Fernando Meirelles: “Marina paga o pato, mas PT e PSDB não puniram homofobia”

Meirelles: "Eles [a equipe do programa de governo] erraram e vão ter que absorver o tranco, engolir o choro e seguir"
Meirelles: “Eles [a equipe do programa de governo] erraram e vão ter que absorver o tranco, engolir o choro e seguir”
Luciano Máximo, no Valor Econômico

Leia os principais trechos da entrevista com Fernando Meirelles:

Valor: Você apoiou a Marina em 2010 e está com ela agora também.

Fernando Meirelles: Sim, com mais convicção. Nestes quatro anos, a Marina não parou de se reunir com pessoas de todas as áreas para compreender mais profundamente o país e se preparar para uma possível eleição. Os estudos que dão sustentação às ideias da Marina estão disponíveis no site do Instituto Democracia e Sustentabilidade [IDS].

Valor: O que o motivou a optar por ela nessas duas ocasiões?

Meirelles: A plataforma que mira desenvolvimento sustentável. Leio bastante sobre aquecimento global, crise da água, segurança alimentar, matrizes energéticas, esgotamento dos biomas naturais e dos recursos do planeta. Nada me tira mais o sono do que perceber que estamos numa rota de colisão e ver que a turma continua querendo acelerar e crescer. Marina tem visão de estadista, pensa no país que ficará para os nossos netos. Isso que faz toda a diferença.

Valor: Teve/tem participação efetiva nas campanhas de Marina?

Meirelles: Em 2010 queriam que eu fizesse o programa [de TV], mas eu não quis transformar minha vontade de participar em um trabalho, então ajudei a montar uma equipe de produção e dei uma de palpiteiro sem compromisso. Na campanha atual, como seria feita pelo pessoal do Eduardo, não me envolvi. Mas só participaria mesmo como voluntário.

Valor: As eleições deste ano serão diferentes do pleito de 2010?

Meirelles: Já estão e as chances de Marina vencer são grandes. Em 2010, Dilma era a continuação dos anos dourados que o Brasil viveu graças à China no mercado de commodities. A festa acabou e está cada vez mais claro que investir só em consumo deu errado. Pesquisas mostram que ninguém aguenta mais o velho pensamento político do confronto e da oposição.

Valor: Marina também está diferente de lá para cá? Vê evolução?

Meirelles: Como ela gosta de filosofia e psicologia, costumava ser muito analítica, conceituava cada ideia tornando seu discurso acadêmico e mais difícil. Agora está mais sintética e assertiva. Os quatro anos estudando o Brasil e conversando com gente de Norte a Sul deram-lhe estofo e segurança.

Valor: O que achou da decisão de Marina de se aliar ao PSB?

Meirelles: Calou quem dizia que ela era intransigente e sem cintura para o jogo político. Que outro político no Brasil com um cacife de 20 milhões de votos toparia ser vice numa chapa, só para poder ver algumas ideias que acredita contempladas no programa de governo? O negócio dela é o seu programa e não o poder.

Valor: Gostou do programa de governo de Marina?

Meirelles: Gostei. Pena que ninguém leia o programa. Ele propõe uma grande mudança para o país. São três eixos principais: o primeiro será manter as conquistas dos outros governos, tentando aprimorá-las, sem se importar se quem as inventou pode estar na oposição. Não se desperdiça boas ideias só por não serem de autoria do partido. O segundo é democratizar a democracia, que significa criar instrumentos, incluindo redes sociais, para que as decisões do governo reflitam de fato a vontade dos brasileiros. O terceiro é criar as bases para um desenvolvimento ambientalmente sustentável para podermos ter um país justo, com cidadãos livre e criativos. Diria que o capítulo sobre educação é o que mais me animou. A Marina quer recuperar a qualidade do ensino das escolas públicas, com ciência e cultura como pilares.

Valor: O que achou das mudanças anunciadas momentos depois?

Meirelles: Foi uma tremenda comida de bolas eles terem publicado a versão errada e depois voltado atrás. O fato de ter recuado foi um vacilo. Mas o programa toca em tantos pontos importantes que é uma pena que essa questão, também importante, esteja se tornando o fiel da balança. É tão difícil pegar a Marina no pulo que quando aparece um aluguel de avião ou a troca de “casamento” por “união estável” num documento, a turma aproveita e sai gritando. Faz parte, eles erraram e vão ter que absorver o tranco. Engolir o choro e seguir.

Valor: Marina é mais visada que os outros candidatos na abordagem de certos temas polêmicos, como direitos civis, religião, aborto?

Meirelles: Me parece que sim. Nem PSDB e nem PT criminalizaram a homofobia em seus governos e nem lançaram cartilhas com noções de tolerância em escolas, mas a Marina é quem paga o pato com o eleitor. Tanto a Dilma quanto o Aécio, que não creem, usam o nome de Deus em suas falas. Há duas semanas, na Assembleia de Deus, a Dilma começou seu discurso citando o salmo de Davi. Foi falsa como uma nota de dois dólares. Já a Marina, que crê de fato, paradoxalmente é a única que não usa Deus em seu discurso, mas é a única criticada por isso.

Valor: Como interpreta essa “nova política” que Marina tanto fala?

Meirelles: Parece ser o seu tema central, mas no programa a reforma política que ela propõe é só um instrumento para chegar ao que realmente interessa, que é a construção de um país afinado com os valores e a cultura do milênio em que estamos e não mais com a visão desenvolvimentista do século XX. Ela sabe que governar não é mais abrir estradas nem construir ferrovias. Claro que ferrovias precisam ser construídas e serão, mas um presidente precisa ter visão de país e de futuro, e é isso que ela tem de sobra e é isso que encanta quem a escuta com atenção.

Leia Mais

Um terço dos americanos acredita que os desastres naturais estão relacionados com o Apocalipse descrito no Novo Testamento

Área devastada em Breezy Point após a passagem do furacão Sandy em 31 de outubro. Foto: Mehdi Taamallah/AFP

Reportagem da AFP MÓVEL publicada na CartaCapital

Título original:  Um terço dos americanos culpa Apocalipse por desastres naturais

Um terço dos americanos acredita que a intensidade dos desastres naturais recentes está relacionada com o Apocalipse descrito no Novo Testamento, segundo pesquisa publicada na quinta-feira 13.

No entanto, muitos outros cidadãos culparam o aquecimento global pelo fenômeno, acrescentou a consulta.

Tentando explicar as inundações, o extremo calor e as ondas de frio, 36% dos americanos e 66% dos cristãos evangélicos se referiram ao fim do mundo, segundo o levantamento realizado pelo Instituto Público de Pesquisa Religiosa.

No entanto, 63% dos entrevistados culparam as mudanças no clima e 67% afirmaram que o governo deveria fazer mais para enfrentar este problema.

Por outro lado, cerca de 15% dos entrevistados disseram pensar que o mundo acabará durante seu tempo de vida e só 2% consideraram que o fim do mundo ocorrerá no próximo 21 de dezembro, como muitos acreditam que os maias previram.

Um total de 1.018 adultos participaram da pesquisa, realizada entre 5 e 9 de dezembro com margem de erro de 3,2%.

Leia Mais

Salve o mundo: tome mais cerveja!

Publicado no site Consumidor Moderno

Título original: Urina pode absorver CO2 e reduzir aquecimento global

Cientistas espanhóis apostam no uso de urina para combater o aquecimento global. A sugestão foi publicada no periódico científico “Journal of Hazardous Material” e tem como principal vantagem o fato de ser uma substância produzida naturalmente e em grande quantidade.

De acordo com os pesquisadores, o processo é consequência da produção da molécula de urina, que também produz bicarbonato de amônio e, finalmente, a amônia, capaz de absorver o dióxido de carbono (CO2).

O estudo aponta a solução como um modelo ideal para as grandes cidades que, devido ao grande contingente populacional, seriam capazes de produzir muita urina e assim reduzir parte de suas emissões de gases de efeito estufa.

Manuel Jiménez Aguilar, cientista do Instituto de Pesquisa Agrícola e de Pesca do Governo Regional de Andaluzia e um dos responsáveis pela pesquisa, explica que os resíduos da aplicação ainda poderiam ser reaproveitados na agricultura, como acontece na China.

Como a urina sozinha entraria em decomposição, a sugestão é misturá-la a um líquido proveniente da azeitona. Conforme publicado no G1, a mistura é capaz de absorver o gás carbônico por até seis meses. A sugestão é de que ela seja aplicada em chaminés industriais e domésticas, para impedir que o gás chegue à atmosfera.

Para Aguilar o sistema poderia funcionar como os filtros industriais. Assim, quando o desempenho já estiver esgotado, bastaria trocar a mistura de urina, para continuar a absorver o CO2. Segundo ele, a opção permite a redução de1% das emissões.

Leia Mais

Groenlândia perde 97% da neve e acontecimento é sem precedentes

Não se sabe ainda ao certo até que ponto esse derretimento da Groenlândia vai interferir no clima mundial e no nível do mar.

William Camargo, na Folha Paulistana

Cerca de 97% da neve da Groenlândia derreteu em poucos dias do mês de Julho. O evento pode ser considerado uma catástrofe, pois desde que se observa via satélite, cerca de 30 anos, nunca aconteceu algo de tamanha magnitude.

A foto do satélite mostra o derretimento. Do lado esquerdo vemos que no dia 8 de julho quase toda a área ainda estava coberta de gelo, cerca de 40%, algo normal para a época do ano, pois é verão. Porém, em apenas 4 dias, subitamente a Groenlândia perdeu quase que em toda sua extensão o gelo que havia, cerca de 97% da área, simplesmente derreteu. As observações foram feitas a partir de 3 satélites que monitoram a área. O fato causa espanto na comunidade cientifica e grande repercussão internacional.

Groenlândia perde 97% da neve e acontecimento é sem precedentes – Foto Nasa

Não se sabe ainda ao certo até que ponto esse derretimento da Groenlândia vai interferir no clima mundial e no nível do mar, tendo em vista que quando é verão, já se observa à muitos anos que parte da área realmente sofre esse derretimento, o que era considerado até então natural. Só que nunca, desde que a área é monitorada por satélites sofreu tão grande perda de sua superfice congelada, ficando apenas com 3% de sua área coberta com gelo.

Os Cientistas e a NASA (Agência Espacial Norte Americana), dizem que o aceitável seria que apenas 50% da Groenlândia tivesse o degelo, algo que acontece todos os anos. A explicação ainda não veio, porém os cientistas buscam os motivos que levaram ao derretimento.

Todos os anos, em altitudes elevadas, a maioria do gelo, a água volta a congelar rapidamente, mantendo assim o equilíbrio natural. Já, perto da costa, parte da água é retida pelas camadas de gelo que permanecem e a outra parte segue rumo ao oceano. O grau de derretimento em 2012 praticamente aumentou em quase 100%. A estranheza se dá por conta de que foram poucos dias, neste caso, só 4, e a Groenlândia praticamente descongelou num todo.

Inclusive na visão de leigos no assunto, questionam até que ponto isso pode acarretar algum tipo de desequilíbrio da vida naquela região, e inclusive já há questionamentos sendo feitos nas redes sociais, quanto ao que acontecerá com esse enorme volume de água despejado no Oceano. Os pesquisadores, perplexos com tal evento e sua magnitude não chegaram a nenhuma conclusão até o momento, para que seja explicado este fenômeno natural. Também, não podem afirmar ainda, quanto isso vai contribuir para a elevação do nível do mar.

Segundo Tom Wagner, que é gerente de programa da NASA: “o gelo da Groenlândia é uma vasta área com uma história variada de mudanças. Este evento, juntamente com outros fenômenos naturais, mas incomum, como o evento na semana passada em Petermann Glacier, são parte de uma história complexa”. As observações de satélite estão nos ajudando a entender estes eventos e se podem relacionar-se entre si, bem como para o sistema climático mais mundial.”

Nghiem, em Pasadena, Califórnia, disse que este era um evento tão extraordinário que no começo se questionou sobre os dados se eram reais ou se havia algum tipo de erro com o equipamento. Depois ele obteve a confirmação dos dados que foram lhe apresentados e apontaram para um real fenômeno de magnitude nunca vistos antes. Para isso foi usado o Moderate-Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) da NASA e dos satélites Aqua. Para seu espanto houve então a confirmação do MODIS, que, mostraram temperaturas excepcionalmente altas e que o degelo era real e em uma extensa área, cerca de 97% da Groenlândia.

Para o climatologista Thomas Mote, da Universidade da Georgia, e Marco Tedesco da CityUniversity de Nova York,  em seus estudos das imagens de satélite, foram confirmados o derretimento capturado em duas imagens com apenas 4 dias de diferença, vistos pelo Oceansat-2 e MODIS com dados via satélite a partir do Imager Especial Sensor Microwave/Sounder na Força Aérea dos EUA e pelo satélite meteorológico.

A fusão se espalhou rapidamente. Os mapas gerados a partir dos três satélites mostraram que em 8 de julho, cerca de 40% da superfície da camada de gelo havia derretido. Já em 12 de julho, 4 dias depois, 97% haviam derretido sobre a superfície da Groenlândia.

Também, mesmo a área ao redor do cume que fica bem no centro da Groenlândia, e está a cerca de 2 quilômetros acima do nível do mar, o ponto mais alto com gelo, mostrou sinais de derretimento.

Para Lora Koenig, uma glaciologista, o derretimento aconteceu na hora certa, visto que a história conta que a cada 150 anos esse degelo ocorre de forma natural, porém nunca havia sido visualizado do espaço com tanta nitidez e dados tão precisos. A última vez, segundo contam os livros de história, foi no ano de 1889. No entanto, este tipo de derretimento pode trazer grande preocupação à população mundial, bem como à toda comunidade científica caso nos próximos anos ou meses, eventos como esses aconteçam com maior frequência. Nós estamos em um pico de elevação da temperatura na Terra, por causa do efeito estufa e foram anos de despejo em nossa atmosfera de produtos químicos que influenciaram e influenciam diretamente para que esse aquecimento global continue, sendo que inclusive perdemos parte de nossa camada protetora de ozônio.

Leia Mais