TED estreia no Brasil com ideias inovadoras da neurociência ao funk

Rodrigo Ortega, no G1

Espaço para a conferência TED em Copacabana, no RIo (foto: James Duncan Davidson/Divulgação)
Espaço para a conferência TED em Copacabana,
no RIo (foto: James Duncan Davidson/Divulgação)

Novidades da neurociência ao funk carioca serão apresentadas desta segunda-feira (6) até sexta-feira (10) na conferência TED Global, em Copacabana, no Rio. A série de palestras e apresentações de diversas áreas tem a missão de mostrar “ideias que merecem ser espalhadas”, e terá sua primeira edição oficial no Brasil. O nome vem da sigla “tecnologia, entretenimento e design”. Serão 66 nomes entre cientistas, artistas e ativistas de todo o mundo (veja programação abaixo).

Miguel Nicolelis, neurocientista brasileiro que criou o exoesqueleto mostrado na abertura da Copa; Glenn Greenwald, jornalista norte-americano que revelou a espionagem do governo dos EUA; Vincent Moon, diretor francês de vídeos musicais; Melissa Flemming, norte-americana porta-voz da Comissão de Refugiados da ONU; Fabien Cousteau, ambientalista francês neto de Jacques Cousteau; e José Padilha, diretor brasileiro, estão entre os palestrantes. As participações têm no máximo 18 minutos.

TED também vai virar baile funk com a apresentação da Batalha do Passinho, projeto de dançarinos cariocas. Outros números artísticos, selecionados para se intercalar às conversas, vão ser da cantora argentina Juana Molina, da franco-chilena Ana Tijoux e do grupo de cumbia argentino TEDx, que transforma palestras anteriores em canções com o ritmo latino.

O tema do TED Global 2014 é “Sul”, porque esta é uma das raras edições fora do Hemisfério Norte. O foco das conversas não fica só nas ciências exatas e se expande para projetos sociais e ambientais relativos a países em desenvolvimento.

Neurocientista Miguel Nicolelis vai falar no TED, no Rio (foto: José Luiz Somensi/Divulgação)
Neurocientista Miguel Nicolelis vai falar no TED, no
Rio (foto: José Luiz Somensi/Divulgação)

Vídeos na web e telões na cidade
As vagas na plateia são disputadas. O público de mil pessoas, de 69 países diferentes, segundo a organização, passou por uma seleção e pagou taxa de US$ 6 mil (R$ 15 mil). Para o público geral, o TED publica em seu site de graça o vídeo de uma palestra por dia. Aos poucos, as apresentações do Rio serão divulgadas na web. Não há exibição ao vivo na internet – apenas para os assinantes do serviço pago TED Live.

Porém, nesta edição, alguns espaços públicos fora do auditório, como a Biblioteca Parque Estadual, no Centro, a Escola Politécnica da UFRJ e o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, vão exibir as palestras durante a semana em telões.

Outras edições independentes, chamadas TEDx, já aconteceram no Brasil. Mas esta é a primeira conferência oficial no país. O evento surgiu nos EUA em 1984 e tem vários eventos por ano pelo mundo. Bill Gates, Al Gore, Bono e Bill Clinton já fizeram suas “TED Talks”.

Joe Landolina, 21 anos, inventor do gel instantâneo anti-hemorrágico estará no TED (foto: Divulgação)
Joe Landolina, 21 anos, inventor do gel instantâneo
anti-hemorrágico estará no TED (foto: Divulgação)

Primeiro dia: jovens criadores
A segunda-feira (6) será toda dedicada aos TED Fellows, grupo de 20 jovens com ideias promissoras adotadas pela fundação que produz as conferências. O G1 conversou com dois dos jovens que vão mostrar suas invenções e projetos em Copacabana.

Aos 21 anos, o norte-americano Joe Landolina desenvolve um gel que interrompe sangramentos quase instantaneamente. O chamado “Veti-gel” já é liberado nos EUA para uso veterinário. O gel tem substâncias que imitam o material produzido pelo organismo para estancar feridas e se mistura ao tecido da pele. Testes feitos com tecido animal impressionaram acadêmicos e jornalistas dos EUA. Clique para assistir ao vídeo.

O próximo passo é liberar o uso em humanos. “Vamos submeter a aprovação até o meio do ano que vem”, diz Joe. A meta a longo prazo é ousada. “Em dez anos, espero não apenas prover uma solução instantânea para todos os tipos de sangramentos, mas também um produto que trata feridas sem deixar cicatrizes”, conta Joe. “Estou animado para apresentar essa tecnologia no Rio e encontrar aí pessoas para colaborar comigo”.

Um dos brasileiros entre os TED Fellows, o artista Thiago Mundano é criador do Pimp My Carroça. Ele faz ilustrações em carroças de catadores de produtos reciclados nas ruas. O desejo é que a cidade “enxergue” os catadores. “A invisibilidade dos catadores não é exclusiva do Brasil, mas do mundo inteiro. São mais de 20 milhões prestando um serviço importante ao meio ambiente sem terem reconhecimentos, e acredito que o TED é uma boa ferramenta pra espalhar essa ideia”, diz, antes da palestra.

TED Global 2014

De segunda-feira (6) a sexta-feira (10) no Copacabana Palace, no Rio

Segunda-feira
12h a 16h15

Apresentação da equipe de 20 TED Fellows, jovens com projetos promissores adotados pela fundação

Terça-feira
9h às 18h45
Sessão 1 – Histórias

Marie Arana – Biógrafa e crítica literária peruana
Jose Miguel Sokoloff – Publicitário colombiano
Andrés Ruzo – Geólogo peruano
Danay Suárez – Cantora e compositora cubana
Takasha Yawanawá – Chefe do grupo indígena Yawanawá, no Acre

Sessão 2 – Recomeço digital
Zeynep Tufekci – Socióloga turca
Pia Mancini – Cientista política e ativista argentina
Alessandra Orofino – Economista brasileira
Gustavo Ollitta – Artista circense brasileiro
Glenn Greenwald – Advogado e jornalista norte-americano
Andy Yen – Administrador de sistemas norte-americano

Sessão 3 – Cruzando fronteiras
José Padilha – Cineasta brasileiro
Ethan Nadelmann – Ativista norte-americano
Dilip Ratha – Economista indiano
Taiye  Selasi – Escritora e fotógrafa londrina
Grupo TEDx – Banda argentina de cumbia

Quarta-feira
9h às 18h45

Sessão 4 – Trabalho de campo
Oren Yakobovich – Ativista israelense
Severine Autesserre – Cientista política na Columbia University, nos EUA
Doreen Khoury – Ativista libanesa
Charmian  Gooch – Ativista anti-corrupção britânica
Circle of Sound – Duo de world music europeu
Ameenah Gurib-Fakim – Bióloga das Ilhas Maurício

Sessão 5 – Tela urbana
Robert Muggah – Cientista social canadense
Su Yunsheng – Urbanista chinês
Haas&Hahn – Artistas holandeses
Batalha do Passinho – Grupo de dança brasileiro
Grimanesa Amorós – Artista peruana

Sessão 6 – Tecnologia que dá poder
Rodrigo Baggio –  Ativista da inclusão digital brasileiro
Bruno Torturra – Jornalista brasileiro
Steve Song – Empreendedor norte-americano
Syed Karim – Fundador da empresa americana Outernet
Ana Tijoux – Cantora franco-chilena
Miguel Nicolelis – Neurocientista brasileiro
Sessão 7 – Projetos
Tasso Azevedo – Engenheiro florestal brasileiro
Ilona Szabó de Carvalho – Especialista em segurança brasileira
Melissa Fleming – Executiva norte-americana
Michael Green – Economista e escritor britânico
Casuarina – Banda carioca

Quinta-feira
9h às 18h45
Sessão 8 – Lentes

Wendy Freedman – Astrônoma canadense
Jorge Soto – Engenheiro mexicano
Vincent Moon – Diretor francês
Naná Vasconcelos – Músico brasileiro
Elizabeth Pisani – Epidemiologista e jornalista norte-americana
Jimmy Nelson – Fotógrafo britânico
Sessão 9 – Necessidades básicas
Sipho Moyo – Ativista africana
Teresa Corção – Chef brasileira
Isabel Hoffmann – Empresária portuguesa
Juliana D’Agostini – Pianista brasileira
Joe Madiath – Empreendedor social indiano
Navi Radjou – Administrador indiano

Sessão 10 – Ação lateral
Khalida Brohi – Ativista feminista paquistanesa
Vik Muniz – Artista plástico brasileiro
Alejandro Aravena – Arquiteto e urbanista chileno
Misha Glenny – Jornalista britânico
Ricardo Semler – Empresário brasileiro
Juana Molina – Cantora e atriz argentina

Sexta-feira
9h às 13h
Sessão 11 – Espaços poderosos
Fabien Cousteau – Ambientalista francês
Mark Plotkin – Especialista em etnobotânica norte-americano
Robert Swan – Ambientalista britânico
Matthieu Ricard – Monge budista francês
Aakash Odedra – Coreógrafo britânico

Sessão 12 – Lutadores
Kimberley Motley – Advogada norte-americana
Omoyele Sowore – Editor nigeriano
Fred Swaniker – Educador ganês
Ruslana – Cantora ucraniana

Leia Mais

O homem de 2003

Gregório Duvivier, na Folha de S.Paulonokia-tune-ringtone-01-291x535

O Homem de 2003 acorda ao som do seu celular tocando o Nokia Tune. O homem de 2003 abre a sua agenda (ele ainda usa agenda) e descobre que tem uma reunião no centro da cidade dali a uma hora. “Uma hora é tempo de sobra para chegar no centro”, ele pensa, “ainda dá pra tomar um cafezinho” –coitado.

O homem de 2003 sai de casa com R$ 5 na carteira: ele acha que a passagem custa R$ 1,50. Ao entrar no ônibus, percebe que além de custar R$ 3, agora tem uma televisão em que passam dicas astrológicas. O trânsito está parado e o homem de 2003 já leu 11 vezes o seu horóscopo. O homem de 2003 chega na reunião com uma hora e meia de atraso. As pessoas não parecem se incomodar –essa é a vida em 2014. Os colegas riem quando ele põe trema. Tadinho do homem de 2003. Ele é do tempo do trema!

O homem de 2003 vai à padaria e pede um cafezinho. O caixa de 2014 estende a máquina do cartão: débito ou crédito? O homem de 2003 não sabe o que responder. Não faziam essa pergunta em 2003. O homem de 2003 estende uma moeda de 50 centavos. O caixa explica: “Custa R$ 7″. “O cafezinho?” “É Nespresso”, ela responde. “É o quê?”.

O homem de 2003 desiste. “Chegando em casa eu passo um café (o homem de 2003 ainda fala “passar um café”).” O homem de 2003 liga para os amigos, mas eles não atendem. As pessoas não atendem mais o telefone em 2014. Ele joga no Yahoo perguntas: “Como falar com amigos em 2014?” e descobre que ele tem que baixar um Whatsapp. Mas não sabe como fazer isso no seu Nokia 1100.

O homem de 2003 vai ao pior bar da cidade. Quem sabe assim encontra seus melhores amigos. Felizmente, certas coisas não mudam: seus melhores amigos continuam frequentando o pior bar da cidade. A diferença é que cada um está mergulhado na tela do seu celular. Fazem carinho na tela, coçam a tela, tamborilam a tela. Quando falam, é para comentar o que está na tela: você viu isso aqui? Você leu isso aqui? Vou te mandar isso aqui. O homem de 2003 conta uma piada, mas é velha. Arrisca uma fofoca, mas é manjada. Quando fala de política, é um desastre. Ele diz que acredita no Lula. Ele diz que sonha em ver a Copa no Maracanã. Os homens de 2014 voltam para sua tela. Postam no Facebook: Amigo petralha #semcomentários.

Na volta, o ônibus lhe dá uma dica: “O homem de Áries precisa se adaptar à realidade ao seu redor”. Ele decide: “Vou comprar um iPhone”. Enquanto isso não acontece, pega o celular e se contenta com o jogo da cobrinha.

Leia Mais

As quatro perguntas que Silas Malafaia não quis responder

O livro “Entre a Cruz e o Arco-íris” conversou com dezenas de líderes do Brasil e do mundo, mas não com o “defensor da fé cristã”

A autora Marília Camargo César, o pastor Silas Malafaia e o livro "Entre a cruz e o arco-íris": agenda disputadíssima impediu entrevista, alegadamente
A autora Marília Camargo César, o pastor Silas Malafaia e o livro “Entre a cruz e o arco-íris”: agenda disputadíssima impediu entrevista, alegadamente

Ricardo Alexandre

Gostaria de recomendar imensamente a leitura do livro Entre a cruz e o arco-íris: A complexa relação dos cristãos com a homoafetividade (Editora Gutenberg), mas não vou fazê-lo. É que Marília Camargo César, editora no Valor Econômico e também autora dos livros Feridos em nome de Deus e Marina: A vida por uma causa, é minha amiga e, mais comprometedor ainda, eu editei de muito perto os originais, acompanhei todo o trabalho de apuração, dei vários pitacos e, de quebra, escrevi o prefácio que pode ser lido aqui.

Então, não acredite em nada do que eu disser sobre o livro-reportagem. Faça o seguinte: vá até a noite de autógrafos (na próxima segunda-feira, dia 14 de outubro, às 18h30, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional), compre seu exemplar, leia e envie um comentário aqui mesmo dando a sua opinião isenta.

O que eu gostaria de dividir com você é, como de costume neste blog, um pouco do “making of”. Mais especificamente, os meses de tentativas de entrevistas com o pastor Silas Malafaia, autodenominado “defensor da fé cristã e dos valores éticos, morais e espirituais da igreja de Cristo”. Marília entrevistou dezenas de pessoas durante o período de reportagem, incluindo pastores e leigos de diversas tradições cristãs, das chamadas igrejas “inclusivas” às mais tradicionais, no Brasil e no exterior, alguns inflexíveis diante da ortodoxia outros com casos de homossexualidade na própria família. Enfim. Por meio de sua assessoria, Malafaia primeiro disse que não poderia receber a jornalista, dada a agenda disputadíssima dele. Diante da insistência de Marília, o pastor disse que aceitaria responder apenas por e-mail. Claro que um encontro olhos-nos-olhos – como ele concederia logo depois a Sabrina Sato no Pânico na TV ou a Luciana Gimenez no Super Pop – sempre renderia mais ao leitor, mas era a opção que tínhamos, então concordamos. Marília me pediu algumas sugestões de perguntas e eu enviei as quatro abaixo.

Depois de receber e ler as perguntas, entretanto, Silas Malafaia disse que não teria tempo de responder. Foi uma pena. Como Marília teve a elegância de não publicar o questionário que o pastor preferiu não responder, pedi a ela que me deixasse divulgá-lo aqui no blog. Quais seriam as respostas de Malafaia às perguntas abaixo, caso ele tivesse tempo de respondê-las? Jamais saberemos:

1. O teólogo Justino Mártir (100-165) dizia que uma das marcas da igreja cristã primitiva era o fato de os santos terem passado a “conviver com outros povos” com os quais antes não conviviam “por causa de seus costumes diferentes”. Ou seja, segundo ele, a mensagem de Jesus mudou sua maneira de relacionarem-se com os diferentes. O senhor enxerga esse mesmo espírito em seus discurso acerca dos ativistas homossexuais? Em caso negativo, como o senhor justifica essa aparente diferença de postura entre Justino Mártir e Silas Malafaia?

2. Pelo que entendo, boa parte do seu discurso contra a PL122 baseia-se no que ela fere dos direitos dos cristãos. Biblicamente, o cristão teria outro direito além de servir o próximo e ser, como diria Charles Spurgeon, “a bigorna do mundo”?

3. Os evangelhos mostram Jesus amoroso e misericordioso com os marginalizados e pecadores. O episódio da casa de Levi, por exemplo, mostra-o comendo e bebendo com prostitutas e alcoólatras. Os únicos registros da Bíblia de Jesus desqualificando e confrontando publicamente eram dirigidos aos líderes religiosos (“sepulcros caiados”, “raça de víboras”, “cegos que guiam cegos” etc.). O senhor, nos últimos anos, tem feito aparições públicas ao lado de líderes religiosos muito controvertidos no meio protestante, alguns com complicações até na justiça comum (Sônia e Estevam Hernandes, Morris Cerullo). Por outro lado, em seu debate sobre homossexualidade, já chamou ativistas gays de “parasitas”, uma premiada jornalista de “vagabunda”, políticos de “idiota”, “frouxo” e “bandido”. Como o senhor harmoniza esses comportamentos aparentemente opostos entre Jesus Cristo e um de seus representantes brasileiros mais expostos na mídia?

4. O apóstolo Paulo, em Romanos 1, afirma que a homossexualidade é decorrência do fato de os homens não terem rendido graças devidas a Deus e terem, como efeito, glorificado a imagens feitas à semelhança do homem. Gostaria de fazer duas perguntas ao senhor: a) digamos que os cristãos consigam proibir legalmente não apenas o casamento, mas toda relação ou manifestação homossexual em todos os países do mundo. O senhor acha que isso reverteria em glória para Deus? b) o senhor afirmaria que a sua luta contra o comportamento homossexual equipara-se em tempo e energia à sua luta contra outras “disposições mentais reprováveis” citadas por Paulo no texto, como a ganância, a injustiça, a rivalidade e a arrogância? Em caso negativo, porque a preferência por um assunto que, se entendo bem, é apenas uma entre várias manifestações de um mal maior (o rompimento do homem com Deus)?

fonte: Blog do Ricardo Alexandre

Leia Mais

Carta Aberta às Lideranças das Igrejas Evangélicas do Brasil

foto: INternet
foto: Internet

Não havendo sábia direção, o povo cai, mas, na multidão de conselheiros, há segurança. (Provérbios 11.14)

Prezados irmãos e prezadas irmãs,

Nós, pastores, pastoras e líderes evangélicos de organizações envolvidas com a agenda dos Direitos Humanos, escrevemos esta carta aberta para pedir sua intervenção nos recentes acontecimentos relacionados à nova composição da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados.

Constatamos, surpresos, que 12 dos 18 membros da Comissão são membros de Igrejas Evangélicas, o que representa grande responsabilidade para nós, pastores e líderes evangélicos envolvidos com esse tema. Entendemos que este momento representa uma oportunidade concreta para a promoção e a defesa dos direitos dos mais vulneráveis e das minorias. Nesse sentido, é preciso tanto uma postura de escuta à Deus e à sociedade, quanto a certeza de que os espaços de poder ocupados precisam ser utilizados principalmente como espaços de serviço.

No entanto, o quadro que assistimos no processo de eleição da presidência da Comissão foi desolador. Não se trata aqui de pré-julgar o presidente recém-eleito, mas não há como desconsiderar seus vários comentários públicos sobre negros, homossexuais e indígenas, declarações que inviabilizam a sustentação política de seu nome entre os que atuam e são sensíveis às temáticas dos Direitos Humanos.

A Igreja Evangélica brasileira experimenta um momento singular, com a enorme responsabilidade de ter vários parlamentares atuando na CDHM que foram apoiados oficialmente por diferentes denominações, situação que abre a possibilidade de que – caso haja mudanças na presidência da comissão e uma postura condizente com a função – seja dada uma importante contribuição ao campo dos Direitos Humanos no País. Para tanto, é fundamental que o clima de conflito e mobilizações contrárias à nova presidência sejam dissipados. Por essa razão, redigimos esta carta como um apelo, na esperança de que os líderes das Igrejas considerem orientar seus fiéis que atuam como parlamentares – que elegeram a nova composição da Comissão -, para que atuem na resolução deste conflito.

O ano de 2013 pode trazer avanços nos trabalhos da CDHM e por isso fazemos este apelo aos líderes das igrejas que apoiaram os parlamentares evangélicos. Nosso pedido, aliás, se junta à conclamação de vários setores da sociedade e perpassa não somente movimentos ligados às lutas de minorias, mas também a OAB e diferentes indivíduos e organizações. Cumpre discernir que não há uma perseguição aos evangélicos; há, sim, uma situação de conflito que precisa ser equacionada, especialmente porque, para nós, o compromisso do Evangelho com os mais pobres e vulneráveis é central. Ainda há tempo para a indicação de um novo ou nova parlamentar que, a despeito de suas convicções, traga pacificação e consenso à sociedade brasileira, presidindo a CDHM com a isenção esperada. É tempo para nova disposição, numa postura aberta, a fim de que seja viável a indicação pelo PSC de um outro nome, que não possua tamanha rejeição.

Urge que os irmãos, pelas posições que ocupam, façam um firme e público pronunciamento para a sociedade e para os fiéis de suas igrejas com relação à defesa dos direitos humanos e à importante contribuição que a comunidade evangélica pode oferecer a este tema. Nossa oração é que exemplos históricos como os do Pr. Martin Luther King Jr., do Rev. Jaime Wright e do Bispo Desmond Tutu possam inspirar e servir de referência para a atuação dos vários parlamentares evangélicos na CDHM, levando-os a se posicionar ao lado dos que sofrem injustiças.

Prezados irmãos, escrevemos aqui sob o temor ao nosso Deus e conscientes de que há um caminho de consenso para esta situação. A ninguém, muito menos aos direitos dos que sofrem, interessa que esta disputa entre posições extremas prossiga.

Em Cristo, despedimo-nos,

1) Adriano Trajano – Pastor Batista
2) Alessandro Rodrigues Rocha – Pastor Batista
3) Alexandre de Silva – Pastor Igreja do Nazareno
4) Aluísio Faria de Siqueira – Pastor Metodista
5) Alzira dos Reis Silva – Presbítera Presbiteriana Unida
6) Ana Paula Calixto – Irmã Igreja do Nosso Senhor Jesus Cristo – Ministério Profético
7) André Esteves – Pastor Presbiteriano
8) André Sidnei Musskopf – Escola Superior de Teologia/EST
9) André Tadeu de Oliveira – Licenciado Presbiteriana Independente
10) Anivaldo Padilha – Koinonia
11) Anselmo Melo – Pastor Comunidade Apostólica Operação Resgate
12) Antonio Carlos Costa – Pastor Presbiteriano/Rio de Paz
13) Antônio Carlos Ribeiro – Pastor Luterano
14) Antonio Carlos Rosalino – Pastor Luterana Livre
15) Ariovaldo Ramos – Pastor Batista
16) Bruno dos Santos – Pastor Apostólica Vida Nova
17) Bruno Privatti – Pastor Batista
18) Bruno Santos Nascimento Dias – Rede FALE Rio
19) Caio Marçal – Missionário Rede Fale
20) Carlos Alberto Bezerra Junior – Pastor da Comunidade da Graça
21) Carlos Alberto Rodrigues Alves – Reverendo Presbiteriano
22) Carlos Augusto Lopes Pastor Assembleia de Deus Independente
23) Carlos Eduardo Calvani – Reverendo Episcopal Anglicana
24) Carlos Eduardo Mattos – Pastor Metodista
25) Carlos Jeremias Klein – Reverendo Presbiteriana Independente
26) Carlos Queiroz – Pastor da Igreja de Cristo
27) Christian Gillis – Pastor Batista
28) Cibele Kuss – Pastora Luterana
29) Cleber Diniz Torres – Reverendo Presbiteriana Independente
30) Clemir Fernandes Silva – Pastor Batista
31) Daniel Costa – Capelão Batista El Shadai
32) Daniel de Almeida e Souza Jr – Pastor Batista
33) Daniel Mário Alves de Paula – Pastor Assembléia de Deus
34) Daniel Rocha – Pastor Metodista
35) Daniel Souza – Rede Ecumênica da Juventude/REJU
36) Daniela Zeidan – Seminarista Batista
37) Djalma Torres – Pastor da Igreja Evangélica Antioquia
38) Domingos Amauri Massa – Pastor Batista
39) Douglas Rezende – Rede Fale Paraná
40) Éber Ferreira Silveira Lima – Ministro Presbiteriana Independente
41) Edson Fernando de Almeida – Pastor da Igreja Cristã de Ipanema
42) Edson Igre Insarraldi – Pastor Batista Aliança Bíblica
43) Eliana Aparecida Amancio Cerqueira – Ministério de Mulheres Batistas
44) Eliana Rolemberg – Coordenadoria Ecumênica de Serviço/CESE
45) Eliandro Viana – Pastor Batista
46) Eliel Amaral – Pastor Igreja Maanaim
47) Elza Zenkner – Revda. Metodista
48) Ênio Caldeira Pinto – Universidade Filadélfia/Unifil
49) Érick Rodrigo da Silva – Assembléia de Deus Ministério de Madureira
50) Filadelfo Oliveira – Bispo Episcopal Anglicana
51) Flávio Conrado – Novos Diálogos
52) Francisco Simão Neto – Pastor Assembléia de Deus
53) Francisco Thiago de Almeida – Pastor Metodista
54) Geter Borges de Sousa – Evangélicos Pela Justiça/EPJ
55) Gilberto Carmo dos Santos – Pastor CEEA
56) Giselle Gomes da Silva Prazeres Souza – Reverenda Episcopal Anglicana
57) Guilherme Schaper – Pastor Luterano
58) Gustavo Lima – Pastor Presbiteriano
59) Hélio Sales Rios – Pastor Presbiteriano
60) Inailda Bicudo – Presbitera Presbiteriana Independente
61) Ismar do Amaral – Pastor Presbiteriano
62) Israel Mazzacorati – Faculdade Latino Americana de Teologia Integral
63) Jane Maria Vilas Bôas – Presbiteriana do Planalto
64) Jefferson Ramalho – Instituto Cristão de Estudos Contemporâneos
65) Jefferson Silva – Pastor Batista
66) Joanildo Burity – Espiscopal Anglicana
67) Joaquim Xavier de Souza Neto – Rede FALE Triângulo Mineiro
68) Joel Zeferino – Pastor Batista
69) Johannes Wille – Pastor Luterano
70) John Medcraft – Pastor da Ação Evangélica
71) Jônatas Souza de Abreu – Rede Fale Campina Grande
72) Jonathan Menezes – Pastor Presbiteriano
73) Jony Wagner de Almeida – Pastor Presbiteriano
74) Jorge Eduardo Diniz – Reverendo Presbiteriana Unida
75) Jose Antonio Gonçalves – Pastor Presbiteriana independente
76) José Carlos Silva – Pastor Batista Nacional
77) José do Carmo da Silva – Reverendo Metodista
78) Jose Romulo de Magalhaes Filho – Pastor Presbiteriana Independente
79) José Wendel Cavalcante Ferreira – Rede FALE Fortaleza
80) Josias de Souza Novais – Pastor Batista
81) Juliano Fabricio – Sal da Terra
82) Julio Paulo Tavares Zabatiero – Faculdade Unida de Vitória
83) Kathlen Luana de Oliveira- Escola Superior de Teologia/EST
84) Keiny Moreira da Cunha – Pastor Batista
85) Lays Gonçalves da Silva – Rede FALE Paraná
86) Léa Cordeiro – Pastora Metodista
87) Leonara Almeida – Rede Fale São Paulo
88) Levi Araújo – Pastor Batista
89) Lirian Angélica Rezende de Moraes – Rede FALE BH
90) Luiz Caetano Grecco Teixeira – Rev. Episcopal Anglicana
91) Luiz Carlos Gabas – Reverendo Episcopal Anglicana
92) Luiz de Jesus – Pastor Batista Boas Novas
93) Luiz Mattos – Instituto Anima
94) Lyndon Araujo – Pastor Congregacional
95) Manoel Ribeiro de Moraes Junior – Pastor Batista
96) Marcelo Gualberto da Silva – Pastor Presbiteriano
97) Marco Aurélio Alves Vicente – Pastor Assembléia de Deus – Catedral da Família
98) Marcos Custódio – CADI-Origem
99) Marcos Fellipe Marques – Pastor Comunidade de Jesus
100) Marcos Machado – Pastor Batista
101) Marcos Monteiro – Pastor Comunidade de Jesus em Feira de Santana
102) Marcos Viana – Pastor Comunidade Cristã em Amsterdam
103) Marcus Vinicius Matos – Rede Fale Coordenação Nacional
104) Mardes Silva – Pastor Igreja Betesda do Ceará
105) Mauricio Andrade – Bispo da Episcopal Anglicana
106) Mersia Lisboa Costa – Missionária Batista
107) Miguel Ângelo – Presbítero Igreja de Cristo
108) Morgana Boostel – Rede FALE
109) Mozart João de Noronha Melo – Reverendo Luterano
110) Nancy Cardoso Pereira – Pastora Metodista
111) Nello Pulcinelli – Pastor Batista
112) Nelson Gervoni – Pastor Batista
113) Neusa Butzlaff – Pastora Luterana
114) Neusa Tetzner – Pastora Luterana
115) Octavio A. S. Filho – Pastor Metodista
116) Odja Barros – Pastora Aliança de Batistas do Brasil
117) Orivaldo Lopes Junior – Pastor Batista
118) Orvandil Moreira Brabosa – Bispo Igreja Anglicana Tradicional do Brasil
119) Paltiel de Souza Ferreira – Bispo Comunidade Evangélica Cristã
120) Patrick Timmer – Missionário da Aliança Bíblica Universitária do Brasil/ABUB
121) Paulo Ayres Mattos – Bispo Metodista
122) Paulo Cesar Garcia – Pastor Comunidade Milícia
123) Paulo Saraiva – Pastor Batista
124) Pericles Gonzaga de Souza – Pastor Presbiteriana Unida
125) Rafael Lira – Juventude Batista do Estado de SP
126) Raul Matamala Seminarista Batista
127) Regis Augusto Domingues – Reverendo Episcopal Anglicana
128) Reinaldo Castro – Pastor Comunidade Cristã Novo Nascimento
129) Renan Nery Porto – Fale Uberaba
130) Ricardo Bitun – Pastor da Igreja Manaim
131) Ricardo Matense – Evangélicos Pela Justiça/EPJ
132) Rodrigo Guimarães Pinheiro – Pastor Batista
133) Romi Becker – Pastora Luterana
134) Ronny Clayton – Pastor Batista
135) Rosilea Maria Roldi Wille – Luterana
136) Sandro Amadeu Cerveira – Reverendo Presbiteriana Unida
137) Serguem Jessui Machado da Silva – Tearfund
138) Simei Marcondes de Carvalho – O Brasil para Cristo
139) Valdir Steuernagel – Pastor Luterano
140) Valmir Paze – Pastor da Ig Nazareno/Mov. Evangélico Progressista/MEP
141) Vanda Aparecida Fernandes Massa – Capelã Batista
142) Vilma Petsch – Diácona Luterana
143) Vitor Louredo de Souza – Grupo de Ações Evangelísticas – Missões Urbanas
144) Wagner Lemos Junior – Movimento pela Ética Evangélica Brasileira
145) Waldir Benevides- Reverendo Presbiteriano
146) Welinton Pereira – Pastor Metodista
147) Wellerson de Almeida – Reverendo Anglicano
148) Wellington Santos – Pastor Batista
149) Wellington Vieira – Pastor Federação das CTs Evangélicas do Brasil/FETEB
150) Wellison Magalhães Paula – Pastor Batista
151) Werner Fuchs – Pastor Luterano
152) Ziel Machado – Pastor Metodista Livre
153) Zwinglio Mota Dias – Pastor Presbiteriana Unida

Se você é líder e quer subscrever o manifesto, clique aqui.

PS: post atualizado às 22h

Leia Mais