Arquivo da tag: Brasil

O senhor e os anéis

brasilia5

Marina Silva

A pororoca de protestos nas ruas suscita várias tentativas de interpretação. Mas a visão do novo fenômeno está condicionada à posição de cada um: há os que olham da janela, das frestas, dos palácios ou das mesmas ruas onde caminham os manifestantes. Há os que se regozijam com os ventos da mudança e esforçam-se por descortinar novos horizontes. Há os que fecham as janelas e tentam ocultar a beleza do momento nas sombras da intolerância e do autoritarismo, construindo uma narrativa que mantenha tudo no lugar, do jeito que sempre foi.

Muitos ressaltam que uma parte crescente da população paga impostos e que, portanto, revolta-se com a corrupção, o desperdício e a baixa qualidade de serviços oferecidos pelo Estado em saúde, educação, transporte e segurança.

Ainda assim, é preciso ir mais fundo e perguntar: o que gerou a insatisfação que explode nas ruas? Como chegamos a tal estado de frustração? Por que os representantes se apartaram dos representados? Por que a corrupção é tão persistente? Por que sacrificamos os recursos naturais de milhões de anos pelo lucro de algumas décadas? Por que predomina a indiferença com o futuro e as próximas gerações?

Por mais densas que sejam, essas questões foram, ao mesmo tempo, formuladas e respondidas neste memorável junho de 2013. O “éthos” do movimento é uma irrupção de valores, o grito de uma ética libertária e profunda. E não foram apenas “os jovens”, mas todas as gerações, pais e avós juntos aos filhos e netos, dizendo: o Brasil é nosso e nós o queremos melhor. A rejeição não era “aos políticos”, mas aos vícios que o sistema por eles criado e gerenciado consagrou. A exigência é básica: respeito.

Esse clamor constrange a todos, pois os problemas da política, devo insistir, não são técnicos, mas éticos. Não falta metodologia para tornar o Brasil uma potência educacional, não falta ciência para vivermos com boa saúde, não falta tecnologia para a mobilidade urbana. Faltam vontade política e senso de responsabilidade, eis o motivo do constrangimento.

Infelizmente, alguns nem se constrangem. A frase do vice-presidente da República é reveladora do que as ruas denunciam: “O Congresso estará obrigado a seguir o que o plebiscito deliberou? Não. Ele faz o que quiser, ele é o senhor absoluto, não poderá perder o protagonismo político”.

Na democracia, o poder emana do povo e por ele é exercido. Dele é o protagonismo, cuja perda foi denunciada e resgatada em grandes manifestações. O Estado é instrumento. O poder político é o de representar, não o de substituir o povo. O trabalho não é apenas para ele, mas com ele.

Esse é o valor que sustenta uma democracia. O resto são anéis, que alguns amam mais que aos próprios dedos.

fonte: Folha de S.Paulo

Crescimento de evangélicos impulsiona despertar da Igreja Católica, diz Damasceno

D.-Raymundo-Damasceno-Assis

Larissa Leiros Baroni, no UOL

Em entrevista exclusiva ao UOL, a poucos dias da chegada do papa Francisco ao Brasil, dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), disse que o crescimento de evangélicos no Brasil e no mundo impulsionou um “despertar” da Igreja Católica, que, na opinião dele, estava “acomodada”.

“Talvez nós tenhamos nos acomodado e pode ser que o crescimento do movimento neopentecostal tenha nos feito acordar, nos despertar para a nossa verdadeira missão”, disse ele, que ressaltou, no entanto, o aumento da qualidade dos católicos. “Os praticantes são muito mais coerentes com suas práticas e praticam sua fé de modo mais convencido. Isso é muito positivo.”

No Brasil, ao mesmo tempo em que o número de evangélicos aumentou 61,45% em 10 anos, a comunidade católica sofreu uma queda de 1,3% no índice de fieis no mesmo período. É o que aponta o último Censo Demográfico do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2000, cerca de 26,2 milhões se disseram evangélicos. Em 2010, eles passaram a ser 42,3 milhões. Ainda assim o país ainda segue com maioria católica. O número de católicos foi de 123,3 milhões em 2010, cerca de 64,6% da população. No levantamento feito em 2000, eles eram 124,9 milhões, ou 73,6% dos brasileiros.

Ainda assim Damasceno diz que a eleição do papa Francisco trouxe uma esperança para a comunidade brasileira e mundial. “Gerou muita esperança na Igreja Católica, uma expectativa muito positiva. Mas é muito difícil quantificar essa mudança no aumento do número de fiéis. O que a gente percebe ouvindo e vendo é que há uma expectativa positiva, alegre e esperançosa para o seu pontificado”, complementou o presidente da CNBB, que ressalta o acolhido do pontífice, principalmente pela capacidade de atração que o argentino naturalmente tem.

“E isso tem sido comprovado com o aumento de romeiros e visitantes em Roma. O número de peregrinos está aumentando cada vez mais, sobretudo nas audiências públicas de quarta-feira e no Angelus, no domingo. Estão falando em cerca de 200 mil pessoas por semana”. Esse poder de atração é justificado por Damasceno, principalmente por causa de sua simplicidade e a sua informalidade que o aproximam do povo.

Mas o arcebispo brasileiro relaciona a eleição do papa Francisco à reaproximação da Igreja Católica ao sua missão. “A igreja existe para evangelizar. O que significa que a igreja deve cuidar daqueles que a frequentam, que participam da vida das nossas comunidades, mas que também precisa sair ao encontro dos que estão distantes.” Ele, no entanto, afirma que a mudança da postura da comunidade católica nada tem a ver com o crescimento da Igreja Evangélica.

“Não é uma resposta aos evangélicos. Fazemos isso por questão de missão, de objetivo, de finalidade. Muitas vezes nós nos acomodamos e precisamos sair desse comodismo. Isso está muito claro na visão do papa Francisco”, completou dom Damasceno, que garantiu que a Igreja Católica não pretende discriminar ninguém, apesar de não concordar com certos comportamentos da atualidade, tais como o casamento gay, a eutanásia e o divórcio.

A igreja, como ele apontou, não discrimina pessoas, “mas não pode concordar com certas posições que se opõe ao seu ensinamento ético”. “Não podemos equiparar um casamento com duas pessoas do mesmo sexo com outro entre um homem e uma mulher. Não é mesma coisa. Com todo respeito aos que optam por esse caminho. A igreja também não pode aprovar a eutanásia, porque a vida é um dom de Deus. A igreja não pode aprovar o divorcio e não pode dizer que o divorcio é um caminho normal, embora respeite quem fez essa opção”, exemplifica.

Mesmo assim quase metade dos casais homossexuais brasileiros (47,4%) se autodeclaram católicos, segundo dados do Censo Demográfico 2010 divulgados pelo IBGE.

3G só cobre metade do Brasil

Lançada em 2008, tecnologia está presente em 2.827 municípios

Marcelo Gripa, no Olhar Digital

Enquanto as operadoras promovem amplamente o 4G, a tecnologia antecessora demora a se espalhar por todo o território brasileiro. Cinco anos depois de lançado, o 3G chega atualmente a 2.827 municípios, pouco mais da metade dos 5.570.

Levantamento feito pela Agência Nacional de Telecomunicações a pedido doOlhar Digital aponta que nenhum Estado ainda é inteiramente coberto pela terceira geração de telefonia, incluindo São Paulo e Rio de Janeiro. Minas Gerais é a região com o maior número de locais descobertos (362).

Quando assinaram os contratos para operar o 3G, em abril de 2008, as operadoras se comprometeram a levar a tecnologia a todas as cidades com até 100 mil habitantes em cinco anos, prazo já expirado. Uma localidade é considerada atendida quando a área de cobertura contenha, pelo menos, 80% da área urbana.

Confira no mapa onde o 3G ainda não chegou:

Reprodução

Para garantir a extensão da banda larga móvel à totalidade dos municípios, houve contrapartida na concessão das licenças do 4G. Ao concordarem com os termos de autorização para operar a tecnologia, as telefônicas garantiram à Anatel que toda a população — incluive nas áreas rurais — terá acesso à internet móvel até 2015.

A exploração vem sendo feita por meio de radiofrequências que ficam entre 451 MHz e 458 MHz e entre 461 MHz e 468 MHz. As faixas menores foram destinadas para oferta de serviços de voz e dados em regiões que ficam até 30 km afastadas das sedes municipais (as áreas urbanas), inclusive dentro das chamadas escolas rurais.

De acordo com o cronograma da agência, até 30 de junho de 2014 30% das sedes municipais precisam contar com serviços de banda larga com taxa de transmissão de 256 kbps de download e 128 kbps de upload, sujeitos a uma franquia mínima de 250 MB por mês.

O percentual de locais atendidos subirá gradativamente, indo para 60% das cidades em 31 de dezembro de 2014 e 100% em 31 de dezembro de 2015. Até 31 de dezembro de 2017, a velocidade terá de dar um salto para 1 Mbps de download e 256 kbps de upload, mantendo a franquia mensal de 500 MB.

Se não cumprirem as metas, as operadoras estão sujeitas a punições. Entre penalidades de naturezas variadas, a Anatel pode aplicar multa de até R$ 50 milhões caso considere que a infração em questão prejudica o setor.

Clique aqui para ver a lista completa dos municípios brasileiros que ainda não possuem acesso ao 3G.

A cada 15 segundos brasileiro é vítima de fraude na internet, diz Serasa

fraudes-internet

Publicado no IDG Now

A cada 15,6 segundos um consumidor brasileiro é vítima de tentativa de furto de documentos pessoais, destinado a permitir que bandidos possam usar as informações, obtidas ilegalmente, para obter crédito ou para fechar negócios, transferindo a dívida para o titular dos documentos, segundo o Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraudes.

De janeiro a maio de 2013, a Serasa registrou 837.641 tentativas de fraude, número 2,3% superior em relação ao do mesmo período do ano passado (818.629 registros). As fraudes mais comuns ocorrem no setor de telefonia: foram 330.920 casos de janeiro a maio de 2013, 40% do total. O setor de serviços, que compreende seguradoras, construtoras, imobiliárias e serviços em geral, vem em segundo lugar, com 268.628 registros, 32% do total ocorrido no período.

“É comum as pessoas fornecerem seus dados pessoais em cadastros na internet sem verificar a idoneidade e a segurança dos sites. Os golpistas costumam, por exemplo, comprar telefone [com dados falsos] para ter um endereço e comprovar residência, por meio de correspondência e, assim, abrir contas em bancos para pegar talões de cheque, pedir cartões de crédito e fazer empréstimos bancários em nome de outras pessoas”, destaca em nota a Serasa.

De acordo com o levantamento, a principal tentativa de golpe se dá na emissão de cartões de crédito, quando o golpista solicita um cartão usando identificação falsa ou roubada, deixando a conta para a vítima e o prejuízo para o emissor do cartão.

A Serasa aconselha o consumidor a adotar cuidados em seu dia a dia para se proteger das fraudes, como não fornecer dados pessoais para pessoas estranhas, não confirmar informações pessoais ou número de documentos pelo telefone; não perder de vista documentos de identificação e não informar os números dos documentos, quando do preenchimento de cupons para participar de sorteios ou promoções de lojas.

É indicado também evitar fazer cadastros em sites que não sejam de confiança, ter cuidado ao publicar dados pessoais nas redes sociais e manter atualizado o antivírus do computador. Deve-se fazer boletim de ocorrência policial logo após a perda ou o furto de documentos.

‘Tuenti é mais seguro do que Facebook’, diz criador

Executivo garante que rede espanhola que desembarca no Brasil incentiva compartilhamento de conteúdo apenas entre ‘amigos de verdade’

Zaryn Dentzel, fundador da rede social Tuenti (Divulgação/Tuenti)

Zaryn Dentzel, fundador da rede social Tuenti (Divulgação/Tuenti)

Publicado na Veja

“A privacidade e a intimidade ganharão relevância à medida que os usuários tenham consciência do seu valor”, diz Zaryn Dentzel, de 30 anos, fundador do Tuenti. A rede social que acaba de chegar ao Brasil foi lançada na Espanha em 2006 e possui 15 milhões de usuários em todo o mundo. O diferencial, segundo o empreendedor, está na segurança dos dados dos cadastrados. Há pelo menos duas razões para isso: o Tuenti não permite que os perfis de usuários sejam indexados por buscadores a privacidade máxima é padrão na configuração das contas. Ainda de acordo com o fundador, a startup incentiva o compartilhamento de conteúdo apenas com amigos próximos: “O usuário pode conversar com qualquer contato, mas só compartilha fotos e informações pessoais com os amigos de verdade”, diz. O modelo de negócio adotado pelo Tuenti para a publicidade também difere do mercado de redes sociais. O serviço apenas vende espaços para anúncios na versão web e na linha do tempo do usuário no formato de um banner. Portanto, não são exibidos posts patrocinados, como ocorre nos similares. Na entrevista a seguir, Dentzel conta como pretende enfrentar a supremacia do Facebook no Brasil.

Porque você decidiu trazer o Tuenti para o Brasil? Queremos apresentar uma alternativa a outras plataformas e acreditamos que há um espaço interessante no mercado para um serviço que aposta na privacidade como um diferencial. O Tuenti é uma rede social e um serviço multiplataforma de mensagens instantâneas que funciona na versão web e também em aplicativos. Trata-se, dessa forma, de uma ferramenta de comunicação social privada, segura e gratuita, disponível em doze idiomas para Android, iPhone, Blackberry, Windows Phone e Firefox OS. Os usuários podem desfrutar de uma plataforma social e de um chat graças ao serviço “cross-platform”, que inclui também recursos na nuvem.

Qual é a principal diferença entre o Tuenti e o Facebook? O Tuenti inclui as melhores funcionalidades de mensagem instantânea e rede social. O serviço é focado na privacidade e na simplicidade e supera, nesse sentido, limitações importantes de outras ferramentas. O Tuenti é muito mais privado e seguro do que o Facebook. Além de ser multiplataforma, todas as conversas e todas as informações não dependem de um único computador ou de um telefone – você pode começar uma conversa no smartphone e terminá-la em um PC. Essa é uma grande vantagem em relação à maioria dos serviços de mensagens instantâneas.

Por que você acha importante compartilhar alguns conteúdos apenas com amigos próximos? A privacidade e a intimidade ganharão relevância à medida que os usuários tenham consciência do seu valor. Oferecemos um produto mais completo, melhor e mais atrativo, que aposta precisamente na privacidade e na relação com os amigos próximos. Na realidade, ninguém tem milhares de amigos e os amigos dos amigos não precisam ter acesso ao que você compartilha. Nossa abordagem desde o início do Tuenti segue esse princípio: o usuário pode conversar com qualquer contato, mas só compartilha fotos e informações pessoais com os amigos de verdade.

Divulgação/Tuenti

Divulgação/Tuenti

Quais são suas expectativas em relação ao Tuenti no Brasil? O país é a segunda maior comunidade no Facebook. Como isso pode ajudar o Tuenti a se tornar uma rede social relevante por aqui? No setor de internet, o produto é chave. Estamos apresentando uma alternativa que poder ocupa um espaço interessante no mercado, principalmente se levarmos em conta que nosso diferencial é a privacidade. O boca a boca é uma grande ferramenta que funciona muito bem quando um serviço atende às necessidades do usuário. Isso agrega valor ao produto. Começamos com o pré-lançamento, há alguns meses, e nosso objetivo é explicar como vemos o futuro da comunicação social e como a nossa ferramenta pode ajudar nesse novo cenário.

Quem são seus principais investidores? O Tuenti foi lançado em 2006. Ao longo de nossa história, tivemos muitos investidores, mas desde 2010 a Telefónica se tornou nosso maior e principal investidor. Trata-se de um sócio estratégico de grande relevância. As duas companhias são de comunicação e isso nos ajudará a crescer.

Quantos brasileiros estão cadastrados no Tuenti? A rede possui mais de 15 milhões de usuários na versão web e 6 milhões na versão mobile em todo o mundo. Embora seja verdade que o Tuenti já possua milhares de cadastrados no Brasil, ainda é cedo para pensar em resultados. O público ainda não conhece a ferramenta e a chegada do serviço ao país vai despertar o interesse dos brasileiros.