Americana de 113 anos mente idade para entrar no Facebook

Face-da-Vovó

Publicado no Catraca Livre

Ontem, véspera de seu aniversário de 114 anos, a americana Anna Stoehr decidiu entrar no Facebook, mas percebeu que o ano de seu nascimento, 1900, não foi listado como uma opção para registro de idade na rede social.

Sem alternativa, recorreu ao que muitos jovens fazem todos os dias para ter acesso ao site: mentiu a idade, já que na rede social só é possível colocar a data a partir de 1905. Para o Facebook, Anna tem 99 anos.

Facebook-Vovó

A americana passou a se interessar por tecnologia quando ficou amiga de Joseph Ramireza, um representante de vendas da Verizon que vendeu um iPhone para seu filho de 85 anos de idade.

Ele comentou a idade da mãe, e Joseph quis conhecê-la. Ficaram tão amigos que ele passou a ensinar Anna a ser uma pessoa conectada. Hoje, com seu iPad, é comum vê-la conversando com amigos e familiares pelo Face Time.

Para chamar à atenção do fundador da rede social, Mark Zuckerberg, a americana, também com a ajuda de Joseph, escreveu uma carta, na qual ela diz: “Eu ainda estou aqui”. Sim, usando uma máquina de escrever.

Nos registros de uma organização que mapeia indivíduos centenários, Anna, que é de Minessota, é a sétima pessoa norte-americana mais velha. A mais idosa é uma morada de Arkansas, de 116 anos.

Leia Mais

Mãe cria aplicativo que obriga filhos a atenderem telefonemas dos pais

Caso não respondam aos chamados, crianças têm o celular bloqueado

Sharon Standifird decidiu criar o aplicativo depois de filhos ignorarem suas ligações (foto: Reprodução/ABC)
Sharon Standifird decidiu criar o aplicativo depois de filhos ignorarem suas ligações (foto: Reprodução/ABC)

Publicado em O Globo

Cansada de ter seus telefonemas ignorados pelos filhos, a americana Sharon Standifird resolveu agir. Em vez de dar broncas ou ameaçar com castigos e punições, ela inovou: criou um aplicativo que obriga as crianças a atenderem ou responderem as chamadas. Chamado Ignore No More, o app bloqueia o aparelho remotamente se o filho resolver ignorar os chamados dos pais.

“Quando você bloqueia o telefone dos seus filhos com Ignore No More, eles só têm duas opções: podem ligar de volta ou chamar um número de emergência. Sem telefonemas para amigos, mensagens de texto, sem jogos, até que te liguem de volta”, explica o site do aplicativo.

Bradley, porta-voz da empresa e filho adolescente de Sharon, deu sua opinião sobre o aplicativo criado pela sua mãe:

– Eu pensei que era uma boa ideia, mas para as outras pessoas, não para mim – disse, em entrevista à emissora CBS.

Disponível para Android, o aplicativo custa R$ 4,51 no Brasil. Segundo a descrição, é “virtualmente impossível” que a criança desabilite o programa do smartphone.

Leia Mais

Cantora gospel americana revela que é gay e diz que Deus a ama do mesmo jeito

gallery-wall

 

Publicado em O Globo

Fãs evangélicos da cantora gospel Vicky Beeching, de 35 anos, podem levar ao susto ao ler os jornais nesta semana. Em entrevista ao periódico inglês “The Independent”, Beeching declarou que é gay, e que mesmo assim, Deus a ama do jeito que ela é.

A artista é um dos maiores ícones dentro da Igreja Anglicana. Formada em Teologia em Oxford, na Inglaterra, Beeching também se popularizou ao comentar aspectos religiosos do dia a dia, conquistando hordas de fieis. Escrevendo canções gospel desde os 11 anos, a cantora já fechou contrato com duas gravadoras internacionais e vendeu milhões de discos no chamado “Cinturão da Bíblia” dos Estados Unidos.

Na entrevista, Beeching diz que foi criada por pais evangélicos conservadores. Na escola, livros diziam que a homossexualidade era pecado, “coisa do demônio”. Mas isso não foi o suficiente para que ela não começasse a se sentir atraída por outras meninas, ainda aos 12 anos:

– Perceber que eu estava atraída por elas foi uma sensação horrível. Eu estava tão envergonhada! Era uma luta, porque eu não podia contar a ninguém – confessou.

Ao se dar conta de sua homossexualidade, Beeching entrou em depressão, acreditando que estava pecando e que não poderia ser “curada”. Aos 13, ela chegou a pedir a Deus que ou tirasse a vida dela, ou a atração por outras meninas. Com 16, durante uma colônia de férias cristã no interior da Inglaterra, a cantora chegou a se submeter a uma sessão de exorcismo, em vão.

– Lembro de muitas pessoas colocando as mãos nos meus ombros, orando muito alto e, em seguida, gritando coisas tipo: ‘Nós ordenamos que Satanás saia! Saia fora, corja de demônios! Nós falamos a vocês, demônios da homossexualidade: deixem a menina em paz!’.

Isso foi a gota d`água para Beeching, que se sentiu humilhada com a situação. Na entrevista, a cantora contou que o episódio serviu para que ela se tornasse mais introspectiva, buscando outras soluções por conta própria. Dedicou-se aos estudos, formando-se em Teologia em Oxford e seguindo logo depois para Nashville, no Tennessee, atraída pela carreira de compositora. Por lá, imersa no centro do conservadorismo evangélico americano, gravou discos e percorreu grandes igrejas do país para mostrar suas canções.

Vicky_Beeching.jpeg

Mas amores frustrados por amigas e outras mulheres a perseguiam como uma sombra. Nesse meio tempo, Beeching teria tentado até começar relacionamentos com homens, todos sem sucesso.

Em 2008, aos 29 anos, ela decidiu se mudar para a Califórnia, esperando que San Diego fornecesse um ambiente mais liberal. Mas este foi o ano em que a Proposição 8, lei estadual que proíbe o casamento homossexual, estava para ser votada. Em paralelo, Beeching cumpria sua série de shows agendados em igrejas do estado.

No início de 2014, a artista descobriu ter uma doença rara de pele, que deixava a epiderme com marcas de cicatriz, podendo levar até a morte. Durante uma sessão de quimioterapia, a cantora pensou consigo mesmo que deveria resolver sua situação pessoal. Ela já tinha 35 anos:

– Olhei para o meu braço com a agulha da quimioterapia, olhei para a minha vida, e pensei: ‘tenho que entrar em acordo com quem eu sou’ – afirmou Beeching na entrevista. – Trinta e cinco é metade de uma vida, e eu não posso perder a outra metade. Perdi tanta vida como uma sombra de uma pessoa.

Até então, Beeching nunca tinha mantido um relacionamento homossexual. O tratamento da doença a fez refletir e aceitar gradualmente sua homossexualidade. Na Páscoa, ela revelou aos seus pais a situação, que acabaram se desculpando por fazerem ela passar pelos constrangimentos. Beeching e eles concordaram em discordar sobre a teologia.

Ao final da entrevista, a cantora afirmou que espera agora que a Igreja Anglicana siga o exemplo acolha fieis homossexuais.

Leia Mais

Cão mais feio do mundo recebe prêmio de R$ 3,3 mil

Vira-lata de dois anos sofreu maus tratos e queimaduras antes de ir para um abrigo e ser adotado

Vira-lata é eleito o cão mais feio do mundo

publicado no Estadão

O cão mais feio do mundo, eleito neste fim de semana em um concurso em Petaluma, na Califórnia, se chama Peanut (amendoim) e é um vira-lata de pelos revoltos. 

O vencedor tem olhos e dentes salientes e um passado trágico. Quando ele era um filhote, sofreu maus tratos e queimaduras em diversas partes do corpo que lhe deixaram marcas visíveis. 

Ele foi parar em um abrigo para cães abandonados e foi adotado por Holly Chanlder, moradora da Carolina do Norte. Agora, a dona do cão mais feio do mundo vai usar os US$ 1,5 mil que recebeu na premiação para ajudar outros cães vítimas de maus tratos. O valor equivale a R$ 3,3 mil.

“Estamos tentando usá-lo como garoto-propaganda sobre o que pode acontecer com os animais que são mal tratados”, disse a dona de Peanut. A escolha do cão mais feio do mundo, realizada pelo 26º ano consecutivo, é feita por três três juízes que analisam diversos quesitos, incluindo atributos especiais ou incomuns, personalidade e feiúra natural.

Leia Mais

Mulheres elogiam vida sexual aos 70

Marina Azaredo, em O Estado de S.Paulo

Ana Maria diz que tem vida sexual 'sem grilos'. (foto: Daniel Teixeira/Estadão)
Ana Maria diz que tem vida sexual ‘sem grilos’. (foto: Daniel Teixeira/Estadão)

Elas são avós e até bisavós. Mas esqueça aquela imagem da senhora tradicional, que se dedica apenas a cozinhar para os netos e cuidar do lar. As mulheres de 70 anos de hoje malham, vão ao cinema, frequentam restaurantes com os amigos, saem para dançar e têm vida sexual ativa. Sim, nunca as mulheres da terceira idade fizeram tanto sexo.

De acordo com a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade (ProSex), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, 50% a 60% das mulheres brasileiras de mais de 60 anos mantêm uma vida sexual ativa.

Uma pesquisa americana revelou recentemente que o sexo só melhora ao longo da vida. Segundo Iris Krasnow, professora de Jornalismo e Estudos Femininos da American University, que entrevistou 150 mulheres entre 20 e 90 anos, mulheres com mais de 70, 80 ou até 90 anos desfrutam a melhor atividade sexual de suas vidas.

As conclusões estão no livro Sex After…: Women Share How Intimacy Changes as Life Changes, ainda sem tradução para o português.

“Tenho uma vida sexual sem grilos. É só acender um fósforo que tudo pega fogo”, garante a aposentada Ana Maria Vieira, de 64 anos, três filhos e cinco netas. Viúva há 11 anos, ela namora há quatro o também aposentado Nilvio Machado, de 75. “Pode até não ter tanta quantidade, mas a qualidade é muito maior”, afirma. Os dois se conheceram no Clube Carinhoso, tradicional salão de bailes da região do Ipiranga, na zona sul de São Paulo, e continuam frequentando o clube toda quinta-feira à tarde.

Necessidade. Aos 84 anos, dois filhos, três netos e um bisneto, Irene Zarantonello também é frequentadora dos bailes do Carinhoso. Solteira há cerca de 20 dias, após terminar um relacionamento de um ano, ela considera sexo uma “necessidade”. “É como comer, ir ao banheiro, é importante para a saúde. E hoje é melhor do que antigamente. Antes, era mais beijo e abraço. Hoje, tem umas posições bacanas”, explica.

Para Carmita Abdo, os avanços da medicina possibilitaram essa mudança no perfil das mulheres de mais de 60 anos. “Nessa idade, muitas sofriam com a ausência de lubrificação vaginal, o que tornava o sexo doloroso. Hoje há terapias de reposição hormonal e até cremes de uso tópico que resolvem esse problema”, aponta.

Mais longevas e preocupadas com a saúde, as mulheres também têm cuidados com o corpo até mais tarde. A aposentada Marli Westphal, de 63 anos, dois filhos e uma neta, corre 10 km todo dia, faz musculação e pilates. “Quanto mais exercícios eu faço, melhor eu me sinto. Estou muito satisfeita com o meu corpo”, diz ela, que tem 1,68 metro e 64 kg. A vida saudável contribui para um sexo de mais qualidade, garante Marli, que é casada há 30 anos. “Tudo funciona melhor. O sexo está quase 100% mais gostoso do que quando eu era jovem.”

Para André Pernambuco, médico-assistente da disciplina de Geriatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a mudança se deve também a fatores culturais. “Elas viveram a revolução sexual, o que provocou uma mudança de comportamento enorme. Hoje a mulher de 70 anos é uma jovem. É a nova mulher de 50″, afirma.

Leia Mais