero profundo. Independente do que você acredita, o importante é a conexão com esse “algo” que te faz vibrar, seja ele Deus, Jesus, Buda, Krishna, o Sol, Iemanjá, a natureza, o seu Eu Superior, ou qualquer outra coisa com a qual você consiga estabelecer uma sintonia.

Num tempo no qual religiões têm decepcionado por vários aspectos, muita gente tem voltado sua busca para a espiritualidade, em vez de seguir alguma religião ou doutrina. Aqui no Hypeness nosso objetivo sempre foi inspirar pessoas, mostrar novas possibilidades, mostrar o lado bom da vida, dar razões para acreditar no bem, espalhar o amor, as ideias revolucionárias, os casos de superação, as invenções que transformam o mundo. E se falamos sobre transformações dos mais diversos tipos, é natural que também possamos abordar a questão da espiritualidade, afinal, a transformação pessoal passa por ela.

Encontramos um canal no Youtube que chamou a nossa atenção por abordar o tema da espiritualidade sem mimimi. O responsável por ele é Saulo Calderon, fundador do IVA (Instituto Viagem Astral), e um dos maiores pesquisadores sobre o tema da projeção astral e espiritualidade no país. O canal tem como bordão “espiritualidade com simplicidade”. Para você que está nessa busca de responder algumas questões do tipo “de onde viemos? Para onde vamos? Qual o objetivo da vida? Qual o sentido da nossa existência?”, acompanhar o canal de Saulo Calderon pode ser uma experiência interessante.

Saulo não segue nenhuma religião específica, mas trata o tema da espiritualidade de forma lúcida, e assim tem ajudado a transformar a vida de muitas pessoas com seu trabalho.

Deixamos aqui alguns vídeos do canal para quem se interessar:

Finalizamos a matéria com consciência de que ainda há muito há ser discutido sobre o tema e que o assunto é sempre polêmico. Gostaríamos de deixar o debate aberto, para que vocês possam contribuir com seus pontos de vista, deixamos o pedido: que o espaço possa ser usado para gerar debates e discussões saudáveis, de forma respeitosa, sabendo que todos têm direito à liberdade de expressão, desde que seja sem ofensas e agressões.

Para saber mais, acesse o site de Saulo Calderon,  a fanpage do projeto ou seu canal no Youtube.

Comentários

Leia Mais