Mulheres de jogadores fazem do Cruzeiro o ‘time de Deus’

Torcedores do Cruzeiro estendem bandeira durante vitória sobre o Goiás (foto: Doug Patrício)
Torcedores do Cruzeiro estendem bandeira durante vitória sobre o Goiás (foto: Doug Patrício)

Camila Mattoso, no ESPN

No meio da incrível conquista do Cruzeiro na noite deste domingo, uma das coisas que mais chamaram a atenção na festa do tetracampeonato foi a presença de Deus em todos os agradecimentos dos jogadores ao término do duelo contra o Goiás, no Mineirão. A postura também foi percebida na comemoração dos gols, quando todo o time se reuniu em um círculo e levantou as mãos para o céu, o que vem acontecendo há alguns meses.

Desta vez, aliás, teve mais do que isso: um gigante bandeirão que atravessou toda a arquibancada de trás de um dos gols com a mensagem “A Deus toda glória”.

Na saída para o vestiário, logo após a conquista do bicampeonato, as referências aumentaram. Dezenas de pessoas, incluindo quase todo o elenco, usavam camisetas com o mesmo texto pintado no imenso pedaço de pano mostrado algumas vezes durante o confronto. Nenhum atleta deixou de mencionar a fé para falar do resultado.

Léo falou sobre a corrente de orações depois da partida
Léo falou sobre a corrente de orações depois da partida (foto: ESPN)

“Os familiares se reúnem para orar. Sabemos que o futebol é um jogo, de derrotas e vitórias, mas sabendo que a ele toda a honra e toda a glória. E hoje nós dedicamos o título a ele. É um time inteiro envolvido nisso, uma torcida inteira. Sabendo que há um Deus no céu que nos abençoa. Sem Deus, a gente não seria nada”, falou Léo.

Quem viu e ouviu tudo isso, de perto ou de longe, não poderia imaginar que por trás dessa crença explicitada a todo momento, a cada entrevista, há uma grande corrente de orações, comandada por absolutamente todas as esposas e namoradas dos jogadores.

Foram elas, aliás, quem fizeram o bandeirão para estender neste domingo. Todo o material foi pago por eles, os tetracampeões, em um rateio que não excluiu jogador algum.

A história, que conta com fracassos e conquistas, começou no ano passado, logo após a derrota do Cruzeiro para o Flamengo, na Copa do Brasil, nos minutos finais do segundo tempo, com gol marcado pelo volante Elias, hoje no Corinthians, como explica Sandra Maciel, mulher do goleiro Fábio, um dos mais fanáticos pela ideia.

Sandra Maciel, esposa do goleiro Fábio, no Mineirão (foto: ESPN)
Sandra Maciel, esposa do goleiro Fábio, no Mineirão (foto: ESPN)

“Começou depois da Copa do Brasil, quando fomos eliminados lá no Rio, para o Flamengo, no finalzinho, e as esposas viram os maridos muito tristes e resolveram se unir. A gente se encontrou e se perguntou o que podíamos fazer por ele? ‘Vamos orar’. A gente começou a se reunir toda semana, temos um grupo com todas as esposas. Oramos pela vida deles, fortalecendo o físico, o emocional, livrando de lesões”, disse, em contato com a reportagem.

“Não paramos nunca com isso, nem no fim do ano passado. Oramos por contratações também. As esposas se reúnem e eles também têm o grupo deles de oração. A gente tem o ‘Relógio da Oração’, quando cada esposa tem sua hora para rezar. A gente vira 24 horas orando, na véspera do jogo. E não é para a vitória, é para acrescentar o que Deus tiver que acrescentar”, completou a esposa do atleta.

O “Relógio de Oração” funciona da seguinte forma: elas têm de passar um dia inteirinho rezando por todo o elenco, sem deixar nem um minuto das 24 horas do dia vazio, ideia da companheira do lateral Ceará, que é pastor e um dos principais pilares da disseminação da fé na equipe celeste.

Da derrota para o Flamengo até o final deste domingo foram 95 jogos realizados, ou seja, mais de 2280 horas de oração dentro da crença por elas inventada.

“Na véspera de jogo a gente começa 24 horas antes a orar. A gente se divide para não passar nenhum momento do dia sem orar. Cada uma fica meia hora, por exemplo. Tem de acordar de madrugada e rezar”, contou Sandra, lembrando que há um grupo no Whatsapp com 32 mulheres, para coordenar toda essa estratégia.

Fazer o bandeirão invadir as arquibancadas do Mineirão, no entanto, não foi tarefa fácil. A confecção, que demorou cerca de 15 dias, e as negociações contaram até mesmo com a torcida organizada Máfia Azul, atualmente com relações rompidas com a diretoria cruzeirense.

Grupo de Whtasapp das esposas dos jogadores do Cruzeiro
Grupo de Whtasapp das esposas dos jogadores do Cruzeiro

“Nós tivemos uma reunião neste ano e eu tive a visão de um bandeirão. Levei isso a sério e colocamos para os atletas e eles gostaram. Todos eles. Não ficou nem um fora. Isso é muito lindo. É muito unido. Não tem quem fique fora. E não é religião, é essência de vida. A gente agradece por tudo que Deus faz. A gente fez a camisa igual a do bandeirão e outra também, se ganhasse ou perdesse, não importaria. É uma fé muito grande, uma conexão enorme. O que Deus tem feito no Cruzeiro não se explica. Para a gente trazer o bandeirão aqui hoje foi muito difícil. Todo mundo junto. A diretoria do Cruzeiro, a Minas Arena, todo mundo. Foi difícil”, disse Sandra.

“A gente precisava da torcida para abrir o bandeirão. E eu falei com o menino da Máfia Azul, o Quick [presidente da torcida], que os meninos queriam muito essa bandeira. E ele topou na mesma hora. E durante o processo, as rezas também eram assim. E aí combinaram o seguinte com os jogadores: para levantar na hora de entrar, na hora que sair gol e no final, se campeão. Choveu muito, escorreu muita tinta. Mas deu certo. As esposas se uniram muito hoje”, completou.

Como havia uma mensagem religiosa, o processo de liberação do bandeirão foi burocrático, mas acabou dando certo, premiado com a vitória do tetra.

“Foi muito difícil. Chegou uma hora que falaram que não ia dar certo porque tinha mensagem religiosa. E a gente começou a orar para dar certo. Foi a hora que o Cruzeiro tomou a frente para fazer acontecer. A gente precisa agradecer. O Cruzeiro teve de mandar um ofício para a Minas Arena. Valeu muito a pena. A gente faria isso de qualquer jeito hoje, não importaria se a gente perdesse”, finalizou.

dica do Rogério Moreira

Leia Mais

Jogadores muçulmanos podem ser “afetados” pelo Ramadã no Mundial

Publicado no Globo Esporte

Reportagem do jornal “Daily Mail” destaca que alguns jogadores que estão na Copa do Mundo podem ter dificuldades para gerir os compromissos religiosos e futebolísticos por conta do mês sagrado do Ramadã, no qual os muçulmanos praticam o jejum ritual. Será a primeira vez, desde 1986, que o período islâmico de adoração cai durante o torneio.

benzema_franca_afp_95
Benzema é praticante do Islamismo (Foto: AFP)

 

Durante o mês sagrado, os adeptos do islamismo – com exceção de crianças, idosos, mulheres grávidas e enfermos – jejuam e ficam proibidos de manter relações sexuais da alvorada ao entardecer.  Neste ano, o mês do Ramadã começa no dia 28 de junho – primeira data das oitavas de final – e termina no dia 27 de julho.

Segundo a publicação, uma boa notícia para os jogadores é que no Rio, durante o período,  há aproximadamente “apenas” 11 horas de luz solar. Com isso, os jogadores ficariam poucas horas sem se alimentar.

A França tem quatro jogadores muçulmanos: Benzema,  Mamadou Sakho,  Bacary Sagna e Moussa Sissoko. A Costa do Marfim tem os irmãos Yaya e Kolo Touré, Gervinho e Cheick Tioté. Entre os jogadores da Bósnia, o craque Dzeko é praticante do islamismo. Na Bélgica, Marouane Fellaini e Moussa Dembele são adeptos da religião. Na Suíça, Xherdan Shaqiri também é praticante, assim como Mesut Özil, na Alemanha.

Sem citar os nomes, o “Daily Mail” informou que alguns jogadores não vão cumprir à risca o Ramadã. Mas o marfinense Kolo Touré afirmou que, caso a Costa do Marfim passe para a segunda fase, não deixará de cumprir o ritual religioso.

- Você definitivamente precisa de disciplina. Para mim, os primeiros cinco dias são difíceis, mas depois disso, o corpo só começa a se adaptar e você se sente realmente feliz. Você limpa o seu corpo tão bem e você se sentir ainda mais forte após o Ramadã. Eu acho que é incrível como o Ramadã pode torná-lo muito forte – disse.

Leia Mais

Russos proíbem atletas de pescar nos banheiros da Vila Olímpica em Sochi

Publicado na Folha de S.Paulo

Que a segurança durante os Jogos de Inverno em Sochi será apertada os atletas já sabiam. Mas não imaginavam que teriam outras restrições –algumas bizarras– ao desembarcar na Rússia para o evento que começa amanhã.

Na mais estranha delas, os esportistas estão proibidos de pescar nos vasos sanitários dos banheiros da Vila Olímpica.

A medida foi divulgada pelo snowboarder canadense Sebastien Toutant, que colocou uma foto em seu Twitter mostrando as proibições.

Além da “pesca”, as placas ainda proíbem os atletas de vomitar, molhar o assento, subir na tampa e jogar seringas dentro do vaso sanitário.

Mas não são apenas as placas a chamar a atenção nos banheiros da Vila Olímpica russa. No local onde acontecerão as provas de biatlo, os vasos foram dispostos em dupla, um ao lado do outro. Os “banheiros gêmeos”, como foram apelidados, estão também no centro de imprensa.

O governo russo investiu cerca de R$ 123 bilhões para construir as instalações que receberão os Jogos Olímpicos de Inverno e que, em 12 de outubro, servirão como cenário para a primeira corrida de F-1 a ser realizada no país.

 

Cartaz colocado na porta dos banheiros dentro da Vila Olímpica em Sochi, na Rússia Reprodução/Twitter/Sebastien Toutan
Cartaz colocado na porta dos banheiros dentro da Vila Olímpica em Sochi, na Rússia
Reprodução/Twitter/Sebastien Toutan

Leia Mais

Corte de cabelo de Jefferson fere regra, e TJD promete analisar o caso

Desenho de peixe de Jefferson chamou atenção durante vitória do Botafogo sobre o Fla
Desenho de peixe de Jefferson chamou atenção durante vitória do Botafogo sobre o Fla

Luiz Gabriel Ribeiro, no UOL

O Botafogo venceu o Flamengo na semifinal da Taça Guanabara e teve Jefferson como o seu grande destaque. O goleiro alvinegro conseguiu parar os atacantes rivais e foi decisivo para a vitória por 2 a 0.

Além das defesas, o goleiro chamou atenção também pelo estilo do cabelo. Homem de fé, ele fez homenagem com desenho de um peixe na cabeça. O símbolo religioso que significa prosperidade configura desrespeito às regras da Fifa.

O TJD-RJ (Tribunal de Justiça Desportiva) promete analisar o caso com atenção para definir se cabe uma denúncia contra o jogador. Não há, porém, possibilidade de o jogador ficar fora da final do Campeonato Carioca em caso de uma possível punição.

De acordo com a International Football Association Board, entidade ligada à Fifa e que determina as regras do futebol, é proibida a divulgação de qualquer mensagem religiosa dentro de campo pelos atletas. O artigo destaca que o jogador que infringir tais regras será sancionado pelo órgão responsável pela organização do torneio.

O Código Brasileiro de Justiça Desportiva também não aceita tais manifestações. O TJD-RJ irá analisar o caso e não descarta denunciar Jefferson por causa do desenho na cabeça feito especialmente para o jogo contra o Flamengo. E o Botafogo confirmou a alusão à religião do goleiro.

“É um caso novo e, a princípio, não tenho nenhuma objeção. Não vejo problemas de um cidadão explicitar a sua preferência religiosa. Mas o Código é extenso e não é possível saber todos os pontos dele”, destacou José Teixeira Fernandes, presidente do TJD-RJ. O mandatário ressalta, no entanto, que o assunto estará na pauta do Tribunal.

“Faremos uma apuração mais profunda. Se houver alguma ofensa à regra, vamos fazer a denúncia. Vamos pesquisar e não descarto [punição]”, completou Fernandes. De acordo com o presidente, se for o caso de Jefferson ser denunciado, não há tempo para a definição do caso nesta semana pois o atleta terá que ser notificado. O prazo seria de dez dias para um hipotético julgamento – que poderia terminar com absolvição, multa, suspensão ou advertência. Portanto, não há risco de o goleiro ser baixa para a final com o Vasco.

Os penteados diferentes de Jefferson não são novidades. O camisa 1 alvinegro costuma fazer desenhos, que se destacam com a cabeça raspada. Ele já fez declaração de amor para a esposa Michele com um corte. Também deixou uma estrela na cabeça, para lembrar o Botafogo.

Classificado para a decisão do primeiro turno do Campeonato Carioca, o Botafogo inicia preparação para o duelo com o Vasco nesta terça-feira. O clube alvinegro precisa da vitória para levantar a taça, já que fez campanha pior que o rival na primeira fase.

Leia Mais

Gillette vai parar no Conar por suposto ‘preconceito contra peludos’

Campanha 'Quero ver raspar' foi promovida na fanpage da Gillette no Facebook (Foto: Reprodução)
Campanha ‘Quero ver raspar’ foi promovida na fanpage da Gillette no Facebook (Foto: Reprodução)

Darlan Alvarenga, no G1

A campanha feita pela Gillete para incentivar a depilação do peitoral masculino, com participações de Psy, Sabrina Sato e as gêmeas Bia e Branca Peres, foi parar no Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), após ser alvo de críticas de consumidores.

O Conar informou que foi aberto nesta terça-feira (19) um processo para avaliar as denúncias contra a propaganda veiculada pela Gillette nas redes sociais. O órgão informou ter recebido nos últimos dias 15 reclamações  – 14 de homens e 1 de mulher, que consideraram a propaganda preconceituosa.

Nas mensagens encaminhadas ao Conar, os consumidores classificam a propaganda como “preconceito contra os peludos” e afirmam que o filme “tacha” o grupo de homens com pelos no peito como “nojentos”. Em uma das reclamações, o consumidor lembra que numa propaganda anterior a empresa já havia se referido aos homens peludos como “homem das cavernas”.

Nesta terça-feira, a propaganda não estava mais disponível no canal da Gillette no YouTube e na página da marca no Facebook.

Procurada pelo G1, a Gillette informou ainda não foi notificada pelo Conar sobre a abertura do processo.

Em nota, a empresa afirma que o vídeo foi retirado do ar uma vez que tinha o propósito de anunciar a vinda de Psy para o carnaval e que “nas próximas semanas, novas etapas da campanha estarão no ar”.

“O vídeo vinculado nas redes sociais com o cantor Psy, a apresentadora Sabrina Sato e as atletas Bia e Branca Feres foi uma iniciativa da Gillette para anunciar a vinda do astro sul-coreano para o Brasil, como primeira grande etapa da nova campanha da marca, que visa fomentar o “body shaving” (depilação corporal masculina)”, afirma a empresa.

A campanha
No comercial criado para o carnaval, Sabrina e as gêmeas do nado sincronizado usam a expressão “quero ver raspar” para compor uma versão diferente do refrão de “Gangnam Style”. No filme, as musas resolvem desafiar os homens para ver quem tem coragem de raspar o peito para agradar as mulheres. Elas então ligam para o ‘amigo’ Psy e pedem a ajuda do coreano na empreitada que as meninas batizam de “Quero ver raspar”.

Segundo o Conar, o processo contra a campanha deverá ser julgado em até 30 dias. Caberá ao conselho de ética da entidade elaborar seu parecer sobre as críticas. Caso entenda que a campanha fere, de fato, o código do setor, o Conar pode recomendar a suspensão definitiva do comercial e fazer uma advertência ao anunciante. A esse tipo de decisão, cabe recurso.  Caso o conselho avalie que as queixas não se justificam, o processo será arquivado.

Campanha da Gillette teve participação de Sabrina Sato e de Bia e Branca Peres (Foto: Divulgação)
Campanha da Gillette teve participação de Sabrina
Sato e de Bia e Branca Peres (Foto: Divulgação)

Repercussão nas redes sociais
A campanha “#Quero ver raspar” foi promovida durante o carnaval também na fanpage da Gillette no Facebook. “Já raspou? Não? Então você ainda não está pronto para se dar bem no carnaval”, dizia uma mensagem publicada pela marca ao lado de uma imagem de peito masculino depilado e repleto de marcas de beijos.

Críticas à campanha foram publicadas na própria página da Gillette no Facebook. “A maior palhaçada que eu já vi na minha vida! Em pleno século XXI, me aparece uma marca tentando impor um padrão estético”, escreveu o internauta Italo Bacci. “Ô Gillette, eu gosto de homem PE-LU-DO!”, protestou a consumidora Cristiane Souza.

Mas teve também que curtiu. “Que legal! Já imaginaram as mulheres peludas? Direitos iguais? Por que o homem não pode depilar? Acho que todos já assistiram filmes das décadas de 70-80-90. Viram cenas de nudez? A mulher tinha mais pelos pubianos que o necessário. Hoje 99,9% usam a depilação em todo o corpo”, escreveu J Icassati Icassati.

Em respostas às críticas, a Gillette postou mensagens em sua fanpage afirmando que a campanha “baseia-se em um vídeo engraçado e irreverente focando na preferência das mulheres por homens lisinhos, sempre respeitando nossos consumidores”.

dica do João Marcos

Leia Mais