“Oscar saiu arrasado de Caruaru. Foi um pesadelo”, diz esposa do atleta

Oscar está triste com a repercussão do caso nas redes sociais, diz a esposa (foto: reprodução/ Internet)
Oscar está triste com a repercussão do caso nas redes sociais, diz a esposa (foto: reprodução/ Internet)

Publicado no NE 10

Maria Cristina Victorino Schmidt, esposa e secretária do ex-jogador da Seleção Brasileira de Basquete Oscar Schmidt, 56 anos, falou nesta sexta-feira (21) sobre a polêmica envolvendo o ex-atleta durante palestra realizada no último domingo (16) em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. Ela afirmou que Oscar ficou esperando por mais de uma hora em um hotel da cidade e que a produção não ofereceu os equipamentos necessários para o evento. “Tudo poderia ter sido diferente se eles fossem pontuais”, ressaltou.

Oscar chegou a ser vaiado durante palestra em Caruaru e xingou a plateia com palavrões. Mais de dois mil alunos de uma faculdade particular do interior pernambucano estiveram presentes no evento realizado em um shopping center da cidade. A palestra malsucedida repercutiu negativamente nas redes sociais e o jogador foi alvo de críticas.

Maria Cristina disse que a palestra estava marcada para as 16h e que a equipe da faculdade iria pegar Oscar às 15h45. “Nós ficamos na frente do hotel conversando com três pessoas. Quando o motorista veio chegar, já eram 17h. A palestra começou mais de 18h. Tinha gente que estava esperando desde 13h30 no local. Não havia telões para quem estava atrás, apenas uma foto do Oscar. Quando começou a  palestra, o equipamento começou a dar problema”, detalhou.

Ela contou também que as pessoas começaram a ficar com raiva e ir embora, culpando o ex-jogador pelo atraso da palestra. “Pergunta se ele atrasou em um outra palestra? Ele fez 720 palestras em um ano, seis somente na semana passada, e em nenhuma ele chegou atrasado ou houve reclamação. Oscar sempre chega 15 minutos antes, conversa com o responsável pelo evento, equipamento e som. Eu juro que ele não xingou ninguém. Os palavrões fazem parte da palestra e do vocabulário dele. Atleta chama palavrão.”

Maria Cristina disse ainda que o atleta está triste com a repercussão do caso nas redes sociais. “As pessoas não têm ideia do dano psicológico que isso causa. Estou traumatizada. Ninguém estava prestando atenção na palestra. Ele ameaçou ir embora. Estava sendo um martírio. Oscar saiu arrasado de Caruaru. Foi um pesadelo”, comentou.

Para a esposa do ex-jogador, faltou sensibilidade do público que estava assistindo à palestra. “O povo que foi embora é sem sentimento. Como o Oscar costuma dizer: Se tivesse cerveja, axé e mulher, todo mundo tinha ficado. Ninguém estava ali para assistir uma palestra séria, parecia uma festa. Encheram o camarim de gente”. Ela contou ainda que se sente arrependida de ter aceitado a palestra em Caruaru. “O sentimento é de tristeza. Me pergunto porque fiz o Oscar passar por isso; sou eu quem agendo os compromissos dele. Ficou um trauma para mim e para ele. Mais que um atleta, o Oscar é um senhor de bem”, finalizou.

A diretora da faculdade particular Pollyana Lima informou, por telefone, que o motorista que iria buscar Oscar no hotel realmente atrasou, mas que este não teria sido o motivo dos problemas na palestra. Segundo ela, “foi uma decisão de faculdade pegar ele mais tarde, para não deixá-lo esperando no auditório, já que o evento todo estava atrasado”. Ainda segundo a diretora, o equipamento de Oscar não era compatível com o do evento.

Além do cachê de R$ 40 mil de Oscar, a direção da faculdade estima gastos de R$ 80 mil com locação de espaço, publicidade e demais despesas com o ex-jogador, como passagens aéreas, alimentação e transporte.

REPERCUSSÃO- De acordo com Marcos Ferreira, aluno de educação física, que esteve na palestra, o ex-jogador foi “grosseiro com o público” e não estaria preparado para realizar palestras. “Nós tivemos que passar por momentos constrangedores. Ele começou a falar vários palavrões desnecessários, foi mal educado com as pessoas. As pessoas que foram para admirar e ouvir a história dele começaram a vaiar. Ninguém estava acreditando naquilo. Mais de 500 pessoas abandonaram a palestra antes da metade”.

Ainda segundo Marcos, Oscar começou a ficar irritado por causa de uma falha no sistema de som do evento. “O microfone sem fio dele estava dando interferência e ficava fazendo um barulho. Ofereceram outro microfone para ele, mas ele disse que não usava aquele tipo porque era microfone de amador. Enfim, eu fui ver um exemplo, esperando levar ensinamentos para minha vida profissional, e saí com uma sensação terrível. Ele disse que sairia com uma má impressão de Caruaru, mas ele que destruiu tudo que nós pensávamos sobre o atleta”.

SOBRE OSCAR – Nascido em 1956, em Natal, no Rio Grande do Norte, Oscar Schmidt é considerado um dos maiores jogadores de basquete de todos os tempos, ganhando apelidos como “mão santa” e “rei do basquete”. Chegou a ser convidado a jogar na liga americana de basquete, a NBA, mas recusou o convite, pois queria se manter na categoria de “amador” e jogadores da liga não podiam participar das seleções nacionais.

Entre os vários prêmios que conquistou, os maiores foram a medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de San Juan, em 1979, e a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, de 1987, junto a Seleção Brasileira de Basquete. Oscar integra o hall da fama da NBA, mesmo sem nunca ter jogado em times americanos.

Desde 2011, Oscar foi submetido a duas cirurgias no cérebro para combater um câncer. Atualmente, ele ministra palestras motivacionais, que já somam mais de 700 em todo o Brasil.

Leia Mais

Rock salva rapaz possuído pelo axé e funk em campanha da Kiss FM

Publicado por Adnews

A rádio Kiss FM lançou sua campanha institucional criada pela AlmapBBDO e composta por um filme de 98 segundos, com versões de 60 e 30 segundos, spot de rádio, mídia impressa e, em breve, trabalhos digitais. O objetivo da campanha é destacar a fidelidade e a lealdade da Kiss FM ao rock, sua marca registrada e que nunca abandonou. A rádio Kiss FM foi lançada em São Paulo no dia 13 de julho de 2001, Dia Mundial do Rock, e até hoje é a única emissora de São Paulo com programação composta genuinamente pelo melhor do rock’n roll. Ela também opera no litoral paulista, em Campinas (SP), Brasília e Rio de Janeiro.

O filme possui diversos easter eggs referências ao mundo do Rock, como as rosas (Guns N’ Roses), o “crucifixo” do padre que é uma foto da lenda do blues Robert Johnson, o retrato do rapaz que na verdade é capa do The Best Of (U2) e outra fotografia que na verdade é a capa do clássico “The Freewheelin” (Bob Dylan).

O filme exibe uma sessão de endorcismo (contrário ao exorcismo), em que um roqueiro consegue fazer o espírito do rock voltar ao corpo de um rapaz que está sendo atraído por outros estilos musicais. Não há diálogos. Quem “fala” é a guitarra do músico, que emite acordes clássicos do rock cada vez que o garoto começa a dançar em outros ritmos. Enquanto transcorre a sessão, a câmera mostra rapidamente várias referências famosas do rock’n roll, como capas de discos de bandas e objetos e imagens que remetem a ícones do estilo musical. Ao final, o roqueiro – muito parecido com o cantor Neil Young – vence a batalha. O filme será veiculado no cinema, na TV e na internet.

Ao todo, serão quatro anúncios ilustrados pelo designer americano David Moscati, que desenha, entre outras artes, cartazes de cinema. Foram estes cartazes que inspiraram a mídia impressa. No rádio, um dos spots é o depoimento do rapaz que passou pela sessão de endorcismo. No outro, o “endorcista” discute com as músicas ruins para afastá-las. A campanha digital deve ser lançada em breve. Será interativa e ligada ao filme.

Curiosidades

O comercial que abre a campanha foi filmado em um galpão abandonado e imundo da zona leste de São Paulo. Não foi feita nenhuma intervenção cenográfica. A aparência que o prédio tem no filme é a real: goteiras, poças no chão e muita poeira acumulada por anos de abandono. Por coincidência, os dois atores são argentinos e um deles se parece realmente com Neil Young. Esta não era uma exigência para o casting, mas ele também foi escolhido por causa da semelhança com o roqueiro. E o ator é, também, guitarrista e amante do rock’n roll.

Para que o rapaz “endorcizado” dançasse nos diversos ritmos, uma coreógrafa o orientava e o diretor do filme ia colocando músicas  para que ele dançasse até que o rock vencesse a resistência dos outros estilos. Em um dado momento, o garoto deu um show de dança, a ponto da equipe parar tudo para aplaudi-lo. O roqueiro, apesar do calor intenso do local das filmagens, enfrentou horas de trabalho com casacos e roupas de mangas compridas, além do chapéu, “incorporando” a imagem de alguns famosos guitarristas de rock.

endo1endo2

dica da Patricia Crepaldi

Leia Mais